Bloqueio de caminhoneiros nas estradas pode levar a descarte de leite, diz indústria

Uma imagem que ficou marcada como um dos símbolos da paralisação de caminhoneiros de 2018, o derramamento de litros e litros de leite pode voltar a acontecer nesta semana.

Segundo a Abia (associação da indústria de alimentos), os bloqueios de caminhoneiros nas estradas, que aconteceram após os protestos governistas de terça (7), podem levar os produtores de leite a descartar produto que ficou parado pela impossibilidade de transporte.

A associação ainda prevê possibilidade de desabastecimento.

A Abia afirma que a captação diária é de 500 mil litros e o produto não pode ser estocado por mais de 24 horas devido ao risco de perda.

Uma indústria de Minas Gerais diz que há risco iminente de paralisação das atividades, porque quatro caminhões com latas, usadas em produtos para lactentes, estão parados em um dos pontos de manifestação dos motoristas, segundo a Abia. A fábrica pode fechar as portas caso a matéria-prima não chegue ao local até o começo da tarde desta quinta (9).

O número de protestos foi reduzido desde a noite passada, porém ainda há registros em cinco estados.

0
Funcionário da fazenda Santa Luzia, em Minas Gerais, despeja cerca de cem mil litros de leite para porcos, durante a greve dos caminhoneiros de 2018.   

folha

Deputado Jenilson Leite apresenta moção de pesar pela morte do doutor Baba

Na sessão desta terça-feira (30) o deputado Jenilson Leite (PCdoB) apresentou uma moção de pesar pelo falecimento do médico Rosaldo Aguiar, o doutor Baba, de 49 anos. O mesmo foi morto na noite do último sábado (27), em sua chácara, batizada de Hollywood, localizada às margens do Rio Envira, em Feijó. Baba foi alvejado com um tiro no peito e ainda chegou a ser levado ao Hospital de Feijó, mas não resistiu ao ferimento.

O parlamentar, que passou a tarde com o médico no dia do ocorrido, lamentou a forma cruel como tudo aconteceu. “É difícil de acreditar, é uma perda irreparável. Naquele sábado passamos a tarde juntos realizando ações de combate à dengue no município de Feijó, nos falamos por telefone poucas horas antes do ocorrido. Baba era um homem bom, um profissional incrível, fazia o possível para ajudar a população daquela região, e perdeu a vida num dos crimes mais violentos da história de Feijó”, lamentou.

Segundo o deputado, a casa do médico havia sido assaltada dois dias antes do mesmo ser assassinado. Ainda de acordo com Jenilson, a polícia trabalha com a hipótese do crime ter sido planejado. “Ele me falou que dois dias antes haviam entrado na casa dele e que tinham roubado uma televisão. A polícia não descarta a hipótese de um crime planejado, inclusive, o rapaz que estava com ele na chácara no dia do ocorrido está sendo apontado como um dos envolvidos”, disse.

O deputado disse ainda que o povo brasileiro não aguenta mais tanta violência. “O Bolsonaro ganhou a eleição falando claramente sobre o porte de arma, e foi exatamente isso que tirou a vida do nosso querido Baba. Aí, a gente se questiona: ora, mas o Haddad falava sobre mais emprego, sobre a implantação de mais escolas, e ainda assim a população preferiu o Bolsonaro. Precisamos, sim, de mais oportunidades, de investimentos na cultura, de mais escolas. Mas o que o povo precisa mesmo são de leis mais firmes, só assim garantiremos a paz que tanto queremos”, frisou.

No grande expediente, Jenilson Leite cobrou do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) a instalação imediata de uma balança para aferir o peso de veículos na BR-364. Ele pontua que o peso exorbitante das carretas tem agravado as condições da pista.

“Ontem, quando estava voltando de Feijó, vi algo na estrada que me deixou muito triste. Os trechos que estavam bons estão sendo destruídos pelas enormes carretas que trafegam na rodovia transportando combustível, toras de madeira e brita. Isso não pode acontecer. Essa sobrecarga do inverno vai acabar rasgando todo o dinheiro que foi investido. O DNIT precisa tomar uma providência o mais rápido possível, antes que a situação piore. O sistema de balanças precisa ser implantado, nós precisamos zelar pelo trabalho que já foi feito”, afirmou.

Projeto de lei

O parlamentar apresentou um projeto de lei que ‘institui noções básicas da disciplina de agropecuária nas escolas públicas rurais do Estado do Acre’. Se aprovada a matéria, fica a Secretaria de Estado de Educação (SEE) autorizada a instituir noções básicas sobre a agropecuária, como conceito a ser ministrado nas escolas públicas rurais de ensino fundamental e médio no âmbito do Estado do Acre.

A temática que a proposta abrange promoverá a elevação da escolaridade do jovem empreendedor no campo; o respeito às diversidades locais; a cooperação entre as diferentes esferas do poder público, o setor empresarial e os demais seguimentos da sociedade, com o fim específico de estimular as iniciativas do jovem empreendedor do campo; e a promoção do acesso do jovem empreendedor do campo ao crédito rural, bem como a promoção da inclusão social no meio rural.

O deputado explicou que além de preparar o jovem para exercer o papel estratégico de agente do desenvolvimento rural, a lei também visa fomentar a transformação de jovens em líderes empreendedores, com sensibilidade para identificar oportunidades de desenvolvimento profissional e familiar onde estão inseridos. Visa, ainda, estimular a elaboração de projetos produtivos a serem desenvolvidos pelos jovens agricultores, como forma de viabilizar alternativas de trabalho e renda e até ampliar competências, conhecimentos e práticas que possibilitem a gestão empresarial agrícola, promovendo o empreendedorismo, a liderança, o cooperativismo, o planejamento e o uso de técnicas produtivas.

