Futebol perde Tião Araújo, ex-técnico do Fluminense-RJ

MANOEL FAÇANHA

Vítima de Acidente Vascular Celebral (AVC) faleceu na última quinta-feira (11), na cidade do Rio de Janeiro, o ex-técnico Sebastião Araújo, 82 anos. Um paraense de nascença, mas acreano de coração, assim como dizia ele aos amigos mais próximos.

A vida futebolística desse personagem começou aos 17 anos (1956), quando assumiu o gol do Atlético Acreano. Um ano depois, ele transferiu-se para o Independência e, logo depois, para o Rio Branco, disputando duas temporadas (1959/1960). No ano de 1961, a convite de Walter Félix de Souza (Té), resolveu ir estudar no Rio de Janeiro, onde conseguiu duas graduações, uma na Escola Nacional de Educação Física (1964) e outra na Escola Nacional de Pedagogia (1969).

Sebastião Araújo: o goleiro do futebol acreano que treinou o Fluminense-RJ e cinco seleções mundiais. Foto/Cedida

Carreira

Como atleta, Sebastião Araújo ainda defendeu as cores da Portuguesa (RJ), clube pelo qual iniciou a carreira de preparador físico, em 1963. Três anos depois, transferiu-se para o Fluminense, onde, inicialmente, trabalhou na base do clube das Laranjeiras, mas logo depois foi promovido para o time de profissionais.

Estudioso, em 1973 foi convidado pela federação alemã de futebol para uma espécie de intercâmbio com autoridades esportivas no terreno especifico dos treinamentos técnicos. O bom trabalho, a inteligência e a conduta profissional foram suficientes para levá-lo ao cargo de preparador físico da Seleção Brasileira nas Olimpíadas de Montreal, Canadá (1976), quando o Brasil garantiu a quarta colocação, com a Polônia, do atacante Lato, conquistando a medalha de ouro. Neste mesmo ano, Tião Araújo lançou o livro: “O Futebol e seus Fundamentos”. Mas o melhor ainda estava por vir em sua brilhante trajetória pelo mundo futebolístico. A convite do revolucionário técnico da época Oswaldo Brandão, Sebastião Araújo assumiu o posto de preparador físico da seleção principal do país durante as eliminatórias da Copa da Argentina. E nem mesmo a prematura saída de Oswaldo Brandão do cargo chegou a balançar sua permanência na equipe brasileira.

Copa da Argentina e o Fluminense-RJ

Com a classificação para o Mundial de 1978, Tião Araújo, ao lado de Claudio Coutinho, foi peça importante para o Brasil garantir o invicto terceiro lugar da Copa da Argentina. Um ano depois, após mais de uma década trabalhando nas categorias de base do Fluminense ao lado do amigo e ex-zagueiro do clube Pinheiro, Sebastião Araújo assumiu o cargo de treinador do time principal.

Mesmo com um time de garotos, o endividado tricolor – uma herança da administração de Francisco Horta -, embalou e, ao lado do Flamengo, de Claudio Coutinho e Zico, eram os favoritos a levantar o Estadual de 1979.

No primeiro tira-teima (Fla-Flu), por sinal de casa cheia, em um Maracanã colorido, prevaleceu a vitória tricolor por 3 a 0 e ainda a desistência dos árabes do Catar em levar Cláudio Coutinho na bagagem, optando, de última hora, pelo trabalho de Tião Araújo, que além de treinar a seleção do Catar, esteve à frente das seleções da Arábia Saudita, Hong Kong, Bahrain e Trinidad e Tobago, totalizando mais de 18 anos fora do país, tendo ainda o título de propulsor dos treinadores brasileiros em território árabe.

Tião Araújo, após quase dez anos no futebol do Oriente Médio, retornou ao Fluminense na temporada de 1987, mas não ficou muito tempo.

Aposentado dos gramados há mais de duas décadas, Sebastião Araújo residia no condomínio Atlântico Sul, na cidade do Rio de Janeiro, ao lado da esposa Maria do Socorro Barros Moura.

Em 1959, Campos Pereira, Tião Araújo e João Carneiro posam para fotografia antes de mais uma partida do Estrelão. Foto/Acervo Manoel Façanha.
Em 1959, Campos Pereira, Tião Araújo e João Carneiro posam para fotografia antes de mais uma partida do Estrelão. Foto/Acervo Manoel Façanha.

