Sistema de Segurança do Acre esclarece sobre manutenção da aeronave Harpia 01

Muitas são as funcionalidades do helicóptero Harpia 01 para o Centro Integrado de Operações Especiais (Ciopaer) da Segurança Pública do Acre, sobretudo no cumprimento de sua maior missão: servir e proteger. Atualmente, a aeronave passa por manutenção preventiva e corretiva e só deve voltar às atividades em um prazo estimado de 30 dias.

De acordo com o major da Polícia Militar do Acre e coordenador do Ciopaer, Samir Freitas, a intervenção precisou ser feita pela necessidade de troca das pás e outros componentes, além de nova pintura e balanceamento, para resguardar a segurança da tripulação e garantir a durabilidade da aeronave.

A ausência na Região Norte de empresas especializadas do ramo aeronáutico, mais especificamente para helicópteros, e a burocracia da administração pública, são duas das maiores dificuldades sempre quando é necessária uma manutenção no Hárpia 01.

“Assim que detectamos a necessidade, contatamos a empresa responsável para a execução dos serviços, e em seguida fomos surpreendidos pela greve dos caminhoneiros, o que atrasou o envio do nosso material para o estado de Minas Gerais, local em que fica situada a única empresa autorizada para esse tipo de reparo”, explica o major Samir Freitas.

Ele informa também que em toda a vida operacional da aeronave deve haver periodicidade nas revisões de sistemas e subsistemas e o Estado tem buscado se ater ao cumprimento das diretrizes do órgão regulamentador de aeronavegabilidade no país, mesmo que os serviços de reparo sejam bastante complexos. “Essas diretrizes são emitidas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e, portanto, obrigatórias”, acrescenta.

Balanço das ações

Com uma equipe bem treinada, a tripulação do Ciopaer já coleciona boas histórias de seus 11 anos de atuação no estado. Instituído por meio do decreto estadual n° 4.564, foi criado para modernizar as atividades operacionais da segurança pública, com vista à maximização das ações aéreas, seja no patrulhamento policial ou na prestação de socorro e resgates.

Do ano passado até o início de 2018, foram mais de 160 horas de voo, entre patrulhamento, resgates aeromédicos, operações de Defesa Civil e Ambiental, além de outras ações.

Tião Viana rebate críticas à Segurança e diz que pedido de intervenção não ajuda

O governador Tião Viana em coletiva de imprensa na manhã de quinta-feira (12) em seu gabinete na Casa Civil, juntamente com membros da Segurança Pública, rebateu as críticas feitas pelo senador da República Sérgio Petecão (PSD/AC) na sessão da última terça-feira (10), no Senado Federal, sobre a quantidade de homicídios no estado.

Segundo Tião Viana, o governo federal ficou de repassar recursos para investimentos na Segurança Pública do Acre, mas até o momento o dinheiro não chegou.

“Vale lembrar que o governo federal prometeu cerca de R$ 150 milhões para a Segurança Pública no Acre e até agora nada veio”, lembrou o governador.

O governador citou, ainda, as vezes que recorreu ao governo federal para resolver os problemas das fronteiras, por onde entram drogas e armas fortalecendo a atuação de grupos criminosos no estado.

“Pedi a presença do governo federal, do Exército, e dos efetivos federais cuidando das fronteiras do Acre inúmeras vezes. O ovo da serpente, a origem do mal, é o narcotráfico produzido no Peru e na Bolívia – porque no Acre não se produzem entorpecentes”, afirmou Tião Viana.

Com relação às críticas de Sérgio Petecão, o governador disse que o senador acreano foi ‘infeliz’ nas colocações e desmereceu a Polícia acreana. Tião Viana também questionou a baixa quantidade de policiais federais na segunda maior cidade do Acre.

“O senador, ao fazer isso, diminui nossa força policial, que apenas no mês de junho apreendeu mais de 500 kg de drogas no Acre. Como combater o narcotráfico, a origem da violência, com apenas 35 homens da Polícia Federal em Cruzeiro do Sul?”, indagou.

Intervenção Militar

Questionado a respeito do pedido de parlamentares acreanos para que haja intervenção militar no estado do Acre, Tião Viana foi categórico.

“Esse pedido de ‘intervenção federal’ é um ato que eu traduzi como um ato de irresponsabilidade, que não traz respeito nem às forças policiais e nem às famílias das vítimas. Tomem como exemplo o Rio de Janeiro: 50 policiais foram assassinados só neste ano e a violência aumentou. Não se brinca com segurança pública”, disse Viana.

Ainda durante a coletiva, o governador criticou a atitude dos senadores Gladson Cameli (Progressista/AC) e Petecão (PSD/AC), e mais seis deputados da bancada federal, em pedir ao presidente Michel Temer intervenção de tropas militares no estado do Acre.

“Eu não vi esse discurso do senador [Petecão] e nem de seus parceiros de oposição ano passado. E agora estão fazendo isso a troco de quê? Por ser véspera de eleição? Querem transformar o sofrimento de famílias e a luta de nossas polícias em votos?”, questionou.

Além do governador participaram da coletiva, o comandante da PM no Acre Coronel Marcos Kinpara, outras autoridades das polícias civil e militar, do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e do diretor do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), Aberson Carvalho.

Forças de segurança realizam operação Ilha Grande, em Cruzeiro do Sul

Operação “Ilha Grande”, em andamento, está sendo executada em Cruzeiro do Sul visando cumprir 143 mandados de prisão e 50 de busca e apreensão, que têm como principal objetivo combater os crimes de organização criminosa, tráfico de drogas, posse e porte ilegal de armas de fogo.

A operação “Ilha Grande” foi articulada após um trabalho investigativo que durou 5 meses desenvolvido pelo Departamento de Inteligência (DI) e Núcleo da Delegacia de Combate ao Crime Organizado no Juruá (DECCO), com apoio de equipes da Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) da Polícia Civil, que identificaram membros de organização criminosa que estariam agindo na região, fora do Estado e do país.

No Juruá, a ação policial segue realizando incursões em Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Rodrigues Alves, Marechal Thaumaturgo e Porto Walter, além do Estado Santa Catarina e no país vizinho Peru.

Resultado parcial

Em andamento, a operação policial já prendeu 74 pessoas, apreendeu droga, armas e, também, mais de R$ 10 mil em espécie asfixiando e descapitalizando o crime e seguindo para o cumprimento de sua integralidade.

Essa é a maior operação de cumprimento de mandados já realizada no interior do Estado, especificamente na região do Juruá, envolvendo 8 escrivães, 4 peritos criminais, 8 delegados, 110 agentes de Polícia Civil e 30 viaturas, além de embarcações tipo para o suporte às ações em rios da região.

