Acre tem 100% de renovação no Congresso Federal

(Foto: Marcelo Camargo/Ag. Brasil)

Oito deputados federais foram eleitos neste domingo (2) pelo Acre. A Câmara Federal teve 100% de renovação, já que nenhum dos deputados conseguiu se reeleger.

O Progressistas e o União Brasil obtiveram três cadeiras cada, das oito disponíveis, e conquistaram o maior número das vagas de deputado federal pelo Acre no Congresso Federal. As duas últimas vagas disponíveis foram preenchidas com candidatos do Republicanos.

A ex-prefeita de Rio Branco, Socorro Neri, do Progressistas, foi a candidata mais votada das eleições 2022 para o cargo de deputado federal. A ex-gestora teve 25.842 votos válidos neste domingo.

Confira os candidatos eleitos deputados federais pelo Acre:

  • Socorro Neri (Progressistas) – 25.842 votos
  • Meire Serafim (União Brasil) – 21.285 votos
  • Coronel Ulysses (União Brasil) – 21.075 votos
  • Zezinho Barbary (Progressistas) – 19.958 votos
  • Gerlen Diniz (Progressistas) – 19.560 votos
  • Dr. Eduardo Velloso (União Brasil) – 16.786 votos
  • Antônia Lucia (Republicanos) – 16.280 votos
  • Roberto Duarte (Republicanos) – 14.522 votos

60 candidatos da Amazônia têm campanhas financiadas por desmatadores

Eles receberam um total de R$ 1,77 milhão em 8 estados. A maioria pertence a partidos da base de apoio de Bolsonaro no Congresso, com destaque para o Partido Liberal (PL) e o União Brasil. Candidato do Acre condenado por trabalho análogo à escravidão recebeu do próprio pai, preso por crime ambiental, a doação de maior valor entre todos os que concorrem na Amazônia.

Sessenta candidatos em oito estados da Amazônia Legal tiveram suas campanhas financiadas por pessoas multadas por desmatamento pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Juntos, eles receberam R$ 1,77 milhão de 87 doadores autuados entre 2005 e 2022 pelo órgão federal.

Os dados foram obtidos pelo projeto Data Fixers, em parceria com a agência de dados públicos Fiquem Sabendo. A iniciativa cruzou informações de candidatos e de financiadores divulgadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com os registros de multas ambientais do Ibama. Para chegar nos doadores autuados por desmatamento, o levantamento do InfoAmazonia e do PlenaMata considerou apenas as multas do tipo Flora na tabela de infrações da autarquia.
 

Na lista, há 38 candidatos a deputado estadual e 16 a federal. Três que concorrem ao Senado também aparecem no levantamento: Gilberto Laurindo (Patriota), do Amapá; Acir Marcos Gurgacz (PDT), de Rondônia; e Antônio Galvan (PTB), do Mato Grosso, que conta com o maior número de doadores fichados pelo órgão federal. Galvan recebeu mais de R$ 172 mil de 12 desmatadores, que, juntos, acumulam 22 processos.
 

Para os governos estaduais, tiveram financiamento de pessoas multadas por desmate: Mauro Mendes Ferreira (União Brasil), do Mato Grosso; Leonardo Barreto de Moraes (Podemos), de Rondônia; e Wanderlei Barbosa Castro (Republicanos), do Tocantins.
 

O Mato Grosso é o estado com maior número de doadores autuados por desmatamento. Foram 22 financiadores que depositaram mais de R$ 860 mil em 22 campanhas no estado. Rondônia figura em segundo lugar na lista, com 15 multados financiando 15 candidaturas em um total de R$ 168 mil. O Amazonas é o único estado amazônico cujos candidatos não contaram com doações de autuados pelo Ibama pelo crime ambiental.
 

Os 60 candidatos que contaram com doações de desmatadores estão distribuídos em 15 partidos, 11 deles da base de apoio de Jair Bolsonaro (PL), que teve sua gestão marcada por retrocessos na política ambiental. O Partido Liberal, atual partido do presidente da República, aparece na frente, com 10 pleiteantes, seguido pelo União Brasil, com nove.

A cientista social e gestora ambiental Roberta Graf, que trabalhou no Ibama por mais de uma década, acredita que esses financiadores buscam influência sobre os possíveis mandatos a fim de enfraquecer leis ambientais e garantir o avanço da pecuária e da soja na região, além do fortalecimento de políticas que beneficiem o latifúndio.
 

“Na Amazônia existem as reservas legais que limitam esses interesses. Na região, também são aplicadas muitas multas contra infrações ambientais. O que esses doadores querem ao bancar campanhas é afrouxar esse cenário, desmontando políticas de manutenção da floresta e da desconcentração da posse da terra”.
 

Na Amazônia existem as reservas legais que limitam esses interesses. Na região, também são aplicadas muitas multas contra infrações ambientais. O que esses doadores querem ao bancar campanhas é afrouxar esse cenário.

Roberta Graf, cientista social e gestora ambiental
 

Ela lembra que tramitam no Congresso, em Brasília, vários projetos de leis danosos ao meio ambiente, entre eles os PLs da Grilagem, que flexibilizam o controle sobre a ocupação de terras públicas, com possibilidade de anistia a grileiros. “Tem muita gente grande de olho nisso para escapar das multas”.
 

A coordenadora do Laboratório de Estudos Geopolíticos da Amazônia Legal (Legal) na Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Marilene Freitas, esclarece que, além dos interesses antiambientais, esses patrocinadores de campanhas visam ainda abocanhar uma fatia do orçamento público por meio de favorecimento em licitações.
 

“As eleições de 2022 revelam que persistem interesses econômicos nesses processos de doações. Nomes das elites regionais tornam conhecidas as relações entre doadores, patrimonialismo e permanência de relações oligárquicas por trás da caça ao orçamento do estado, terras públicas e atividades produtivas sujeitas à legislação ambiental”.
 

As eleições de 2022 revelam que persistem interesses econômicos nesses processos de doações. Nomes das elites regionais tornam conhecidas as relações entre doadores, patrimonialismo e permanência de relações oligárquicas por trás da caça ao orçamento do estado, terras públicas e atividades produtivas sujeitas à legislação ambiental.

Marilene Freitas, coordenadora do Laboratório de Estudos Geopolíticos da Amazônia Legal (Legal) na Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Doação tamanho família

A maior doação individual foi para um candidato a deputado estadual no Acre. O advogado José Lopes Júnior (41 anos), do PL, recebeu R$ 373 mil do pai José Lopes, o financiador de campanha mais multado por desmatamento na Amazônia, com 36 autuações pelo Ibama.
 

Advogado José Lopes Júnior, do PL, candidato a deputado estadual no Acre

Em 2019, o candidato foi condenado a mais de nove anos de prisão por submeter 34 pessoas a regime análogo à escravidão em três fazendas em Boca do Acre, município amazonense que faz divisa com o Acre. A denúncia partiu do Ministério Público Federal (MPF). O crime teria sido cometido entre 2006 e 2012. Ele não cumpriu a pena. A reportagem procurou o candidato em três ocasiões, duas por telefone e uma por meio de seu advogado, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.
 

Já o pai de Junior é um dos maiores fazendeiros do Amazonas, dono de mais de 150 mil cabeças de gado nos municípios de Boca do Acre e Lábrea, na divisa com o Acre. Ele também é proprietário de frigoríficos na região. Em 2019, o empresário foi detido no Acre pela Polícia Federal, no âmbito da Operação Ojuara, por formação de milícia privada.
 

Na época, Lopes foi acusado de pagar policiais militares para expulsar posseiros e extrativistas de terras públicas da União e garantir a posse de áreas invadidas por ele em Boca do Acre. Denunciados por corrupção passiva, os milicianos também faziam a segurança dos trabalhadores e equipamentos empregados para desmatamentos ilegais na região utilizando armas, coletes, algemas e rádios da própria Polícia Militar do Amazonas.
 

A operação também resultou na prisão do então superintendente do Ibama no Acre, Carlos Francisco Augusto Gadelha. Segundo a denúncia, ele fazia parte do esquema praticado por Lopes e outros fazendeiros.
 

