Com 2,02 metros, Rio Acre se aproxima da menor cota histórica já registrada na capital

O Rio Acre na capital acreana amanheceu no último domingo, 10, com 2,02 metros. Com esse nível, o manancial fica a 0,72 centímetros da menor cota histórica já registrada desde 1971, ano em que começou a ser monitorado. A menor marca foi 1,30 metro, no dia 17 de setembro de 2016, segundo a Defesa Civil Municipal.

Assim como nos outros anos, o nível do rio começou a baixar em maio deste ano, mas, em junho, o período de estiagem ganhou força. A partir de então, começou a sofrer um decréscimo com poucos dias de estabilidade, segundo levantamento diário feito pela Defesa Civil Municipal.

O tenente-coronel Cláudio Falcão, coordenador da Defesa Civil Municipal, explica que com a pouca previsão de chuvas a tendência é que o nível do rio baixe ainda mais. “A tendência é as chuvas cessarem e a previsão é que neste ano de 2022 a gente tenha uma seca severa e ondas de calor mais elevadas do que tivemos nos últimos anos.”

Operação Estiagem

A Operação Estiagem inicia na segunda-feira, 11, e a previsão é atender 18 comunidades da capital acreana que não têm rede de distribuição de água e que devem sofrer com o desabastecimento durante a seca. São, geralmente, famílias que dependem de poços, represas e água da chuva.

Em 2021, segundo Falcão, a operação atendeu 17 comunidades com mais de 8,3 mil beneficiados. A operação ocorre desde 2019.

O coordenador disse ainda que todas as caixas d’água foram colocadas nas comunidades, ainda no início do mês, para que a distribuição comece nesta segunda. “São, inicialmente, 18 comunidades que vamos atender, mas, com a possibilidade de a gente ampliar, porque é muito pedido que a gente recebe”, afirmou.

Falcão esclareceu que as comunidades são escolhidas através de triagem, quando são identificadas quais estão com mais necessidade. (Por Janine Brasil, g1 Acre)