Prefeitura segue com a manutenção de ruas e corredores de ônibus da capital

Em que pese a dificuldade imposta pelo período chuvoso, a Prefeitura de Rio Branco segue com os serviços de manutenção das ruas e avenidas da cidade. Nesta sexta-feira 8, equipes da Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco (EMURB) executam serviços de recuperação de ruas e tapa-buracos nos corredores de ônibus e vias estruturantes, bem como construção de bueiros, PV’s e bocas de lobo (BL), para drenagem de águas fluviais. O objetivo é garantir a boa condição das vias e evitar alagamentos.

Nas ruas Floriano Peixoto e Rio Grande do Sul, no Centro, Japiim, no bairro Wanderley Dantas, e Teodorico, no bairro Santa Inês, a Prefeitura mantém equipes fazendo serviços de tapa-buracos. Os mesmos serviços são executados nas ruas São Salvador e Men de Sá, no Bahia Velha, Ramal Bom Jesus, na Vila Acre, Rua Lauro Fontes, na Cohab do Bosque, e Avenida Getúlio Vargas, em frente à antiga Lua Azul. As Ruas Turiba, na Sobral, e Uirapurú, no conjunto Ouricuri, também recebem intervenções.

A Prefeitura também continua trabalhando nas ruas Mutum, Gralha e Jandaia, localizadas no Loteamento Andirá, e na rua 25 de Dezembro, no bairro Tancredo Neves, onde equipes da Emurb executam serviços drenagem, terraplanagem, construção de meio-fio, sarjetas, PV e BL.

Cumprindo determinação da prefeita Socorro Neri, equipes da Secretaria de Zeladoria da Cidade executam serviços de limpeza nas ruas e córregos, retiram entulhos e lixo nos conjuntos Esperança I, II e III. O trabalho começou na rua 12 de Outubro, nas proximidades da Escola Angelina Gonçalves.

{gallery}fotos/2019/02-fevereiro/09022019/galeria_ruas:::0:0{/gallery}

ONGS que resgatam animais abandonados relatam dificuldades para se manter

As Organizações Não Governamentais (ONG´s) que visam a proteção e o resgates de animais domésticos abandonados, enfrentam dificuldades para se manterem em pleno exercício das atividades. As associações Amor a Quatro Patas e Patinha Carente no ano passado chegaram a suspender algumas ações após contrariem dívidas.

As associações sobrevivem de doações que atividades que realizam com objetivo de arrecadar fundos para a manutenção das organizações, como: Bazares e pit stop, venda de livros e entre outras.

A Patinha Carente resgatou somente no ano passado, 200 animais, nos últimos dois meses foram 40 resgates, aproximadamente 20 por mês. A organização atende pedido de resgastes de animais abandonados, que sofrem maus tratos, atropelados e fêmeas que deram a luz na rua.

Com as dificuldades, Amor a Quatro Patas, está realizando apenas resgastes de animais que foram vítimas de atropelamento. Já a Patinha Carente continua com as ações de resgate, porém já está acumulando dívidas.

“Nós conseguimos quita-las. Mas infelizmente, no momento só a nossa associação está resgatando. Como estamos fazendo resgates, estamos acumulando valores novos nas clínicas parceiras”, conta Vanessa Facundes, integrante da Patinha Carente.

Amanda Lima, da associação Amor a Quatro Patas, explica que desde outubro do ano passado, a organização não está mais realizando resgastes de todos os animais que necessitam de um lar e atendimento médico veterinário, só estão sendo feito resgastes de animais vítimas de atropelamento.

“Desde final do ano passado, os resgastes normais foram suspensos, abrimos uma exceção para animais atropelados”, explicou. Segundo ela, não há previsão para normalizar os resgastes.

cachorro 002

Falta de voluntários

De acordo com Amanda, além da dificuldade em obter recursos para manter as ações, uma vez que as ONGs sobrevivem basicamente doações, existe um número reduzidos de voluntários.

“Atualmente nossa maior dificuldade é a falta de pessoas voluntárias, porque as poucas pessoas que tem, elas tem que desdobrar para poder fazer resgastes, ir para bazar, ir para pit stop, fora o cotidiano dessas pessoas, então a maior falta no momento é de recursos humanos”, comenta.

gatosConselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais

No ano passado, foi sancionada a lei que trata da criação do Conselho Municipal de Proteção e Defesa dos Animais de Rio Branco (Comparb). A lei complementar de número 43 de 09 de fevereiro de 2018, previa instituir o Conselho formado por 12 titulares e 12 suplentes, membros da sociedade civil organizada e da administração pública.