Foto Cedida 2

Foto Cedida 3

Foto Cedida 4

Foto Cedida 5

Antes do recesso, Aleac vota matérias importantes para segurança pública

Os deputados aprovaram na sessão desta quarta-feira (11) todas as matérias do primeiro semestre deste ano que estavam pendentes. Com o recesso de julho se aproximando, os parlamentares deram celeridade aos trabalhos das comissões para analisar e votar todos os projetos que tramitaram na casa. Todos os projetos do governo do Estado e os de autoria dos deputados estaduais que se encontravam na casa legislativa foram devidamente analisados e votados em plenário.

Nesta quarta-feira, os parlamentares aprovaram 40 projetos, incluindo moções de aplauso e títulos de cidadão acreano. Um dos projetos aprovados pelos deputados “Cria o Corpo Voluntário de Militares do Estado da Reserva Remunerada e dispõe sobre a convocação dos inscritos para serviço ativo em caráter transitório.

A propositura visa aumentar o prazo de premência em atividade que poderá ter a convocação provisória, passando-se de um ano, prorrogável por um idêntico período, para dois anos, prorrogáveis também apenas uma vez e por igual período.

A medida afeiçoa-se como demanda do comando do Polícia Militar e da Secretaria de Estado de Segurança Pública, que verificaram ser o período atualmente previsto em lei insuficiente para a aplicação de suas disposições de forma mais eficaz e produtiva.

Outra matéria aprovada também de autoria do Poder Executivo, altera dispositivos da Lei n° 2.148, de 21 de setembro de 2009, que “Cria o banco de horas no âmbito da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Acre”. O projeto tem por objetivo a alteração dos valores do banco de horas destinado aos militares que se prestam a oferecer, nos períodos de folga, as funções de policiamento ostensivo e de segurança da ordem pública.

O Executivo explica ainda que para que não houvesse transgressão à Lei de Responsabilidade Fiscal, o projeto fixa o valor que fora gasto em 2017, a título de banco de horas, montante este que não poderá ser ultrapassado no presente ano e nem nos demais.

O terceiro projeto aprovado do Poder Executivo dispõe sobre a estrutura remuneratória das carreiras de oficiais e praças militares.

Os deputados também aprovaram a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

Após a votação das matérias o presidente da Aleac, deputado Ney Amorim (PT), agradeceu a presença de representantes das corporações de militares e bombeiros que acompanharam a votação dos três projetos no salão Marina Silva. O deputado salientou que a aprovação das leis aconteceu graças a um esforço conjunto entre os parlamentares e líderes de associações.

“Tivemos uma reunião com os representantes e quero dizer que as três leis foram amplamente debatidas nas comissões e aprovadas por unanimidade. Além disso, quero render minha homenagem aos policiais militares e bombeiros, desde os da mais alta patente à mais baixa. Nós perdemos em um ano oito policiais militares. A PM do Acre, além de ser a mais honesta do Brasil, é também a mais combativa. Vivemos em área de fronteira, enfrentamos os mais diversos problemas, mas temos esses profissionais que tanto se dedicam em prol da nossa população”, enalteceu.

Ney Amorim parabenizou ainda os parlamentares e os membros das comissões pelo trabalho realizado. O parlamentar destacou que todos os projetos que tramitavam no Poder Legislativo foram analisados e votados.

“Todos se esforçaram muito para garantir o bom andamento dos trabalhos. Fizemos reuniões e votações importantes nesses últimos dias, com o intuito de limpar as gavetas do Legislativo. O importante é que zeramos a pauta de projetos e entraremos no recesso de julho de gavetas limpas”, disse.

A Assembleia Legislativa do Acre estará em recesso parlamentar no período de 13 a 31 de julho. As sessões ordinárias voltarão a ser realizadas a partir do dia 4 de agosto, às 10h.

Segurança Pública intensifica policiamento nas ruas da capital

Homens das forças de segurança do Estado ocupam as ruas de Rio Branco em todas as regionais da capital desde o último sábado, para combater a criminalidade e o tráfico de drogas.

A medida visa aumentar a segurança após registros de enfrentamentos na disputa entre as organizações criminosas que ocorreram ao longo do último sábado, 7, na capital, resultando na morte de 4 pessoas, até o fechamento desta edição.

As mortes são, em sua maioria, decorrentes da disputa entre dois grupos criminosos pelo controle do tráfico.

As operações policiais foram coordenadas pelo próprio secretário de segurança, Vanderlei Thomas, pelo comandante-geral da Polícia Militar, coronel Marcos Kinpara e também pelo secretário de Polícia Civil, Carlos Flávio Portela, que percorreram pontos estratégicos da capital com suas equipes policiais no intuito de evitar novos enfrentamentos.

Na manhã de domingo, 8, a cúpula da segurança pública se reuniu para realinhar o planejamento estratégico de combate à criminalidade e intensificar a presença das forças de segurança nas ruas da cidade.

De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Marcos Kinpara, as operações vão continuar por tempo indeterminado.

“Nós fizemos rondas em toda a cidade, no Segundo Distrito todo, na parte alta, que é a área do 5° Batalhão, Tancredo Neves e demais regiões. A polícia está firme nas ruas combatendo, de forma integrada com as polícias militar, Civil, Detran, Iapen e demais instituições. Vamos continuar reforçando essas operações durante toda a semana na capital acreana”, disse Kinpara.

policia1

Governo entrega viaturas para fortalecimento da segurança pública no estado

As polícias Civil e Militar, junto com o Corpo de Bombeiros do Acre, receberam do governo do Estado na manhã desta terça-feira, 3, o investimento de R$ 2,1 milhões em viaturas que vão fortalecer o trabalho das instituições. Ao todo, foram entregues 18 veículos durante solenidade realizada na sede da Secretaria de Estado de Polícia Civil, em Rio Branco.

Seis viaturas modelo Gol foram destinadas à Polícia Civil e quatro para a Polícia Militar, além de duas camionetes adaptadas para o Departamento da Polícia Técnico-Científica. Outros seis veículos de modelos diferentes também foram distribuídos entre as duas polícias e o Corpo de Bombeiros.

Os investimentos são resultados de convênios de execução própria da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) e de termos de cooperação junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT). Ainda, parte da aquisição dos veículos é resultado do envio de profissionais da segurança no Acre para atuação durante os Jogos Olímpicos, em 2016, mediante acordo com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp).

