Vacina contra a Covid-19 para crianças deve chegar ao Acre no dia 18 de janeiro, diz PNI

As equipes de saúde, tanto da capital como do interior do estado, já começaram a receber capacitação necessária para imunizar esse grupo desde a última sexta-feira (7). O treinamento é feito de forma on-line.

A vacina contra a Covid-19 destinada a crianças de 5 a 11 anos deve chegar ao Acre na próxima terça-feira (18). A informação foi confirmada ao g1 pela gerente do Programa Nacional de Imunização do Estado (PNI), Renata Quiles.

“A previsão de entrega das vacinas para o Acre está para dia 18, por enquanto, mas pode haver alterações. Mas, só estará disponível para o interior do estado de 24 a 48 horas após a chegada aqui na Central. Cada município pode ir iniciando conforme forem recebendo as doses”, afirmou Renata.

As equipes de saúde, tanto da capital como do interior do estado, já começaram a receber capacitação necessária para imunizar esse grupo desde a última sexta-feira (7). O treinamento é feito de forma on-line.

A estimativa da Secretaria de Saúde do Estado (Sesacre) é imunizar aproximadamente 120 mil crianças de 5 a 11 anos.

O PNI do Acre tem um cronograma de treinamento das equipes e não haverá cadastramento de crianças. Alguns estados brasileiros fizeram o cadastro de crianças enquanto esperam o envio de doses do governo federal.

O Ministério da Saúde informou que o primeiro lote de vacinas pediátricas deve chegar ao país no próximo dia 13. A distribuição aos estados começará a ser feita no dia seguinte, se o cronograma for cumprido.

Não será exigida receita médica

O Acre não vai exigir prescrição médica para vacinar crianças entre 5 e 11 contra a Covid-19, segundo a Sesacre. Em dezembro do ano passado, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, chegou a afirmar que recomendaria a cobrança do documento.

No último dia 5, o Ministério da Saúde divulgou as regras para a vacinação de crianças de 5 a 11 anos – e abriu mão da exigência de receita médica para imunização desta faixa etária.

De acordo com o governo, a vacinação infantil ocorrerá:

em ordem decrescente de idade (das crianças mais velhas para as mais novas), com prioridade para quem tem comorbidade ou deficiência permanente e para crianças quilombolas e indígenas;

sem necessidade de autorização por escrito, desde que pai, mãe ou responsável acompanhe a criança no momento da vacinação;

com intervalo de oito semanas – um prazo maior que o previsto na bula, de três semanas. (Por Iryá Rodrigues / G1 Acre)