Deixando o PSB

A nomeação da ex-prefeita Socorro Neri como secretária de Educação do Estado trouxe alguns questionamentos e principal deles foi sobre sua permanência no Partido Social Brasileiro (PSB). A iminente saída da professora do seu atual partido visa as eleições estaduais de 2022 no qual Gladson Cameli (Progressista) concorrerá à reeleição. Natural que apoie o governador, tendo em vista que ocupa um cargo no governo e também por reciprocidade ao apoio recebido nas eleições do ano passado. Sua permanência no PSB lhe trará conflito no futuro, pois a legenda não faz parte da base governista e já deu diversos sinais de que não pretende migrar. Uma coisa é fato, Socorro não terá vida fácil nem no PSB, muito menos no governo. Sua trajetória como aliada da Frente Popular lhe persegue. Muitas pessoas que caminham ao lado de Gladson não aprovaram sua nomeação e já tem gente falando em boicote.

CAPACITADA
Não resta dúvida quanto à capacidade de Socorro Neri para assumir a pasta. Sua passagem pela Prefeitura de Rio Branco foi positiva. Pegou o barco andando, se alinhou e deixou tudo arrumadinho. Sua trajetória na SEE não será diferente.

DECISÃO PESSOAL
Importante frisar que a saída de Socorro Neri do PSB é pessoal. Nunca houve imposição da sigla ou acordo com o Palácio Rio Branco.

NÃO INTERFERE
O presidente da executiva estadual do PSB, o ex-deputado federal, César Messias, deixou claro que a ida de Socorro para a educação não interfere nos rumos do partido no Acre. Conforme dito acima, fazem parte do bloco de oposição e continuarão assim.

QUAL LEGENDA?
Nos bastidores comenta-se que três legendas estão de olho na ex-prefeita: MDB, PSDB e o Progressista. Inclusive, o presidente municipal do Progressista, Reginaldo Ferreira já declarou à imprensa que a ex-prefeita é bem-vinda na legenda. “É uma pessoa de muitas e sólidas virtudes, o que garante vida longa e profícua na política acreana”, disse o dirigente.

COMEÇO DIFÍCIL?
Nos corredores da Secretaria de Educação o que se comente é que Neri terá um pouco de dificuldade com os servidores. Alguns não estão acostumados ao seu jeito sério.

PARABÉNS DE ROCHA
Ainda sobre a nomeação de Socorro Neri como secretária, quem deu o ar da graça e teceu algumas críticas foi o vice-governador, Major Rocha. Em tom irônico, parabenizou a professora e fez questão de destacar que a Secretaria “passa por assepsia em razão dos muitos indícios de corrupção apontados por mim, pela Policia Civil e Ministério Público”.

DISSE ROCHA
“A expectativa é que a nova secretária traga LUZ para muitos episódios obscuros que ainda não foram esclarecidos”, disse o vice-governador.

ESTRATÉGIA DE GLADSON
O ponto principal da crítica de Rocha a nomeação de Neri é pelo fato dela já ter sido aliada do PT. E foi contra a legenda que tanto ele quanto Gladson lutaram para tirar do poder em 2018. “A felicidade daqueles que foram às ruas, que lutaram e até foram perseguidos para que Gladson fosse governador e até hoje esperam mudanças”, ironiza.

MUITA DOR DE CABEÇA
As críticas de Rocha só corrobora a tese de que Socorro Neri também terá muita dor de cabeça com o vice-governador, tanto quanto o ex-secretário Mauro Sérgio.

PRIMEIRO DISCURSO
O primeiro discurso do deputado André da Droga Vale foi o vislumbre de outros já ocorridos dentro do parlamento por seus colegas: pandemia. E não a nada errado nisso, diga-se de passagem. Cobrou a vacinação dos profissionais farmacêuticos. Ele justifica que os pacientes saem do hospital e vão procurar medicamento nas farmácias.

CPI DA EDUCAÇÃO
Batido o martelo. O presidente da Assembleia Legislativa do Acre, deputado Nicolau Júnior (Progressistas), decidiu que a Casa Legislativa irá instalar duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI) para investigar possíveis irregularidades no âmbito da Secretaria de Educação.

PROTOCOLADA PRIMEIRO
Dessa forma, a primeira CPI a ser instalada será que vai investigar a gestão do então secretário de Mauro Sérgio nos anos de 2019 e 2020. A investigação foi solicitada pelo deputado Daniel Zen (PT) e subscrito por mais oito deputados das bancadas de oposição e dos independentes.

CPI DA BASE ALIADA
A outra CPI foi protocolada pelo líder do governo na Aleac, deputado Pedro Longo (PV) e tem como objeto investigar os últimos cinco anos de gestão na SEE. O pedido contou com o apoio de mais treze deputados. No total foram 14 assinaturas.

QUESTIONAMENTO DE EDVALDO
Se a base aliada do governo na Aleac acha que vai ter tranquilidade com esse negócio de CPI estão bem enganados. A oposição é minoria, mas tem mais organização do que eles. Ontem mesmo o deputado Edvaldo Magalhães já deu uma cutucada. Cobrou a instalação da CPI protocolada por Daniel Zen.

PROTESTO NO MADEIRA
O deputado Roberto Duarte (MDB) assegura que na próxima sexta-feira, 7, durante a inauguração da ponte sobre o Rio Madeira, os trabalhadores terceirizados pretendem ir até o local protestar contra a falta de pagamento.

MAIS VACINAS
Gladson Cameli encontra o embaixador dos EUA no próximo dia onze para confirmar doação de vacina americana ao Acre. Uma agenda de extrema importância para o combate a pandemia no Estado.

VACINAS
Mais de 233,7 mil doses de vacina contra Covid-19 já chegaram ao Acre desde o começo da distribuição nacional do imunizante, em janeiro.

OLHO DO FURACÃO
O Tribunal de Contas do Estado (TCE/AC) resolveu investigar a gestão do ex-gestor da Segurança Pública, Emylson Farias, e do ex-secretário de Educação, Cultura e Esportes (SEE), Marco Brandão.

DENÚNCIA I
O nome de Brandão está envolvido em uma auditoria que trata da investigação de fornecimento e consumo de combustível, durante o exercício de 2014 na SEE. A relatora do processo é a conselheira Dulcinéa Benício de Araújo.

DENÚNCIA II
Já Emylson, está tendo conduta apurada por possível dano ao erário público. O órgão investiga depósitos de Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e contratação irregular de servidor por condenação do Estado na Justiça do Trabalho. O relator do caso é o conselheiro Ronald Polanco.

ALEAC
Quem tem pretensão também de participar do pleito em 2022 é o ex-prefeito de Tarauacá, Rodrigo Damasceno. Está em conversas com seus aliados para concorrer a uma das vagas na Assembleia Legislativa do Acre.

CONDENADO
O ex-prefeito de Acrelândia, Jonas Dales da Costa Silva, foi condenado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) nesta segunda-feira (3). Ele deve devolver aos cofres públicos o valor de R$ 41.322,48. A penalidade foi aplicada porque o executivo pagou indevidamente verbas rescisórias e honorários advocatícios. Jonas tem o prazo de 30 dias para fazer a devolução.

“A decisão que ela tomou não interfere nos caminhos do partido. Se nós tivermos que lançar candidato ao governo, nós vamos lançar, se tivermos que apresentar candidatura ao senado, vamos apresentar. A decisão da minha amiga Socorro não interfere no PSB”.

Presidente do PSB no Acre, César Messias, ao destacar que a legenda continua no bloco de oposição