STF compartilha conversas de delegada investigada por forjar depoimentos na Lava Jato

Lewandowski permitiu que CGU acesse dados obtidos pela Operação Spoofing

O ministro do STF (Superior Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski autorizou o acesso da Controladoria-Geral da União (CGU) a dados obtidos pela Operação Spoofing, da Polícia Federal.

A CGU solicitou ao STF acesso às informações para apurar supostas práticas ilícitas de dois servidores no exercício de suas atribuições. Uma delas é a delegada da Polícia Federal Érika Malik Marena, que teria forjado depoimentos que não ocorreram.

Em diálogos hackeados e obtidos pela Operação Spoofing, procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato de Curitiba afirmaram que uma delegada da Polícia Federal lavrou o termo de depoimento de uma testemunha sem que ela tivesse sido ouvida.

A delegada Erika Marena
A delegada Erika Marena – 2.mar.2018 – Pedro Ladeira/Folhapress

“Como expõe a Erika: ela entendeu que era pedido nosso e lavrou termo de depoimento como se tivesse ouvido o cara, com escrivão e tudo, quando não ouviu nada… DPFs [delegado da polícia federal] são facilmente expostos a problemas administrativos”, afirmou Deltan Dallagnol em uma conversa por mensagens com o procurador Orlando Martello Júnior.

O diálogo, do dia 26 de janeiro de 2016, foi enviado pela defesa do ex-presidente Lula ao STF (Supremo Tribunal Federal) em fevereiro. Autorizado pela Corte, a defesa do petista está analisando as mensagens interceptadas ilegalmente por um hacker que invadiu os telefones celulares de autoridades. O material foi recolhido pela Operação Spoofing, que investiga a invasão dos aparelhos, e disponibilizado para a defesa do ex-presidente.

Lava Jato era integrada por uma delegada, Erika Marena, que trabalhou nela desde seus primórdios e de forma estreita com a equipe de procuradores.

Coordenadora das investigações, a policial chegou a ser apontada inclusive como responsável por batizar a operação. Não é possível, no entanto, saber se os diálogos se referem a ela.

Em 2018, Marena foi convidada por Sergio Moro para integrar a equipe dele no Ministério da Justiça. Depois da saída dele, acabou exonerada.

Marena também foi a delegada responsável pela operação que prendeu o reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Luiz Carlos Cancellier, que se suicidou depois após ser acusado publicamente de corrupção na universidade.

folha