A solenidade também foi marcada pela entrega de um equipamento de Raio-X ao Instituto Médico Legal (IML) e uma visita ao Laboratório de DNA Forense, com vistas ao fortalecimento do trabalho científico. Na oportunidade, o governador Tião Viana relembrou o esforço que se tem feito para valorizar os operadores da segurança pública, como o fato de entre 2011 e 2018 o salário de policiais civis ter saltado do 23º para o 5º lugar dos melhores no ranking nacional. Situação semelhante também na PM, que tem agora um dos 5 melhores salários iniciais do Brasil.

“A Segurança Pública representa uma luta de todos os dias, o Brasil vive uma guerra civil e precisamos de respostas da união de todos, já que o governo federal continua omisso à luta das fronteiras. Muito nos assusta a reação da criminalidade diante do nosso combate, por isso todos os dias precisamos resistir e buscar o entendimento acerca do tamanho do problema que representa o narcotráfico no país, pois o que nos distingue em meio à tudo isso é a nossa união pela vida e pela paz”, frisou.

Presente na solenidade, o Presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Acre (Sinpol/AC), Tibério César da Costa. fez uma fala de reconhecimento aos esforços do Estado na valorização dos agentes de segurança e reforçou o compromisso dos agentes de carreira da instituição. “Só posso externar os agradecimentos pela política pública de valorização implementada por essa gestão ao longo desses anos e dizer que é um motivo de orgulho enquanto categoria podermos ter construído o diálogo franco com o governo”, disse.

Secom Acre0307181328 web
“Só posso externar os agradecimentos pela política pública de valorização implementada por essa gestão ao longo desses anos”, disse o presidente do Sinpol/AC – Foto/Gleilson Miranda/Secom

O que disseram

“Essa é mais uma dentre as entregas que já foram feitas pelo governador Tião Viana para serem empregadas naquilo que é a nossa atividade fim, que é a investigação. Serão reforçadas as áreas de inteligência e o trabalho nas delegacias, o que contribuirá em muito para a melhoria dos nossos serviços” – Secretário de Estado de Polícia Civil, Carlos Flávio Portela

“Esse momento significa o compromisso que o governo do Estado tem com a segurança pública aparelhando as nossas polícias e dotando-as de mecanismos para a investigação qualificada, uma melhor inteligência e perícia técnica e, assim, fazermos um melhor combate à criminalidade” – Secretário de Estado de Segurança Pública, Vanderlei Thomas

“Todos os investimentos representam o respeito com a sociedade, com a possibilidade de elaboração de laudos com mais eficiência e agilidade para garantirmos a efetividade da justiça de forma integral” – Diretor do Departamento de Polícia Técnico-Científica, Halley Villas Bôas

“É com muito orgulho que o Ministério Público do Trabalho vem efetivar essa parceria de investimentos em uma área tão peculiar e tamanha atuação que é a segurança pública do Estado” -Representante do Ministério Público do Trabalho, Laís Helena Correia.

Segurança realiza Operação Esforço Integrado nas fronteiras

A região de fronteira do Brasil com a Bolívia e o Peru foi ocupada por militares e civis de oito instituições do Estado e da União. Cerca de 200 homens participam da Operação Esforço Integrado que teve início na manhã de sexta-feira, 29, em pelo menos quatro cidades da região do Alto Acre.

“A Operação Esforço Integrado conta não só com os efetivos das polícias do Estado e também as Federais e o Exército Brasileiro, tendo inclusive apoio de mais de 150 homens do lado boliviano nas cidades situadas na faixa de fronteira. Ações também que são replicadas no Peru”, ressaltou o coronel Glayson Dantas, secretário de Integração Operacional da Segurança Pública.

No Acre, a ação é coordenada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) em conjunto com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). A previsão é realizar pelo menos 24 horas de ação integrada nas fronteiras com tropas militares do Exército Brasileiro, Polícias Federal (PF) e Rodoviária Federal (PRF), e também as Polícias Civil (PC) e Militar do Acre (PMAC), além do Corpo de Bombeiros, Detran/AC e Instituto de Administração Penitenciária (Iapen).

Esforço Integrado

Coordenada pelo Ministério Extraordinário da Segurança Pública, a Operação Esforço Integrado já foi realizada em outros estados situados na faixa de fronteira, como Mato Grosso do Sul, Amazonas e Rondônia, e é fruto das reivindicações dos governadores dos Estados fronteiriços que cobram uma maior atuação da União no controle do que entra e sai do Brasil, buscando a garantia da soberania nacional e coibir crimes transnacionais.

A Carta do Acre, assinada por mais de 20 governadores dos estados e do Distrito Federal, cobra uma maior atuação das forças federais no controle das fronteiras bem como a criação de um Sistema Nacional Integrado para compartilhamento de informações atuação conjunta nessas regiões e a liberação de verbas por meio de um Plano Nacional de Segurança Pública.

“Apesar de não ser nossa atribuição constitucional, não nos curvaremos ao narcotráfico e continuaremos sempre alertas e vigilantes no enfrentamento à criminalidade transnacional. As fronteiras precisam ser ocupadas pelo governo federal, pois do contrário a nossa luta contra as organizações criminosas, que buscam a ocupação do espaço territorial, será comprometida. É preciso cortar o mal pela raiz, impedir a entrada das drogas no nosso país”, completou o secretário de Segurança Pública do Acre, Vanderlei Thomas.

Com nova validade do concurso da Polícia Militar, governo fortalece segurança pública

O governo do Estado publicou no Diário Oficial da quarta-feira, 27, a prorrogação da validade do concurso público da Polícia Militar do Acre (PMAC) em dois anos. Com isso, o governador Tião Viana reafirma seu compromisso com os profissionais da Segurança Pública, garantindo a contratação de todos os aprovados nas 250 vagas do certame.

Segundo o edital, o concurso será homologado em julho e passa a ter validade de dois anos, e não apenas de seis meses. A ação está sendo realizada devido ao entendimento do governo de que é necessário fortalecer ainda mais o efetivo policial.

“Está sendo firmado um compromisso com os concursandos que estão no número de vagas, além de abrir uma possibilidade futura de chamamento de mais aprovados durante o período de validade do concurso”, explica Vanderlei Scherer Thomas, secretário de Estado de Segurança Pública. “O investimento em recursos humanos significa capacidade efetiva de mais policiais na rua e de segurança para a população.”

A gestão de Tião Viana tem feito desde o início diversos investimentos para fortalecer a segurança pública tanto com recursos humanos como em infraestrutura e de equipamentos. Seu governo é responsável pelo aumento de 30% no pessoal das forças de segurança do Estado.

Neste ano, a folha de pagamento da PM obteve um reajuste salarial em quase R$ 80 milhões, dos mais de R$ 100 milhões destinados a reajustar os vencimentos dos integrantes das forças de segurança. Desde 2011, foram 2.493 promoções de posto dentro da Polícia Militar, com o compromisso do governo de não atrasar as promoções, seguindo o calendário acordado.