Fluminense lamenta a morte de Sebastião Araújo

Através de seu perfil no Twitter, o Fluminense lamentou o falecimento de Sebastião Araújo, técnico com duas passagens pelo clube entre os anos 1970 e 1980. O Tricolor ainda desejou força aos familiares e amigos do treinador.

“O Fluminense Football Club lamenta o falecimento de Sebastião Araújo, técnico com duas passagens pelo clube entre os anos 1970 e 80. Desejamos muita força aos amigos e familiares”, escreveu o clube das Laranjeiras.

PMs do RJ usarão microcâmeras nos uniformes

Os uniformes da Polícia Militar do Rio de Janeiro vão receber microcâmeras até o fim do primeiro semestre. Segundo a corporação, na primeira etapa serão instalados 200 equipamentos que serão usados para captar imagens das abordagens dos policiais nas ruas.

Como informou o Estúdio I, da GloboNews, o material captado pelos policiais será enviado em tempo real para o Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) onde os computadores que fazem o reconhecimento facial vão processar o material recebido.

De acordo com a corporação, se algum foragido da Justiça for identificado pelas câmeras, os técnicos poderão alertar o policial que dará voz de prisão ao suspeito.

O equipamento também será utilizado para monitorar os próprios policiais, principalmente nas abordagens nas ruas. O policial tem acesso ao conteúdo gravado mas não consegue editá-lo ou apagá-lo.

O projeto começa a ser utilizado na comunidade da Rocinha, na Zona Sul do Rio.

g1

Manchas de óleo chegam pela primeira vez ao litoral do Rio de Janeiro

Fragmentos de óleo retirados da praia de Grussaí, no litoral fluminense

Fragmentos de óleo foram encontrados, pela primeira vez, no litoral do estado do Rio de Janeiro. Uma pequena porção —cerca de 300 gramas—, de óleo foi recolhida na praia de Grussaí, na cidade de São João da Barra, nesta sexta-feira (22).

Segundo a força-tarefa formada por Marinha, Ibama e ANP (Agência Nacional de Petróleo), as manchas de óleo que atingiram a praia de Grussaí passaram por análise do Instituto de Estudo do Mar Almirante Paulo Moreira. “[O material] é compatível com o óleo encontrado no litoral da região Nordeste e Espírito Santo”, concluiu o instituto.

A Marinha informou, por meio de nota, que uma equipe de militares está no local para monitorar e limpar a praia. Servidores do Ibama também estão a caminho.

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) comentou a chegada de óleo na orla fluminense na manhã deste sábado (23). “Nós gostaríamos muito que fosse identificado, no meu entender, esse ato criminoso. Agora, não sabemos o quanto de óleo ainda tem no mar. Na pior hipótese, um petroleiro, caso tenha jogado no mar toda a sua carga, menos de 10% chegou em nossa costa ainda, então nós nos preparamos para o pior. Pedimos a Deus que isso não aconteça.”

Ele deu as declarações na Vila Militar, na zona oeste do Rio de Janeiro, após uma cerimônia para comemorar os 74 anos de criação da Brigada de Infantaria Paraquedista do Exército e homenagear os militares que estão completando 25 ou 50 anos de formados.

Balanço do Ibama atualizado nesta sexta mostra que o óleo já atingiu 724 localidades em 120 municípios de dez estados brasileiros.

folha

MPs do Acre e Rio de Janeiro selam acordo que viabiliza curso de autocomposição

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) e o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) assinaram nesta sexta-feira, 28, um termo de cooperação técnica que viabiliza um curso de autocomposição em conflitos socioambientais no âmbito do MP acreano. A parceria conta com o Instituto de Mudanças Climáticas do Acre (IMC).

O acordo foi assinado pela procuradora-geral de Justiça, Kátia Rejane de Araújo Rodrigues e pelo procurador-geral de Justiça do MPRJ, José Eduardo Ciotola Gussem, durante agenda institucional no estado carioca. Na ocasião, ela esteve acompanhada pelo procurador-geral adjunto para Assuntos Jurídicos, Sammy Barbosa Lopes.

Com a realização do curso, o MPAC vai capacitar membros da instituição e parceiros do programa REM no manejo de conflitos socioambientais, sobretudo, relacionados a questões de mudanças climáticas, com programas de treinamento e geração de conhecimento.

Temas transversais, como direitos humanos, questões indígenas e relações de gênero também estão na matriz curricular.

“Essa parceria vem ao encontro do que idealizamos dentro da gestão do Ministério Público, que sempre trabalha lado a lado das instituições. Isto fortalece as ações que estamos desenvolvendo. Hoje temos aprovada nossa política de autocomposição, cujo trabalho foi muito bem elaborado e com certeza essa parceria vem complementar as ações voltadas para o Ministério Público Resolutivo”, destacou Kátia Rejane.

