Em artigo, sertanista critica uso eleitoral das comunidades indígenas

O artigo “Não gastem urucum pintando o rosto dos inimigos” viralizou na internet. Escrito pelo indigenista aposentado José Carlos Meireles, o texto é um alerta para as comunidades indígenas do Acre que tem recebido em suas terras políticos como o senador Gladson Cameli e o ex-deputado Marcio Bittar, atuais candidatos ao governo do Acre e a senador da República, respectivamente. Ambos estiveram percorrendo algumas comunidades indígenas, onde foram recebidos por caciques que os pintaram com urucum –e se portaram como defensores da causa desses povos, algo que, segundo Meireles, não é verdade: “Pois bem, ´aí vem´, como se diz na mata, o senhor Gladson que é de um partido anti-indígena confesso e o senhor Márcio Bittar que vivia falando que é muita terra pra pouco índio, amigo dos ruralistas, pousarem para fotos nas redes sociais pintados de urucum. É no mínimo muita cara de pau e um insulto à inteligência dos índios do Acre”.

Meireles, um dos mais renomados indigenistas do Brasil e reconhecido mundialmente pelo trabalho realizado de defesa das tribos amazônicas, se sente seriamente preocupado com a situação, já que, lembrou ele, “nestes 20 anos, nos governos do Jorge, Binho e Tião os índios do Acre sempre tiveram um canal aberto com a assessoria e diretamente com o governador”. Gladson e Bittar sempre estiveram do lado contrário à luta dos índios. “Fiquem espertos parentes. Estes dois só querem duas coisas: seu voto e suas terras”, alerta José Meireles.