Outro importante esforço foi a construção da Lei de Gratificação Operacional (313/2015), que garante o pagamento desse benefício a todos os militares, num aumento de R$ 5 milhões na folha.

Esses investimentos fazem parte do total de R$ 400 milhões que o governo aplica na segurança por ano e mostram o compromisso do Estado no combate à violência e na busca pela cultura de paz. O governador Tião Viana tem ainda buscado, com bastante intensidade, a garantia de apoio do governo federal para o controle das fronteiras, principal causa de crescimento do narcotráfico no país.

Operadores de segurança pública articulam novas ações na fronteira

As ações integradas de enfrentamento à incidência de crimes nas regiões de fronteira devem continuar nos próximos dias, conforme cronograma que será estabelecido pelas instituições de segurança. Para tratar desse alinhamento, representantes das forças estiveram reunidos nesta segunda-feira, 25, na Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp).

Na última semana, uma operação no Alto Acre envolvendo as Polícias Civil, Militar, Federal, Exército Brasileiro, além da Polícia Nacional Boliviana (PNB), resultou na prisão de pessoas envolvidas com a criminalidade, armas de fogo recuperadas e drogas apreendidas.

O secretário adjunto de Integração Operacional da Sesp, coronel Glayson Dantas, conduziu a reunião de hoje. “Daremos continuidade a essas ações, visto que quando há a integração das forças temos resultados como esses da operação da semana passada. É nesse sentido que estamos mais uma vez reunidos, para garantirmos a união de todos para prosseguirmos com a execução do planejamento para os próximos dias”, disse.

O encontro teve o engajamento de representantes de operadores da segurança em nível estadual e federal, sendo eles: Polícias Civil (PC), Militar (PM), Federal (PF) e Rodoviária Federal (PRF), Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Corpo de Bombeiros e Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

A agenda estratégica segue sendo desdobramento de um encontro de todos os gestores da Segurança Pública das regiões de fronteira brasileira, realizado em maio, em Brasília. O encontro foi em decorrência da recente criação do Ministério Extraordinário da Segurança Pública, que pretende estabelecer uma política nacional de segurança em consonância com os estados.

Forças de segurança fazem operação em favelas da zona sul do Rio

As forças segurança fazem hoje (21) uma operação nas comunidades da Babilônia e Chapéu Mangueira, no Leme, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro, como parte das ações da intervenção federal na segurança pública do estado. Facções criminosas que dominam as duas favelas estão há vários dias disputando o controle pelos pontos de venda de drogas nesses locais.

A operação envolve o cerco das comunidades, patrulhamentos, revistas em veículos, verificação de antecedentes criminais e remoção de barricadas. Algumas ruas e acessos na região poderão ser interditados e setores do espaço aéreo controlados com restrições para aeronaves civis.

Participam da ação, 1.800 militares das Forças Armadas e 50 policiais militares, além de duas equipes do Corpo de Bombeiros com cães farejadores. A Marinha faz patrulhas nas áreas marítimas vizinhas e a Aeronáutica atua com helicópteros sobre a região.

Ação na Maré

Nessa quarta-feira (20), uma ação conjunta da Polícia Civil e do Exército ontem no Complexo da Maré resultou na morte de sete pessoas, entre elas um adolescente de 14 anos, que foi baleado próximo da escola onde estudava. Marcos Vinicius da Silva chegou a ser levado para o Hospital Getúlio Vargas e passou por cirurgia, mas não resistiu ao ferimento.

Logo depois da morte, no fim da noite, moradores fizeram protestos em que fecharam a Avenida Brasil e a Linha Vermelha. Manifestantes chegaram a atear fogo em um ônibus.

Segundo a Polícia Civil, o objetivo da operação era cumprir 23 mandados de prisão e prender os suspeitos de terem participado da morte do chefe de operações da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), que morreu com um tiro na cabeça na semana passada, durante operação policial, na favela de Acari. Algumas comunidades da Maré são dominadas pela mesma facção que controla a venda de drogas de Acari.

De acordo com o Comando Militar do Leste, o Exército apenas apoiou a operação da Polícia Civil “logisticamente com dois veículos blindados, realizando o transporte em segurança dos agentes até os pontos assinalados por eles, como parte da operação”.

Forças de Segurança deflagram operação integrada “Fronteira Segura” no Alto Acre

Seguindo planejamento estratégico de combate ao crime organizado, forças de segurança do Estado deflagraram na manhã desta terça-feira, 12, a operação “Fronteira Segura” nos municípios de Assis Brasil, Brasileia e Epitaciolândia.  Paralelo à operação, o Exército Brasileiro também está nas rodovias reforçando a segurança na região do Alto Acre.

Operadores de segurança da Polícia Civil e da Policia Militar por meio do Batalhão de Operações Especiais (BOPE) e Exército Brasileiro (EB) realizaram incursões e blitze no sentido de identificar e prender pessoas em débito com a justiça, além de coibir o tráfico de drogas e crimes transfronteiriços na região em parceria com a Polícia Nacional Boliviana (PNB).

Parcial da Operação

Até o fechamento desta edição, as forças de segurança haviam prendido duas pessoas. A dupla de suspeitos fugiu do bloqueio policial retornando ao país Bolívia sendo interceptado pela ação de policiais bolivianos. Em posse dos suspeitos a polícia boliviana apreendeu uma arma de fogo modelo Pistola 380, municiada, e 17,665 kg de cocaína pura. A droga foi encontrada após revista em uma veículo que a dupla conduzia.

As ações vem sendo desencadeadas em todas as regiões de fronteira seguindo determinação do governador Tião Viana. Várias operações já foram realizadas nas regiões do Juruá, Purus/Envira, Baixo Acre e Alto Acre.

De acordo com o secretário adjunto de Segurança Pública, coronel Glayson Dantas, as ações visam combater de forma contundente a criminalidade na região de fronteira.

“Os crimes fronteiriços estão sendo combatidos de maneira firme no sentido de frear a criminalidade, sobretudo, os crimes de tráfico de drogas que são os que fomentam os demais crimes”, ponderou Dantas.

Para o Comandante do Policiamento Operacional III, tenente-coronel Estene, as ações tiram de circulação ativos criminais.

“As ações integradas entre as forças de segurança do Estado do Acre, Exército Brasileiro e da Polícia Nacional boliviana, levaram a êxito na prisão dos dois indivíduos no centro da cidade de Cobija. As ações operativas estão subsidiadas pelos serviços de inteligência das forças de segurança, do Exército Brasileiro em colaboração com a Polícia Nacional Boliviana”, disse Estene.