MP Resolutivo: Autocomposição

Como o recém-criado Núcleo de Autocomposição do MPAC (Napaz) está em processo de estruturação, a Procuradoria Geral de Justiça busca conhecer, durante a visita, a composição estrutural e de funcionamento do Cemear.

A autocomposição vem sendo considerada uma nova tendência no âmbito da Justiça. Consiste na consolidação de uma política permanente de incentivo e aperfeiçoamento de mecanismos que reduzam a excessiva judicialização de conflitos, evitando sobrecargas no Sistema de Justiça, ao passo que permite respostas céleres e eficientes à população, como prevê a Resolução nº 118/2014, do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

Iniciativa inovadora

O curso vai acontecer dentro do Programa de Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação (REM – REED for Early Movers) e será destinado a membros e servidores do MPAC e a servidores de órgãos que atuam diretamente em questões socioambientais. A realização está prevista para novembro.

O REM é uma iniciativa inovadora que premia os pioneiros da proteção florestal e da mitigação do clima. Lançado na Conferência Rio+20, em junho de 2012, com recursos do Fundo de Energia e Clima do Governo Federal da Alemanha, esse Programa incentiva a conservação das florestas e a redução de emissões de carbono de modo a contribuir para a mitigação das mudanças do clima, especialmente do aquecimento global.

Não existe milagre na intervenção, diz general

Não existem milagre nem mágicas no combate à criminalidade no estado do Rio, que luta há décadas contra a violência. A avaliação é do general do Exército Antônio Barros, à frente do Comando Conjunto de operações da intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. Ele falou com a imprensa nesta quinta-feira (30), após visita do presidente Michel Temer ao interventor, general Braga Netto.

“Não existe nenhuma ação que se transforme em milagre. Nós temos um problema de décadas aqui no Rio de Janeiro, que o Estado brasileiro, através da intervenção federal, num esforço muito grande, busca uma solução. Nós sabemos o caminho, mas temos que trabalhar muito para isso”, disse o general Barros.

Ele destacou que os índices de violência, de uma forma geral, vêm caindo. Mas ressaltou que os confrontos que têm ocorrido, inclusive com a morte de três militares recentemente, são inevitáveis, por conta da agressividade e do forte armamento dos criminosos, principalmente nos complexos do Alemão e da Penha.

“Nós tínhamos bandidos armados, no que é chamado de bonde, com ostensividade, com fuzis, numa agressividade muito grande contra a nossa população. Como nós fazemos, quando você chega em bandidos irracionais buscando o confronto? É muito difícil. E aí, infelizmente, nós temos brasileiros, ainda que sejam perturbadores da ordem pública, que são alvejados. No Alemão, tivemos três mortos entre os soldados nossos. Foram mais de seis horas de fricção. Quantos civis inocentes morreram? Nenhum. Foram mais de 4 mil disparos”, relatou.

Segundo o general, os problemas de criminalidade e violência no estado vêm de décadas e não podem ser resolvidos em um passe de mágica.

“Quando você vem com um problema de décadas, não vão ser três meses, de uma maneira mágica, que se resolvem os problemas. Os índices estão caindo. É claro que o Rio de Janeiro está em uma situação de anormalidade. É por isso que estamos aqui. E não é de uma hora para outra que os tiroteios irão parar”, reconheceu o oficial.

Percepção da violência

Barros salientou que muitas vezes apenas as notícias ruins aparecem na imprensa e ações positivas não têm o mesmo destaque na mídia, causando uma percepção de violência distorcida junto à população.

“Nós temos diversos índices que estão caindo. Está no patamar que nós gostaríamos? Claro que não. O que gostaríamos é que não houvesse uma vítima, um disparo. Estamos trabalhando para isso. Os problemas estão sendo abordados e resolvidos dentro de princípios concretos. Nós recuperamos [desde o início da intervenção] cerca de 400 veículos e retiramos mais de mil barreiras [do tráfico]”, exemplificou o general.

Cármen Lúcia impede bloqueio de R$ 574 milhões nas contas do Rio

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, proibiu hoje (9) o governo federal de bloquear R$ 574,8 milhões nas contas do estado do Rio de Janeiro. A ministra atendeu a um pedido liminar feito pela procuradoria estadual.

