Situação fiscal do Acre para 2019 é “média”, diz pesquisa de Consultoria

Somente seis dos 26 estados brasileiros, mais o Distrito Federal, vão começar o ano de 2019 com as contas públicas em uma situação fiscal considerada boa ou muito boa. Os dados são de um estudo realizado pela Tendências Consultorias Integrada divulgado nesta sexta-feira (14).

De acordo com a pesquisa, apenas os próximos governadores do Amapá, Espírito Santo, Amazonas, Rondônia, Tocantins e da Paraíba receberão as contas públicas em boas condições no começo de seus mandatos.

Os estados foram classificados com situação fiscal péssima, muito fraca, fraca, média, boa ou muito boa. O único que conseguiu atingir a primeira colocação (muito boa) foi o Amapá. Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais apresentaram nível péssimo.

A situação Rio Grande do Norte não foi medida por falta de dados.

Situação fiscal dos estados

Péssima:

Minas Gerais

Rio de Janeiro

Rio Grande do Sul

Muito fraca:

Pernambuco

Bahia

Sergipe

Distrito Federal

Goiás

Mato Grosso

São Paulo

Santa Catarina

Fraca:

Maranhão

Piauí

Mato Grosso do Sul

Paraná

Alagoas

Média:

Ceará

Pará

Roraima

Acre

Boa:

Amazonas

Rondônia

Tocantins

Paraíba

Espirito Santo

Muito boa:

Amapá

Situação do Rio Acre é normal, diz monitoramento do CPRM

O Serviço Geológico do Brasil (CPRM) divulgou novo informe de previsão e monitoramento de estiagem da bacia do rio Madeira e também o 8º informe de previsão e monitoramento de estiagem na bacia do Rio Acre em 2018 para os municípios de Assis Brasil, Brasiléia, Xapuri e Rio Branco.

O rio Acre, dada a ocorrência de chuvas na última semana, está um pouco acima do nível de atenção para secas. Para as duas semanas seguintes, existe previsão de chuva na região. Caso elas se confirmem, o rio deverá se afastar da condição mais crítica. O rio já está no período em que 95% das vazões mínimas foram observadas ao longo do histórico de monitoramento. Até agora, segundo o gráfico do CPRM, a situação é “verde” –ou seja: está tudo dentro da normalidade na Bacia Hidrográfica do Rio Acre.

O modelo de previsão da CPRM aponta tendência de continuidade da estiagem do rio Madeira. Para reverter esta tendência, chuvas mais significativas previstas sobre a parte boliviana da bacia precisam ser confirmadas. Ainda que chuvas tenham sido observadas por meio de estimativas de satélite, seus efeitos ainda não foram sentidos nos rios da bacia do Madeira.

Os boletins descrevem pontos monitorados, monitoramento de níveis, previsão de níveis e acompanhamento de chuvas, tendo como principais usuários os órgãos de Defesa Civil. Neste período de estiagem, de acordo com a Defesa Civil do Amazonas 21 municípios estão em alerta por causa da estiagem, além disso, o transporte pelo rio Madeira foi reduzido em 50% e a navegação à noite proibida para evitar colisões com bancos de areia e de pedra.