O delegado responsável pela regional do Alto Acre, Karlesso Nespoli, coordena as ações da Polícia Civil com o cumprimento de mandados de busca e apreensão em toda região.

{gallery}fotos/2018/06-junho/13062018/galeria_policia:::0:0{/gallery}

Em Cruzeiro do Sul, Gladson Cameli dialoga sobre segurança pública

O senador Gladson Cameli (Progressistas) chamou atenção na manhã desta terça-feira (12), em reunião com os diretores e coordenadores administrativos de escolas do município de Cruzeiro do Sul, para a necessidade de investimento em uma política de educação, cultura e esporte propositiva e eficiente, visando assim mudar o atual quadro da violência que envolve jovens em todo estado do Acre.

Gladson tem demonstrado sua preocupação durante suas conversas com moradores da região que externaram nos últimos dias ao senador sua opinião sobre os números apresentados pela Rede Globo no último domingo (10), através do Fantástico, que confirmam a realidade sobre a insegurança vivenciada pelas famílias nas ruas dos municípios acreanos.

Na visita que fez ao lado da esposa Ana Paula Cameli aos Jogos Escolares 2018, que acontece no ginásio poliesportivo Jader Machado, ouviu do secretário municipal de Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, Aldemir Maciel, que há vários desafios a serem vencidos para que a população vença a violência que assola o Acre. “Pelo menos 10 mil pessoas participam diretamente dos Jogos Escolares e nós continuamos acreditando que a educação, a cultura e o esporte são alguns dos principais meios de evitar o envolvimento dos nossos jovens com a criminalidade”, disse Aldemir.

O senador também se reuniu com empresários, representantes de instituições, movimentos sociais e entidades que atuam na recuperação de dependentes químicos, além de membros da sua família como a ex-primeira-dama Beatriz Cameli e o presidente da Associação Comercial do Alto Juruá (ACAJ), Assem Cameli. Durante várias horas, debateram temas relacionados aos interesses da sociedade cruzeirense, sendo a segurança pública a principal pauta colocada como desafio para os próximos gestores do estado.

Em sua fala, Gladson Cameli explanou sua atuação parlamentar em Brasília juntamente com a bancada federal para liberação de uma emenda no valor de R$ 39.300.000,00 (Trinta e nove milhões e trezentos mil reais) para aquisição de equipamentos, viaturas, armamento e fardas para a segurança pública do Acre.

O senador também considera necessário o investimento na economia estadual, incentivando o fortalecimento da iniciativa privada para que os jovens tenham oportunidade de emprego e assim contribuírem para o desenvolvimento da região, garantindo um futuro de progresso para toda população acreana.

Cameli é pré-candidato ao governo do Acre e terá como pré-candidato a vice-governador o deputado federal Major Rocha (PSDB). Segundo ele, pretende apresentar em seu Plano de Governo propostas com sugestões de soluções para os problemas apresentados pela população do Juruá no tocante a segurança pública e áreas como educação, saúde e economia, entre outras.

Segurança Pública recebe curso de Inteligência Cibernética

O Estado do Acre sedia de 11 a 15 de junho em Rio Branco, um curso de Inteligência Cibernética destinados a profissionais da Segurança Pública. Além do Acre mais dez unidades da federação participam do treinamento. A solenidade de abertura do evento aconteceu na manhã de segunda-feira, 11, na Secretaria de Polícia Civil.

O curso tem por objetivo capacitar profissionais da área de inteligência da Segurança Pública para fazer uso de equipamento e softwares possibilitando o planejamento, a avaliação e execução de projetos de monitoramento de comunicação on-line visando garantir a segurança cibernética.

A capacitação será ministrada pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). Durante os cinco dias de curso, os alunos terão 40 horas de aula, entre disciplinas que vão desde fundamentos doutrinários de inteligência em segurança pública a investigação em ambiente cibernético.

O secretário de Segurança Pública do Acre, em exercício, coronel Glayson Dantas, falou da importância do treinamento para o Acre e demais estados que participam do Curso.

“Um curso dessa capacidade, vem alicerçar tudo o que a gente já vinha fazendo. Hoje a segurança, não nos permite agir simplesmente na parte prática, se nós não tivermos um suporte de inteligência, e na secretaria nós temos um centro de inteligência onde temos a colaboração de todos os órgãos” enfatiza Dantas.

A representante da diretora de Inteligência da Senasp, Camila Rodrigues, parabenizou o Acre pela adesão ao curso. “Tivemos essa oportunidade de realizar o curso aqui no estado do Acre, desde do primeiro contato tivemos uma grande receptividade por parte do estado na realização do curso”, comenta.

Defendido pelo governador Tião Viana, Sistema Único de Segurança Pública é sancionado

Cerca de oito meses após o Encontro de Governadores do Brasil pela Segurança e Controle das Fronteiras, a criação do Sistema Único de Segurança Pública (Susp) foi finalmente sancionada pelo presidente Michel Temer na tarde desta segunda-feira, 11.

A criação do Susp é a principal reivindicação da Carta do Acre, resultado do encontro liderado pelo governador Tião Viana e assinada por outros 20 governadores que se uniram para solicitar que a União assuma seu papel constitucional, principalmente no que diz respeito ao controle das fronteiras.

O texto, aprovado pela Câmara e pelo Senado, estabelece diretrizes para a atuação conjunta de diferentes órgãos de segurança federais, estaduais e municipais, um dos pedidos mais pontuais presentes na Carta do Acre.

Para o secretário adjunto de Segurança Pública, Coronel Glayson Dantas, a sanção do Susp representa um grande reconhecimento à luta protagonizada pelo Governador Tião Viana.

“É um importante passo dado para fazer frente ao grave problema da segurança, no entanto, precisamos de ações efetivas como a descentralização de recursos e a presença das forças federais nas fronteiras para o combate aos crimes transfronteiriços”, disse Dantas.

Pela lei, o Ministério Extraordinário da Segurança Pública será o responsável por fixar as metas de trabalho junto a cada órgão, além de criar a Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social, que estipula princípios para a atuação dos órgãos de segurança, como o uso comedido e proporcional da força.

Junto ao sancionar da lei, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, destacou que a pasta deve receber cerca de R$ 800 milhões a mais este ano, com R$ 13 bilhões já previstos no orçamento dedicados ao setor de segurança pública em âmbito nacional.

Encontro de governadores no Acre

O Encontro de Governadores do Brasil Pela Segurança e Controle das Fronteiras foi articulado pelo governador Tião Viana como uma ação concreta para combater o narcotráfico e a violência.