Entre as ações que devem ser feitas pelo Conselho estão: Incentivar a preservação das espécies de animais da fauna silvestre, bem como a manutenção dos seus ecossistemas, coordenar e encaminhar ações que visem a defesa e a proteção dos animais.

A lei é de autoria do vereador Jackson Ramos, foi aprovada pela Câmara de Vereadores de Rio Branco no dia 29 de novembro do ano passado. Indagado sobre o porquê do não funcionamento do Conselho, Ramos respondeu.

“Provavelmente as ONG´s e as instituições envolvidas não se mobilizaram para tal. Com a lei aprovada basta a sociedade civil se mobilizar para montar o conselho. O que faltava era a lei. Agora está mais fácil; basta os interessados se organizarem e montar o Conselho”, comentou o vereador.

Por ouro lado

Por outro lado, membros do Conselho afirmam que faltou compromisso do poder público. “É a inércia da administração pública mesmo, não foi dado prosseguimento”, disse Vanessa.

Ainda segundo ela, o sentimento é frustação por ver uma luta social não sair do papel. “Fizemos reuniões com o prefeito anterior (Marcus Alexandre) mas, não saiu do papel, o sentimento é de frustação mesmo”, comentou.

Apesar da situação atual do Conselho, Vanessa que membro titular afirma que irá se reunir com a prefeita Socorro Neri na tentativa de solucionar o problema.

“Vamos marcar uma nova com a atual prefeita Socorro Neri, e a gente espera que consiga conquistas, tanto para o Conselho, quanto conquistas maia abrangentes, porque o conselho não vai ter o poder de resolver os casos de maus tratos, de atender os animais que resgatamos, a gente precisa dessas outras soluções também”, afirmou.

“O Conselho vai participar ativamente na elaboração e na execução prática de projetos voltados para a proteção dos animais. Além disso, é uma entidade que vai exercer o papel de fiscalização e auxílio nesses projetos”, disse Ramos na época.

No Acre, decisão da Justiça Federal assegura manutenção na BR-317

A Advocacia-Geral da União (AGU) garantiu a contratação de serviços de recuperação e manutenção na rodovia BR-317, uma das mais importantes rodovias federais do Acre.

A atuação ocorreu em dois casos nos quais empresas entraram com pedido de liminar para suspender a homologação do resultado de pregão eletrônico para contratação de empresa para execução dos serviços.

Entre os serviços contratados, estão a recuperação e a manutenção do pavimento das pistas de rolamento e dos acostamentos, assim como a conservação rotineira da faixa de domínio das rodovias.

Como a liminar foi concedida em primeira instância, as unidades da AGU recorreram explicando que a as supostas irregularidades apontadas na documentação apresentada pelo consórcio vencedor, como a falta de rubricas, não passariam de formalidades exacerbadas, cuja aplicação apenas afastaria a concorrência de empresas aptas a realizar os serviços.

Os procuradores federais demonstraram que o pregoeiro, adotando o previsto no parágrafo 3º do artigo 43 da Lei de Licitações (Lei nº 8.666/93), entendeu se tratar de omissão plenamente sanável e promoveu diligência necessária para que a empresa suprisse as lacunas existentes, a fim de evitar quaisquer dúvidas a respeito do procedimento.

“Ademais, no procedimento licitatório eletrônico, o envio da proposta é realizado unicamente por representante legal, o qual necessita de um cadastro para o acesso à plataforma mediante uso de “login” e senha, que já caracterizam uma espécie de assinatura digital, validando as documentações colacionadas pelos licitantes”, acrescentaram os procuradores federais.

A AGU ressaltou, ainda, que a jurisprudência pátria não considera a ausência de assinatura em documento licitatório causa de inabilitação de empresa licitante, uma vez que os rigorismos formais extremos e exigências inúteis não podem prevalecer sobre o princípio da impessoalidade e isonomia, que garantem a concorrência nas licitações.

“Não se poderia admitir que a Administração contratasse com licitante de forma mais onerosa, em detrimento da que lhe seria mais vantajosa, por razão do cumprimento de um formalismo exacerbado”.

