“É um verdadeiro descaso a situação da BR-364, é um absurdo”, diz Angelim

Preocupado com a situação de isolamento rodoviário em que se encontram as populações dos municípios das regiões do Juruá e Tarauacá/Envira, cuja única estrada é a BR 364, o deputado federal Raimundo Angelim (PT-AC) subiu à tribuna da Câmara na tarde desta terça-feira (04) para denunciar o Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (Dnit), responsável pela manutenção da estrada desde dezembro de 2014.

“É verdadeiro descaso a situação de abandono em que se encontra a principal estrada do Acre. Estamos com praticamente sete municípios isolados o que dificulta o escoamento da produção, o abastecimento das cidades e até os transportes coletivos intermunicipais, cujas linhas de ônibus já chegaram a ser canceladas. É um absurdo”, ressaltou.

Angelim lembrou que nos últimos quatro anos, quando estava sob a jurisdição do governo do Estado, por meio do Departamento Estadual de Estradas e Rodagem (Deracre), a estrada era trafegável durante todo o ano.

“Em que pese seja de responsabilidade federal, durante o período em que o governo do Estado foi responsável pela manutenção da BR-364, a estrada nunca havia fechado.

Agora que passou para o DNIT está simplesmente interditada com as pessoas passando de 15 a 16 horas ente um município e outro. Lamentável, pois uma estrada que era asfaltada está completamente abandonada, o que revela o descaso deste órgão com a população do Acre.”, disse.

De acordo com informações oficiais do governo do Acre, o Deracre, foi responsável pela manutenção da BR-364 até dezembro de 2014, ficando apenas com o trecho Massipira (62 km) e 49 km entre Tarauacá e Feijó. A partir de janeiro de 2015, o Dnit assumiu a responsabilidade da rodovia e iniciou o Plano Anual de Trabalho e Orçamento (Patos). Em abril de 2015, o governo entregou ao Dnit a responsabilidade também pelos trechos Massipira (62 km) e 49 km entre Tarauacá e Feijó.