Pandemia da Covid-19: um momento delicado

No dia 17 março de 2020, a vida dos acreanos mudou (ou pelo momento teria que ter mudado). Era registrado o primeiro caso de infecção pela Covid-19 no estado. Quase um ano depois ainda estamos vivendo momentos de escolhas. Hoje já passamos de mais de 60 mil contaminados e ultrapassamos o número de 1.000 mortes pelo vírus ou em decorrência dele.

São números preocupantes pra uns e nem tanto pra outros. Diariamente assistimos ou lemos nos noticiários o aumento de contaminados e de pessoas que perderam a vida para esse vírus. Também é comum ver pessoas (que parecem estar aleia do atual cenário) caminhando nos espaços públicos, passeando pela Gameleira, muitos desses ‘alienados’ sem uso de máscaras.

Por causa do novo coronavírus vivemos um momento delicado e de escolhas. Vou trabalhar e me arrisco a pegar o vírus, levando para minha casa ou ficou em casa, me protegendo da doença, e morre de fome? É a atual situação daqueles que precisam levar o que comer pra casa.

Infelizmente temos um presidente da República, que vem desdenhando com a situação crítica que vive o Brasil. Sempre que é questionado, responde de forma grosseira, mal-educada e desrespeitosa, mas deve ser tática usada por ele em situação de desconforto.

Outro duro golpe causado pelo vírus foi à ruptura brusca de expressar o afeto a quem gostamos. O povo brasileiro gosta do abraço, beijo e do aperto de mão, gesso de carinho que não podemos mais demonstrar. O que podemos fazer é um toque de mão (e depois disso tem que passar o álcool em gel ou 70º).

Já temos história daqueles que sobreviveram à Covid-19. O jornalista e colunista social, Vagno Di Paula, e a professora Cámala Menezes, são exemplo. Pessoas que viram de perto a morte e o trabalho dos profissionais da saúde, que incansável tem se dedicados a salvar vidas. Mas como não pode agradar tudo mundo ainda existe quem criticam o trabalho dessas pessoas.

A situação é critica, nosso sistema de saúde está em colapso e temos que ter consciência disse. As pessoas continuam burlando os decretos e acabam se infectando e contaminando outras pessoas.

Vamos nos unir em prol da vida!!

Jornalista