Reunindo 20 governadores do país, vices e representantes dos Estados, além de quatro ministros brasileiros e gestores de países vizinhos, o Acre foi o palco da proclamação de uma urgente união dos estados subnacionais com o governo federal para a construção de “esforços em defesa da vida e da integridade física da população brasileira, ameaçadas pelo mal das drogas e pela violência do narcotráfico, que afetam todas as classes sociais das atuais e futuras gerações”.

O governador Tião Viana tem defendido com frequência a urgência de uma união nacional e efetiva contra o narcotráfico e proteção das fronteiras, com a interiorização das facções criminosas, lembrando que é de responsabilidade constitucional da União esse dever.

Secretaria de Segurança divulga dados sobre redução do número de homicídios

O número de homicídios no Acre segue apresentando redução, conforme dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública nesta semana. Em 2018, houve redução de 16% no número de mortes no Estado, entre janeiro e junho, enquanto na capital, a redução foi de 38% no mesmo período.

Cumprindo seu dever constitucional na busca de promover a cultura de paz em todo o Estado, o governo tem realizado, através das forças de segurança pública, ações preventivas e repressivas no combate à criminalidade.

Para se ter uma ideia, as forças policiais realizaram nos primeiros 110 dias de 2018, 1.400 (mil e quatrocentas) operações, numa demonstração clara do esforço do governo em frear o avanço do crime.

Porém, o Brasil registrou, em 2016, 62.517 mortes, segundo dados do Atlas da Violência, divulgados recentemente, com base em informações do Ministério da Saúde. No Acre, o número de homicídios representou 0,58% desse total, sendo o segundo Estado com menos assassinatos em 2016, ficando atrás apenas de Roraima, com 204 vítimas.

Os dados, proporcionais a cada 100 mil habitantes, revelam que o Brasil vive um dos momentos mais críticos na segurança pública. Na Região Norte, esse reflexo é sentido principalmente devido à negligência do governo federal em controlar as fronteiras, disputadas por grupos criminosos pelas rotas utilizadas para o narcotráfico.

2016 foi o ano em que a União começou a fazer cortes nos repasses para setores de segurança, como Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Exército Brasileiro, duas instituições responsáveis por fiscalizar as fronteiras e combater o tráfico de drogas.

A PRF teve um corte de 45% em seu orçamento, devido a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, que congela os gastos públicos por 20 anos. Já o Exército viu os índices de sucesso e apreensões caírem durante as operações Ágata, realizada nas fronteiras.

Na sétima edição da Ágata, em 2013, houve o recorde em apreensão de drogas. Foram 25,3 toneladas de maconha apreendidas, mais 657 quilos de cocaína, crack e haxixe. Já na operação de número onze, em 2016, os resultados caíram para 11 toneladas de maconha apreendidas, 123 quilos de cocaína e 122 de outras drogas.

Sem investimento correto, ocorreu a entrada cada vez maior das drogas, aumento do poder das organizações criminosas e com isso a guerra entre elas, causando o aumento no número de homicídios em 2016 e 2017.

Disputa do tráfico

Propulsora da violência no Acre, a guerra entre facções pela disputa de território é realidade em todo o Brasil. Porém, até 2006, as regiões Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Norte tinham taxas de homicídio similares eu variavam em torno de 25 por 100 mil habitantes. Mas a partir daí, a realidade mudou, e, enquanto a violência no Sudeste começou a cair, se aproximando dos níveis da região Sul do país, passou a aumentar continuamente nas outras três regiões.

O motivo é a mudança das dinâmicas do crime organizado. Grupos criminosos nascidos no Rio de Janeiro e em São Paulo passaram a disputar territórios em outras regiões do país, especialmente as regiões fronteiriças. Com isso, diversas facções criminosas surgiram ou se fortaleceram no Norte e Nordeste, como é o caso do Acre, que possui quase dois mil quilômetros de fronteira.

De 2011 a 2015, o Nordeste foi a região mais violenta do país. Mas, em 2016, o Norte assumiu a liderança, com um aumento de mais de 10% de um ano para outro.

Forças de segurança deflagram operação “Cidade Segura”

Seguindo alinhamento da Secretaria de Segurança Pública do Acre (Sesp) forças de segurança do Estado deram início na noite de sábado, 9, à Operação “Cidade Segura” com objetivo de preservar a ordem e intensificar as ações policiais nos bairros da capital.

A operação foi coordenada pelo comandante geral da Polícia Militar, Coronel Marcos Kinpara e pelo secretário adjunto de Segurança Pública, Coronel Glayson Dantas, com ações investigativas e ostensivas de combate à criminalidade.

Homens da Polícia Civil, do Batalhão de Operações Especiais (BOPE), da Companhia de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (RAIO), Batalhão de Policiamento Ambiental (BPA), do Batalhão de Transito (BRTRAN), além do Exército Brasileiro (EB) participaram da ação que teve início no centro da capital e se estendeu aos bairros Mocinha Magalhães, Rui Lino, Joafra, Universitário, Calafate, Portal da Amazônia e Laélia Alcântara.

Durante a operação foram realizadas mais de 250 abordagens a veículos e pessoas.

O efetivo das forças de segurança também implantou pontos de bloqueio nessas regiões, onde foram realizadas abordagens diversas no intuito de prevenir e combater delitos.

De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Marcos Kinpara, essa operação não para e deve se estender ao longo do fim de semana.

“Estamos nas ruas promovendo a segurança pública, isso é uma determinação do governador Tião Viana numa demonstração clara de cuidar da população do nosso Estado”, disse Kinpara.

De acordo com o secretário adjunto de segurança pública, Cel. Glayson Dantas, as ações integradas buscam diminuir ainda mais os índices de violência.

“Acreditamos na força policial como forma de minimizar e reduzir cada vez mais os índices de criminalidade em nosso Estado. Estamos cumprindo determinação do governador e colocando em pratica nosso planejamento estratégico de combate a criminalidade”, finalizou Dantas.

Redução no índice de homicídios

O número de homicídios no Acre segue apresentando redução, conforme dados divulgados pela Secretaria de Segurança Pública nesta semana. Em 2018, houve redução de 16% no número de mortes no Estado, entre janeiro e junho, enquanto na capital, a redução foi de 38% no mesmo período.

Cumprindo seu dever constitucional na busca de promover a cultura de paz em todo o Estado, o governo tem realizado, através das forças de segurança pública, ações preventivas e repressivas no combate à criminalidade.

Para se ter uma ideia, as forças policiais realizaram nos primeiros 110 dias de 2018, 1.400 (mil e quatrocentas) operações, numa demonstração clara do esforço do governo em frear o avanço do crime.