Acolhendo os argumentos da AGU, a 2ª Vara Federal do Acre revogou a decisão que deferiu a liminar e negou o mandado de segurança. O magistrado reconheceu que não havia nenhum problema no procedimento licitatório, uma vez que “o princípio da vinculação ao edital não deve ser analisado isoladamente, deve estar aliado aos demais princípios administrativos, como, por exemplo, os princípios da eficiência e da razoabilidade”.

“Na decisão administrativa, foram observados os princípios que regem o processo licitatório, atentando ao interesse público e evitando atos desnecessários ou dispensáveis. Ou seja, no objetivo de chegar à finalidade da licitação, valeu-se o pregoeiro das prerrogativas que a lei lhe confere, suscitando diligências, e saneando lacunas, sem que fosse alterado o valor das propostas apresentadas inicialmente e sem ferir os princípios da isonomia, legalidade e moralidade”, destacou trecho da decisão.

Prefeitura de Brasileia intensifica manutenção no São João Batista

O trabalho de manutenção e limpeza do cemitério São João Batista, considerado um dos mais antigos e tradicionais de Brasileia, está em fase de conclusão. O serviço, que teve início em outubro, é coordenado pela Secretaria Municipal de Obras que realiza o trabalho de capina, limpeza, roçagem, pintura e construção de muro.

A prefeita Fernanda Hassem esteve em reunião com os moradores, próximo a cemitério, que há muito tempo estavam reivindicando a construção de um muro por conta do grande índice de furtos realizado nas casas por conta dos transeuntes do cemitério.

A moradora Francisca Ducélia Alves Leal falou da satisfação em ver a prefeitura realizar a obra. “Nós já passamos certos aperreios, sem poder sair de casa tranquila e sem falar que muitas vezes mesmo estando em casa às pessoas entram e furtam nossas coisas. E com a construção do muro já consideramos uma grande conquista por saber que a prefeita Fernanda está olhando pela gente”, falou Francisca Leal.

Todos esses trabalhos realizados tem o objetivo de deixar o local ainda mais limpo e conservado para receber as pessoas da cidade e da região que farão homenagens aos seus entes queridos neste dia de finados, 2 de novembro.

Moradora há 30 anos no local, Áustria Siriato da Silva, falou a respeito da obra. “Faz muito tempo que estávamos pedindo essa construção do muro e graças a Deus a nossa prefeita está nos atendendo, lembrou da gente, e dessa forma o ladrão evita de entrar na nossas casa”, finalizou Áustria Silva.

Manutenção viária segue em ritmo acelerado na Capital

A Prefeitura de Rio Branco, por meio da Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco (Emurb), mantém em ritmo acelerado o serviço de manutenção viária de Rio Branco. O trabalho de prevenção contra o surgimento de buracos ou ´borrachudos´ no pavimento continua intenso e de acordo com o presidente da empresa, Marco Antônio Rodrigues, tudo tem saído dentro do planejado pela prefeita Socorro Neri. “Estamos, bem”, disse Marco Antônio.

Ele explica que borrachudos são imperfeições causadas pelo tráfego constante e pesado no pavimento das ruas da capital – problemas que só vão aumentando até se transformar em buraco, causando sérios transtornos, não somente aos motoristas, mas também aos pedestres, ciclistas e demais usuários das vias públicas.

Para enfrentar esse problema, homens e máquinas trabalham nos corredores de ônibus e em vias secundárias como Rua Saldanha Marinho, Joaquim Macedo, Antônio Carlos, Estrada do Calafate, Estrada Barro Vermelho Vila, Rua dos Antúrios, Rua Lourenço Lopes, Av. Amadeo Barbosa, Rua Xororó e Rua Mario Maia, no bairro Montanhês, que faz ligação com a Avenida Flaviano Melo, principal corredor de ônibus daquela região, além de muitas outras em todas as regionais de Rio Branco.

Com presença ostensiva, a Emurb trabalha para garantir as operações tapa-buracos em todas as regionais. Já foram aplicadas 8.399 toneladas de asfalto exclusivamente produzido na usina da Emurb, no Distrito Industrial. A usina foi reativada na segunda quinzena de junho deste ano, reduzindo custos improdutivos do processo de pavimentação e manutenção viária da capital.

ruas1

ruas2

Prefeitura de Rio Branco faz manutenção em drenagem no bairro Dom Giocondo

Além do serviço regular de manutenção viária, a Prefeitura de Rio Branco, por meio da Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco (Emurb) mantém frentes para ações emergenciais. Nesta quarta-feira (29) uma das equipes está concentrada na recuperação da drenagem estourada na esquina das Ruas Piauí e Minas Gerais, no bairro Dom Giocondo.

