ECMO: como funciona o pulmão artificial usado por Paulo Gustavo

Internado para tratar a covid-19, o ator Paulo Gustavo foi submetido, no início de abril, à terapia de Oxigenação por Membrana Extracorpórea (ECMO), método utilizado por alguns hospitais para cuidar dos pacientes infectados pelo novo coronavírus em estado mais grave.

A técnica, que ganhou destaque durante o surto global de H1N1 em 2009, surge como alternativa quando o pulmão do doente não consegue mais absorver oxigênio, sendo necessário “substituir” o órgão por um equipamento que possua a capacidade de realizar a atividade pulmonar.

O que é ECMO?

Trata-se de um aparelho capaz de funcionar como pulmão artificial (e também como coração artificial), substituindo a atividade do órgão em caso de problemas respiratórios graves, dando ao paciente tempo e condição clínica para se recuperar.

(Fonte: PEBMED/Reprodução)

(Fonte: PEBMED/Reprodução)

Como o ECMO funciona?

Há dois tipos de ECMO. Na veno-venosa, para quadros de insuficiência respiratória, o sangue é retirado através de uma veia central, enviado à membrana extracorpórea, onde passa pela troca gasosa, e retorna ao corpo do paciente. Já a do tipo veno-arterial é para tratar insuficiência cardíaca, fornecendo suporte respiratório e circulatório.

O tratamento exige uma equipe grande e altamente treinada para operar o equipamento.

Em quais casos a tecnologia é utilizada?

Disponível em hospitais de referência para pessoas de praticamente qualquer faixa etária, tanto na rede pública de saúde quanto na privada, a ECMO entra em ação quando o ventilador mecânico não consegue mais fazer o pulmão funcionar bem.

Ela deve ser adotada nos primeiros dias após o paciente entrar em ventilação, para uma maior eficácia.

(Fonte: Pixabay)

(Fonte: Pixabay)

Quanto tempo dura o tratamento?

Não há um prazo definido para o paciente usar a ECMO. Em geral, a terapia é utilizada durante o tempo necessário para o pulmão se recuperar, o que pode demorar dias, semanas ou até meses.

Dependendo do caso, o transplante pulmonar é considerado pela equipe médica após algum tempo de uso da terapia.

Quando a ECMO não é indicada?

O uso da tecnologia deve ser avaliado pelos médicos, mas em alguns casos a ECMO não costuma ser indicada, como:

  • Doenças pulmonares ou cardiovasculares irreversíveis
  • Falência múltipla dos órgãos
  • Coagulopatia grave e/ou hemorragia
  • Pacientes que ficaram muito tempo em ventilação e apresentam danos pulmonares
  • Pessoas que têm outras anomalias congênitas