Servidores do órgão repassavam aos pecuaristas informações privilegiadas sobre fiscalizações. Além disso, deixavam de lavrar os autos de infração por desmatamento. No final de 2018, Gadelha chegou a assinar uma carta endereçada ao então recém-eleito presidente Bolsonaro, acusando o Ibama de aparelhamento ideológico pela esquerda.
 

Elites agrárias
 

A cientista social Roberta Graf ressalta que a interferência do crime ambiental na política não é novidade no Brasil, mas se intensificou durante o atual governo por conta das bandeiras antiambientais e do enfraquecimento das instituições de combate às infrações cometidas contra o meio ambiente.
 

Graf afirma, ainda, que as elites agrárias sempre deram as cartas na política nacional não só como financiadores de campanhas, mas também como mandatários. “São eles que têm mais facilidade de serem eleitos”, diz.
 

“Não custa lembrar que essa elite é formada por latifundiários com forte visão antiambiental e muitas vezes escravocrata, diferente das elites de outros países, que ao menos têm projeto de nação. Aqui o cenário é perverso, envolve violência contra ativistas e populações tradicionais e serve apenas ao enriquecimento próprio. Por quase não precisarem pagar impostos, não volta nada para o Brasil, só destruição”.
 

Graf comenta que o país viu surgir, na era Bolsonaro, a aliança entre o crime organizado e o ambiental. Além disso, a flexibilização da aquisição de armas de fogo pelo atual governo agrava ainda mais o cenário de terra sem lei na Amazônia.
 

“Hoje em dia, muitos traficantes de drogas também são criminosos ambientais porque descobriram na grilagem uma forma fácil de ganhar dinheiro. E eles estão lotados de fuzis, tocando o terror nas zonas rurais. Tem ainda a figura dos milicianos, que é alimentada pelas facções, e vice e versa. Há diversos casos de policiais fazendo vista grossa, a serviço do crime, e isso está inserido nesse contexto de guerra cultural ‘anticomunista’ que respinga na questão ambiental”.
 

A coordenadora do Legal na Ufam, Marilene Freitas, reflete sobre os motivos pelos quais boa parte dos eleitores amazônidas não dão importância suficiente para as questões ambientais na hora do voto e acabam por eleger políticos ligados à devastação.
 

“Há pouca percepção de uma relação direta entre bem-estar urbano e meio ambiente, ou seja, as pessoas não relacionam a problemática ambiental com questões de saúde, desenvolvimento econômico e sustentabilidade dos biomas e ecossistemas na Amazônia e de como todos esses aspectos estão ligados com os estoques e consumo de recursos naturais”.
 

A professora finaliza dizendo que “a problemática ambiental só se tornará mobilizadora quando esses fatos e fenômenos estiverem esclarecidos em suas relações de causa e impacto, em seus riscos visíveis e invisíveis. A população acha o tema importante, mas pensa que a ação de cada um pode mudar o curso dos acontecimentos, ou seja, não tem ideia dos riscos contemporâneos sobre os ambientes e sociedades amazônicas, nem da necessidade de ação política coletiva para mudar essa realidade”.

Candidatos da Amazônia e doações de autuados por desmatamento

Valores foram recebidos para campanha deste ano. Levantamento é com base nos dados do TSE e Ibama.

Pesquise na tabela aqui

“A Queda” e “Acampamento Intergaláctico” estrearam no Cine Araújo

“Minions 2: A Origem de Gru” continua em cartaz

Nesta semana, o Cine Araújo, localizado no Via Verde Shopping, traz dois novos filmes para às telas, são eles: “A Queda” e o filme brasileiro “Acampamento Intergaláctico”. Além disso, o filme Avatar continua sendo reprisado.

“A Queda” é um filme de suspense de sobrevivência dirigido e co-escrito por Scott Mann. Estrelado por Grace Caroline Currey, Virginia Gardner, Mason Gooding e Jeffrey Dean Morgan, o filme segue duas mulheres que escalam uma torre de rádio de 600 metros de altura e ficam presas no topo sem saída.

O garoto Ronaldo acredita em extraterrestres e um meteorito que caiu do céu quando ele era criança é sua maior prova. Agora, ao lado da irmã Marina, ele tem a chance de desvendar os segredos do universo no “Acampamento Intergaláctico”. O filme tem no elenco Blota Filho, Lucas Salles e Marianna Santos.

E não para por aí, continuam em cartaz os filmes “A Orfã 2”, “Sorria”, “Não se Preocupe, Querida”, “Ingresso para o Paraíso” e a “A Mulher Rei”. Os ingressos estão disponíveis nas bilheterias do Cine Araújo, nos canais de autoatendimento e no site ingresso.com.

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA

SALA 01 – (2D) – A MULHER REI – DUBLADO

AÇÃO – 135 MIN – verificar classificação

SAB E DOM: 15h15

Diariamente: 18h e 20h45

____________________________________

SALA 02 – (2D) – ACAMPAMENTO INTERGALÁCTICO – NACIONAL

COMÉDIA – 86 MIN – verificar classificação

SAB E DOM: 14h45

SALA 02 – (2D) – SORRIA – DUBLADO

TERROR – 115 MIN – verificar classificação

Diariamente: 16h45, 19h e 21h15

____________________________________

SALA 03 – (2D) – A QUEDA – DUBLADO

SUSPENSE – 107 MIN – verificar classificação

SAB E DOM: 15h15

Diariamente: 21h30

SALA 03 – (2D) – ORFÃ 2 – DUBLADO

TERROR – 99 MIN – verificar classificação

Diariamente: 17h30 e 19h30

____________________________________

SALA 04 (2D) – MINIONS 2: A ORIGEM DE GRU – DUBLADO

ANIMAÇÃO – 87 MIN – verificar classificação

SAB E DOM: 15h15

SALA 04 – (3D) – AVATAR – DUBLADO

AÇÃO/FICÇÃO – 165 MIN – verificar classificação

Diariamente: 17:15 20:30

____________________________________

SALA 05 – (2D) – INGRESSO PARA O PARAÍSO – DUBLADO

DRAMA – 104 MIN – verificar classificação

SAB E DOM:  15h15

SALA 05 – (2D) – NÃO SE PREOCUPE, QUERIDA – DUBLADO

TERROR – 123 MIN – verificar classificação

Diariamente: 17h15

SALA 05 – (2D) – SORRIA – DUBLADO

TERROR – 115 MIN – verificar classificação

Diariamente: 19h30

SALA 05 – (2D) – SORRIA – LEGENDADO

TERROR – 115 MIN – verificar classificação

Diariamente: 21h45

____________________________________

SALA 06 – (2D) – ORFÃ 2 – DUBLADO

TERROR – 99 MIN – verificar classificação

SAB E DOM: 15h15

Diariamente: 21h45

SALA 06 – (2D) – A QUEDA – DUBLADO

SUSPENSE – 107 MIN – verificar classificação

Diariamente: 17h15 e 19h30

PROGRAMAÇÃO SUJEITA A ALTERAÇÃO SEM AVISO PRÉVIO

Caminhão 5G traz educação tecnológica a alunos do SENAI no Acre 

Parceria entre o SENAI Cimatec da Bahia e a multinacional das telecomunicações, Huawei, ofertou o curso aos estudantes em Rio Branco

Alunos do SENAI no Acre participaram na manhã desta quinta-feira, 29 de setembro, de um curso sobre a tecnologia 5G. A capacitação foi ministrada no Caminhão G5, que é uma sala de aula itinerante que está percorrendo estados do país com a intenção de levar conhecimento sobre a nova tecnologia. O projeto é realizado pelo SENAI Cimatec da Bahia e pela multinacional das telecomunicações, Huawei. No Estado, a iniciativa teve a parceria da Federação das Indústrias (FIEAC) e da Federação do Comércio (Fecomércio).   

O Caminhão 5G está estacionado na sede do Sesc Bosque, em Rio Branco, nesta quinta, 29, e sexta-feira, 30 de setembro, aberto também para visitação do público. No turno da tarde, foi a vez de os estudantes curso Técnico em Telecomunicações do Novo Ensino Médio da parceria entre SESI e SENAI participarem da capacitação. Instrutor do projeto Caminhão 5G, Tulio Freitas de Castro detalhou aos alunos a evolução das tecnologias móveis, introdução às redes móveis de 5G e suas aplicações, padronizações, entre outras informações.  