Trabalho integrado

Nos últimos meses, a mudança na dinâmica de policiamento ostensivo e as constantes operações coordenadas pela Segurança Pública, aliadas ao esforço de militares e civis, foram os principais fatores que possibilitaram essa redução.

Nos primeiros 110 dias do ano, as polícias Civil (PCAC) e Militar do Acre (PMAC) apreenderam 355 armas de fogo e mais de 430 quilos de entorpecentes. Os batalhões da PMAC realizaram 36.056 mil abordagens, e recuperou 238 veículos roubados ou furtados. Desde janeiro deste ano a inicio de junho, os militares, conduziram às delegacias, 1.772 pessoas e apreendeu 329 menores infratores.

Já a Polícia Civil deu cumprimento a 1.553 mandados de prisão e de busca e apreensão, entre janeiro e inicio de junho deste ano e em uma única operação, a Repatriar, apreendeu 48 veículos e bloqueou 43 contas bancárias, um golpe de mais de R$ 2 milhões ao crime organizado o que contribui para reduzir mais ainda os indicadores de violência.

Projeto Profissões da Segurança apresenta Bope para alunos da capital

Alunos da Escola Duque de Caxias, localizada no bairro Belo Jardim, tiveram uma experiência diferenciada com o policiamento do Acre. Nesta sexta-feira, 8, eles puderam conhecer as instalações do Batalhão de Operações Especiais (Bope), ao acompanhar algumas das principais ações realizadas pela tropa acreana.

A visita faz parte das atividades do Projeto Profissões da Segurança, da Polícia Militar do Acre (PMAC), em parceria com a Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE). A iniciativa visa incutir valores cívicos e morais com foco na prevenção, mostrando na prática como funcionam os trabalhos da segurança do Estado.

Para o estudante Ruan Brito, a visita ao batalhão foi especial e aflorou nele o desejo de seguir a carreira militar. “Antes eu já queria ser policial militar, mas agora quero ser do Bope, porque o trabalho deles é muito legal, trabalham com cachorro e tudo”, conta.

De acordo com o tenente-coronel Douglas Thomaz, coordenador de Policiamento Comunitário (Cpcom), setor responsável pelo projeto, comportamentos como o de Ruan são uma das ideias principais da iniciativa, que já está em sua sexta edição.

“Buscamos aproximar a comunidade escolar do policiamento e mostrar aos estudantes as várias opções de profissões voltadas à área da segurança e, assim, apagar a visão negativa do policial que só repreende, porque, além disso, trabalhamos com a prevenção”, explica Thomaz.

Participaram da visita cerca de 25 alunos do 5º ano, mas desde que se iniciou já passaram por essa experiência aproximadamente 180 estudantes da capital. A meta, de acordo com o coordenador, é beneficiar as 215 escolas estaduais e municipais da rede pública.

Durante a visita, os estudantes conheceram a estrutura do batalhão, suas funções constitucionais para a sociedade, e ainda puderam acompanhar o treinamento dos cães que são usados nas operações de patrulha e farejamento de drogas.

{gallery}fotos/2018/06-junho/08062018/galeria_bope:::0:0{/gallery}

Segurança Pública do Acre identifica e prende grupo armado em Cruzeiro do Sul

Após intenso trabalho investigativo, a Polícia Civil do Acre, por meio do Departamento de Inteligência (DI) e núcleo da Delegacia Especializada de Combate ao Crime Organizado (DECCO), identificou e prendeu na madrugada de ontem, sexta-feira, 31, em Cruzeiro do Sul, os autores de vídeo que incita violência.

O vídeo viralizou nas redes sociais e ao tomar conhecimento do conteúdo produzido, a Polícia Civil remeteu o material à perícia dando início ao processo investigativo, que identificou os componentes do bando que foram presos logo em seguida.

Em posse dos mandados cautelares, os agentes renderam o bando em uma residência localizada no bairro Vila Rica. No momento das abordagens os agentes encontraram em posse do grupo três pistolas calibre 380, uma escopeta de repetição calibre 12, munição, além de 81 tabletes de maconha.

Dois integrantes desse mesmo grupo são responsáveis por um assalto a um comércio no município e seis deles são responsáveis pelo roubo à residência de um empresário local. O grupo é composto por duas mulheres, seis homens e um menor e já responde por vários inquéritos policiais e seus membros são acusados de vários crimes que vão desde tráfico de drogas, homicídio, roubo e organização criminosa cometidos na região do Juruá.

“Nós conseguimos prender todo esse grupo que aparece em um vídeo incitando a violência. A população de Cruzeiro do Sul pode ficar tranquila que nós estamos em operação e não descansaremos. Nosso trabalho é devolver a paz e a tranquilidade à sociedade do Acre”, declarou delegado Elton Futigami, responsável pelas prisões.

Ação em Cruzeiro do Sul

Desde de a última quarta-feira, 30, forças policiais ocuparam as ruas de Cruzeiro do Sul em operação que conta com apoio de homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope), militares do 6° Batalhão de Polícia Militar de Cruzeiro do Sul, Companhia de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (Raio) e agentes da Polícia Civil e departamento de inteligência (DI).

As ações não tem data para acabar e além de todo esse efetivo, tropas do 61° Batalhão de Infantaria de Selva apoiam a fiscalização das rodovias que dão acesso à região do Juruá com abordagens e vistorias a veículos.

O apoio é resultado de acordo entre o governo do Estado, por meio da Secretaria de Segurança Pública, junto à 17ª Brigada de Infantaria de Selva que se uniu às forças de segurança do Acre na promoção da cultura de paz na região.

Até o fechamento desta edição, as polícias já haviam prendido 27 pessoas, acusadas de diversos crimes como assalto, homicídio e organização criminosa. Também foram apreendidas três pistolas, modelo 380, municiadas e uma escopeta de repetição calibre 12 além de recuperar produtos subtraídos de comércio e residências.

Forças de Segurança do Estado e do Exército reafirmam parceria

Operadores da Segurança Pública do Estado que atuam no Juruá estiveram nesta sexta-feira, 1º, realizando visita institucional a equipe de comando do 61º Batalhão de Infantaria de Selva (61 BIS), em Cruzeiro do Sul, em agradecimento ao apoio prestado no combate ao crime naquela região.

Desde a quarta-feira, 30, as forças de segurança do Acre estão atuando em operações no Juruá, com atividades focadas principalmente em Cruzeiro do Sul, contando com apoio do Exército brasileiro.

“A Segurança Pública do Estado está irmanada com as forças federais, em especial com o Exército brasileiro, que sempre tem sido um parceiro de primeira ordem. Vamos continuar o combatendo à criminalidade e, agradecemos pela parceria já estabelecida com o Exército na operação que está em andamento em Cruzeiro do Sul. Muitos frutos foram colhidos, graças ao trabalho integrado”, afirmou o secretário adjunto de Segurança Pública, coronel Glayson Dantas.

