Em operação inédita, Ciopaer resgata mãe e bebês gêmeos, após parto no interior da floresta

Helicóptero do Centro Integrado de Operações Aéreas, da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), levou equipe médica do Samu para buscar mulher, cujo parto foi feito por parteira local, no meio da selva.

Dois gêmeos recém-nascidos e a mãe deles foram resgatados pelo Centro Integrado de Operações Aéreas, o Ciopaer, após o parto no interior da selva, na manhã deste domingo, 27. A equipe do Ciopaer, comandada pelo coronel-aviador Samir Freitas, voou por cerca de 140 quilômetros até a colocação São Raimundo, no seringal Poronga, às margens do rio Iaco, no município de Sena Madureira, levando a médica Bruna Farias e a enfermeira Solange Silva, ambas do Serviço de Atendimento Médico de Urgência e Emergência, o Samu.

Conforme o Ciopaer, a agricultora Débora Souza Silva, de 21 anos, havia dado à luz a dois garotos na noite anterior, o sábado, sendo assistida por uma parteira local. O nascimento dos bebês, no entanto, exigia cuidados especiais.

Equipe do Samu prepara mãe e bebês para o retorno com a tripulação do Ciopaer, num voo de 140 quilômetros para Rio Branco. Foto: Ciopaer/Sejusp

“Foi quando alguns integrantes da comunidade tiveram a ideia de procurar um morador próximo com uma antena de Internet e conseguiram nos enviar a localização. Foi por meio dela que obtivemos as coordenadas exatas do local e nos deslocamos até lá”, ressalta o comandante do Ciopaer, instituição ligada à Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública.

O resgate, até então inédito neste tipo de atendimento: o socorro de duas crianças recém-nascidas e gêmeas, causou comoção social na comunidade. A agente comunitária Laíde Silva chorou ao ver a chegada dos membros do Ciopaer e do Samu.

Equipe do Ciopaer em resgate da mãe com seus bebês gêmeos no interior da floresta. Equipe do Samu foi composta por médica e enfermeira. Foto: Ciopaer/Sejusp

“Ela, que acompanhou as complicações do nascimento das crianças, viu na chegada da nossa aeronave com a equipe médica o suporte necessário que ela não dispunha na comunidade tão distante”, acrescenta o coronel Samir Freitas.

“Seremos eternamente gratos pelo socorro de vocês, nossos anjos. Que Deus abençoe cada um de vocês com muita saúde e disposição para continuar ajudando nós, que vivemos isolados, longe dos hospitais”, afirmou Laíde, em tom de alívio.

Equipes médica do Samu e do Ciopaer conduzem bebês e a mãe deles até o helicóptero. Foto: Ciopaer/Sejusp

Logo após a chegada, a médica e a enfermeira do Samu fizeram alguns procedimentos padrões de assepsia nas crianças e na mãe, antes de decolarem de volta a Rio Branco, desta vez com os novos passageiros.

O desembarque foi no heliponto do Pronto-Socorro da capital, onde uma ambulância transportará mãe e filhos para a maternidade Bárbara Heliodora.

Médica Bruna Farias com a enfermeira Solange fizeram o primeiro atendimento à mãe e aos garotos no local. Foto: Ciopaer/Sejusp

Ainda de acordo com o Ciopaer, pelo menos 33 resgates aeromédicos já foram realizados por suas tripulações e profissionais do Samu, de janeiro deste ano até este domingo.

Profissional do Samu avalia estado de saúde de um dos gêmeos resgatados neste domingo, 27. Foto: Ciopaer/Sejusp

Os esforços do governo Gladson Cameli, de ampliar a frota de aeronaves de asas fixas, os aviões, e as de asas rotativas, helicópteros, assim como a formação de pilotos, tripulantes de suporte e mecânicos, possibilitaram assistir as pessoas, sejam em operações de socorro médico, sejam em operações policiais, em qualquer lugar do Acre, mesmos os mais inóspitos, nos rincões da floresta.