Gladson x Mazinho: uma guerra perdida

O prefeito Mazinho Serafim, de Sena Madureira, parece que ainda não entendeu que a briga com Gladson Cameli traz dividendos negativos apenas a ele. E não digo isso porque considero o progressista uma figura popular no município, mas devido os argumentos do próprio emedebista. É fácil provar quando são proferidas inverdades e o foi exatamente isso que aconteceu na suposta falta de combustível na ambulância do SAMU. Na realidade tratava-se de uma ambulância do município. Na ânsia de atingir o governo do Estado, o prefeito de Sena passa por cima da coerência, lamentavelmente.  

UMA BOA VINGANÇA

Falando em Mazinho, em uma live no começo da semana ele disse que vai andar de joelhos e de short caso o governo do estado inaugure ponte que liga o Centro da cidade ao Segundo Distrito. Essa é uma boa oportunidade para Gladson “se vingar” do emedebista.

EM CONVERSA

Enquanto esse emedebista se afasta cada vez mais do governo do Estado, tem outro que se aproxima. O ex-prefeito de Cruzeiro do Sul, Vagner Sales, vai comandar o processo de diálogo com o governador Gladson Cameli para decidir se o partido vai apoiar a reeleição dele ao governo em 2022 ou se vai buscar uma nova alternativa. O martelo foi batido no último final de semana por dirigentes partidários do MDB.

UM BOM ALIADO

Vagner Sales, que é o vice-presidente da sigla no Acre e forte liderança no Vale do Juruá, tem ao seu lado a esposa, deputada estadual Antonia Sales e a filha, a deputada federal Jéssica Sales. Sem contar sua liderança política, a força da família Sales o credencia ainda mais para essa abertura com Gladson Cameli.

RECLAMAÇÕES

Fontes emedebistas dizem que durante a reunião do diretório no Vale do Juruá, os membros da sigla reclamaram do distanciamento do partido com o Palácio Rio Branco. Dizem que foram deixados de lado após as eleições. A conversa entre Vagner Sales e Gladson Cameli, que deve ocorrer ainda esta semana, vai ser decisiva para a executiva do MDB no Juruá.

O VICE DE GLADSON

Alguns nomes já foram suscitados para ser vice do governador Gladson Cameli em sua reeleição. O secretário de Saúde, Alysson Bestene, o deputado federal Alan Rick, a deputada federal Jéssica Sales e a prefeita de Brasileia, Fernanda Hassem.

SEM CHANCE

Não vejo possibilidade de Fernanda ser a vice de Gladson. Sua trajetória no PT será o principal argumento dos apoiadores de Cameli para a recusa.

O PREFERIDO?

Nos bastidores dizem que o governador já declarou diversas vezes que seu desejo é que o vice seja Alysson Bestene. O que o Gladson precisa analisar é a expressão de votos que o secretário pode lhe trazer na reeleição. Isso é importante!

UMA BOA ESCOLHA

De todos os nomes levantados até aqui acredito que o que traria, sem dúvidas, uma grande expressão de votos é o deputado federal Alan Rick. Tem feito um bom trabalho pela população acreanas. É um apoiador fiel do governador Gladson Cameli. Conhecido em todos os municípios do Estado. Tem emendas em todos as cidades. Enfim…sua atuação parlamentar depõe a seu favor.

ACORDOS

Nos bastidores comenta-se que o possível apoio do MDB a reeleição de Cameli vai depender de sua escolha a vice. O partido trabalha com a possibilidade de indicar Jéssica Sales.

PENSAR BEM

Apesar de ainda falta bastante tempo para a eleição, não se pode deixar de lado esse debate. O Gladson deve pensar bem em que vai escolher para não cair em novo erro. Ter uma nova gestão com um vice inimigo só lhe trará ainda mais prejuízo.

ESVAZIAMENTO

Tão certo quanto dois mais dois são quatro, é a debandada de filiados do Solidariedade e Prós. Tem muita gente que ainda não aceitou a tomada da sigla da mão do Dêda. Já declararam que deixarão a legenda junto com ele. E da mesma forma acontece no SD. Já tem um grupo que não irá se curvar ao Moisés Diniz quando assumir oficialmente o partido.

NA CPI DA COVID-19

O Senado Federal decide nesta quarta-feira, 26, acerca da participação de governadores e ex-prefeitos na CPI da Covid-19, instalada pela Casa Legislativa. A decisão deve atender ao critério de onde houve operação da Polícia Federal por suspeita de desvio de recursos destinados ao combate à pandemia. Caso seja aprovada, a ex-prefeita e atual secretária de Educação do Estado, Socorro Neri deve ser convocada.

CPI DA LED I

Socorro Neri deverá ser também convidada pela Camara de Vereadores de Rio Branco para participar de uma Audiência Pública na próxima segunda-feira, 31, com o intuito de explicar o contrato da Prefeitura de Rio Branco com o Consórcio ‘Ilumina Rio Branco’.

CPI DA LED II

Dados apontam que mais de R$ 22,5 milhões foram gastos até dezembro do ano passado, quando o contrato foi suspenso a pedido do ex-secretário municipal de zeladoria, Kellyton Silva Carvalho, em carta destinada ao Consórcio Ilumina Rio Branco enviada uma semana após a derrota eleitoral da ex-prefeita Socorro Neri.

NORMAL

A especulação em torno do ex-prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre, na disputa a uma das vagas na Assembleia Legislativa do Acre na próxima eleição deve ser vista com naturalidade. Não creio que vá concorrer a um cargo majoritário, especialmente ao mesmo que lhe rendeu uma derrota no último pleito eleitoral. Entre o parlamento estadual e federal, aposto no primeiro.

DESPREOCUPADOS

Os casos da Covid-19 caíram consideravelmente no Estado. Isso tem feito com que a população se sinta mais segura em sair de casos. Até aí tudo certo! O problema é que estão deixando de lado as medidas adotadas pela OMS para evitar a propagação do vírus, como o uso de máscaras. Não se pode esquecer que a pandemia ainda não acabou.

NOVA ONDA

O ex-governador e infectologista Tião Viana já alertou para uma nova onda da Covid-19. “Um novo colapso se avizinha”. Ele cita como exemplo o iminente colapso na saúde pública da Bahia. Com 83% dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 72% dos leitos clínicos ocupados em Salvador e algumas cidades do estado, o governador Rui Costa e o prefeito Bruno Reis já falam de uma possível crise no sistema de saúde.

AINDA NA PANDEMIA

O Acre não está livre de uma nova onda da doença, segundo ex-governador. “Ligamos a sirene de alerta. Infelizmente, o #coronavírus não foi embora e o crescimento de casos é generalizado por toda a #Bahia. Se não fizermos nada, um novo colapso se avizinha, então, quero pedir o apoio da população no cumprimento das medidas restritivas”, apelou Viana.

VAI SER DIFÍCIL

O senador Márcio Bittar (MDB) não recua da decisão de lançar Márcia Bittar como candidata ao Senado Federal na próxima eleição. Não será uma tarefa fácil!

“Quero dizer aos trabalhadores e à população que nossa greve não está ilegal, o que está ocorrendo é uma decisão política do governador do estado. Não existe nenhum argumento legal que foi feito para dar a suspensão da greve”.

Presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Acre – Sinteac, Rosana Nascimento