Manuel Barbosa adere à “Vacina Sim” e fala das dificuldades de vacinar a população

O secretário municipal de Saúde, Manuel Barbosa, concedeu entrevista ao Jornal Opinião, oportunidade em que ressaltou a necessidade e os benefícios da vacinação contra a Covid-19, mas destacou a rejeição que os bocacrenses, principalmente os indígenas aldeados têm para tomar a vacina.

A informação foi corroborada pela responsável pelo Programa Nacional de Imunização (PNI), Rachel Lima, quando confirmou que uma quantidade significativa de pessoas tem rejeitado a vacina em Boca do Acre.

Rachel explicou ainda que quem não aceita tomar a vacina, assina um termo e essa pessoa perde a vez, não sendo possível, nesse primeiro momento, disponibilizar doses do imunizante para quem não quis tomar.

Barbosa aderiu à campana “Vacina Sim”, promovida pela SEMSA, que tem como objetivo, transmitir segurança sobre os benefícios e a eficácia do imunizante, que vai criar fortes barreiras contra a Covid-19, combatendo a pandemia, reduzindo principalmente a quantidade de pessoas que perdem a vida para doença.

“Não existe essa de que a vacina vai fazer mal. Até agora, toda vacina criada pelo homem, foi com intuito de combater os males à saúde do Mundo e não de praticar genocídio de escala planetária”, comentou Barbosa.

Manuel enfatizou a importância de tomar as duas doses da vacina. “Tomando as duas doses você fica protegido contra essa doença que tem ceifado a vida de muita gente, no nosso caso, 22 importantes cidadãos perderam a batalha par a Covid-19, então, para respeitar a memória dessas pessoas, para respeitar a nossa saúde, para cuidar do dom que Deus nos deu: a vida, vamos tomar a vacina e dar um basta na pandemia”, falou Barbosa.