“Passamos uma introdução sobre a tecnologia 5G comparando com a 4G, para evidenciar como a nova rede é superior e as aplicações que ela traz ao Brasil. É a revolução do IoT, pois a palavra de ordem do 5G hoje é a conectividade, um nível maior de sociedade, conectar ambientes diferentes como fábricas, hospitais, carros, casas, absolutamente tudo. Em Rio Branco, a previsão da chegada do 5G está entre os dias 6 e 31 de outubro”, ressaltou Castro.  

Samuel Oliveira, programador 1 do projeto, afirmou que é importante difundir esse conhecimento introdutório sobre a tecnologia 5G, já que muitas pessoas têm pouco conhecimento e acreditam que é algo que se limita a redes móveis de celular. “Vai muito além do que o 4G oferece. São muitas inovações e mudanças. O Acre é o oitavo estado que estamos visitando”, acrescentou.  

Aluno do curso de Eletricista do SENAI/AC, Ryan Rodrigues, de 18 anos, demonstrou bastante interesse no curso e aproveitou para tirar algumas dúvidas. “Foi muito proveitoso e esclarecedor. Sou curioso sobre metaverso, gosto de novas tecnologias e pude aprender coisas bem interessantes na capacitação”, pontuou. 

MPE oficia partidos e coligações sobre condutas vedadas no dia das eleições

O Ministério Público Eleitoral (MPE) expediu, nesta quinta-feira, 29, um ofício a partidos políticos e coligações com informações sobre as normas que devem ser seguidas nas eleições gerais, que ocorrem no próximo domingo, 2. O documento foi assinado pelos promotores eleitorais das nove zonas do estado.  

Aos eleitores será permitida apenas manifestação silenciosa, revelada exclusivamente por meio de acessórios como bandeiras, broches e adesivos. O uso bonés, camisas e similares são permitidos se custeados pelo próprio eleitor. 

Já aos mesários é vedado o uso de vestuário que contenha qualquer propaganda política, estes devem, ainda, retirar do recinto de votação quem não guardar a ordem a atentar à liberdade eleitoral.  

Em relação aos fiscais de partidos e coligações são determinadas uma série de normas, entre elas destaca-se a necessidade de crachás contendo apenas o nome do fiscal e a sigla do partido político ou coligação a que sirvam, sendo vedada a padronização do vestuário. O crachá deverá ter medidas que não ultrapassem 15cm de comprimento por 12cm de largura. 

O documento informa também que é vedado no dia do pleito, até o término do horário de votação, a aglomeração de pessoas portando vestuário padronizado ou com instrumentos de propaganda eleitoral de modo a caracterizar manifestação coletiva, com ou sem utilização de veículos. 

Constituem crimes, no dia da eleição, o uso de alto-falantes e amplificadores de som ou a promoção de comício ou carreata, a arregimentação de eleitor ou a propaganda de boca de urna, a divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos e a publicação de novos conteúdos ou o impulsionamento de conteúdos nas aplicações de internet.  

Termina nesta quinta-feira a propaganda eleitoral no rádio e na TV

Termina nesta quinta-feira, 29, a propaganda eleitoral no rádio e na TV, no primeiro turno, dos candidatos que irão concorrer nas Eleições deste ano. Também encerram, hoje, reuniões públicas ou comícios, utilização de carro de som, além dos debates políticos.

Caso ocorra segundo turno para presidente ou governador, o horário eleitoral gratuito será transmitido de 7 a 28 de outubro. A divulgação paga de propaganda, na imprensa escrita, poderá ser feita até esta sexta-feira, 30.

Em 2022, a Lei 14.291/22 retomou a propaganda partidária no rádio e na TV – que havia sido extinta em 2017. A norma teve origem no Projeto de Lei 4572/19, aprovado em 2021 pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal.

A Justiça Eleitoral alerta que, no dia da eleição, qualquer ato de propaganda poderá ser caracterizado como crime de boca de urna.

Coordenador de campanha é preso em flagrante por crime eleitoral no município de Feijó

No início da tarde desta quinta-feira, 29, uma equipe a Polícia Civil em Feijó prendeu, em flagrante, o coordenador de fiscais partidários da coligação “Avançar para Produzir Mais”, R.M.V, de 31 anos de idade, pelo crime de corrupção eleitoral

A prisão em flagrante originou-se de denúncias anônimas, feitas diretamente para o telefone de um policial civil e por meio do disk denúncia (190) do CIOSP.

Diante da denúncia, os investigadores da polícia, por volta das 08h, dirigiram-se até o barco de R.M.V, ancorado no cais da cidade.

Durante a lavratura do auto de prisão, restou claro, por meio das testemunhas ouvidas, de prints de conversas de whatssap, apresentados na delegacia que o flagranteado, agindo em comunhão de esforços com uma servidora do alto escalão da Secretária Municipal de Educação estariam praticando o crime do artigo 299 do código eleitoral, consubstanciado na prática de dar dávida ou qualquer outra vantagem para obter voto.

Diante da irrefutável prática delitiva, foi dado voz de prisão a R.M.V e apreendidos alguns bens como combustível, barco, crachás de fiscais de partido e santinhos do candidato a deputado estadual Marcus Cavalcante, candidata a deputada federal Meire Serafim e do candidato ao senador Alan Rick.

Foi arbitrado o valor de R$ 10.000,00 (dez mil), a título de fiança, o qual foi recolhido, tendo o preso livrado-se solto. O Inquérito será remetido ao Poder Judiciário para posterior análise e providências

Servidores da Saúde cobram melhorias nas condições de trabalho e abonos salariais

As manifestações ocorreram em diversos locais do estado ao mesmo tempo, entre eles estão a Capital e Cruzeiro do Sul, que tiveram o início do movimento em frente a maternidade de ambas as cidades.

Os profissionais da saúde do Estado, juntamente com os médicos de Rio Branco, iniciaram na manhã de terça-feira, 8, greve por tempo indeterminado, fazendo diversas reivindicações para que voltem ao trabalho. Os demais profissionais da saúde da capital acreana devem aderir ao movimento hoje, dia 9.

As manifestações ocorreram em diversos locais do estado ao mesmo tempo, entre eles estão a Capital e Cruzeiro do Sul, que tiveram o início do movimento em frente a maternidade de ambas as cidades. Em Rio Branco, os manifestantes seguiram para a Assembleia Legislativa do Estado do Acre (Aleac).

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Acre (SINTESAC), as principais reivindicações são que sejam cumpridas as promessas do governador, que foram acordadas em reuniões durante o mês de junho de 2021, entre elas está a bonificação de insalubridade, assim como o auxílio Covid, para quem trabalha diretamente com pacientes da doença, além disso, a correção da inflação, referente a 2020 e 2021 também é citada, assim como muitas melhorias nas estruturas de diversos hospitais, e a contratação de mais profissionais, mediante concursos públicos.

Outras cidades que também estão participando das manifestações são Tarauacá, no Hospital Dr. Sansão Gomes e Senador Guiomard, no Hospital Geral Dr. Ary Rodrigues.

Vale ressaltar que, devido ao alto percentual de gastos com pessoal do Estado, muitas destas reivindicações não podem ser atendidas até que esta porcentagem esteja abaixo dos 49% do arrecadado.

Pesquisa CNM: redução de mortes por Covid-19 não elimina obrigatoriedade do uso de máscaras pelos municípios

A pesquisa também aponta que 90,7% (2.143) dos gestores vão manter a obrigatoriedade da máscara em determinados ambientes mesmo com toda população vacinada.

A redução do número de casos e de mortes por Covid- 19 dos últimos dias não será determinante para que a maioria dos gestores municipais afrouxem o uso de máscaras. Nova pesquisa da Confederação Nacional de Municípios (CNM), promovida entre 16 e 19 de novembro, confirma que em 2.311 localidades (97,8%) o equipamento de segurança é obrigatório em ambientes privados e não é mais exigido em apenas 38 Municípios (1,6%).

