Reeducandos monitorados realizam ação social no Lar dos Vicentinos

O Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) realizou na tarde desta quinta-feira, 14, o ‘Momento da beleza’, uma ação social com os idosos do Lar dos Vicentinos, instituição sem fins lucrativos que acolhe idosos com idade acima de 60 anos. A ação marcou o encerramento do curso de cabeleireiro, ofertado em parceria com o Instituto Dom Moacir, por meio do Pronatec Prisional.

Com a participação de 14 reeducandos do regime de monitoramento eletrônico, o curso profissionalizante de cabeleireiro teve duração de três meses, conferindo aos participantes o certificado de 400 horas, entre atividades teóricas e práticas. A certificação aconteceu no último dia 6 de fevereiro, na Central Integrada de Alternativas Penais (Ciap), espaço destinado ao apoio do apenados em cumprimento a medidas alternativas.

Crislane Ferreira da Silva, monitorada há um ano e oito meses, participou do curso e disse estar bastante empolgada com a perspectiva de futuro, pois convites de trabalho já surgiram e ela também pretende abrir o próprio salão. “Essa foi uma oportunidade que eu agarrei nas mãos, porque é muito difícil, aqui fora, ser aceito pela sociedade. Então, hoje a gente pode mostrar para muitos que é capaz, só basta ter uma oportunidade”, disse.

No caso de João Alves da Silva, que já possui salão próprio, o próximo passo é a expansão do empreendimento e o crescimento profissional. Ele ressaltou a importância de perseverar e não desistir. “Através dos conhecimentos adquiridos durante esse curso eu estou conseguindo obter lucros, consegui colocar alimentos na minha mesa e começar uma nova vida na sociedade”, afirmou.

O diretor-presidente do Iapen, Lucas Gomes, afirmou que outras ações de profissionalização estão programadas nos municípios que possuem unidades prisionais, como Brasileia, que possui uma Unidade de Monitoramento Eletrônico, além de Sena Madureira e Tarauacá.

“A ideia, a partir de agora, é expandir essas parcerias e capacitar todos os presos do Acre para que a gente ofereça um horizonte de trabalho e de educação para esses reeducandos”, disse.

De acordo com a gerente de Educação, Trabalho e Negócios, Dalvanir Azevedo, essa é a oportunidade de devolver para a sociedade um público diferente, por meio da qualificação e da profissionalização. “Eles vão poder ser reinseridos na sociedade com toda qualidade e a capacidade de ser uma nova pessoa”, ressaltou.

A gerente disse, ainda, que outros cursos foram oferecidos pelo Iapen, nos últimos meses, como o curso de pedreiro, de salgadeiro e de eletricista de baixa tensão, e que ao longo do ano, a oferta será ampliada visando a oferecer mais vagas em áreas distintas de profissionalização. “Tendo em vista a grande demanda de qualificação existente no Sistema Penitenciário, estamos buscando novos parceiros que possam oferecer esse tipo de capacitação também dentro das unidades de regime fechado”, disse.

Reeducandos do Acre apresentam movéis durante Mostra Nacional

O Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) participará da II Mostra Laboral Nacional entre os dias 24 e 26 deste mês, em Florianópolis (SC). Durante o evento, que apresentará os trabalhos desenvolvidos nos sistemas penitenciários de todos os estados, serão expostos produtos fabricados por reeducandos da Unidade Francisco de Oliveira Conde (FOC), em Rio Branco.

Na FOC há cerca de 80 reeducandos, sendo homens e mulheres inseridos em projetos de ressocialização em atividades de horticultura, granja e marcenaria para o público masculino e confecção de bolsas, oficinas de reciclagem, horticultura, limpeza e roçagem para o feminino. Com o artesanato, que envolve os dois públicos nas celas, esse número se aproxima de mil.

Durante a feira, o público poderá conferir bolsas e outros produtos de corte e costura, além de uma variedade de objetos feitos a partir do beneficiamento de madeira reaproveitada.

Desde 2015, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) mantém parceria com o Iapen, priorizando o fornecimento de madeira apreendida ilegalmente à instituição, em cumprimento à sua função social de ressocialização de pessoas privadas de liberdade.

A madeira doada dá origem a objetos variados, que vão desde pequenos tabuleiros a portas e mesas de maior porte. A produção é destinada a alguns órgãos do poder público e à encomendas por parte da própria comunidade. Com a possibilidade de venda dos produtos durante a Mostra Laboral, o recurso arrecadado poderá ser convertido na realização de novas capacitações aos reeducandos e material de insumos para novas produções.