Ao recorrer ao Supremo, os procuradores estaduais alegaram que uma decisão anterior do ministro Luiz Fux assegurou que as contas não poderiam ser bloqueadas pela União para garantir o pagamento de empréstimos contraídos pelo estado com o governo federal e que ainda não foram quitados. Apesar da decisão, o estado informou que foi comunicado de que o valor seria executado.

Ao decidir o caso, Cármen Lúcia entendeu que a liminar de Fux continua valendo até eventual modificação.

“A iminência comprovada objetivamente de realização do ato constritor apontado pelo Rio de Janeiro, a complexidade da matéria posta na presente ação e a notória gravidade da situação financeira e orçamentária experimentada pelo ente federado, evidenciando o perigo de dano ou risco ao resultado útil do processo pelo bloqueio narrado, recomendam o deferimento do pleito”, decidiu a ministra.

Seleção chega ao Rio sob aplausos de torcedores

A desclassificação do Brasil na Copa do Mundo da Rússia não diminuiu o carinho dos torcedores brasileiros, que madrugaram neste domingo (8) para receber e aplaudir o grupo, no desembarque no Rio. Desceram no Aeroporto Internacional do Galeão sete jogadores: Douglas Costa, Taison, Gabriel Jesus, Neymar, Philippe Coutinho, Casemiro e Geromel.

Junto veio a comissão técnica da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), incluindo Tite, que, em entrevista, agradeceu o apoio da torcida.

“Só [desejo] retribuir o carinho que estão nos proporcionando. Eu quero, de coração, retribuir a eles todos e agradecer. Obrigado, obrigado”, repetiu o técnico, que foi muito festejado pelos torcedores e ainda teve tempo de tirar fotos ao lado dos fãs, mesmo depois de já estar dentro do carro.

Outro que se dirigiu aos torcedores, assim que saiu da área interna do aeroporto, foi o atacante Philippe Coutinho. Embora não tenha falado com a imprensa, ele atendeu aos pedidos e posou para várias selfies.

A atitude dele e de Tite emocionou os presentes, cerca de 30 pessoas, que acordaram de madrugada e saíram de longe para receber a seleção.

“Eu nem tenho palavras. A gente é que tem de agradecer a ele pelo que fez pela seleção. E vai continuar fazendo, se Deus quiser. Eu fiquei triste pela derrota, mas 2022 está aí”, disse a estudante Manoela da Silva Lopes, que saiu às 3h de Guapimirim, na região metropolitana do Rio.

Inicialmente previsto para aterrissar às 5h, o avião só tocou a pista por volta das 5h40. A comissão técnica e os jogadores começaram a deixar o aeroporto cerca de uma hora depois. Parte desembarcou no Terminal 2 e o restante pela área administrativa do Galeão, no Terminal 1. Nem a longa espera desanimou os torcedores.

“Eu acho que teve uma evolução da seleção brasileira desde a última copa. Até porque, depois do 7 x 1, a gente tem de entender que é complicado. Todo mundo esperava que chegassem mais longe, mas eles fizeram um trabalho bom. Em Copa do Mundo, nem sempre o melhor ganha. Mas estou bastante orgulhosa da seleção”, disse a estudante Rebeca Teixeira Penna.

De acordo com a CBF, Miranda, Marcelo, Fred, Danilo e Fágner desceram na escala que o avião fez em Madri. Os demais jogadores foram para outros destinos por conta própria.

whatsapp image 2018 07 08 at 06.59.21
Tite no desembarque da seleção brasileira no Rio de Janeiro – Foto/Igor Rodrigues

Forças de segurança fazem operação em favelas da zona sul do Rio

As forças segurança fazem hoje (21) uma operação nas comunidades da Babilônia e Chapéu Mangueira, no Leme, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro, como parte das ações da intervenção federal na segurança pública do estado. Facções criminosas que dominam as duas favelas estão há vários dias disputando o controle pelos pontos de venda de drogas nesses locais.

A operação envolve o cerco das comunidades, patrulhamentos, revistas em veículos, verificação de antecedentes criminais e remoção de barricadas. Algumas ruas e acessos na região poderão ser interditados e setores do espaço aéreo controlados com restrições para aeronaves civis.

Participam da ação, 1.800 militares das Forças Armadas e 50 policiais militares, além de duas equipes do Corpo de Bombeiros com cães farejadores. A Marinha faz patrulhas nas áreas marítimas vizinhas e a Aeronáutica atua com helicópteros sobre a região.