O problema foi registado na madrugada e logo ao amanhecer a equipe da Emurb foi ao local para iniciar a recuperação. As ruas da região foram parcialmente interditadas e o trânsito de veículos flui com cuidado e atenção.

De acordo com o engenheiro Humberto Hadad, diretor Operacional da Emurb, trata-se de um PV – poço de visitação- construído há algumas décadas e que teve de passar por manutenção. “Na época, o PV entupiu de tanta garrafa PET. Retiramos uma caçamba cheia de garrafa de plástico”, relatou o engenheiro. Desta vez, no entanto, o problema se deu devido ao desgaste do sistema.

As equipes da Emurb estão espalhadas pelos bairros e vias de Rio Branco, como a Avenida Getúlio Vargas Bosque, ruas Sebastião Dantas, Joaquim Macedo, Estrada do Calafate, Estrada do Barro Vermelho, Vila Jorge Kalume, Avenida Ceará, Avenida Amadeo Barbosa e muitos outros locais. As programações completas da Emurb e da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos de Rio Branco (Semsur) estão publicadas no portal da Prefeitura de Rio Branco (www.riobranco.ac.gov.br).

Prefeitura avança com manutenção viária nos bairros e população destaca trabalho

A Prefeitura de Rio Branco, por meio da Empresa Municipal de Urbanização (Emurb), segue atuando fortemente nos bairros de Rio Branco. “Estamos fazendo a aplicação da capa asfáltica, melhorando todas as ruas que precisam”, disse o encarregado Eduilson Ferreira, que nesta sexta-feira (24) comandou a equipe de manutenção viária no bairro Nova Estação.

Eduilson e sua equipe estão recapeando a Rua América. “Terminamos este recapeamento hoje e seguiremos em direção à Regional Floresta pela Rua Otávio Rola”, informou o encarregado.  Todas as equipes trabalham incessantemente na manutenção e recuperação de vias em toda a cidade. Dentre os serviços realizados, estão a recuperação asfáltica, drenagem e terraplanagem nas ruas Coronel Alexandrino, Estrada do Aviário, Santa Inês, Rio de Janeiro, Manoel Barata e Isaura Parente.  Serviços de drenagem são realizados nas ruas do Divisor, na parte alta da cidade, João Amâncio, no bairro Airton Senna, e Vital Brasil, na Estação Experimental.

Com esforço, a gestão municipal retomou as operações da usina de asfalto, o que permitiu incrementar a execução dos serviços. Desde o último mês de junho, quando a unidade voltou a funcionar, já foram produzidas 7.498 toneladas de asfalto de alta qualidade. Apenas essa produção atendeu a 34 ruas no período segundo Humberto Hadad, diretor Operacional da Emurb.

A programação de manutenção de vias realizada pela Emurb é atualizada e disponibilizada diariamente no site da prefeitura. Assim é possível saber onde as equipes estão atuando e quais ações são realizadas, simultaneamente, nos bairros de Rio Branco. No portal, o cidadão também pode acessar o cronograma diário da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur).

emurb1

Prefeitura de Brasileia realiza manutenção em ramais para garantir programas governamentais

Os trabalhos estão sendo aplicados principalmente nos pontos mais críticos, próximo aos rios, canais e pontes

Aproveitando a estiagem da chuva, a Prefeitura de Brasileia, através da Secretaria Municipal de Obras, tem dado continuidade aos trabalhos de recuperação e manutenção dos ramais, limpeza de bueiros e manutenção de pontes do quilometro 13, 18 e 19.

Os trabalhos estão sendo aplicados principalmente nos pontos mais críticos, próximo aos rios, canais e pontes. A ação é realizada também como prevenção ao período chuvoso que se aproxima.

O Secretário de Obras, Carlinhos do Pelado, falou a respeito dos trabalhos realizados. “Nós estamos com três equipes, uma em cada ramal, realizando os trabalhos necessários para beneficiar a comunidade. Entre ela a limpeza das laterais dos ramais que irão beneficiar os moradores com o programa Luz para Todos, limpeza de bueiros, manutenção de pontes entre outros. Dessa forma o trabalho continua tanto na área urbana quanto na rural”, explicou Carlinhos.

Esses ramais são importantes pela posição estratégica e para o escoamento da produção sendo a principal ligação com as comunidades da região.

