Connect with us

Cotidiano

Caminhoneiros aderem paralisação e fecham parcialmente rodovia no Acre

Os caminhoneiros do Acre aderiram, nesta quarta-feira (23), a greve nacional que já dura três dias. Em Rio Branco, os manifestantes fecharam parcialmente a BR-364, no Segundo Distrito de Rio Branco. Durante o ato eles queimaram pneus e também mostraram cartazes apoiando a paralisação. O objetivo é fazer com o que o governo federal baixe o preço do diesel.

Published

on

Os caminhoneiros do Acre aderiram, nesta quarta-feira (23), a greve nacional que já dura três dias. Em Rio Branco, os manifestantes fecharam parcialmente a BR-364, no Segundo Distrito de Rio Branco. Durante o ato eles queimaram pneus e também mostraram cartazes apoiando a paralisação. O objetivo é fazer com o que o governo federal baixe o preço do diesel.

Devido à greve, as associações relatam impactos na produção e distribuição de alimentos, enquanto supermercados e postos de combustíveis em vários estados enfrentam dificuldades para repor os produtos.

No Acre, segundo o caminhoneiro Kennedy Cândido, a paralisação iniciada nesta quarta (23) segue por tempo indeterminado até que tenham um posicionamento do governo federal sobre a redução no preço do diesel. Na quinta (24) eles devem fechar totalmente a BR-364.

“Não conseguimos mais trabalhar com esse preço. O governo aumenta cada vez mais o preço e a gente está com a paciência curta. Começamos hoje e vamos seguir até onde os sindicatos de fora mandarem. Enquanto não tiver um acordo vamos deixar fechado. Tudo isso é por tempo indeterminado hoje [quarta, 23] e amanhã. A hora que o governo passar algo para todos nós, aí liberamos. Enquanto isso não acontecer vamos permanecer em greve como lá fora”, afirma.

Greve – Pelo 3º dia seguido, nesta quarta-feira (23), caminhoneiros fazem protestos em rodovias federais e estaduais, além de vias importantes em vários estados do país mais o Distrito Federal.

Advertisement

Os atos são contra a disparada do preço do diesel que faz parte da política de preços da Petrobras, em vigor desde julho. A paralisação gera reflexos nas áreas de transporte, alimentos e indústria.

Em resposta aos protestos, a Petrobras anunciou redução de 10% no preço do diesel nas refinarias e que a medida deve valer por 15 dias. A redução representa menos R$ 0,26 no litro do combustível.