Quanto aos ambientes públicos, entre as 2.362 prefeituras que responderam a esse questionamento, 88,6% (2.093) mantêm a obrigatoriedade da proteção facial e apenas 10,7% (252) não estão mais exigindo o uso de máscaras em lugares públicos. A pesquisa também aponta que 90,7% (2.143) dos gestores vão manter a obrigatoriedade da máscara em determinados ambientes mesmo com toda população vacinada.

A 31ª edição da pesquisa, que passa a ser quinzenal, mostra ainda os seguintes cenários: falta de vacinas; distribuição e aplicação dos imunizantes; e falta de imunizantes para a dose de reforço. Quando o assunto é disponibilidade de imunizantes, a última semana registrou o melhor quadro até o momento, pois apenas 336 (14,2%) Municípios afirmaram ter ficado sem vacinas, enquanto 2.014 cidades (85,3%) disseram que a vacinação ocorreu normalmente.

Dentre os que relataram a falta de imunizantes, a escassez para aplicar a primeira dose afetou 176 localidades (52,4%). Já 168 Municípios (7,1%) relataram falta de vacinas para a dose de reforço; as vacinas da Pfizer e da Astrazeneca faltaram em 114 (85,7%) e 48 (28,6%) desses Municípios, respectivamente.

De acordo com a pesquisa, em 2.003 (84,8%) dos pesquisados, a quantidade de vacinas distribuída está adequada, porém, 218 gestores (11,9%) afirmaram terem recebido mais imunizantes do que o necessário. Sobre o passaporte da vacina, 380 Municípios (16,1%) já editaram decreto ou norma similar com a obrigatoriedade da vacinação para frequentar espaços coletivos públicos. Em 1.933 cidades (81,8%) não existem tais medidas.

Confira AQUI o levantamento completo

Jovem encontra na pandemia oportunidade para empreender e contornar a crise

A chegada da pandemia do novo coronavírus deu uma reviravolta na vida de muita gente ao redor do mundo. Pessoas perderam suas vidas, outras ficaram desempregadas. Foi preciso adaptar a rotina para fugir da Covid-19. Mas em meio desse tsunami milhares de trabalhadores resolveram abrir seu próprio negócio e até mesmo expandir o que já existia. Foi o caso do Wendell Barbosa, proprietário da Ótica Novo Estilo.

A história desse jovem empreendedor é de muita superação e movido a desafio, segundo ele. Barbosa conseguiu, na pandemia, manter as duas lojas que tinha e abriu mais três, mesmo com o cenário de instabilidade.

“Na verdade comecei do zero com uma caixa de papelão para carregar os óculos e com um sentimento dentro de mim que não deixava desistir. Não foi fácil, mas sabia que eu ia vencer e hoje, depois de quase seis anos, tenho a maior rede de óticas do Acre e ainda esse ano vamos abrir mais outras lojas”, disse Barbosa.

Mas o empresário afirma que ficou assustado com a chegada da pandemia. Os decretos governamentais de fechamento dos serviços não essenciais, segundo ele, fez com que adotasse estratégias diferentes das habituais e o negócio cresceu.

 “Quando iniciou a pandemia em março de 2020, veio aquele choque do que seria do futuro e o que poderia acontecer. A pandemia me fez colocar em prática tudo àquilo que já estava programado a fazer. Nesse momento difícil pra todos me ajudou a realizar tudo que planejei e dentro de 1 ano consegui abrir mais quatro óticas e uma franquia de seguros”, ressaltou.

“Encontrei muita gente dizendo que não adiantava abrir negócio na pandemia. Resolvi ouvir a Deus e aos meus extintos e deu certo. Persistir é sempre uma boa opção.”

Diferente de muitas empresas pelo Brasil a fora que demitiram seus colaboradores, Wendell Barbosa aumento o quadro de funcionários da sua empresa. Hoje já são 15 pessoas diretamente trabalhando. De acordo com ele, apresentar seu negócio nas redes sociais alavancou suas vendas.

“Conseguimos oferecer mais vagas de empregos ao longo dessa pandemia. Mas porque precisei entender  que o mundo tinha mudado e os hábitos também. Preparei estratégias de vendas para alcançar aquele cliente que não visita mais as lojas físicas. Estudei muito na pandemia para conseguir alcançar nossos objetivos”, disse.

“Acredito muito no Brasil e entendo que não é fácil manter ou abrir um negócio devido a toda burocracia que vivemos, mas acredito muito no potencial do Brasil e também que podemos ser honestos em meio ao caos.”

Pesquisa mostra crescimento nas vendas pela internet

Para 2021, a tendência é que os empreendedores sigam apostando na Internet, e em especial nas redes sociais. É o que mostra uma pesquisa da ao³, uma marca que potencializa negócios de micro, pequenas e médias empresas e escritórios de contabilidade, realizada com donos de microempresas, empresários de pequeno porte e MEIs da indústria, varejo e serviços.

A “Pesquisa sobre as Perspectivas do Empreendedor Brasileiro para 2021” aponta que dos 140 empreendedores ouvidos, 60% vendem pela Internet. Entre os canais favoritos deles estão: Whatsapp (40%), redes sociais (27,7%), plataformas de terceiros (12,3%) e E-commerce (7,7%). Mesmo com a atual conjuntura econômica, 72% registraram mais vendas pela Web, sendo que 27% aumentaram as suas receitas em 10%, 21,6% em 20% e 21,6% em 50%.

Já em relação aos investimentos realizados na empresa, 44% mantiveram o valor aportado em 2019, 17,5% aumentaram em até 50% e 17,5% diminuíram em até 50%.

Entre as razões que atrapalharam o crescimento dos negócios, as três mais mencionadas foram: pandemia (68%), carga tributária elevada (39%) e juros altos (28,5%).

Rumos para 2021

Sobre o crescimento econômico do País, a expectativa de 45% dos empreendedores é cautelosa, enquanto para outros 40% é favorável e para 13% desfavorável.

Já quanto ao crescimento do próprio negócio, 50% dos pequenos empresários têm uma perspectiva cautelosa e 44% favorável. Para o faturamento, a projeção é positiva e 63% acreditam que irão faturar mais, 20% creem que a receita se manterá, enquanto 8% esperam um lucro menor.

Com relação a investimentos, os empreendedores se mostram mais otimistas: 45% respondentes pretendem injetar novos recursos na empresa, enquanto 34% não decidiram e 21%, não devem fazer investimentos.

“Em 2020, avançamos pelo menos duas décadas em termos de transformação digital. Essa mudança acelerada pressiona as empresas a se reinventarem. Quando pensamos no microempreendedor pode ser ainda mais desafiador, pois sabemos que ele desempenha muitas funções na empresa: faz a gestão, atende o cliente, fecha o caixa, fala com fornecedor, cuida das vendas, entre outras funções. Tudo isso, na maioria dos casos, sozinho.  Por isso, nós acreditamos na importância da tecnologia simples, fácil de usar e eficaz para resolução de problemas e ajudar na digitalização dos pequenos negócios para que eles possam acompanhar as mudanças e evoluir”, diz Jorge Santos Carneiro, presidente da ao³.

O site Opinião quer ouviu sua história durante a pandemia. Quais os seus desafios? Pensou em desistir ou não conseguiu manter seu negócio? Usou a pandemia para abrir seu negócio? Conte pra gente. Fale conosco pelo [email protected] ou telefone whatsapp 68 99602-2190. Queremos contar a sua história.

Com número crescente, Pronto-Socorro já têm lotação máxima em UTIs para Covid-19

Em meio à escalada de número de casos de Covid-19 em todo o Acre, os hospitais de referência ao tratamento a doença em Rio Branco registravam ocupação de quase 100% de suas UTIs, de acordo com dados do boletim da Secretaria de Saúde do Acre, nesta segunda-feira, 8.

O Pronto-Socorro de Rio Branco nenhum leito de tratamento intensivo e também clínico para a doença estavam disponíveis no fim da tarde de segunda. No Into Acre a situação é parecida e alarmante. Das 50 UTIs, apenas uma estava disponível.

