Com surto de gripe e aumento dos casos de Covid-19, Prefeitura de Rio Branco decreta Situação de Emergência

A gestão vai contratar até 18 de janeiro 145 profissionais que vão atuar na atenção primária

Em coletiva de imprensa promovida na manhã desta segunda-feira, 10, o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, assinou o decreto de Situação de Emergência da Saúde, em decorrência do surto de gripe e aumento dos casos de Covid-19 na capital.

Com o decreto em vigência, que será publicado no Diário Oficial nesta terça-feira, 11, a Prefeitura e a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) definiram a Unidade de Referência de Atenção Primária (Urap) Maria Barroso, localizada na Sobral, como centro de referência para testes e exames de quem estiver com sintomas gripais.

O decreto foi assinado nesta segunda-feira (Foto: Maria Meirelles)

Os atendimentos na Maria Barroso serão das 7 às 22 horas, incluindo os domingos. Entre os atendimentos que serão realizados, estão a dispensação de medicamento, com sala de medicação para caso o paciente precise de algum medicamento injetável, e também teste rápido da covid-19, para detectar com mais agilidade se o paciente está com Síndrome Gripal ou Coronavírus.

“O nosso sistema de saúde está monitorando e tudo indica que a situação é bastante crítica. Muita gente com gripe, e essa gripe se mistura com a Covid-19, de modo que a Prefeitura e o Sistema de Saúde precisam funcionar em plenitude. Por isso, tomamos a decisão de publicar o decreto e colocarmos mais profissionais para trabalhar”, destacou o prefeito.

Outra medida adotada pela gestão é a convocação e contratação de 145 profissionais da Saúde, que vão atuar na atenção primária. Os novos servidores foram selecionados no concurso simplificado promovido pela gestão ainda em 2021. Segundo a Semsa, todos os contratos serão assinados até 18 de janeiro.

De acordo com a secretária de Saúde, Sheila Andrade, houve um aumento de 25% nos casos de Covid-19, identificados nos testes realizados. “Não é algo para se alarmar, mas, é sim algo para se preocupar. Os cuidados em relação a pandemia continuam sendo os mesmos: uso de máscaras, lavar as mãos com maior frequência, se espirrar usar um lenço descartável e não espirrar nas mãos para não contaminar outras pessoas”, frisou.

Durante a coletiva, a secretária afirmou não haver falta de medicamentos nas unidades de saúde, com exceção da medicação Tamiflu. “Não estamos com falta de medicamentos para síndrome gripal. O único medicamento que estamos em falta é o tamiflu, que é um medicamento enviado pelo Ministério da Saúde e nós, infelizmente, não temos mais em estoque nem no Estado nem no Município”, endossou Sheila.