Venda da ZPE no Acre abre novas possibilidades de importação e exportação

Investimentos internacionais e geração de emprego e renda para a população acreana. Na essência, esses são os principais atrativos da venda da Zona de Processamento de Exportação (ZPE), arrematada em leilão semana passada por R$ 25,8 milhões pelo grupo de investidores China Haiying do Brasil. A iniciativa foi do governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Indústria, Ciência e Tecnologia (Seict) e da Secretaria Adjunta de Licitações (Selic).

Secretário Anderson Abreu em entrevista para a Rádio Aldeia FM. Foto: Mauro Tavernard.

Foram mais de 10 anos de inatividade da ZPE, localizada em Senador Guiomard, que enfim poderá ter nova destinação em breve. Uma das possibilidades é a exportação de carne e importação de eletrônicos via Estrada do Pacífico.

Para dar mais detalhes sobre a empreitada, o secretário Anderson Abreu, titular da Seict, foi convidado a participar de entrevista na Rádio Aldeia FM nesta segunda-feira, 19, com a presença dos radialistas Jairo Carioca e Jonathan Costa.

Confira abaixo um resumo do bate-papo:

Jairo Carioca: Na semana passada, após mais de uma década, a “famosa” ZPE foi arrematada em leilão. Conte-nos mais sobre isso.

Anderson Abreu: Esse é um antigo sonho dos acreanos, mas por problemas diversos, nunca saia do papel, e ainda dava prejuízo de cerca de R$ 20 mil mensais com gastos em segurança e manutenção. O governador Gladson Cameli nos incumbiu (Seict) de dar viabilidade para obras e segmentos parados ou inutilizados de gestões passadas, e a ZPE era um dos nossos principais objetivos. Com a ZPE, o Acre pode mudar de patamar, mudar a realidade do Estado. O primeiro passo foi dado com a venda no leilão, que ocorreu pelo empenho de nossa secretaria e do governo do Estado, de modo a dar a segurança necessária para os investidores acreditarem no Acre. Nossa expectativa é geração de emprego e renda já a partir dos próximos meses.

JC: Aproveitando sua fala, esse foi um dos compromissos de campanha de Gladson Cameli, de dar nova destinação para “elefantes brancos” (obras sem uso). O primeiro passo foi dado na fábrica de preservativos em Xapuri e no antigo frigorífico de Cruzeiro do Sul.

AA: Sempre que o governador ia pra Cruzeiro do Sul, olhava para o frigorífico, bem na entrada da cidade, e nos cobrava (Seict) para darmos viabilidade para aquela obra. Foram gastos milhões de reais no passado nesse prédio, e mesmo assim ele estava em completa deterioração. Não medimos esforços para darmos outra destinação ao empreendimento e hoje temos uma cooperativa de frutas atuando no local, impactando positivamente milhares de pessoas, com empregos diretos e benefícios para a agricultura familiar local.

Secretário explanando sobre a ZPE. Foto: Mauro Tavernard.

JC: Com a exportação, vem a geração natural de emprego e renda, e ações como o Sistema de Inspeção Brasileira (Sisb), promovidas pelo Idaf, são importantes nesse processo.

AA: Sim, muito importantes. Ter parcerias das secretarias e da própria Assembleia Legislativa é essencial para que caminhemos no rumo certo, pois ninguém faz nada sozinho. As Federações, como a Fieac, o Sebrae, enfim, todos temos o mesmo objetivo que é a desburocratização e geração de novos oportunidades para o Estado. Todo mundo quer trabalhar, quer oportunidade, e o governo deve facilitar para que isso ocorra.

JC: Qual o diferencial da Estrada do Pacífico para a ZPE?

AA: Não só da ZPE, mas para o projeto de desenvolvimento do país. Ela serve como porta de entrada do Brasil para mercados asiáticos e ainda diminui em cerca de 15 dias o tempo de entregadas mercadorias. Têm outras obras importantes também, como a ponte do Rio Madeira, o Anel Viário de Brasileia, enfim, várias benfeitorias que facilitam os investimentos, e os chineses viram toda essa infraestrutura que está sendo montada, além dos benefícios fiscais. São vários pontos que convergem para os resultados que estamos tendo hoje. Tudo está convergindo para que o Estado mude de patamar. Tenho certeza que, se não fosse a pandemia, estaríamos ainda melhores.

JC: Quais os próximos passos após a venda da ZPE?

AA: Continuar nossa rotina de muito trabalho. Desde 2019, no início da gestão do Gladson, estamos tentando viabilizar esse negócio. Nós abrimos a porta dos investimentos e as perspectivas são grandes; estamos vendo o início de outro patamar para nosso Estado. Há a intenção de venda de carne bovina e até do setor de artefatos eletrônicos, em várias relações comerciais que só tem a nos beneficiar (Acre). (Notícias do Acre)