Acreanos vão às ruas neste sábado em ato contra Bolsonaro e Mourão

Em Rio Branco, a manifestação vai ccomeçar na Gameleira, Segundo Distrito da cidade

Em todo o país, os movimentos populares organizam uma nova manifestação presencial contra o governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL). No Acre, o ato deste sábado, 19, será promovido na capital e interior do estado.

O protesto ocorre alguns dias após o 29 M – manifestação nacional de 29 de maio, que mobilizou milhares brasileiros, em todos os estados da federação.

Será a segunda manifestação presencial em menos de 1 mês

“Queremos vacina para todos e todas, pois o mínimo que está disponível só atende as categorias profissionais que estão no mercado de trabalho. E o povo negro, em especial, as mulheres ficam de fora já que o povo negro está fora do mercado de trabalho formal”, salienta a socióloga Maria Santiago de Lima, que é diretora de formação do Movimento Negro Unificado no Acre (MNU/AC).

Ainda segundo Santiago, o protesto também reivindica o auxílio emergencial de R$ 600, até o fim da pandemia. Os organizadores do ato pedem que as pessoas usem máscaras, levem álcool em gel e tomem todos os cuidados previstos pelos órgãos de Saúde.

“Precisamos combater a miséria no país, que é fruto do projeto de governo Bolsonaro. Hoje, o Brasil vive o aumento da fome e da miséria, bem como da violência em todos os sentidos e o aumento da corrupção e do crime organizado, através das milícias”, acrescenta a socióloga.

Rio Branco e Cruzeiro do Sul

Em Rio Branco, a concentração está marcada para às 16 horas, na Gameleira – Segundo Distrito da cidade. Já em Cruzeiro do Sul, a manifestação começa às 8 horas, em frente ao colégio São José.

De acordo com os organizadores do protesto, o governo federal tem sido apontado como o principal responsável pela extensão e agravamento da pandemia da Covid-19 no país, que já ceifou mais de 490 mil vidas, pelo aprofundamento do desemprego e da fome entre brasileiros e brasileiras.