Coluna Opinião: 2022 bate a porta

O tabuleiro político para 2022 está girando, especialmente na disputa ao governo do Estado. O retorno de Gladson Cameli ao Partido Progressista foi só mais uma movimentação no jogo. Muita água vai rolar debaixo da ponte até a votação do ano que vem. O governador já confirmou que disputará a reeleição. Seu principal adversário provavelmente será o senador Sérgio Petecão (PSD). Embora sempre desconverse o assunto, nos bastidores, sua participação no pleito do próximo ano já é dada como certa. Ele tem sido visto com muita frequência no Vale do Juruá. Tem participado de muitas agendas ao lado da família Sales, especialmente a deputada federal Jéssica Sales. Nos bastidores o que se diz é que já está de olho em possíveis alianças para 2022. E com os Sales insatisfeitos com o governador Gladson Cameli, essa parceria aí já é dada como certa. Não se pode negar que a família Sales é forte no Vale do Juruá. Porém, perderam muito espaço nos últimos anos. O resultado da eleição de 2020 corrobora esse cenário. Mas mesmo assim o apoio deles em uma eleição é importante, ainda mais quando o que está em jogo é o governo do Estado. Cada voto é importantíssimo.

NO RADAR
Essa possível aliança entre Petecão e Jéssica Sales tem que entrar no radar de Gladson Cameli. Fato que o governador é queridíssimo naquela região, mas Petecão também não fica atrás. E com o apoio da família Sales, ele engrossa o caldo. Já passou da hora de Cameli movimentar o tabuleiro político.

FICAR DE OLHO
Outra pessoa que tem que ficar de olho nessa parceria é a senadora Mailza Gomes (Progressista). O apoio de Petecão a Jéssica Sales na disputa ao Senado faz com que a emedebista entre na disputa com mais vantagens que a progressista.

VAI TER QUE RALAR
O fato é que em todos os cenários, a senadora Mailza vai ter que ralar muito para conseguir sair vitoriosa nessa eleição. Tem feito um bom mandato, mas os nomes que estão sendo colocados na mesa são fortes, tornando a disputa acirrada e a colocando em desvantagem.

PÉ NO CHÃO
Não se pode achar que já ganhou por ter o apoio do governo do Estado. Se assim fosse Socorro Neri hoje seria prefeita de Rio Branco. Tem que ter o pé no chão. Na política tudo pode acontecer.

VICE DE PETECÃO
Há quem aposte que Jéssica Sales (MDB) será a vice de Petecão na disputa ao governo na eleição do próximo ano. Estamos de olho na construção desse cenário. Uma coisa é certa: vai ser uma disputa acirrada.

JOGO DURO
Enquanto Petecão tenta trazer para seu lado os “aliados” de Gladson Cameli que no momento encontram-se insatisfeitos com o gestor, o governador começa a cobrar fidelidade dos seguidos do senador. Só ficará no cargo se mostrar que é fiel ao atua governo. E não está errado. Quem é que cria cobra para ser picado depois?

MUDANÇA
Uma nova mudança deve ocorrer na estrutura da saúde pública do Acre nos próximos dias. O coronel do Corpo de Bombeiros, Argemiro Santos, deverá deixar o cargo de diretor-presidente da Fundação Hospitalar do Acre para assumir uma nova função próxima do governador Gladson Cameli.

COMPETENTE
Quem deve ser nomeado no lugar do militar é o psicólogo João Paulo Silva, ex-diretor do Hospital de Amor em Rio Branco e atual diretor da Policlínica. Escolha acertada! João Paulo é competente demais. Por passou deixou resultados maravilhosos. É competente e proativo.

NO PSDB
Corre a boca larga que o Secretário de Saúde, Alysson Bestene deve deixar o Partido Progressistas e se filiar no PSDB. Migrar para o ninho tucano lhe torna “apto” a ser vice de Gladson Cameli em sua reeleição e ainda mantém o apoio do PSDB na disputa em 2022.

BEM VISTO
A filiação de Alysson no PSDB tem sido bem vista pelos aliados de Cameli, especialmente por não quererem uma chapa 100% progressista. O próximo passo é convencer quanto ao nome do secretário. Aí a história vai ser um pouco mais complicada.

AUXÍLIO DO BEM
O deputado Roberto Duarte sugere aumentar o valor do Programa Estadual “Auxílio do Bem” de R$ 150,00 para R$ 300,00. Além disso, quer a inclusão das famílias inseridas no CAD-Único, Bolsa Família e outros programas assistenciais, por considerar que estas são justamente as famílias mais vulneráveis e que mais necessitam de benefício.

COMPLICADO
O PSB tem em mente que conquistar uma vaga no Senado não será uma tarefa nada fácil. Embora tenham colocado na mesa dois nomes de peso, como a ex-prefeita Socorro Neri e o deputado estadual Jenilson Leite, pesa contra eles a rejeição a legenda no Estado.

TEM QUE PENSAR
Não creio que Jenilson vá trocar uma reeleição a Aleac ou até mesmo uma vaga na Câmara dos Deputados para entrar na disputa ao Senado. Os dois primeiros cenários são mais reais.

TROCA
O ex-diretor nacional de Programas do Incra e ex-superintendente do órgão no Acre, Raimundo Sabonete, vai assumir o cargo de diretor-técnico da Secretaria de Produção e Agronegócio (Sepa) no lugar do agrônomo e servidor de carreira do setor, Nilton Bayma Craveiro, indicado do senador Sérgio Petecão (PSD).

ESTRATÉGICO
Sabonete assume o cargo, considerado estratégico e um dos mais importantes da Sepa, por indicação do presidente da executiva do MDB no Acre, deputado federal Flaviano Melo, que já tem sua mulher Luciana Videl como diretora na secretaria.

APOIO DO MDB
A ida de Sabonete para a Sepa é mais um sinal do embarque emedebista no governo decidido pela executiva do próprio partido há quase um mês. O MDB deve ocupar vários cargos na Sepa nos próximos dias na capital e interior.

AÇÕES DO MANDATO
O deputado federal Leo de Brito (PT-AC) apresentou um Projeto de Lei que dispõe sobre a obrigatoriedade de destinação de vagas de leitos de enfermarias e UTI’s, nas unidades de saúde do Exército, Marinha, Aeronáutica e Hospital das Forças Armadas, para civis em situações de emergências e calamidades públicas em saúde. O parlamentar acreano justifica que diante do cenário atual de pandemia do novo coronavírus, todos os hospitais que fazem parte do Sistema Único de Saúde (SUS) alcançaram sua capacidade máxima de lotação em leitos de enfermarias e UTI’s destinados ao tratamento da Covid-19.

BLOQUEARAM
Em contrapartida, as unidades militares de saúde bloquearam seus leitos à espera de militares em enfermarias e UTI’s. Segundo dados Tribunal de Contas da União (TCU), há unidades militares com até 85% de vagas ociosas. Leo pede imediata deliberação da mesa diretora em face da relevância da matéria.

“O país enfrenta a maior crise sanitária de todos os tempos, com o colapso nas redes públicas de saúde nos estados, essa é a hora de todos se ajudarem, sem exclusividades e privilégios, todas as vidas importam! É inaceitável que se mantenham leitos vazios enquanto milhares de pessoas morrem nas filas de hospitais do SUS”.

Deputado Leo de Brito ao comentar sobre PL para auxiliar o SUS na pandemia com disponibilidade de leitos