Ação na Maré

Nessa quarta-feira (20), uma ação conjunta da Polícia Civil e do Exército ontem no Complexo da Maré resultou na morte de sete pessoas, entre elas um adolescente de 14 anos, que foi baleado próximo da escola onde estudava. Marcos Vinicius da Silva chegou a ser levado para o Hospital Getúlio Vargas e passou por cirurgia, mas não resistiu ao ferimento.

Logo depois da morte, no fim da noite, moradores fizeram protestos em que fecharam a Avenida Brasil e a Linha Vermelha. Manifestantes chegaram a atear fogo em um ônibus.

Segundo a Polícia Civil, o objetivo da operação era cumprir 23 mandados de prisão e prender os suspeitos de terem participado da morte do chefe de operações da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), que morreu com um tiro na cabeça na semana passada, durante operação policial, na favela de Acari. Algumas comunidades da Maré são dominadas pela mesma facção que controla a venda de drogas de Acari.

De acordo com o Comando Militar do Leste, o Exército apenas apoiou a operação da Polícia Civil “logisticamente com dois veículos blindados, realizando o transporte em segurança dos agentes até os pontos assinalados por eles, como parte da operação”.

Passagem de ônibus no Rio vai custar R$ 3,95

Um acordo assinado na manhã desta sexta-feira (1º) pelo prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, e o Rio Ônibus, sindicato das empresas de ônibus, prevê o aumento da passagem, de R$ 3,60 para R$ 3,95, em troca de compromissos de melhorar a prestação de serviços. O prefeito disse, entretanto, que esse valor poderá baixar, caso haja redução do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o que fazia parte das revindicações da greve dos caminhoneiros.

“Há o compromisso de sentarmos para revermos [a tarifa] se o ICMS for baixado, se for diminuído pela Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro”, ressaltou Crivella.

No acordo, o Rio Ônibus se compromete a retirar ações judiciais contra a prefeitura e, depois disso, poderá realizar o reajuste de R$ 0,35 em 10 dias. Segundo a prefeitura, os processos poderiam custar R$ 180 milhões aos cofres municipais.

O valor das passagens de ônibus era motivo de disputas judiciais que envolveram as empresas, a prefeitura e o Ministério Público. O acordo dá mais prazo para que as empresas ônibus cumpram um antigo compromisso: climatizar 100% da frota, o que, conforme os novos termos, deve ocorrer de forma progressiva até setembro de 2020, antes das próximas eleições municipais.

Até o fim deste ano, as empresas de ônibus terão que climatizar 60% dos veículos, e, ao fim de 2019, o patamar terá que chegar a 80% da frota.

Histórico

Um decreto da prefeitura do Rio de 2014 já previa a climatização de toda a frota que circula na cidade até o fim de 2016. Na época, a decisão incluiu um aumento de R$ 0,20 nas passagens.

Antes de o prazo terminar, em 2016, a prefeitura publicou um decreto reduzindo a meta de climatização para 70% das viagens na cidade, o que gerou reação do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro.

Ao longo do ano passado, decisões judiciais reduziram o valor da passagem até R$ 3,40, e o valor foi novamente reajustado, em 2018, para R$ 3,60.

Caixa-preta

Além das metas de climatização, o acordo obriga os consórcios de empresas de ônibus a apresentar balancetes trimestrais de suas operações contábeis e financeiras em um prazo de até 60 dias após a assinatura do termo. A falta de transparência das empresas do setor foi questionada em diversos momentos nos últimos anos, inclusive nas manifestações de junho de 2013, e ficou popularmente conhecida como “caixa-preta” das empresas de ônibus.

“As empresas pequenas, que não tiverem condições de apresentar seu balanço na hora certa ao sistema, à prefeitura e à fiscalização, vão perder a concessão e as que estão apresentando e tendo transparência vão assumir as linhas”, diz o acordo.

Os consórcios terão prazo de 24 horas para assumir 50% das linhas que forem operadas por empresas que descumpram o acordo. Em 30 dias, todas as linhas dessas empresas terão que voltar a funcionar.

O Rio Ônibus também se comprometeu a doar matéria-prima para recapeamento de ruas e pistas do BRT.

Modernização

A prefeitura informou que está em negociações avançadas com o Rio Ônibus para implementar outras medidas que modernizem a frota, como internet wi-fi em ônibus novos e entrada USB, para o carregamento de celulares. Na próxima quarta-feira (6), uma reunião entre empresas de ônibus, prefeitura e fabricantes de ônibus europeus e brasileiros vai discutir um possível novo modelo de veículo que circulará na cidade.

