Vereador Fábio Araújo cobra Bocalom “nós precisamos que o prefeito compareça para prestar esclarecimentos “

Na sessão online da Câmara Municipal, nesta quinta-feira (18), o vereador Fábio Araújo, líder do PDT na Casa, voltou a cobrar respostas do prefeito Tião Bocalom e sua presença na cidade que enfrenta situação de emergência, uma vez que ele usou como justificativa mais uma ida à Brasília, já na próxima semana, para somente comparecer em plenário virtual, atendendo a requerimento dos vereadores, no dia 02 de março.


“Nós precisamos que o prefeito compareça para prestar esclarecimentos sobre as ações da Prefeitura em relação à pandemia de Covid-19, o surto de dengue e a assistência do Município diante da alagação”, disse o vereador, que apresentou requerimento da bancada do PDT, aprovado pela Câmara na semana passada.


Fábio Araújo questiona ainda as justificativas do prefeito para suas constantes idas à capital federal.


“O que questiono é que, sempre sob alegação de buscar recursos, o prefeito se ausenta quando a população mais precisa como fez na primeira semana desse mês, quando os igarapés inundaram casas e desabrigaram pessoas e Bocalom estava ausente, em Brasília, dizendo que precisou protocolar um pedido R$ 200 milhões para recuperação do Igarapé do São Francisco. Recursos esses que já foram anunciados pelo o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Sales, ainda no ano passado, antes mesmo de ele ser candidato a prefeito”, ressaltou ao reproduzir para seus pares um vídeo postado em redes sociais, com data de 16 de julho de 2020, em que o ministro aparece com o senador Márcio Bittar, a deputada Jéssica Sales e o deputado estadual Roberto Duarte, todos do MDB.


Para o vereador pedetista, as alegações do prefeito não se sustentam. “Não justifica a ida do prefeito a Brasília no momento em que nossa população mais precisa da presença dele aqui. Quero mais uma vez pedir a atenção do prefeito a gente precisa cuidar do nosso povo, a gente precisa cuidar da cidade de Rio Branco. Brasília não alaga e suas idas lá podem ficar para depois que essa situação ode emergência passar.”, concluiu.

Antonio Morais – O xerifão do Calafate que virou presidente da Câmara Municipal de Rio Branco

O espírito de liderança sempre foi a marca presente na carreira futebolística do ex-zagueiro Antônio Lira de Morais, 53 anos, hoje presidente da Câmara Municipal de Rio Branco. Oriundo de família tradicional da política acreana, onde o saudoso pai, o ex-vereador Cosmo Morais, era a grande referência, foi capitão na maioria dos clubes por onde passou.

Com a carreira iniciada na base do Fluminense do Calafate – no início dos anos de 1980 após convite do xará Antônio Lira, Morais tinha como principais características o vigor físico, a antecipação, o bom jogo aéreo e, ainda, a bola parada, virtudes essas que contribuíram decisivamente para conquistar 25 títulos no futebol amador. O espírito de liderança e as boas apresentações no futebol amador chamaram atenção dos dirigentes da Associação Desportiva Vasco da Gama-AC, único clube profissional defendido por Morais durante a carreira, nas temporadas de 1985 a 1989.

Na década de 1990, os afazeres profissionais e familiares fizeram o zagueiro trocar as chuteiras de trava alta pela prancheta de treinador. O novo cargo rendeu ao ex-zagueiro três títulos no futebol amador. Os bons números colecionados durante sua passagem pelo futebol amador (maior vencedor das competições organizadas pela Liga Rio-branquense de Futebol) renderam há alguns anos ao ex-jogador e técnico uma honraria concedida pela referida entidade. “Recebi com grande alegria uma homenagem magnífica proferida pelo desportista Eneas Reginaldo (presidente da Liga Rio-branquense de Futebol) à minha pessoa. O prêmio me deixou lisonjeado e muito feliz pelo reconhecimento quando da minha vitoriosa carreira no futebol amador”.

As camisas e os títulos conquistados durante a carreira

Com mais de 25 títulos conquistados na carreira, 14 deles durante a disputa dos campeonatos de Férias – dez como atleta, dois como técnico e outros dois como dirigente, o ex-zagueiro Antônio Morais tem como título de maior expressão a conquista do “Torneio da Imprensa”, em 1987, vestindo a camisa do Vasco da Gama, equipe da elite do futebol profissional. No entanto, o ex-xerifão garante que a conquista invicta do Campeonato de Férias de 1989, com a camisa da Vila Nova, equipe que ficou 73 partidas invictas, teria sido algo marcante na sua carreira futebolística.

Em 20 anos de carreira no futebol amador, o zagueiro Antônio Morais vestiu as camisas das equipes do Fluminense do Calafate, Vila Nova, União do Calafate, União da Isaura Parente, Barcelona, Bonsucesso, Bela Vista, Flamenguinho e Henrique Lima. No entanto, ele garante que o Fluminense do Calafate tem um lugar guardado ao lado esquerdo do seu coração. “O Fluminense do Calafate abriu as portas para o início da minha carreira no futebol amador. Foi lá que fiz o meu nome e conquistei um tricampeonato no futebol amador, algo que jamais esquecerei na vida”.

E se na política o ex-zagueiro Antonio Morais tinha como espelho o pai Cosmo Morais, no futebol a referência era o irmão e ex-deputado estadual Lira Morais, esse por várias oportunidades o homem gol da família Morais nas competições amadoras, com passagem, inclusive, pela equipe de juniores do Independência e também vestindo as camisas das equipes do Delta, Vila Nova, Fluminense do Calafate e Esperança, times competitivos do futebol amador.

A seleção do amador e o olhar social

Mesmo buscando uma reeleição a um terceiro mandato à Câmara Municipal de Rio Branco, o vereador Antonio Morais (PSB) mostrou autenticidade e, num piscar de olhos e sem medo de perder votos, elegeu sua seleção do futebol amador da seguinte maneira: Almiro (goleiro); Carlinhos de João Lopes (lateral direito), Antônio Morais e Tonhão do Barro Vermelho (zagueiros) e Vildomar (lateral esquerdo); Severo Morais e Maurício (volantes) e Valnei e Antônio José Serra (meias); Albenes e Cleudo Chefe (atacantes).

Com olhar saudosista, o vereador relembrou o início da carreira, precisamente nos primeiros anos de 1980, quando falou com tom emocionado do futebol de várzea praticado no campo de terra batida do Calafate, então área rural de Rio Branco, mas hoje um dos bairros mais populosos de Rio Branco. “Lembro que na década de 1980 tínhamos campeonatos de juniores e adultos que abriam o calendário futebolístico amador de Rio Branco, isso tudo lá no campo lá Calafate. Também nesta época, lembro da equipe do Fluminense do Calafate, time que era composto por atletas do próprio bairro e adjacências, onde podemos citar alguns deles de bom nível técnico como Kiko Morais, ex-deputado estadual, Acreano, ex-jogador de Rio Branco, Independência e Vasco entre outros, onde posso me citar.

Com a alma do assistencialismo social e também do amor ao próximo correndo nas veias diariamente, Antônio Lira aposta que a educação e a prática esportiva são duas ferramentas importantes para a transformação positiva de uma sociedade. “Uma criança bem alimentada, educada e realizando diariamente práticas esportivas tem tudo para se tornar num profissional produtivo para uma sociedade”, comentou o vereador Antonio Morais.

namarcadacal