Entre os leitos de enfermaria, em Rio Branco, de acordo com o boletim, dos 170 leitos clínicos, 147 estão ocupados. Já os obstétricos tem sua ocupação de 150%.

No Hospital de Campanha do Juruá a ocupação dos leitos de UTIs está em 88,5%, ou seja, dos 26 unidades disponíveis, apenas três está vaga. Os leitos clínicos está menos sobrecarregados com 63,5% de ocupação.

No Acre, moradores dos 10 municípios atingidos pela enchente poderá sacar o FGTS

A CAIXA anuncia nesta quarta-feira (24/02) diversas medidas em apoio ao estado do Acre, atingido por fortes chuvas. O banco vai ampliar o atendimento à população com o deslocamento de Caminhão-agência para as regiões mais afetadas e prestar apoio técnico às prefeituras para obras de reconstrução.

O presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, visita o Acre para avaliar a situação das cidades afetadas e anunciar medidas de apoio à região. “Viemos ao estado para ver onde o banco pode ajudar. Trouxemos ações de apoio à população, empresas e prefeituras. A CAIXA vai oferecer suporte no atendimento, em especial às pessoas das áreas mais carentes afetadas pelas chuvas”, explica.

Dez cidades em estado de calamidade decretada contarão com as medidas de apoio da CAIXA: Rio Branco, Cruzeiro do Sul, Tarauacá, Feijó, Porto Walter, Santa Rosa do Purus, Rodrigues Alves, Mâncio Lima, Sena Madureira e Jordão.

Os clientes das regiões afetadas contarão com isenção de tarifas, pausa em contratos habitacionais e carência para empréstimos. As empresas também terão apoio da CAIXA, o banco oferece crédito com 12 meses de carência, pausa em prestações de produtos de crédito e facilidades para aquisição de máquinas e equipamentos.

Benefícios para Pessoa Física:

  • A CAIXA dará isenção de cesta de serviços por três meses, de forma automática, para clientes moradores das áreas atingidas.
  • O banco disponibiliza ainda outros benefícios que poderão ser solicitados pelos clientes, como dispensa de encargos nas operações de Penhor e carência de até 90 dias para a 1ª parcela em novos contratos de CDC.
  • Para clientes com CDC ativo, estará disponível a recontratação do crédito com carência, desde que o empréstimo esteja em dia.
  • No Crédito Consignado haverá possibilidade de habilitar carência, a depender da negociação do convênio.

Benefícios para Pessoa Jurídica:

  • Isenção de cesta de serviços pelo período de 3 meses para correntistas PJ.
  • Para as empresas, a CAIXA oferece contratação de operação com recursos garantidos pelo Fundo de Aval para as Micro e Pequenas Empresas (FAMPE), com taxas a partir de 1,19% a.m., até 12 meses de prazo de carência e até 36 meses para amortização.
  • Pausa de até 3 meses nos produtos de crédito Pessoa Jurídica.
  • Produto de Investimento para aquisição de máquinas e equipamentos com carência de 06 meses e taxa de 0,99% a.m. (redução de 34%da taxa padrão de 1,54%)

Habitação:

  • Nos contratos habitacionais, a CAIXA possibilita a pausa estendida por até 90 dias no pagamento das parcelas.
  • Renegociação para incorporação das prestações no saldo devedor dos clientes inadimplentes.
  • O banco mobilizou equipes de trabalho social e de atendimento técnico de engenharia para prestar o apoio necessário.
  • As unidades da CAIXA também darão suporte aos clientes para acionamento de seguro habitacional e procedimentos para pagamento de indenizações de forma imediata.

Governo:

  • A CAIXA disponibilizará às prefeituras sua equipe para ações de assistência técnica em apoio aos municípios.
  • As equipes de arquitetos, engenheiros, operacionalização de repasses e financiamentos e trabalho técnico social das gerências executivas de governo atenderão prioritariamente os municípios atingidos.
  • As prefeituras poderão contar com suporte técnico para levantamento dos danos e estimativa de custos para a recuperação de obras em andamento ou edificações atingidas que têm grande impacto para a população dos municípios, como pontes, vias de acesso, abastecimento de água, postos de saúde e escolas, dentre outras ações.

FGTS:

  • Há expectativa de liberação do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) por decreto de calamidade pública, para isso seguem os passos:
  • Município ou Estado decreta situação de emergência ou calamidade pública.
  • Ministério do Desenvolvimento Regional publica portaria de reconhecimento.
  • Defesa civil do Município ou Estado entrega declaração das áreas afetadas e Formulário de informação do Desastre (FIDE) à CAIXA.
  • Depois dessas etapas, a solicitação de saque poderá ser feita pelo trabalhador através do App FGTS e o pagamento ocorrerá em cerca de 2 dias após o pedido.
  • Para o saque, o beneficiário que residir na área atingida deverá possuir saldo na conta vinculada e não ter efetuado saque por motivo calamidade nos últimos 12 meses. O valor do saque é limitado a R$ 6.220,00 por conta.
  • A solicitação de saque também poderá ser feita presencialmente, sendo que as orientações, como locais de atendimento e datas, serão feitas pela CAIXA oportunamente.

Atendimento:

  • A CAIXA vai deslocar para o estado um Caminhão-agência do banco, que trará reforço para o atendimento bancário nas cidades mais afetadas.
  • A CAIXA também fará remanejamento de empregados com base na demanda por atendimento e negócios em cada localidade, conforme a necessidade.
  • Contratação 28 novos empregados para o estado do Acre. (Assessoria Imprensa e Comunicação Institucional da CAIXA)

MPAC cobra agilidade na vacinação de idosos e publicação de cronograma

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por intermédio da Promotoria de Justiça Especializada de Defesa da Pessoa Idosa e Pessoa com Deficiência, instaurou procedimento preparatório para averiguar possíveis irregularidades no processo de vacinação contra a Covid-19 de idosos e pessoas com deficiência permanente em Rio Branco, requisitando diversas providências ao secretário municipal de Saúde.

Nos documentos, assinados pelo promotor de Justiça Júlio César de Medeiros, o MPAC destaca que milhares de pessoas idosas estão à espera da primeira dose da vacina contra a Covid-19, sem que tenha sido apresentado pela Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA) um plano de vacinação destinado aos idosos, que fazem parte do grupo prioritário para recebimento das doses, o que gera uma crise de depressão e ansiedade num público alvo já vulnerável.

O promotor de Justiça ressalta notícias recebidas pela Promotoria de que os próprios servidores da Saúde até o momento não teriam recebido o cronograma de vacinação para acompanhamento e que idosos não teriam conseguido se cadastrar para a vacinação contra a Covid-19 na semana passada, tendo recebido a informação de que seria feriado de carnaval.

Também aponta que Rio Branco começou a vacinar no dia 29 de janeiro os idosos acima de 80 anos acamados, com expectativa de imunizar 600 idosos nessas condições. Entretanto, conforme balanço divulgando pela Vigilância Epidemiológica, até o dia 17 de fevereiro apenas 285 idosos acima de 80 anos acamados, além de 279 Idosos acima de 90 anos, e 161 idosos acima de 60 anos institucionalizados, haviam sido vacinados.

Ainda de acordo com o texto da Promotoria, os idosos são o grupo atingido com maior número dos casos graves da doença e, enquanto não houver vacinação massiva para esse público, continuará elevado o número de internações hospitalares e de leitos de UTI, sobrecarregando o sistema de saúde.

“A publicação de calendário de vacinação pela Secretaria Municipal de Saúde, contendo cronograma com dia e hora definidos, referente à vacinação desse público prioritário, cumpre um dever de informação e transparência à sociedade, proporcionando planejamento e mais adesão, além de minimizar os impactos da pandemia na saúde mental dessas pessoas, vez que transtornos psicológicos como ansiedade e depressão representarão uma epidemia oculta na era da Covid-19”, destaca o promotor de Justiça.

Dessa forma, o MPAC requisitou ao secretário municipal de Saúde, no prazo de 72 horas, devido à urgência, a publicação de calendário de vacinação de pessoas idosas, apresentação de plano de vacinação local, levantamento prévio de eventuais idosos em situação de rua e institucionalizados, ações visando dar transparência na informação à sociedade, entre outras medidas, reforçando que o não atendimento injustificado ensejará as medidas judiciais cabíveis.

