Governo oferece vacinação em atendimento noturno, feriados e fins de semana

Com o intuito de ampliar a cobertura vacinal no estado, o governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), está ofertando, desde setembro, doses de todas as vacinas do calendário de rotina durante a semana, no período noturno. A vacinação está sendo realizada no Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (Crie), em Rio Branco.

De segunda a sexta-feira, a vacinação se estende das 19 às 21 horas, e nos fins de semana e feriados, das 8 às 12 horas e das 14 às 18 horas. Para ser vacinado é preciso apresentar o cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) ou CPF.

A secretária de Saúde, Paula Mariano, ressaltou a importância de manter as taxas de cobertura vacinal altas e fazer vigilância constante. “Estamos preocupados com a volta da poliomielite no país e precisamos vacinar a nossa população com menos de 5 anos, para evitar a reintrodução do vírus que causa a paralisia infantil”, esclarece.

De acordo com a coordenadora do Crie, Daíla Costa, a ação visa auxiliar a população de Rio Branco que não consegue buscar atendimento diurno nas unidades de saúde. “Nosso objetivo é facilitar à população o acesso à vacinação no período noturno, fins de semana e feriados e assim ampliar a cobertura vacinal no estado”, explica.

Uma das principais motivações para a ação é aumentar a distribuição da vacina contra a poliomielite. O Acre tem como meta vacinar mais de 80 mil crianças.

Além disso, o Centro de Referência para Imunobiológicos Especiais (Crie) vem realizando a vacinação de crianças e adolescentes que necessitam de condições especiais para a aplicação de imunizantes de segunda a sexta das 7 até as 17 horas.

O Crie fica localizado na Avenida Getúlio Vargas, 595, bairro Ipase, próximo a Maternidade Barbara Heliodora.

Como funcionam os Cries

Trata-se de uma rede constituída de infraestrutura e logística próprias com a finalidade de facilitar o acesso de pessoas com necessidades específicas de imunização a uma ampla gama de vacinas, soros e imunoglobulinas que não são oferecidos nas unidades básicas de saúde (UBS) ou o são apenas para faixas etárias restritas. (Por Luana Lima / Secom)