Trabalho da Emurb garante manutenção e prevenção

As ações da Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco (Emurb) vão além da manutenção viária de corredores de ônibus e vias estruturantes. Com o objetivo de garantir a boa condição da vias da cidade, a prevenção também é prioridade.

O principal objetivo do trabalho preventivo é evitar o surgimento de buracos ou ´borrachudos´ no pavimento. Borrachudos são imperfeições causadas pelo tráfego constante e pesado no pavimento das ruas da capital –problemas que só vão aumentando até se transformar em buraco, causando sérios transtornos à mobilidade social.

Nesse contexto, de acordo com a Diretoria Operacional da Emurb, as frentes de serviço tem realizado um trabalho profundo, que começa com a remoção do trecho a ser recapeado. Em seguida, a piçarra bruta é aplicada e aguarda secagem por quatro dias ou mais, a depender do caso. Só depois desse processo é aplicado o asfalto. “Com isso, estamos fazendo também a prevenção para evitar o surgimento de novos problemas no pavimento”, disso diretor Operacional da Emurb, Humberto Hadad.

Com essas ações, a Prefeitura avança no trabalho de manutenção viária nas vias estruturantes e corredores de ônibus como também nas ruas menores ou secundárias, como a Rua Raimundo de Farias, no bairro Montanhês, que faz ligação com a Avenida Flaviano Melo, o grande corredor de ônibus daquela região –ou como a Rua Isaura Parente, que promove o acesso à Avenida Ceará, por exemplo.

{gallery}fotos/2018/08-agosto/11082018/galeria_emurb:::0:0{/gallery}

Prefeita destaca avanço da manutenção viária com reativação da usina da Emurb

A prefeita Socorro Neri abriu nesta sexta-feira, 20, a reunião de avaliação técnica dos primeiros 30 dias de reativação da usina de asfalto da Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco (Emurb). O presidente da empresa, Marco Antônio Rodrigues, deu as boas-vindas à prefeita e aos presentes, lembrando que o encontro debate avanços e desafios do trabalho de usinagem de asfalto. “Alguns pontos precisam ser corrigidos”, alertou Marco Antônio.

Em geral, no entanto, a reativação da usina da Emurb potencializou a capacidade produtiva com otimização de processos desde o preparo dos insumos até a aplicação da massa asfáltica, o concreto betuminoso usina a quente (CBUQ), nas ruas de Rio Branco.

Do dia 14 de junho até esta sexta, 20 de julho, a usina produziu 4,1 mil toneladas de asfalto. “Nós precisamos sempre buscar aprimorar o que estamos fazendo”, disse Socorro Neri, agradecendo o esforço e compromisso de cada trabalhador, engenheiro ou encarregado da Emurb. “Independentemente da avaliação de vocês, digo de antemão que estou muito grata com o trabalho que estão realizando”, completou a prefeita, destacando que o serviço da Emurb tem se mostrado de boa qualidade com ganhos na produtividade e com redução de custos.

Sistema de Segurança do Acre esclarece sobre manutenção da aeronave Harpia 01

Muitas são as funcionalidades do helicóptero Harpia 01 para o Centro Integrado de Operações Especiais (Ciopaer) da Segurança Pública do Acre, sobretudo no cumprimento de sua maior missão: servir e proteger. Atualmente, a aeronave passa por manutenção preventiva e corretiva e só deve voltar às atividades em um prazo estimado de 30 dias.

De acordo com o major da Polícia Militar do Acre e coordenador do Ciopaer, Samir Freitas, a intervenção precisou ser feita pela necessidade de troca das pás e outros componentes, além de nova pintura e balanceamento, para resguardar a segurança da tripulação e garantir a durabilidade da aeronave.

A ausência na Região Norte de empresas especializadas do ramo aeronáutico, mais especificamente para helicópteros, e a burocracia da administração pública, são duas das maiores dificuldades sempre quando é necessária uma manutenção no Hárpia 01.

“Assim que detectamos a necessidade, contatamos a empresa responsável para a execução dos serviços, e em seguida fomos surpreendidos pela greve dos caminhoneiros, o que atrasou o envio do nosso material para o estado de Minas Gerais, local em que fica situada a única empresa autorizada para esse tipo de reparo”, explica o major Samir Freitas.

Ele informa também que em toda a vida operacional da aeronave deve haver periodicidade nas revisões de sistemas e subsistemas e o Estado tem buscado se ater ao cumprimento das diretrizes do órgão regulamentador de aeronavegabilidade no país, mesmo que os serviços de reparo sejam bastante complexos. “Essas diretrizes são emitidas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e, portanto, obrigatórias”, acrescenta.