O repique da pandemia de covid-19 no Brasil sob análise

Depois de períodos de estabilidade e queda no contágio, os dados de casos diários e internações pela covid-19 voltaram a preocupar em cidades do Brasil em novembro. Boletim de quarta-feira (18) do consórcio de veículos de imprensa mostra tendência de alta na média móvel de mortes e casos no país na semana atual em relação aos 15 dias anteriores. Em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, houve salto na ocupação de hospitais por pessoas infectadas.

5.945.849

é o número de infectados pela covid-19 em todo o Brasil até quarta-feira (18), segundo o Ministério da Saúde

167.455

é o número de mortos em decorrência da doença no país até a mesma data

O otimismo com o cenário de estabilidade e com a divulgação dos resultados positivos de testes de vacinas levaram a população a relaxar o isolamento e outras medidas de prevenção, como uso correto de máscaras, o que é apontado por especialistas como a principal causa do crescimento de internações pela doença.

Informações desencontradas e recomendações sem comprovação científica, como a publicada pelo Ministério da Saúde na tarde de quarta-feira (18), que encoraja a população que não é parte do grupo de risco a seguir a vida normalmente, dificultam o combate ao vírus.

Na terça-feira (17), puxado por regiões que vivem uma segunda onda da covid-19 como Estados Unidos e Europa, o mundo bateu recorde diário de mortes pela doença, com 11.099 óbitos registrados em 24 horas. No total, já são mais de 1,3 milhão de vítimas.

Diante do aumento nos dados da doença no Brasil, o Jornal Nexo conversou com dois especialistas sobre a evolução da pandemia no país e as recomendações mais adequadas para o momento atual. São eles:

Carolina Coutinho é epidemiologista e pesquisadora na Eaesp-FGV
Plinio Trabasso é médico infectologista, professor associado da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp e coordenador de Assistência do Hospital de Clínicas da Unicamp


Os números da pandemia no Brasil estão em alta? Por quê?


CAROLINA COUTINHO Levando em consideração que essa é uma doença transmissível de pessoa a pessoa, o ideal é que a gente olhe o país como um todo para fazer uma análise geral, mas para entendermos a dinâmica da epidemia, temos que olhar para recortes menores. Assim, vemos que há municípios com estabilidade e outros municípios que começaram a apresentar tendência de alta.

Estamos desde março, há oito meses, em quarentena. As medidas de relaxamento foram sendo implementadas com mais intensidade nas últimas semanas. Isso significou liberar restaurantes, bares: locais onde as pessoas se aglomeram. Pessoas que vinham desde o início da pandemia mantendo o isolamento agora começaram a circular um pouco mais na cidade, especialmente a classe média que trabalha remotamente e que não precisaria sair e as classes altas, que têm o privilégio de manter um isolamento mais adequado. Nas últimas semanas, eles voltaram a circular pela cidade, para frequentar esses espaços que foram liberados, e começaram a encontrar outras pessoas e essas pessoas que antes estavam protegidas da contaminação, estão circulando, se expondo e estão se infectando.

Houve também a reabertura das escolas em alguns municípios, o aumento do volume de pessoas que frequentam o transporte coletivo, os bares e os restaurantes. Uma outra questão é em relação às medidas de prevenção que não estão sendo idealmente cumpridas.

PLINIO TRABASSO Alguns especialistas falam em segunda onda, outros dizem que a primeira não acabou ainda, então é apenas uma continuidade do que já vinha acontecendo. De qualquer forma, trata-se de uma consequência da liberalização do confinamento associada à não observância por boa parte da população das medidas de distanciamento social e, principalmente, uso de medidas protetivas, como a máscara facial e a higienização das mãos.

Há muitos relatos de festas e outros encontros familiares, então, nessas circunstâncias, é comum as pessoas deixarem de lado ou serem menos rigorosas com as medidas protetivas. Abraçam-se, ficam perto umas das outras, enfim, são atitudes que facilitam a transmissão do vírus.

Em quais regiões a aceleração da covid-19 inspira mais preocupação?


CAROLINA COUTINHO Na semana passada, houve um problema muito grave com o site oficial do Ministério da Saúde. Um ataque hacker deixou o site fora do ar por um tempo, então as notificações não puderam ser feitas. Acreditamos que esses dados que temos agora após a restauração do sistema podem estar vindo com algum atraso. Até normalizar essas notificações, pode ter acontecido algum represamento de dados, que é o que vamos ver nas próximas semanas.

Mas o InfoGripe divulgou um novo boletim na terça-feira (17) e avaliou as capitais do Brasil em relação aos números de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave). Vemos algumas capitais apresentarem tendência de alta no longo prazo. São elas: Belo Horizonte, Florianópolis, João Pessoa, Natal, Rio Branco, São Luís e Vitória, além da região central do Distrito Federal. Goiânia e Palmas apresentaram tendência de alta também no curto prazo. São Paulo teve tendência de alta nas semanas anteriores, mas acreditamos que os dados tenham sido muito afetados por essa interrupção do sistema.

Nesse último boletim, a cidade apresentou tendência de estabilidade, mas, como já vinha apresentando tendência de alta antes, vamos verificar nos próximos boletins se isso é uma oscilação inclusive em função desse represamento de dados. Porto Alegre chama atenção por uma possível interrupção na tendência de queda, que foi um pouco o mesmo que aconteceu com São Paulo. Em Manaus, tivemos alta em agosto, mas aparentemente agora há um sinal moderado de queda. Belém, Fortaleza, Maceió e Macapá, que estavam com sinal de alta nos boletins anteriores, agora estão apresentando sinal de estabilização.

É importante pensar que estabilização não é queda, não é uma coisa boa, porque se está em um patamar alto, estabilizar no alto é ruim. O Rio de Janeiro, que vinha numa linha de queda nas semanas anteriores, voltou a estabilizar.

PLINIO TRABASSO Sempre nas mais vulneráveis tanto do ponto de vista socioeconômico quanto de acesso aos aparelhos públicos de saúde (UBSs, Centros de Saúde, hospitais). Nessas regiões, com moradias pequenas e com muitas pessoas convivendo no mesmo espaço, é muito difícil manter distanciamento social.

Além disso, normalmente nessas áreas, moram os trabalhadores que não param, não têm oportunidade de trabalho remoto… São os entregadores de delivery de comida, os empregados de comércio varejista, empregados domésticos.

Os governos devem adotar quarentenas mais rígidas?


CAROLINA COUTINHO Cada município precisa olhar melhor para sua rede de saúde para ver como essa pequena tendência de alta demanda leitos, para conseguir estruturar melhor e pensar quais as medidas para cada um dos locais. Num local muito pequeno que estabilizou em um nível alto, se a gente tem agora uma pequena alta, já é capaz de colapsar o sistema de saúde e de não ter mais leitos para internar as pessoas quando for necessário.

Precisamos sempre pensar que, com o aumento das pessoas circulando nas ruas, além da covid-19 a gente também tem a chance de outros problemas que vão demandar leitos de UTI. Se na quarentena a gente diminuiu muito a circulação de pessoas e de carros na rua, agora estamos aumentando. Se tivemos redução de acidentes de trânsito, agora a gente vai começar a observar acidentes de trânsito novamente.

É ideal que cada município tenha um comitê de crise formado por especialistas que tenham capacidade de analisar esses dados localmente para pensar quais as melhores medidas que devem ser tomadas. Talvez em alguns locais seja de fato ideal regredir um pouco no relaxamento da quarentena para diminuir a circulação de pessoas nas ruas. Ou aumentar a campanha de comunicação de risco. Essas campanhas ensinam as pessoas a agir e a se portar em cada uma das situações que elas possam enfrentar durante a pandemia. Por exemplo, ir ao trabalho. Eu preciso ir trabalhar, o que devo fazer pra me proteger no caminho ao trabalho?

PLINIO TRABASSO Os dados ainda não apontam para isso, mas é possível que sim, em breve.

Quais cuidados e ações as pessoas devem tomar neste momento?


