Ossada de dinossauro encontrada em Boca do Acre vai para exposição em Manaus

O Museu da Amazônia, o Musa, inaugurou uma exposição muito especial nesse sábado (3), em Manaus. É um retrato de uma Amazônia antiga, de milhões de anos, que revela bichos pré-históricos, entre eles, o maior crocodilo do mundo, que teve partes encontradas em Boca do Acre.

O Purussaurus (maior crocodilo do mundo), existiu há cerca de 10 milhões de anos. Esse bicho tinha cerca de 12 metros e, segundo os cientistas, tinha a mordida mais forte que a do Tiranossauro rex.

“É o primeiro Purussaurus no mundo que foi reconstruído em tamanho real, osso por osso”, explicou Lucy Gomes de Souza, paleontóloga do Musa. “Então isso torna essa exposição ainda mais única para os visitantes”.

Achado em Boca do Acre

Em 2019, em um sítio arqueológico chamado Cajueiro, no município de Boca do Acre, foram encontradas uma mandíbula, vértebras e ossos dos braços do Purussaurus. Até então, os paleontólogos conheciam apenas o crânio e a mandíbula desse animal.

O Jornal Opinião manteve contato com a pessoa que achou os restos do maior crocodilo do mundo, que preferiu não se identificar, mas narrou com detalhes como tudo aconteceu. Depois de encontrados, os ossos começaram a levantar muita curiosidade do descobridor e da comunidade (Cajueiro).

Nosso personagem que faz questão do anonimato, disse que estava pescando em um lugar conhecido por Valência, próximo ao Cajueiro.

“Lá a correnteza é forte e a força da água pode ter escavado o local, o que possibilitou o aparecimento do fóssil”, explicou.

Purussauro
Intrigado e determinado a saber do que se tratava, nosso personagem oculto pegou os restos mortais do grande animal e os levou até a Universidade Federal do Acre (UFAC). A informação obtida é que são vértebras de um Purussauro.