Missão Artemis I decola em um salto histórico para o programa lunar da Nasa

Após três tentativas, o foguete decolou às 3h47 desta quarta-feira mesmo enfrentando problemas técnicos no meio do caminho.

Momento em que a Nasa lança a missão Artemis I

A histórica missão Artemis I decolou nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira (16), após meses de espera. O imponente sistema de lançamento espacial de 98 metros de altura acendeu seus motores às 3h47 (horário de Brasília).

O evento marcante deu início a uma jornada que enviará uma espaçonave não tripulada ao redor da lua, abrindo caminho para a Nasa levar os astronautas à superfície lunar pela primeira vez em meio século.

No topo do foguete está a espaçonave Orion, uma cápsula em forma de goma que se separou do foguete depois de chegar ao espaço. Orion foi projetado para transportar humanos, mas seus passageiros para esta missão de teste são da variedade inanimada, incluindo alguns manequins que coletam dados vitais para ajudar futuras tripulações vivas.

Orion agora está voando em órbita com apenas um grande motor. Esse motor emitirá duas queimas poderosas nas próximas horas para colocar a espaçonave na trajetória correta em direção à lua. Então, cerca de duas horas após a decolagem, o motor do foguete também cairá, e Orion será deixado para voar livremente pelo restante de sua jornada.

Espera-se que a cápsula percorra cerca de dois milhões de quilômetros, seguindo um caminho que a levará mais longe do que qualquer outra espaçonave projetada para o voo humano já percorreu, de acordo com a Nasa. Depois de orbitar a lua, Orion fará sua viagem de volta, completando sua jornada em cerca de 25 dias.

A cápsula está programada para cair no Oceano Pacífico, na costa de San Diego, em 11 de dezembro, quando as equipes de resgate estarão esperando nas proximidades para rebocá-la em segurança. Ao longo da missão, os engenheiros da Nasa estarão de olho no desempenho da espaçonave. A equipe avaliará se o Orion tem o desempenho pretendido e estará pronto para apoiar sua primeira missão tripulada à órbita lunar, atualmente programada para 2024.

Esta missão também marca o voo de estreia do foguete SLS como o mais poderoso de todos os tempos a atingir a órbita da Terra, com 15% a mais de empuxo do que o foguete Saturn V que impulsionou os pousos lunares da Nasa no século XX.

E esta missão é apenas a primeira de uma longa série de missões Artemis cada vez mais difíceis, enquanto a Nasa trabalha em direção ao seu objetivo de estabelecer um posto avançado permanente na lua.

O Artemis II seguirá um caminho semelhante ao Artemis I, mas terá astronautas a bordo. Espera-se que o Artemis III, previsto para o final desta década, leve uma mulher e uma pessoa de cor à superfície lunar pela primeira vez.

A equipe da missão encontrou uma série de contratempos antes do lançamento na manhã desta quarta, incluindo problemas técnicos com o mega foguete lunar e dois furacões que passaram pelo local de lançamento.

Abastecer o foguete SLS com hidrogênio líquido superresfriado provou ser um dos principais problemas que forçou a Nasa a desistir das tentativas anteriores de decolagem, mas na terça-feira os tanques foram preenchidos apesar dos problemas de vazamento que interromperam o abastecimento horas antes do lançamento.

“Em nome de todos os homens e mulheres em nossa grande nação que trabalharam para reunir este hardware para tornar este dia possível, e para a geração Artemis, isto é para você”, disse Charlie Blackwell-Thompson, diretor de lançamento do Artemis.