“Se temos uma vacina que pode proteger nossas crianças, porque não fazê-lo?”, diz o médico Osvaldo Leal

O principal objetivo é apresentar os dados e estudos da vacina, que comprovam o seu funcionamento, de maneira mais palpável e de fácil entendimento.

O Telessaúde Acre vem realizando uma série de palestras acerca da importância da vacinação do público infantil. Os eventos acontecem através do canal no YouTube do Telessaúde.

Na última segunda-feira, 14, o médico Osvaldo Leal e a pediatra Alexsandra Magalhães falaram sobre os empecilhos que fazem com que a vacinação infantil esteja aquém do desejado.

O principal objetivo é apresentar os dados e estudos da vacina, que comprovam o seu funcionamento, de maneira mais palpável e de fácil entendimento. “A gente tem que começar a falar na linguagem popular, sair um pouco da linguagem científica, passar para a população o que está comprovado, das 8 milhões de crianças que se vacinaram e estão bem.”, disse Alexsandra.

“Nós precisamos estar abertos a responder as perguntas, pois as fake news tomam maior proporção e tomam maior lugar na mídia do que as verdades”, continua ela.

Osvaldo falou um pouco sobre a vacinação infantil. “A Covid-19 também acomete crianças e algumas desenvolvem quadros graves durante a infecção e sequelas duradouras. Nesta faixa de idade (5 a 12 anos incompletos) o Brasil registrou mais de 300 óbitos. 11 óbitos ocorreram no Acre. Se temos uma vacina que pode proteger nossas crianças, porque não fazê-lo?”, falou Leal.

O médico também comentou sobre a tradição da vacinação de crianças no país. 

“É importante lembrar que já faz parte da nossa cultura em saúde pública vacinar nossas crianças protegendo-as contra mais de uma dezena de doenças potencialmente graves como sarampo, paralisia infantil, hepatites A e B, febre amarela, por exemplo. A vacina contra a COVID-19 é mais uma que passa a fazer parte dessa estratégia bem-sucedida de proteção individual e coletiva.” finaliza ele.