ONG coloca Rio Branco como a 33ª cidade mais violenta do mundo

Capital acreana é a única que aparece entre as cidades da região Norte e divide números trágicos com cidades do Nordeste

REPÓRTER OPINIÃO

A organização não-governamental (ONG) ‘Conselho Cidadão para Segurança Pública e Justiça Penal’, com sede no México, apontou Rio Branco, capital do Acre, entre as 33 cidades mais violentas do mundo, de um ranking de 50 espalhadas pelo mundo.

O Conselho Cidadão para Segurança Pública e Justiça Penal é uma das principais entidades internacionais no monitoramento de taxas de crimes violentos, segurança pública, narcotráfico e políticas de governo.

Para fazer o ranking, a instituição leva em consideração as taxas de homicídios de cidades com mais de 300 mil habitantes e calcula o índice por número de homicídios a cada 100 mil habitantes.

Segundo a ONG, a capital dos acreanos apresentou uma taxa de 173 homicídios no ano passado para uma população de 413.418 habitantes (taxa de 41,85), o que a fez ser incluída na lista das 50 cidades mais violentas do mundo em 2020.

O levantamento é feito e divulgado anualmente, há 13 anos. O principal critério da instituição é usar informações com base em fontes oficiais, como secretarias de segurança, ou de fontes alternativas, entre elas jornais e portais de notícias.

Foto: Marcos Vicentti
Foto: Marcos Vicentti

Sobre Rio Branco, a reportagem do OPINIÃO também verificou, na página da ONG na internet, que ela faz uma crítica à Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública ao dizer que a pasta “não oferece o mínimo de informação de incidência criminal”. E prossegue, mencionando que essa situação é “mais um caso de completo apagão [de dados sobre crimes]”.

No entanto, para justificar a forma como chegou à conclusão sobre a capital dos acreanos, a ONG mexicana afirma que recorreu aos dados fornecidos pelo Ministério da Justiça do Brasil, que revelou 159 homicídios de janeiro a novembro de 2020. “[Depois] Calculamos 14 homicídios em dezembro para dar o total de 173”, explica a entidade.
No ranking das 50 cidades mais violentas do mundo, o Brasil aparece apenas com municípios de seis estados nordestinos, além do Acre, na região Norte. A Bahia é o estado brasileiro que mais aparece na lista, com três cidades.

Em seguida estão Rio Grande do Norte e Pernambuco, com duas cidades cada uma. Ceará, Alagoas e Piauí também estão presentes no estudo, com suas capitais na lista.

Entenda o critério da entidade para classificar a capital do estado do Acre

OPINIÃO verificou que o método da ONG para classificar as cidades mais violentas não retrata a realidade de muitas regiões em razão de um critério que ela mesmo explica no seu portal.

“Existem muitas cidades com taxas mais elevadas que as 50 mencionads, no entanto, elas não estão dentro do requisito de ter uma população de 300 mil habitantes, como é o caso das cidades colombianas de San Andrés de Tumaco (taxa de 87,15) e Tuluá (taxa de 66,89), ou ainda a mexicana Manzanillo (145.53), só para citar algunas exemplos”, diz o Conselho Cidadão para Segurança Pública e Justiça Penal.

A ONG continua, pontuando o seguinte: “Também há dezenas de municípios no Brasil, na Venezuela, no México, em Honduras e em El Salvador, em condição parecida, mas elas não são cidades em si, mas parte de outras, além do que não têm mais de 300 mil habitantes”.

“Esta é a mesma razão pela qual são excluídas cidades como Belize e Nassau, na América [Central] e algumas [cidades] da África”, continua a ONG.

“Procuramos, sempre que seja possível, que estas cidades sejam unidades urbanas integradas e não localidades que são [apenas parte delas], independente das jurisdições político-administrativas”, acrescenta ainda o Conselho Cidadão para Segurança Pública e Justiça Penal.

Confira a lista das 50 cidades mais violentas do mundo em 2020