Acre gerou 492 vagas com carteira assinada em setembro, diz CAGED

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), divulgado nesta quinta-feira, 17, apontou o crescimento do emprego com carteira de assinada em setembro no Acre. Nos municípios de Rio Branco, Cruzeiro do Sul e Tarauacá foram os que mais contribuíram para o aumento dos registros.

Ao todo o Acre obtivesse saldo positivo de 492 postos de trabalho no período. O saldo é quase o dobro do desempenho de setembro de 2018. Apesar do IBGE seguir vendo queda no setor de serviços, é exatamente esse segmento que mais contribuiu para o bom desempenho do emprego no Acre em setembro.

No ranking dos Estados, o Acre é o 25º colocado com variação de 0,62%. Em todo o país, setembro apresentou maior criação de emprego formal para o mês desde 2013.

Beneficiada pelos serviços e pela indústria, a criação de empregos com carteira assinada atingiu, em setembro, o maior nível para o mês em seis anos e o sexto mês seguido de crescimento. Os dados apontam que 157.213 postos formais de trabalho foram criados no último mês. O indicador mede a diferença entre contratações e demissões.

A última vez em que a criação de empregos tinha superado esse nível foi em setembro de 2013, quando as admissões superaram as dispensas em 211.068. A criação de empregos totaliza 761.776 de janeiro a setembro, 6% a mais que no mesmo período do ano passado.

Setores

Na divisão por ramos de atividade, sete dos oito setores pesquisados criaram empregos formais em setembro. O campeão foi o setor de serviços, com a abertura de 64.533 postos, seguido pela indústria de transformação (42.179 postos). Em terceiro lugar, vem o comércio (26.918 postos).

O nível de emprego aumentou na construção civil (18.331 postos); na agropecuária (4.463 postos), no extrativismo mineral (745 postos) e na administração pública (492 postos). O único setor que demitiu mais do que contratou foram os serviços industriais de utilidade pública, categoria que engloba energia e saneamento, com o fechamento de 448 postos.

Tradicionalmente, a geração de emprego é alta em setembro, por causa da produção da indústria para o natal e do aquecimento do comércio e dos serviços para as festas de fim de ano. Na agropecuária, o início da safra de cana-de-açúcar é a principal responsável pela geração de empregos, principalmente no Nordeste. (Com informações Agência Brasil)