O coronel Eduardo Lemos, comandante do 61 Batalhão (BIS), classificou as ações integradas entre as forças de segurança estadual e federal como uma iniciativa de extrema importância e relevância.

“A intenção do Exército é justamente integrar nossas ações que já estão em execução, como a Operação Curaretinga, que visa o combate aos crimes transfronteiriços. Com essa iniciativa, temos como integrar as ações do Exército com as operações dos órgãos de Segurança Pública. Certamente, com essa união, a gente consegue otimizar as ações e obter melhores resultados, ter mais efetividade em nossas ações, com as instituições se auxiliando, de forma coordenada para que se tenha os melhores resultados”, pontuou o comandante.

Sexta faixa de travessia elevada é implantada em Rio Branco

Para facilitar a travessia de pedestres, o Departamento Estadual de Trânsito do Acre (Detran/AC) implantou mais uma faixa elevada. Dessa vez, na Rua Epaminondas Jácome, bem no centro de Rio Branco, onde o trânsito é bastante intenso.

Esta é a sexta faixa elevada implantada em Rio Branco e o principal objetivo desse tipo de obra de engenharia é proporcionar mais visibilidade aos condutores, potencializando aos pedestres a segurança na travessia das ruas.

Sâmia de Nazaré, mãe de um dos alunos da Escola Infantil Alexandre dos Santos Leilão, localizada bem próxima à faixa elevada, diz se sentir muito mais segura ao realizar a travessia no local.

“Todos os dias preciso atravessar neste local. Antes a gente passava muito tempo esperando alguém conceder a vez e muitas vezes um condutor parava e os outros não, colocando a nossa vida em risco. Agora ficou muito mais seguro”, diz Sâmia.

No ano passado, 13 pedestres morreram vítimas de acidentes de trânsito em Rio Branco. Em 2016 foram 17. “A redução de um ano para o outro demonstra que o investimento na segurança da travessia é fundamental e tem dado resultados significativos”, enfatiza a diretora-geral do Detran, Shirley Torres.

Outra funcionalidade das faixas elevadas é conceder mais acessibilidade aos cadeirantes, idosos e crianças, por se tratar de uma extensão de calçada, livre de obstáculos como rampas no trajeto.

Esta é a sexta faixa elevada construída em Rio Branco, como parte do projeto de Proteção à Vida em Respeito às Faixas de Pedestres. A próxima a será implantada em Sena Madureira, em parceria com a prefeitura do município.

Segurança Pública acreana realiza ação preventiva na região do Dom Giocondo

As polícias Civil e Militar estiveram durante toda a manhã desta quinta-feira, 24, em uma operação preventiva na região central de Rio Branco. A incursão nos bairros Dom Giocondo, Preventório e escadarias do antigo Papoco é coordenada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) e visa levantar quais imóveis estão abandonados e onde foram construídas casas, mesmo após demolição da Defesa Civil. A proposta é realizar uma intervenção social em um segundo momento.

Uma pessoa foi conduzida à delegacia por posse de entorpecente com mais de 100 gramas de maconha, em circunstâncias que caracterizam tráfico de drogas.

“É uma ação presencial para garantir a segurança da comunidade local e também apontar situações problemáticas. Depois disso, faremos um relatório circunstanciado e situacional para informar os outros órgãos que têm competência nessa questão”, ressaltou o secretário adjunto de Segurança Pública, coronel Glayson Dantas.

As equipes percorreram becos e escadarias de madeira às margens do Rio Acre. Agentes da Companhia de Trânsito de Rio Branco (RBTrans) também participaram em apoio ao trânsito na região da estátua do Cristo Redentor, centro de Rio Branco.

O próximo passo agora é dialogar com as instituições municipais e estaduais das áreas social e de infraestrutura urbana para organizar a segunda intervenção nas comunidades, esta com viés social.

“Nós pretendemos ao longo dos próximos dias realizar outras operações policiais, mas também ações integradas de controle social, buscando um diálogo com o município para melhorias de acesso e iluminação”, completou o coronel Dantas.

policia1

policia2

policia3

Em Brasília, Tião Viana cobra ações de segurança nas fronteiras e de saúde pública

O governador Tião Viana e a vice-governadora Nazareth Araújo participaram de uma extensa agenda nesta quarta-feira, 23, em Brasília. Os compromissos foram nas áreas de segurança pública, saúde e do tesouro nacional.

As agendas iniciaram com uma visita ao Ministério Extraordinário da Segurança Pública, em seguida a Secretaria do Tesouro Nacional e, por fim, na Secretaria da Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde.

Com o ministro Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann foi debatido a necessidade da liberação de recursos e equipamentos para a segurança pública do Acre para o combate a violência e pela garantia de segurança para a população.

Ainda com Raul Jungmann, o governador Tião Viana falou da urgência em intensificar o controle das fronteiras, pelas vias terrestre e fluvial com foco em evitar que população ribeirinha seja assediada pelo narcotráfico.

“Falamos da importância da atuação em conjunto de todas as polícias para garantir a segurança da nossa população e da nossa região. O governo está sempre atento à necessidade do acompanhamento das ações do governo federal, a fim de garantir a população um melhor trato entre as três esferas – municipal, estadual e federal”, destacou Nazareth Araújo.

reuniao web
O Acre está entre os dez estados com superávit, segundo o Tesouro Nacional – Foto/Thamara Amorelli

Com o secretário do Tesouro Nacional Mansueto Almeida a equipe acreana debateu a necessidade do apoio para a liberação de recursos visando a finalização de obras e empreendimentos que precisam acontecer até o final do ano. “Durante a reunião, o Acre foi bastante elogiado na condução de sua gestão fiscal”, disse a vice-governadora.

No início do mês, o Tesouro Nacional divulgou que o Acre teve no último ano o superávit de R$ 41 milhões de reais, ficando entre os dez estados que conseguiram manter o equilíbrio nas contas e sair com esse dado positivo.

Com o chefe da Secretaria Nacional de Vigilância em Saúde (SVS), do Ministério da Saúde, Osnei Okumoto, foi pedida a entrega imediata de 20 mil mosquiteiros para ações preventivas de casos de Malária nas regiões do Juruá e Tarauacá/Envira.

O secretário estadual de Saúde, Rui Arruda frisou que o governo federal garantiu a liberação de recursos a mais do que normalmente é liberado para os estados do Acre, Amazonas e Pará, levando em consideração a necessidade imediata de ações efetivas de saúde em prol da população.