Balanço das ações

Com uma equipe bem treinada, a tripulação do Ciopaer já coleciona boas histórias de seus 11 anos de atuação no estado. Instituído por meio do decreto estadual n° 4.564, foi criado para modernizar as atividades operacionais da segurança pública, com vista à maximização das ações aéreas, seja no patrulhamento policial ou na prestação de socorro e resgates.

Do ano passado até o início de 2018, foram mais de 160 horas de voo, entre patrulhamento, resgates aeromédicos, operações de Defesa Civil e Ambiental, além de outras ações.

Sem manutenção em ponte, moradores do bairro Apolônio Sales ficam sem transporte público em Rio Branco

Passagem de veículos grandes está proibida no local por causa das condições da ponte. Há dois meses, caminhão que fazia obras no local chegou a ficar preso na estrutura

Moradores do bairro Apolônio Sales, em Rio Branco, estão reclamando da estrutura da ponte que dá acesso ao local. Segundo eles, a reivindicação para que a ponte passe por manutenção é antiga. Devido o problema, a população diz que está sem transporte público, pois a passagem de veículos pesados foi proibida.

O G1 entrou em contato com a Prefeitura de Rio Branco e foi informado que a Secretaria de Obras do Município deve se posicionar ainda nesta quarta-feira (11) sobre o assunto.

Lenilha Félix, uma das moradoras que passa diariamente pelo local, diz que a preocupação é que possa acontecer algum acidente. “Morro de medo que algum carro caia”, fala.

Há dois meses, um caminhão carregado de material que era usado na recuperação do local ficou preso, quando parte da ponte desabou bem na cabeceira. Na época, ninguém se feriu e o trecho foi aterrado.

Os moradores afirmam que, após o acidente, o resto da ponte não recebeu nenhum reparo e agora parte da estrutura já dá indícios de que vai ceder. O morador José Ribamar conta que a situação é muito perigosa. “Os alicerces embaixo estão todos quebrados e tudo podre”, complementa.

Após a obra de recuperação, que ocorreu em maio deste ano, ônibus e qualquer outro veículo pesado ficaram proibidos de passar pela ponte. As famílias dizem que ficaram sem poder usar o transporte coletivo. Agora, na ponte, só passam pedestres, ciclistas, motos e carros de passeio.

Foi colocada uma placa indicando que os veículos pesados não podem seguir viagem. Os moradores afirmam ainda que o ponto final do ônibus teve que ser mudado de lugar e agora para passar para o outro lado só se conseguir carona, caso contrário, tem que enfrentar uma longa caminhada.

Isaque Joaquim, que também é morador, fala da dificuldade que enfrenta para chegar em casa. “Moro há seis quilômetros e, além de mim, mora muita gente para dentro, aí tem que andar seis quilômetros a pé para sair e voltar. Para quem não tem um transporte não é fácil. Você viu quando o ônibus chegou e um rapaz pegou carona, porque mora depois da Apadeq, não é perto”, reclama.

A comunidade afirma que já fez protestos e que o problema é conhecido das autoridades, mas nenhuma solução chegou até o momento. Os moradores querem a reconstrução da ponte e o acesso ao transporte coletivo de volta.

“Se eles [prefeitura] não fizerem nada, vamos fica a pé. Tem o Ramal do Quixadá, mas não temos condições de passar por lá, no inverno não passa nem trator”, acrescenta Lenilha.

Já Ribamar pede que com a chegada do verão a situação seja resolvida. “Ficamos já há seis meses no inverno sem entrar e agora no verão. Quando a gente vai na rua e faz uma feira grande o caminhão não passa, não podemos comprar nada, então, a situação é essa”, finaliza.

ponte 1
Moradores reclamam qdo perigo que a ponte pode gerar aos pedestres e motoristas – Foto/Rede Amazônica Acre/Reprodução

Emurb e Semsur intensificam serviços de manutenção viária e limpeza nas regionais

“Estamos aproveitando bem o verão que se inicia”. A declaração é do presidente da Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco (Emurb), Marco Antonio Rodrigues, ao comentar o substancial avanço no serviço de manutenção viária que acontece em todas as regionais da capital.

