Segunda Opinião – Oteniel Almeida fala sobre a exclusão de Rio Branco do edital do Mais Médicos para o próximo ano

Por Tião Vitor

O secretário municipal de Saúde, Oteniel Almeida, é o entrevistado de hoje do Segunda Opinião. Ele falou sobre a decisão do Governo Federal de não incluir as capitais no novo processo edital para a seleção de profissionais do programa Mais Médicos. Tal medida, deve trazer prejuízos para a área de Saúde de Rio Branco, já que a capital perderá 53 profissionais até junho do próximo ano. Segundo o gestor, até o fim do ano serão dez médicos que estarão desligados do programa na capital. Também estão excluídas, as cidades com mais de 300 mil habitantes.

“Essa situação nos preocupa porque a gente conta com esse corpo de médicos, a gente conta com esse programa do Governo Federal que é importantíssimo para as cidades brasileiras.”

Para atender a demanda da capital, a Prefeitura conta com um quadro de 71 médicos, incluindo os 53 do Mais Médicos. Esse número é considerado insuficiente. O problema está sendo resolvido, em parte, com a contratação de mais 39 profissionais, totalizando 110 médicos.

“Se perdemos esses 53 profissionais do Mais Médicos, nós calculamos que serão mais de 40 mil consultas por mês que deixarão de ser feitas em Rio Branco. Levando-se em conta que, com o que temos atualmente, realizamos cerca de 80 mil consultas ao mês, sem esses, estaremos reduzindo nossa capacidade de atendimento em cerca de 50%.”

Oteniel revelou que a prefeita Socorro Neri tem mantido contato com os parlamentares da bancada federal. Ela busca o apoio desses para manter Rio Branco no edital do programa para o próximo ano, mas a administração municipal já foi comunicada oficialmente da decisão do governo federal.

Durante a entrevista, Oteniel Almeida também falou sobre outras questões ligadas à sua área, entre elas, a campanha contra a gripe que foi prorrogada. Segundo o gestor, a prorrogação se deu devido ao fato de não ter sido batida a meta de vacinação do público prioritário. Ele alerta que a campanha segue até que o estoque de vacinas se esgote nas unidades de saúde da capital.

Almeida comentou sobre a campanha recente para identificar possíveis contaminados pela doença de chagas através de açaí in natura. Ele garante que não foram identificados casos de contaminação, mas ressalta a importância do trabalho que foi feito por sua pasta através da Vigilância Sanitária. Para ele, o consumidor está agora mais tranquilo com relação a produto comercializado em Rio Branco.