Tensão para se preparar ao Enem durante pandemia

GUILHERME LIMES

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2020 teve de ser adiado em virtude da pandemia do novo coronavírus. Assim, algumas instituições resolveram aderir ao ensino remoto. Entretanto, este momento de isolamento social e readaptação em plataformas digitais vem causando tensão aos candidatos que prestarão o exame.

A tensão entre os inscritos do exame, normalmente, já é preenchida por muita ansiedade e nervosismo. E então, com as incertezas que aconteceram em virtude da pandemia, estas “pressões” acabaram se tornando mais intensas para alguns.

A situação parece tomar novas proporções quando o Ministério da Educação, MEC, chega a conclusão de realizar uma alteração nas datas na aplicação dos exames.

O Enem 2020 que, comumente, ocorre em meados do último semestre anual, teve a sua data de aplicação alterada para os meses de janeiro e fevereiro de 2021.

Tendo em vista isto, o estudante Adoneyson Nascimento contou ao Jornal Opinião como têm sido suas expectativas para a realização do Enem 2020.

Adoneyson Nascimento em competição on-line do Arraial Digital da instituição em que estuda. Reprodução: Foto/Instagram: Colégio Meta (@colegiometaac).

Para Nascimento, inicialmente, a situação estava delicada levando em consideração os posicionamentos realizados pelo MEC que levado ao contexto de pandemia do país, a entidade não planejava adiar a data para um outro dia. 

“Me senti bem apreensivo e ansioso. Crises de ansiedade se tornaram parte da minha rotina.”, relatou Nascimento.

De acordo com o estudante, as suas expectativas começaram a aliviar, quando ocorreu o processo de decisão para alteração da data levando em consideração a opinião dos candidatos que fora anunciado pela Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira, Inep. No qual, o exame foi adiado para ser realizado no primeiro semestre de 2021 (janeiro e fevereiro). Entretanto, ainda que em meio a estas mudanças repentinas, Nascimento ainda continua com expectativas negativas.

“Eu não vejo boas atitudes governamentais que me faça se sentir seguro e com boas expectativas para o Enem. No começo, pensei que tinha criado boas expectativas, quando foi decidido que nós poderíamos votar, poder exercer a democracia. Entretanto ver que a data foi alterada para um no dia completamente diferente do que tínhamos decidido, nos deixou com baixas expectativas e que nossa democracia no meio estudantil não teve utilidade.”, frisou Nascimento. 

Levando em consideração a forma como as instituições vem se readaptando durante este momento, a escola em que Nascimento estuda está aplicando o ensino remoto por meio de plataformas digitais.

Para o estudante, levando em consideração ao contexto de estudantes que estão para concluir o ensino médio, é uma realidade complexa, levando em consideração que o objetivos de uma grande parcelas destes alunos, do 3º ano do Ensino Médio, não se limita apenas a concluir o ensino básico, mas uma grande parcela deseja ser aprovado em vestibulares.

Nascimento relatou que o processo de se adaptar ao ensino remoto foi delicado. E levando em consideração a sua realidade, houve uma exigência pessoal para que ele tivesse que se acostumar extremamente rápido com a nova realidade.

“Eu, particularmente, demorei cerca de mais de um mês para tentar me adaptar ao ensino EaD (ensino à distância). Mas isto não se deu pelo fato de professores não serem bons, mas sim devido ao EaD não se compactar comigo.”, explicou o estudante.

Segundo Nascimento, cada aluno tem uma mentalidade e facilidade para conseguir entender as disciplinas e tirar um proveito das aulas. Seja de forma presencial ou remota. 

“O meu perfil de estudante é presencial. Uma coisa que coloquei na minha cabeça é que você não deve se forçar ao extremo. Acho que nada vale a sua sanidade mental… Porque não adianta de nada eu me dedicar muito, entrar numa universidade só ‘sucata’ mentalmente. Porque até mesmo durante a quarentena, se você não cuidar da sua cabeça, no âmbito estudantil, isso destrói sua cabeça, você fica frágil, ansioso e com medo.”, concluiu Nascimento.

Estudando durante pandemia

Portal Escola Brasil elaborou sete dicas para que estudantes possam conseguir se adaptar e conseguir consumir de maneira eficiente bons estudos.

1 – Prepare o ambiente para estudar

A escolha do seu cantinho de estudos é muito importante. Encontre um lugar de sua casa em que a chance de distrações seja a menor possível. Um ambiente iluminado e silencioso é o ideal para se concentrar nos estudos. 

2 – Separe o material necessário

Deixe ao seu alcance somente o essencial para o estudo como lápis, borracha, canetas, marcadores, blocos de anotações, caderno e livros. Ter o material próximo evita a necessidade de para a todo momento as atividades para buscar algo e diminui a possibilidade de distrações.

3 – Faça um cronograma de estudos

Monte um cronograma de estudos. Se for estudar durante a semana, separe o conteúdo por dia e o tempo que dedicará para cada disciplina. Uma boa opção é dividir as matérias da maneira em que são dadas na escola (1ª aula; 2ª aula…). 

Lembre-se de incluir os períodos de pausa no seu cronograma. Não rola estudar por horas sem momentos de descanso! Estipule alguns minutos entre as disciplinas ou aulas para se alongar, comer algo ou conversar com a família, por exemplo.

4 – Assista às videoaulas

Algumas escolas estão com videoaulas para seus que seus alunos não percam conteúdo, mas sabemos que a realidade de muitos estudantes é diferente e nem todos têm suporte on-line para o período sem aulas presenciais. 

5 – Use a internet a seu favor

A internet é a principal aliada do estudante que está em casa. O conteúdo on-line permite ao aluno procurar diferentes fontes de informação e complementar o que há nos livros didáticos de sua escola. 

6 – Treine a redação

Uma boa redação é feita com treino.

7 – Leia as obras dos vestibulares

Aproveite o tempo em casa para ler as obras literárias cobradas pelas universidades em seus vestibulares.