Apesar do dia atípico por conta do jogo da Seleção Brasileira, a Emurb mantém frentes de serviço nos bairros Nova Estação, Loteamento Guanabara, Jardim América, Vila Acre, Bom Jesus, Jardim Tropical, Jardim Europa, Jardim de Alah, Estrada do São Francisco, Centro e nas ruas do Divisor, Edmundo Pinto, Valdomiro Lopes, entre outras.

Na Estrada da Floresta e na Avenida Amadeo Barbosa o trabalho de alta qualidade chama a atenção dos usuários dessas vias, consideradas corredores estruturantes porque ligam dezenas de bairros ao 2º distrito e centro da cidade. As equipes da Avenida Amadeo Barbosa, lembrou Marco Antonio, estão há mais de 60 dias naquela região.

Toda a massa asfáltica usada pela Emurb em suas frentes de serviço é produzida na usina da empresa. “A massa está chegando mais cedo às frentes”, observou o presidente da Emurb. A usina foi reativada há cerca de duas semanas e, segundo Marco Antonio, cumpre rigorosamente a expectativa da presidência e da prefeita Socorro Neri, que atuou fortemente para a reativação do equipamento.

Mas não é só a Emurb que cumpre com responsabilidade e presença marcante o compromisso com a questão urbana: homens e máquinas da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos de Rio Branco (Semsur) realizam um grande mutirão de capina, limpeza geral e remoção de entulhos no bairro da Conquista. Na manhã desta quarta-feira, 27, por exemplo, uma grande frente de serviços atuou fortemente na Rua Corumbá, uma via de concentração de residências e empresas. “O trabalho é intenso nesses mutirões”, disse Wille Viana, diretor de Limpeza Pública da Semsur, que também mantinha frentes de limpeza de canais e praças nos bairros Mocinha Magalhães e Jequitibá.

semsur

{gallery}fotos/2018/06-junho/28062018/galeria_limpeza:::0:0{/gallery}

Mercado financeiro espera por manutenção da Selic em 6,50% esta semana

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) esperam a manutenção da taxa básica de juros, a Selic, em 6,50% ao ano na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) desta semana. A expectativa consta do Boletim Focus, pesquisa divulgada na internet todas as semanas pelo BC.

O Copom reúne-se amanhã (19), em Brasília, e a decisão sobre a Selic será anunciada no dia seguinte, após a segunda parte da reunião.

Em maio, após um ciclo de 12 quedas consecutivas, o Copom decidiu manter a Selic no atual patamar, o menor nível histórico. Para 2019, as intuições financeiras esperam aumento da Selic, encerrando o período em 8% ao ano.

Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação.

Entretanto, as taxas de juros não caem na mesma proporção da Selic.

A manutenção da Selic, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para chegar à meta de inflação, objetivo que deve ser perseguido pelo BC.

Meta de inflação

A meta de inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), é 4,5%, com limite inferior de 3% e superior de 6%, neste ano. Para 2019, a meta é 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

Para o mercado financeiro, o IPCA vai fechar este ano abaixo do centro da meta, em 3,88%. A estimativa da semana passada era 3,82%. Esse foi o quinto aumento consecutivo na projeção. Para 2019, a estimativa passou de 4,07% para 4,10%, no terceiro ajuste seguido.

A estimativa do mercado financeiro para o crescimento da economia continua em queda. A projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – passou de 1,94% para 1,76%, na sétima redução seguida.

A previsão de crescimento do PIB para 2019 caiu, pela segunda vez consecutiva, ao passar de 2,80% para 2,70%.

A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar passou de R$ 3,53 para R$ 3,57, no final deste ano, e de R$ 3,48 para R$ 3,50 no fim de 2019.

Prefeitura realiza operação de manutenção viária e limpeza urbana em diversos pontos de Rio Branco

Aproveitando os dias de clima favorável, a Prefeitura de Rio Branco intensifica os serviços de limpeza urbana e manutenção viária em diversos pontos da capital. Nesta segunda-feira, 21, por exemplo, a Empresa Municipal de Urbanização de Rio Branco (EMURB) deu início à implantação do acesso da Travessa Ponta Porã e Rua Riachuelo à Via Parque, facilitando e reduzindo substancialmente o trajeto dos motoristas que saem dos bairros Aviário, Bosque e José Augusto com destino ao Parque da Maternidade –e vice-versa.