CAROLINA COUTINHO É responsabilidade dos gestores e dos governos municipal, estadual e federal reforçar a comunicação de risco com a população, informar à população quais são as medidas de prevenção específicas para cada uma das situações nas quais o indivíduo tenha que se expor. Precisamos reforçar as medidas que todo mundo já sabe, que é lavar as mãos, usar a máscara adequadamente, quais as máscaras que são adequadas (como a moda da máscara de tricô, que ficou famosa inclusive entre atores globais: é uma máscara bonitinha, mas que não protege absolutamente nada), a frequência com que devemos trocar a máscara. Nesse momento da pandemia, ela não é só um equipamento de proteção individual, mas um equipamento de proteção coletiva, porque quando a gente usa a máscara, a gente se protege e protege também os outros.

Com as comemorações de fim de ano precisamos retomar as campanhas de conscientização para que as pessoas não frequentem e não promovam festas com muitas pessoas, em local fechado. Como você tem que fazer? Você vai comemorar com a sua família, qual a forma mais adequada de fazer isso? Em um lugar aberto, com poucas pessoas, com espaçamento, todos de máscara, disponibilidade de álcool gel, lugar para as pessoas lavarem as mãos frequentemente, inclusive até indicações de menu, não fazer o famoso bufê.

Observar se as medidas de proteção estão sendo cumpridas em seu ambiente de trabalho, no supermercado, reforçar a necessidade dessas medidas a amigos e colegas. E também o essencial, que é ter a responsabilidade social para entender o seu papel. Se apresentar sintomas leves, se isole.

PLINIO TRABASSO Não deixar de lado e ser muito rigoroso na adoção das medidas de interrupção da cadeia de transmissão: higiene das mãos com álcool gel ou água e sabão, etiqueta respiratória, não promover ou participar de aglomerações, manter distanciamento social, utilização correta da máscara (sobre o nariz e a boca). É facilmente possível encontrar pessoas com a máscara sem cobrir o nariz, por exemplo.

nexojornal

Estado oferece alojamento para profissionais que atuam no combate à Covid-19


Implantado no Centro Especializado em Reabilitação Auditiva, Visual e Intelectual (CER III), o alojamento para os profissionais de Saúde do Estado tem capacidade para receber 70 pessoas por dia. Visando garantir maior comodidade a esses profissionais, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), adequou o ambiente para acomodar da melhor forma possível os servidores. Localizado em Rio Branco, o espaço foi montado no dia 10 de maio.


“O Centro Especializado em Reabilitação – CER III Frei Paulino Baldassari foi adaptado para receber os profissionais de Saúde que estão na linha de frente no enfrentamento à Covid- 19”, explica a gerente, Ana Luiza Vasconcelos.“Adequamos a unidade em um ambiente aconchegante com espaço de higienização, recepção, dormitórios, refeição, wi fi, sala de entretenimento com jogos e uma mini academia”, acrescenta a gerente.
Vale ressaltar que o espaço é para todos os profissionais do Estado, sejam do Pronto-Socorro, unidades de pronto Atendimento (UPAs), Maternidade Bárbara Heliodora e Into.


Além disso, também está sendo ofertado atendimento psicológico online e de práticas integrativas para os profissionais, como uma forma de cuidado à saúde tanto mental quanto física.


Cuidados
O CER III dispõe de banheiros adaptados para que o profissional realize a higienização pessoal, antes de entrar no alojamento. Além disso, os profissionais da limpeza realizam a desinfecção do ambiente diariamente. (Fhaidy Acosta / Agência de Notícias)

Prefeitura distribui sopa para população em situação de rua


Visando fortalecer ações voltadas para a população em situação de rua, a Prefeitura de Rio Branco, por meio da Secretária de Assistência Social e Direitos Humanos (SASDH), em parceria com o Governo do Estado do Acre e o Programa Mesa Brasil, percorre determinados pontos da cidade para realizar entrega de sopas para este público.


De segunda a sexta-feira, ao final da tarde, a equipe do Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop) coleta os alimentos produzidos no restaurante do Serviço Social do Comércio (Sesc), e segue para distribuir nos locais onde geralmente se concentram as pessoas que estão vivendo nessa situação.


Silvia Aleticia, coordenadora do Centro Pop, afirma que a gestão municipal vem minimizando os riscos de contaminação da população de rua. “Com a menor circulação de pessoas, a população de rua enfrenta grandes problemas para fazer “bicos” e conseguir o alimento. A Prefeitura atua para garantir higienização e três refeições diárias a este público, incluindo a sopa, já que a falta de higiene e a carência nutricional pode os tornar mais vulneráveis ao coronavírus”.


Centro Pop: Travessa Ponta Porã, 55 – Capoeira. Funcionamento de 8 horas às 17 horas.


Programa Mesa Brasil
O Mesa Brasil Sesc é uma Rede nacional de Bancos de Alimentos que atua contra a fome e o desperdício. O programa atende prioritariamente pessoas em situação de vulnerabilidade social e nutricional assistidas por entidades sociais cadastradas. Além disso, também atua em caráter emergencial com um trabalho de logística humanitária, mobilizando parceiros, arrecadando e distribuindo doações para pessoas atingidas por calamidades em todo o país. (Ascom / PMRB)

Casos da Covid-19 seguem aumentando e Rio Branco já tem mais de 50% de infectados do Acre


No último domingo, 24, o estado do Acre totalizou mais de quatro mil casos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus, dos quais mais da metade foram em Rio Branco: 2.841, exatamente.


O boletim epidemiológico, feito semanalmente pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) mostra a evolução dos casos de Covid-19, o perfil das pessoas infectadas, e outras informações, referentes a pacientes de Rio Branco, última semana.


De acordo com o levantamento, os homens continuam representando a maioria dos casos confirmados, chegando a 52%. Em relação a faixa etária, 74,2% das pessoas infectadas têm de 20 a 49 anos.

A análise feita por bairro mostra que o vírus atingiu mais moradores do Bosque, Belo Jardim, Estação Experimental e São Francisco, respectivamente. (Assessoria PMRB )

Vereador Rodrigo Forneck propõe abertura das Uraps para atender pacientes com sintomas leves de Covid-19



Na sessão online da Câmara Municipal de sexta-feira, 22, o vereador Rodrigo Forneck (PT) falou sobre a pandemia na capital acreana. O número de casos e a superlotação no Sistema de Saúde vem preocupando o parlamentar.


No Acre, o número de casos é de 3.343 e 80 mortes registradas, de acordo com o ultimo boletim da Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre).


“A gente está começando a entender que os números estão virando nomes na estática de morte da pandemia e eu digo isso, porque aqueles números tão distantes que a gente via lá do outro lado do mundo, na Europa, Estados Unidos e na região central do Brasil, começou a chegar no Acre. Agora, está chegando em pessoas que todo mundo conhece, então deixou de virar números e tem virado nome de pessoas que nós conhecemos” disse.


Na capital, a situação tem se agravado, os leitos de UTI’s estão sem vagas, 100% dos leitos de Rio Branco estão ocupados, os 32 leitos do Pronto Socorro e do Instituto de Traumatologia e Ortopedia (Into) estão lotados.


Forneck afirmou que o grande número de infectados e a sobrecarga do Sistema de Saúde tem sido pela falta do isolamento social. “Meus amigos, a população está tentando sobreviver, se todo mundo tivesse a opção de ficar em casa tendo o seu salário na conta tenho certeza que teríamos 100% das pessoas em casa.”


O vereador pediu para que o governo passassem mais informações à população, além de afirmações sobre a execução do seu mandato. Cobrou medidas eficazes nesse momento, que seriam a realização de atendimento a pacientes com sintomas leve da Covid-19 através das Unidades de Recursos Assistenciais Partilhados (URAPs).


Comentou também a respeito da nota divulga na quinta-feira, 21, onde uma médica lamenta em ter que optar por quem vive e quem morre. “Peço perdão a Deus todos os dias por ser obrigada a escolher quem vive e quem morre por falta de respiradores”, falou uma médica, que pediu para não ser identificada, aos Diretores do Sindicato dos Médicos do Acre (Sindmed-AC), e que atua no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb) atendendo todos os casos de coronavírus (Covid-19). Emocionada, a profissional explicou que faltam ventiladores para atender toda a demanda de pacientes.


