PL que proíbe o uso de canudos de plástico no Acre, gera debate na capital 

Na última quarta-feira, 16, na sessão da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), foi aprovada uma lei que proíbe a utilização de canudos de plásticos nos estabelecimentos comerciais do Acre. Com isso, a lei prever incentivar a comercialização de canudos de papel, bambu ou de palha no estado.

O autor do projeto é o deputado do Partido Socialista do Brasil (PSB), Jenilson Leite.  A lei agora vai para análise do governador do Acre, Gladson Cameli, que pode sancionar ou vetar.

O canudo é feito de um plástico que geralmente não é reciclado, por ser muito leve e ter baixo valor comercial, a maior parte deles vai parar nos aterros sanitários, rios, lagoas e oceanos.

O plástico nunca se decompõe, ele se quebra em micropartículas que poluem o lençol freático ou viram uma sopa plástica desequilibrando toda a cadeia alimentar. Já foram encontradas partículas de plástico em diversos animais marinhos, como ostras e peixes. Esses animais são consumidos por outros animais, incluindo nós humanos.

A equipe do jornal Opinião foi às ruas para saber o que a população acha sobre a nova lei. Para Cleiton de Souza, que trabalha com salgados no calçadão da Benjamin Constant a lei vai atrapalhar.

“Eu nem sabia disso, por mais que eles queiram proibir o uso dos canudos de plástico isso vai demorar um certo tempo para a acontecer, de início, eu acho que deve atrapalhar um pouco”, disse.

Caso for sancionada, é estabelecido um prazo de 90 dias para que a lei passe a valer.

O deputado Jenilson diz acreditar que o fim da utilização do canudo de plástico não vai trazer prejuízo para os estabelecimento.

“Até mesmo porque vai retirar um item da obrigatoriedade dos restaurantes. Na casa da gente, por exemplo, tomamos água e suco sem precisar do canudinho. Ocorre que no padrão dos restaurantes o canudo é necessário”, frisou.

É o caso de Sebastião Mota, gerente de um restaurante localizado na região central de Rio Branco. “Hoje usamos copos de vidro, de plástico e canudos, caso essa lei comece a valer de fato, desses 3 vamos parar de comprar um, isso é bom. Além da economia, vai contribuir com a redução do lixo”.

Mais de 8 milhões de toneladas de resíduos vão parar nos oceanos todos os anos e a maior parte desses resíduos é plástico. O canudinho está entre os 10 materiais mais encontrados durante recolhimentos de mutirões realizados em praias e oceanos.

Para Diana Rodríguez, proprietária de um restaurante vegano a lei é ótima, mas não muda todo panorama.

“Mais importante que uma lei, seria a conscientização das pessoas, agora temos várias opções que substituem os canudos no mercado. Entretanto, uma lei pode ter esse ar ambiental e de mudança de hábitos, porém na efetividade seria necessário mais ações para melhorar essa conscientização das pessoas”.

6 alternativas para substituir o canudo plástico em nossas rotinas

Beba diretamente no copo – A mais fácil e eficaz de todas, simplesmente beba diretamente no copo. Estimule crianças a fazerem o mesmo o quanto antes.

Canudo de papel – Se precisar muito usar, opte pelo canudo de papel. Ele se decompõe mais rapidamente e tem menos impacto no meio ambiente.

Canudo de vidro – A empresa brasileira Mentah desenvolveu canudos de vidro duráveis que podem ser utilizados por toda a vida. Os vidros são os mesmos utilizados em laboratório, portanto, os restos de alimentos não grudam. Se você quebrar o seu, eles garantem a reposição por um novo.

Canudo de metal – O canudo de metal é reutilizável e pode ser levado para qualquer lugar. Existem diversos tipos de metais, como alumínio e aço inoxidável, é bom sempre verificar se esses metais são tóxicos ou soltam metais pesados. É possível encontrá-los em diferentes diâmetros e formatos

Canudo de bambu – O canudo de bambu é uma opção natural, reutilizável, durável, prática e leve. Existem diversos modelos no mercado.

Canudo de palha – Nos séculos passados, todos os canudos de bebidas eram feitos a partir da palha que sobrava das colheitas de grãos. Por isso, em inglês, os canudos levam o mesmo nome que a palha, straw. Em português também existem alguns lugares que chamam o canudinho de “palhinha”. A partir de 1900, a opção foi aos poucos esquecida e substituída pelo plástico.