Justiça mantém prisão preventiva de advogado que atropelou quatro pessoas na capital

O carro do advogado invadiu a contramão e atingiu três motocicletas, sendo que os condutores de duas motos tiveram ferimentos expostos e foram levados ao Pronto Socorro em estado grave.

A Justiça do Acre manteve a prisão preventiva do advogado Antônio Djan Damasceno Melo, preso em flagrante com sinais de embriaguez na tarde de sexta-feira, 7, após atropelar quatro pessoas na Avenida Getúlio Vargas, em Rio Branco. Ele passou por audiência de custódia no sábado, 8.

O carro do advogado invadiu a contramão e atingiu três motocicletas, sendo que os condutores de duas motos tiveram ferimentos expostos e foram levados ao Pronto Socorro em estado grave. As duas vítimas passaram por cirurgia e, de acordo com informações da direção do PS, passam bem.

Na terceira moto, o garupa não teve nenhuma lesão e a motorista teve ferimentos leves.

Após o incidente, o advogado foi encaminhado à Delegacia de Flagrantes (Defla) pela Polícia Militar, onde se recusou a fazer o teste do bafômetro.

Ao ser ouvido pelo delegado Adriano Araújo, Melo negou a ingestão de bebida alcoólica, mas afirmou o uso de medicamento controlado.  “Ele estava com os olhos avermelhados, não falava coisas coerentes. PM disse que ofereceu o teste e ele recusou, mas ele disse que, primeiramente, não fez porque não havia necessidade, não tinha bebido. Depois falou que não ofereceram. Foi meio incoerente”, falou o delegado.

E acrescentou: “os policiais militares falaram que estava em visível estado de embriaguez alcoólica, mas como não quis soprar o bafômetro, fizeram o alto de infração de trânsito constando o sinal de embriaguez e ainda constaram por inscrito que ele tinha confessado [no local do acidente] ter feito ingestão de cerveja 30 minutos antes do acidente”.

Adriano Araújo explicou que aguarda ouvir as vítimas e testemunhas do acidente, juntar o resultado da perícia e exames da polícia para concluir o inquérito. “Vou tentar localizar as vítimas, nenhuma se apresentou ainda na delegacia. Uma delas teve fratura exposta no fêmur, quebrou a bacia e teve uma fratura na perna esquerda. O homem teve fratura exposta no braço”, concluiu.

Preso em outras ocasiões – O advogado já foi preso em março de 2020 após se envolver em um acidente com um motociclista. Na época, ele também estava com sinais de embriaguez e não quis fazer o teste de bafômetro.

Em 2016, o advogado Antônio Djan Damasceno Melo foi preso pela Polícia Civil suspeito de ludibriar as pessoas que o contratavam. Ele não repassava os valores e dizia que entrava com as ações sem fazê-lo.