Iapen apresenta móveis produzidos por reeducandos com madeira reaproveitável

O Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), juntamente com a Superintendência do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no Acre, realizou na Unidade Prisional Francisco de Oliveira Conde (FOC), em Rio Branco, uma mostra de parte do material produzido na marcenaria da unidade a partir do reaproveitamento de madeira.

A parceria entre as instituições já dura desde 2015, quando o Ibama decidiu priorizar o fornecimento de madeira apreendida ilegalmente ao Iapen, em cumprimento à sua função social de ressocialização de pessoas privadas de liberdade.

“Por lei, precisamos dar destinação social ao que apreendemos. Quando identificamos a potencialidade do Iapen para absorver parte da madeira que se apreende durante ações de fiscalização, encontramos uma forma de contribuir, de fato, em fazer um bem maior para a sociedade”, informou Sebastião da Silva, superintendente substituto do Ibama.

As doações têm ajudado a qualificar mão de obra dentro da unidade, fortalecendo as ações do Iapen no sentido de viabilizar condições de ressocialização, sobretudo, a reeducandos que se encaixam em perfis de bom comportamento, conforme prevê a Vara de Execuções Penais.

A madeira beneficiada dá origem a objetos variados, que vão desde pequenos tabuleiros a portas e mesas de maior porte. A produção é destinada a alguns órgãos do poder público e a encomendas por parte da própria comunidade. A qualidade dos produtos poderá ser conferida, inclusive, durante a 2ª Mostra Laboral Nacional, que apresentará os trabalhos desenvolvidos em unidades prisionais de todo o país, de 24 a 26 de julho, em Florianópolis (SC).

“A grande importância desse projeto é o processo de qualificação e ressocialização, uma forma de conscientizá-los daquilo que eles precisarão dar de resposta à sociedade em forma de trabalho quando cumprirem suas devidas penas”, ressaltou o diretor-presidente do Iapen Aberson Carvalho.

Na FOC há cerca de 80 reeducandos, sendo homens e mulheres inseridos em projetos de ressocialização em atividades de horticultura, granja e marcenaria para o público masculino e confecção de bolsas, oficinas de reciclagem, horticultura, limpeza e roçagem para o feminino. Com o artesanato, que envolve os dois públicos nas celas, esse número se aproxima de mil.

moveis2

moveis3

Reeducandos de unidade de Senador Guiomard são premiados por concurso da Defensoria

Foi no fim do ano de 2017 a terceira edição do concurso de redação promovido pela Defensoria Pública da União (DPU) e a primeira vez que reeducandos da Unidade Prisional de Senador Guiomard participaram. O resultado foi recompensador: três deles foram os primeiros classificados na categoria de redação para privados de liberdade. A premiação foi entregue na manhã desta quinta-feira, 17, na unidade.

Os premiados foram Willian do Nascimento (1° lugar), com a conquista de um aparelho tablet, Gilson Cavalcante (2°) e Aryel Mayllow Acácio de Menezes (3°), que ganharam medalha e certificado. Com o tema “Mais direitos, menos grades”, o certame foi realizado em todas as unidades da federação, com 6.607 redações inscritas, sendo 5.044 de estudantes internos do sistema prisional do país.

Os três são participantes das aulas de Educação de Jovens e Adultos (EJA), uma ferramenta de ressocialização existente no complexo há seis anos e que em cada um deles atendeu em média 50 estudantes. Este ano os reeducandos da unidade também serão inscritos na Olimpíada de Matemática, na qual internos da Unidade de Regime Fechado Francisco de Oliveira Conde, na capital, também já foram premiados com medalhas de ouro, prata e bronze.

De acordo com o diretor-presidente do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), Aberson Carvalho, essa é a prova de que vale a pena acreditar na ressocialização: “As oportunidades são para todos e queremos elevar a quantidade de reeducandos que abraçam essas oportunidades. Nosso maior desafio é fazer com que eles cumpram suas penas e tenham plenas condições de conviver em sociedade novamente”.

O olhar que vê além das grades

Garantir oportunidades de ressocialização também é oferecer possibilidades de recomeços. A missão de devolver pessoas ao convívio social, com a capacidade de reconstruir a vida ao lado de suas famílias é parte dos eixos de ressocialização executados pelo Iapen.

E a educação é essencial. Em parceria com a Secretaria de Educação Esporte (SEE), todas as iniciativas desenvolvidas na área educacional da rede pública também são aplicadas nas unidades prisionais do Estado.

“Acreditamos que a educação é o primeiro passo para que essas pessoas tenham a chance de sonhar com um futuro com dignidade. Não há como pensarmos em liberdade se o caminho não for a educação”, frisa a coordenadora de ensino do Iapen Helena Guedes.