Forneck prevê medidas para tentar melhorar o sistema de saúde, diminuir o fluxo de pessoas nas UPAs e evitar a circulação sem precisão dentro das unidades, que tenham outros métodos para ajudar a população.

Flagrante de desrespeito na pandemia: moradores de Rio Branco se aglomeram no feriado

Apesar dos inúmeros apelos das autoridades em Saúde para que mantenham o isolamento social, moradores de Rio Branco teimam em descumprir as recomendações, na tarde deste feriado de terça-feira, 21.

O OPINIÃO flagrou centenas de pessoas transitando na área do passeio do Lago do Amor, na entrada do residencial Ipê e também às margens da estrada Dias Martins, na região do Tucumã.

Muitos, além do desrespeito à quarentena, também desobedeciam ao decreto do governo sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras, evitando a contaminação dele próprio e de outras pessoas.

O Acre registra 195 casos de contaminação por coronavírus neste feriado de terça-feira, 21 de abril. Desta segunda-feira, 20, para esta terça-feira, 21, o Centro de Infectologia Charles Mérieux registrou mais 19 casos da doença, sendo 18 casos de Rio Branco e um de Plácido de Castro, o de um idoso de 79 anos.

Até o momento, foram notificados 1.648 casos no estado, dos quais 1.178 foram descartados, enquanto que 275 seguem em análise.

O número de mortes pela doença continua sendo de 8 casos, aguardando resultado dos exames de óbito de mais duas pessoas, o de um marceneiro de 32 anos e o de um aposentado de 67 anos, que faleceu no dia 19, no Pronto-Socorro de Rio Branco. Pelo menos 64 pessoas tiveram alta.

Governo do Acre confirma três primeiros casos de novo coronavírus no Acre

O gabinete do governador confirmou, nesta terça-feira (17), os três primeiros casos do novo coronavírus (Covid-19) no estado do Acre. A Secretaria de Saúde (Sesacre) ainda não se posicionou, mas deve fazê-lo ainda nesta terça em coletiva marcada para às 12h (14h no horário de Brasília).

Casos só são oficialmente reconhecidos como confirmados após validação do Ministério da Saúde. Os casos são de um homem de 30 anos e uma mulher de 50, que chegaram de São Paulo, e outra de 37 anos, que estava em Fortaleza.

Um dos pacientes procurou a rede particular de saúde e outros dois foram no pronto-socorro de Rio Branco. Os primeiros casos descartados no estado foram no último dia 10.

As confirmações ocorreram no mesmo dia em que o governador Gladson Cameli declarou, no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (17), situação de emergência devido à pandemia de Covid-19.

O decreto 5.465, válido por 30 dias e podendo ser prorrogado, aponta ainda que as recomendações valem até que a emergência em saúde prevaleça, assim como determinou o Ministério da Saúde.

Visitas em presídios suspensas

Para manter o controle dentro das unidades penitenciárias do estado, Cameli determinou que o Instituto de Administração Penitenciária do Estado e do Instituto Socioeducativo do Estado (Iapen-AC e ISE-AC) suspendessem as visitas sociais por 15 dias.

Para os advogados, o período de suspensão é de cinco dias, “salvo necessidades urgentes ou que envolvam prazos processuais não suspensos”.

As escoltas também seguem suspensas por 15 dias, mas com “exceção de requisições judiciais, inclusões emergenciais e daquelas que por sua natureza, precisam ser realizadas”, determina o decreto.

Sem eventos grandes

Os servidores da Saúde e Segurança também estão proibidos de tirar férias e licenças durante este período. Também ficam proibidos eventos com o público maior do que 100 pessoas. Já os eventos esportivos, se não forem suspensos, devem ocorrer sem a participação de público ou torcida.

As viagens de servidores também foram suspensas.

“Fica autorizada a realização de despesas, inclusive com dispensa de licitação, para a contratação de profissionais e pessoas jurídicas da área da saúde, aquisição de medicamentos, leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) e outros insumos, observadas as disposições legais aplicáveis”, estipula.

Além disso, o governo deve emitir um boletim informativo, por meio da Secretaria de Saúde (Sesacre), atualizando a situação de emergência decorrente do coronavírus. As informações vão constar no site do governo.

O decreto finaliza criando um Comitê de Acompanhamento Especial do Covid-19 que vai propor, acompanhar e avaliar as ações e os resultados das determinações.

Pandemia

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou na quarta (11) a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2).

Para o ministro da Saúde do Brasil, Luiz Henrique Mandetta, houve “demora da OMS” para fazer a declaração, já que o número de casos fora da China aumentou 13 vezes nas últimas duas semanas e o número de países afetados triplicou.

O Ministério da Saúde divulgou, nesta segunda (16), um novo balanço dos casos confirmados do novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil: são 234 casos. Além disso, o balanço tem os seguintes destaques:

  • 234 casos confirmados, eram 200 no domingo
  • 2.064 casos suspeitos
  • 1.624 casos descartados
  • 26 casos de transmissão comunitária (DF, SP e Rio)
  • 18 pessoas estão hospitalizadas (7% do total)
  • São 152 casos confirmados em São Paulo e 31 no Rio de Janeiro. Ao todo, 15 estados e o Distrito Federal têm casos confirmados. Atualmente, a idade média dos infectados é de 40 anos.

g1

Prefeitura leva serviços de limpeza e manutenção a escolas

Sob determinação da prefeita Socorro Neri, em preparação para o início do ano letivo, uma ação conjunta realizada pela Prefeitura de Rio Branco por meio das secretarias de Educação, Meio Ambiente e Zeladoria da Cidade leva serviço de limpeza e manutenção a escolas da rede municipal de ensino. Somente este ano a Secretaria Municipal de Zeladoria da Cidade já recolheu 5.664 toneladas de entulhos das ruas da capital.

Abrindo a programação desta segunda-feira, 18, as escolas da Regional do Seis de Agosto recebem ações de limpeza, que incluem: roço, capina e retirada de entulho. “Iniciamos na semana passada, pela Regional da Baixada. Esse trabalho está sendo realizado de forma integrada e sincronizada, isso é ótimo”, avalia o secretário de Zeladoria da Cidade, Kellyton de Carvalho.

Se a equipe da Secretaria de Zeladoria da Cidade atua com frente de serviço retirando entulho e outra com capina e roço, a Secretaria de Meio Ambiente atua com retirada de resíduos sólidos, poda, supressão de Árvores, roço e revitalização de jardim.

As equipes estão em campo todos os dias preparando as escolas para receber os alunos para o ano letivo de 2019, que inicia no próximo 11 de março, nas escolas públicas e creches de Rio Branco. Escolas das regionais do São Francisco, Estação Experimental, Calafate, Floresta, também receberão ações de limpeza.

{gallery}fotos/2019/02-fevereiro/19022019/galeria_escola:::0:0{/gallery}

Chefe de facção criminosa é preso ao buscar filha no aeroporto de Rio Branco

A Polícia Civil do Acre (PC-AC) prendeu, na última sexta-feira (15), José Ronildo Nascimento, de 40 anos, acusado de comandar o tráfico na região do Montanhês, em Rio Branco. A prisão aconteceu quando José Ronildo buscava a filha no aeroporto internacional de Rio Branco.

Conforme a polícia, ele tinha três mandados de prisão em aberto, duas condenações por crimes.

“O José Ronildo estava foragido há mais de um ano. Todas as forças policiais do Acre estavam atrás dele. Ele é considerado um dos homens mais fortes que comandava uma organização criminosa”, disse o delegado Pedro Resende da Divisao de Investigações Criminais (DIC).

Resende disse ainda que o homem foi preso quando ia buscar a filha no aeroporto de Rio Branco. “Foi uma prisão importante porque ele era chefe da parte alta da cidade. Crimes de tráfico, roubo, homicídio, furto. Tudo ali passava por ele. Em 2017, ele foi preso e depois de ser solto teria se fortalecido”, conta o delegado.