Nesta primeira fase a EMURB está fazendo o aterramento do acesso, que mede 37 metros desde a Via Parque até a Rua Riachuelo. Apesar da pequena distância separando as duas vias não existia acesso entre elas e os motoristas tinham de percorrer um trecho bem maior para fazer a manobra. O projeto foi planejado pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito de Rio Branco (RBTRANS). O acesso será todo sinalizado e contará com faixa de pedestre. “Este complemento de rua é muito importante e estamos usando uma boa estrutura para fazer a acesso e aterramento com sub base de 20 centímetros e base de 15 centímetros de solo”, explicou Raimundo Nonato, encarregado do serviço.

Em outra grande operação, trabalhadores e máquinas da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SEMSUR) se espalham pelos bairros da cidade realizando trabalhos de capina, roçagem, limpeza e recolhimento de entulhos, além da limpeza de córregos e canais que cortam as regionais. Uma importante frente de serviço realizou a limpeza e desobstrução do canal que corta a Rua Bandeirantes, no bairro Bahia Velha. Moradores como o comerciante Raimundo Ricardo aprovaram o trabalho: “esse igarapé fica entupido de lixo que o pessoal joga e quando chove forte a água toma conta da rua quando não está limpo. Esse serviço resolve”, disse o comerciante.

As equipes da SEMSUR estão por toda a cidade, cuidando com carinho de parques, rotatórias e praças. Na Estrada da Floresta, a rotatória que dá acesso ao Shopping Via Verde passa por manutenção.  As equipes trabalharam duramente ao longo do dia para limpar a Estrada da Floresta. O serviço segue em direção à Rua Rio de Janeiro, que liga ao Centro. “A determinação da prefeita Socorro Neri é aproveitar o tempo e avançar ao máximo na limpeza da cidade”, disse Kellyton Carvalho, titular da SEMSUR, lembrando que até o último fim de semana já foram recolhidas 18,4 toneladas de entulho em 2018.

A EMURB mantém frentes de serviço de drenagem, meio-fio, sarjeta, pavimentação asfáltica em bairros como Cerâmica, Vitória, Mocinha Magalhães, Conjunto Village, Habitasa, Ramal Benfica, Distrito Industrial, Barro Vermelho e muitos outros.

riobranco002

Prefeitura da capital avança com serviços de manutenção nos bairros

A Prefeitura de Rio Branco, por meio da secretaria Municipal de Serviços Urbanos (SEMSUR) e da Empresa Municipal de Urbanização (EMURB), começou a semana atuando na manutenção viária e na limpeza em vários pontos da cidade. As equipes trabalham na recuperação da malha viária e na limpeza, com serviços de roço, capina, catação e retirada de entulho manual e mecanizada nos bairros e em vias estruturantes – que fazem a ligação entre importantes regiões da capital.

Com relação à manutenção viária, com o sol mais intenso e o solo menos úmido, o trabalho se torna mais eficiente e também econômico. O diretor-presidente da EMURB, engenheiro Marco Antônio Rodrigues, explica que com o solo mais enxuto a empresa utiliza menos pedra rachão e mais piçarra bruta, o que confere qualidade ao pavimento asfáltico com economia para os cofres públicos: “Com o solo úmido, usamos o rachão, que é caro. Já com a piçarra bruta, a recuperação da base e sub-base é melhor e o asfalto fica com a superfície mais linear”, completou.

Nesta segunda-feira, 14, as equipes da EMURB se dividiram nos bairros Vila Ivonete, Conquista, Distrito Industrial, Mocinha Magalhães, Placas, Vitória, São Francisco, Abraão Alab, Cerâmica, Recanto dos Buritis, Estação Experimental, Rui Lino, Jarbas Passarinho, Airton Sena, Tucumã, Belo Jardim III e Centro.

prefa obra1

SEMSUR nas vias estruturantes e bairros

Já a SEMSUR realiza roço, capina, catação e retirada de entulho manual e mecanizada em toda a extensão das avenidas Antônio da Rocha Viana, Ceará e Nossa Senhora da Conceição. A secretaria também está em bairros como as Placas, Jardim Primavera, Santo Afonso, Área Verde dos Residenciais Envira, Iaco e Purus e outras 8 localidades.

De acordo com o titular da SEMSUR, Kellyton Carvalho, desde o início do ano, ao atuar em 92 bairros de Rio Branco, a Prefeitura já retirou mais de 18 mil toneladas de entulho. Segundo ele, os dias ensolarados possibilitam maior produtividade para as equipes da SEMSUR. “Com o sol mais firme o trabalho rende mais porque não temos que fazer paradas”, disse.