Também está em estudo a criação do aplicativo Ônibus.Rio, que avisará horários e itinerários de todas as linhas da cidade, além de emitir alertas para avisar a hora de desembarcar dos veículos.

Marcelo Crivella anunciou também que terão gratuidade nos ônibus do Rio de Janeiro todas as mães de crianças que nasceram com microcefalia, incluindo as que moram fora da capital.

TJRJ determina continuidade de ação contra Cabral e Barcas S.A

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro determinou a continuidade da tramitação de uma ação popular que pede ressarcimento dos cofres públicos ao ex-governador Sérgio Cabral e à antiga concessionária Barcas S.A, que era responsável pelo transporte aquaviário na Baía de Guanabara. Segundo o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, o governo deixou de arrecadar recursos por ter concedido benefícios fiscais à concessionária por meio de um decreto considerado inconstitucional pelos promotores.

O decreto em questão foi publicado em 24 de março de 2011 e reduziu em 100% a base de cálculo do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na prestação de serviço de transporte aquaviário intermunicipal de passageiros.

A ação popular havia sido extinta pela 17ª Câmara Cível, ao considerar que o pedido principal incluía o questionamento à constitucionalidade do decreto, o que deve ser direcionado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por meio de ações diretas de inconstitucionalidade.

O MP-RJ recorreu com um recurso especial e extraordinário prerante a 3ª vice-presidência do TJRJ. A promotoria argumentou que a decisão da 17ª Câmara Cível estava em desacordo com outras previamente adotadas por tribunais superiores e acrescentou que a ação popular é a via adequada para pedidos de ressarcimento aos cofres públicos, mesmo quando o pedido envolve a inconstitucionalidade de um decreto. A vice-presidência do TJRJ acatou o pedido e decidiu pela continuidade da ação, que retornou à 17ª Câmara Cível.

Queda de árvores e ressaca no mar mudam o tempo no Rio

Rajadas de vento seguidas de chuva atingiram o Rio de Janeiro no fim da madrugada de hoje (20), derrubando árvores em vários pontos da cidade.

De acordo com o Centro de Operações da prefeitura, as rajadas de vento registraram 62,64 quilômetros por horas (km/h) no Forte de Copacabana, zona sul da cidade. Entre os bairros mais atingidos pela força do vento e pela queda de árvore, estão a Ilha do Governador, a Tijuca, Santa Teresa e o Jardim Botânico.

Em comunicado, a Marinha informou que o mar entrou de ressaca às 3h de hoje, com ondas de 2,5 a 3 metros de altura. A ressaca deve permanecer na orla do Rio até as 9h de terça-feira (22).

A prefeitura do Rio recomenda aos banhistas que evitem o banho de mar em áreas que estejam em condições de ressaca; que não fiquem em mirantes na orla ou em locais próximos do mar durante o período de ressaca.

Os ciclistas devem evitar trafegar na orla caso as ondas estejam atingindo a ciclovia. Outra recomendação é que banhistas procurem não entrar no mar para resgatar vítimas de acidente. Em casos como esse, o banhista deve acionar imediatamente as equipes do Corpo de Bombeiros pelo telefone 193.

A chuva já parou na cidade, e a temperatura caiu consideravelmente em relação à de sábado (19), que chegou a ficar em 32 graus Celsius. Hoje, a temperatura máxima não deve passar de 26 graus.

Forças Armadas fazem operação em rodovias e comunidades do Rio

Rio de Janeiro – As Forças Armadas fazem hoje (9) três operações em várias regiões do estado do Rio, em parceria com as polícias Rodoviária Federal (PRF), Civil e Militar. De acordo com o comando conjunto, uma das ações está ocorrendo em rodovias que levam aos estados de São Paulo e Minas Gerais. O objetivo das ações é combater o tráfico de drogas e armas.

No Grande Rio, estão sendo feitos patrulhamentos motorizados e bloqueios ao longo da Avenida Brasil e nas rodovias BR-116, BR-101, RJ-101 e RJ-104.

Além dessas ações, as Forças Armadas fazem também cerco, estabilização e remoção de barricadas nas favelas de Furquim Mendes, Dique e Ficap, nas proximidades de Vigário Geral, na zona norte da capital fluminense. A medida é para garantir o cumprimento de mandados judiciais por roubo de cargas. Os mandados estão sendo executados pela Polícia Civil.

Nas três ações, estão sendo empregados 1.550 militares das Forças Armadas, 140 policias rodoviários federais e 150 policiais civis, com apoio de meios blindados, aeronaves e equipamentos pesados de engenharia.