Alysson continua na pasta

Apesar do governador Gladson Cameli ter anunciado diversas vezes que o secretário de Saúde do Estado, Alysson Bestene deixaria o comando da pasta, ao que tudo indica, não será assim. Nos bastidores o que se comenta é que ele ficará na pasta ainda três meses.

NO PSL

E por falar em Alysson, o secretário deve se filiar no PSL nos próximos dias. Onde provavelmente será referendado como candidato a vice-governador na reeleição de Gladson. Conta com o total apoio do governador.

CANDIDATOS AO SENADO

Sanderson Moura (PSOL), Márcia Bittar (sem partido), Mailza Gomes (PP), Vanda Milani (PROS), Alan Rick (DEM). Esses são os nomes suscitados até o momento para disputar a vaga ao Senado na eleição de 2022.

VAI OU NÃO?

O nome de Jorge Viana já foi colocado diversas vezes nessa equação. A participação dele no processo eleitoral do próximo ano é certeza. Dito por ele mesmo! Só “não sabe” se é governo ou Senado.

NO JOGO?

Outro nome que foi mencionado nos últimos dias como possível candidato ao Senado é Minoru Kinpara. Deixará o PSDB e se filará ao SPD, do senador Sérgio Petecão.

NÃO TEM PRETENSÃO

Muitas pessoas suscitam o nome de Alan Rick para vice de Gladson, mas o próprio diz que não tem pretensão no cargo. Seu foco está no Senado.

DEFENDENDO GLADSON

Os comentários do ex-senador Jorge Viana (PT) ao governador Gladson Cameli (Progressista) de que fazia uma gestão fraca não ficaram sem resposta. O secretário de assuntos estratégicos do governo, Moisés Diniz retrucou e ainda classificou como “ciúme político”.

TEMPOS DIFÍCEIS?

A resposta de Diniz foi também uma espécie de desabafo. Lembrou os tempos do PT no poder e a “difícil” convivência entre os aliados. Perseguição a jornalistas, massacre a aliados e impedimento de crescimento. Esse foram alguns dos apontamentos feito por Moisés ao partido de Jorge Viana.

NO PSD

Cresce os rumores de que Mazinho Serafim deixará o MDB e se filiará ao PSD. Unindo forças com Petecão contra Gladson. Pelo menos é isso o que se comenta nos bastidores.

PODE PERDER O APOIO

E por falar no MDB, Gladson corre o sério risco de não ter o apoio do partido em sua reeleição. Isso vai depender da escolha do vice. Os emedebistas querem Jéssica Sales. O possível apoio está atrelado a isso. Vejamos o desenrolar desse assunto.

DISCO FURADO

O presidente do PSL, Pedro Valério continua afirmando que agiu para não perder o PSL para o deputado federal Alan Rick (DEM).  Alan, por sua vez, já sinalizou que nunca teve pretensão de assumir o comando da sigla. O que aconteceu foi um convite do presidente nacional do PSL para concorrer à reeleição pela legenda.

O QUE IRÁ FAZER?

Muito se questiona sobre o futuro político do vice-governador major Rocha. Não existe mais clima para uma dobradinha com Gladson, muito menos dentro do projeto político do governador. Alguns apostam que virá como candidato a deputado federal. Mara Rocha, por sua vez, disputará o Senado. Até o momento, apenas conjecturas.

CÂMARA DOS DEPUTADOS

O deputado estadual Roberto Duarte (MDB) está de olho em uma das vagas na Câmara Federal. Caso decida mesmo concorrer, abre-se uma brecha para o vereador Emerson Jarude (MDB) disputa uma vaga na Aleac.

NA DISPUTA

Quem também deve disputar uma vaga na Câmara é o ex-deputado Ney Amorim. É um adversário de peso. As chances de vitória são bem altas.

DEMISSÃO DOS 11 MIL

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) iniciaram no último dia quatro a análise do embargo de declaração na ADI 3609, que trata da possível demissão de 11 mil servidores do Estado do Acre. O relator da matéria é o ministro Dias Toffoli. Até o dia 11 o julgamento deve ser finalizado.

DECISÃO

O Supremo Tribunal Federal decidiu em 2014 que os efeitos da declaração de inconstitucionalidade do art. 37 do ADCT da Constituição do Estado do Acre, acrescido pela Emenda Constitucional nº 38/2005, a chamada PEC da Naluh, tenha eficácia a partir de doze meses contados da data da publicação da ata de julgamento.

ESCLARECIMENTOS

O objetivo do embargo de declaração apresentado ao Supremo Tribunal Federal é esclarecer pontos que não ficaram claros na decisão dos ministros em 2014, como a abrangência da referida decisão.

COMITÊ

Em 2014, com a possível demissão em massa de servidores admitidos na administração pública sem concurso depois da Constituição Federal de 1988, a Assembleia Legislativa criou o Comitê dos 11 Mil, liderado pelo então deputado estadual Moisés Diniz, que integrava o PCdoB na época.

QUALIFICADA

Socorro Neri é uma profissional qualificadíssima. Preparada, responsável, proativa. Para o governo do Acre foi uma ótima aquisição tê-la na equipe.

NO JOGO

Ao que tudo indica os petistas Cesário Braga e Marcus Alexandre disputarão uma das vagas da Aleac em 2022. Daniel Zen concorre à reeleição. Será uma disputa complicada.

SAI NA FRENTE

Por já está em um mandato, Daniel Zen saí na frente. Mas não se pode também colocar em xeque os votos de Marcus Alexandre. Tem chance de ficar com umas das vagas.

“Chamar de fraco um governante que enfrentou por mais de um ano uma pandemia sem ser vacinado, como muitos fizeram mundo afora. Tanto é que, por viver dentro de hospitais, dentro de aviões, em busca de ajuda para combater a doença, ele acabou se infectando”, destacou.

Moisés Diniz ao rebater a fala do ex-senador Jorge Viana contra o governador Gladson Cameli