Ordem de guerra entre facções na fronteira com o Acre saiu de presídio em Campo Grande (MS)

O Serviço de Inteligência da Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Acre, afirmou que a ordem para que se iniciasse uma guerra entre facções na fronteira do Acre com a Bolívia e o Peru partiu de dentro de um presídio de Campo Grande, no estado do Mato Grosso do Sul. 

A informação foi confirmada pelo secretário de Justiça e Segurança Pública, coronel Paulo Cézar Rocha dos Santos, em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira, 16, logo depois de reunião com as forças policiais para traçar estratégias para debelar a onda de execuções nos municípios de Brasileia e Epitaciolândia (ambos a 240 quilômetros de Rio Branco). 

“O indivíduo que tentou instalar o caos no nosso estado cumpre pena em um presídio de Campo Grande. E, em contato da nossa Inteligência com a secretaria de Segurança sul-mato-grossense, os agentes de lá foram informados que a tal liderança possuía quatro celulares na cela que eram utilizados para se comunicar com os comparsas no Acre”, explica o secretário de Segurança.   

Os criminosos tentam ganhar espaço na região para controlar o fluxo de entorpecentes que entra no Brasil pelos dois países. Ainda de acordo com Cézar dos Santos, uma força-tarefa já foi criada para robustecer as ações contra os criminosos.

A reunião desta quarta-feira,16, com as direções e os comandos-gerais das polícias, serviu para alinhar medidas de reforço para restabelecer a tranquilidade na região, que se dará por meio do aumento do efetivo policial, porém utilizando os comandos de elite das polícias.

“Esta força-tarefa é composta por homens e mulheres da Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil (Core), do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope), dos integrantes da Polícia Penal, do Grupo Especial de Fronteira (Gefron) e do Centro Integrado de Operações Aéreas, Ciopaer, todos atuando diretamente na região e reforçando o trabalho da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e do policiamento de trânsito da PM”, afirmou o secretário titular da Sejusp.

Entre a última sexta-feira, 11, e a noite desta terça, 15, pelo menos 4 indivíduos foram executados por criminosos rivais em Epitaciolândia e Brasileia. Um quinto homem foi morto na noite de terça-feira, depois de ter lançado uma granada contra as forças do estado, durante um cerco policial.

Cinco presos e um com granada abatido 

Para o subcomandante-geral da PMAC, coronel Atahualpa Ribera, há um batalhão permanente da corporação na região, mas agora é preciso atuar mais intensamente.

“E já estamos fazendo isso. Nesta terça-feira, prendemos cincos indivíduos que estavam fazendo roubos nas cidades de Brasileia e Epitaciolândia e, infelizmente, tivemos que neutralizar um que lançou uma granada contra a polícia. Felizmente, o artefato não foi detonado. Mas o que queremos dizer às pessoas que moram na fronteira é que elas não estão desassistidas. Somos o braço de defesa da sociedade e assim vamos agira, agora com muito mais intensidade do que antes”, destacou Ribera.

O diretor-geral de Polícia Civil, delegado José Henrique Maciel, ressaltou que dois delegados estão se deslocando para as duas cidades, para reforçar o trabalho da polícia judiciária. “Sabemos do reforço que a região requer neste momento, e a Polícia Civil, sem dúvidas, atuará com veemência e em consonância com as demais polícias, para combater esses ilícitos, que sabemos, têm como origem o tráfico de drogas na região”.