Ele frisou que a lei também estimulará estratégia de governança de sucessão familiar para jovens e suas famílias, além de também ampliar a compreensão sobre o desenvolvimento rural sustentável, práticas agrícolas e políticas públicas para a agricultura familiar. O PL também busca incentivar o uso de conhecimentos associados às inovações tecnológicas e as ferramentas das atividades rurais.

Jenilson Leite ressaltou que existem escolas que já funcionam nesse modelo em vários estados brasileiros, entre elas a Escola Família Agrícola (EFA) e Casas Familiares Rurais (CFRs). “Porém, apesar de todos estes fatores, e diante dessa necessidade de se empregar metodologias e estratégias específicas para as comunidades do campo, alguns estados relutam em reconhecer a efetividade e a legitimidade da Pedagogia da Alternância”.

“Essa metodologia dá aos alunos a oportunidade de continuarem estudando enquanto ajudam seus pais nas tarefas agrícolas. A inclusão formal do método na atual legislação irá possibilitar que as escolas em áreas rurais tenham mais apoio do Estado, valorizando os alunos do campo”, explicou.

“Você não pode se eleger com uma posição e quando eleito mudar isso” , diz Jenilson

O deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB) reeleito com 8.253 votos concedeu entrevista exclusiva ao jornal OPINIÃO no início da semana. O parlamentar comentou as realizações do seu mandato e as perspectivas paras os próximos 4 anos.

Jenilson destacou, também, o cenário dentro da Frente Popular do Acre (FPA), o crescimento do seu partido, o PCdoB, o trabalho nas comissões da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) entre outros assuntos como a corrida presidencial.

Deputado, o senhor teve 8.253 votos nesta eleição. Qual o ingrediente para alcançar esse número tornando-o deputado mais votado da Frente Popular neste pleito?

Nós nos apegamos a três pilares: foi um mandato de trabalho, visitamos não só as cidades, mas a zona rural do nosso Estado; humildade, para poder ouvir e dialogar. Você que tem um mandato de deputado estadual, você não está acima de ninguém, é preciso, independente do cargo que você ocupa, ouvir as pessoas. Conviver com as pessoas, estar no meio das pessoas para modular seu modo de agir.

É preciso ter humildade para estas questões e coerência. Você não pode se eleger vendendo uma imagem e depois de eleito, você fazer totalmente ao contrário da imagem que você pregou. Você não pode se eleger com um posicionamento e quando está com um mandato em mãos mudar seu posicionamento. O nosso mandato foi um mandato coerente com as suas bases. Eu fui eleito majoritariamente na primeira eleição com os votos de uma base minha que foi Tarauacá e Jordão e eu andei muito nesses municípios, apesar de ter expandido as nossas andanças em outros lugares. Eu fui eleito com uma categoria, ou pelo menos não pela categoria, digamos assim majoritariamente, mas representando uma categoria que foi a Saúde.

Em nenhum momento nós deixamos de cumprir as nossas obrigações ou deixamos de ouvir essa categoria em detrimento de qualquer outra coisa. Então, você viu o nosso posicionamento, momentos em que votamos até contra o governo para ouvir a categoria. Não pestanejamos, não tivemos nenhum tipo de dificuldade para fazer isso. Isso é coerência. Esses três elementos nos fizeram o deputado estadual mais votado dentro da Frente Popular. Esses três elementos nos ajudaram e ajudaram aos nossos colaboradores a pedir votos. Esses votos não são votos meus, são da coletividade.


“E nesse segundo mandato terei lado no meu campo e vou bater palmas quando acertar e vou relembrar o governo dos seus compromissos quando ele errar. Essa vai ser a nossa forma de trabalhar ali na Assembleia Legislativa”


O PCdoB cresceu com relação à eleição de 2014. Conseguiu fazer dois estaduais, um federal e tem a possibilidade de fazer ainda uma vice-presidente da República, que é a Manoela D’Ávila. Como explicar esse crescimento e o que o PCdoB fez que os outros partidos de esquerda como o PT deixou de fazer?

Se fôssemos usar uma figura de linguagem diríamos que fizemos do limão uma limonada. A gente soube, a partir do perfil de cada um, fazer a nossa parte nesse momento. O partido também soube conduzir um pouquinho isso. Tivemos as nossas divergências com relação qual era a estratégia que deveríamos adotar, mas felizmente tivemos essa opção de estar junto nessa chapa com o PT. O nosso trabalho fez o diferencial. Voltamos! Estamos grandes. Somos hoje o maior partido da Frente Popular do Acre, do ponto de vista de mandatos parlamentares. A gente cresceu na uma eleição, mas isso também nos dar muitas responsabilidades. Temos que receber isso com humildade, saber fazer a leitura da responsabilidade que estamos assumindo e saber se movimentar dentro desse nosso campo com o objetivo de reaglutinar as nossas forças e trazer para perto as pessoas que pensam em um Acre melhor, que pensam numa vida melhor para todos e olhar para o futuro.

jenilson2

Quais os seus planos para este novo mandato na Assembleia Legislativa do Acre?

Vamos continuar trabalhando. Quando você dobra uma votação em quatro anos, isso significa que a sua estratégia estava correta. A população aprovou tudo o que nós já fizemos. Vamos continuar trabalhando. Nesse momento vamos estar na condição de oposição e isso não nos transformará em nenhum kamikaze, não nos transformará em nenhum opositor por fazer oposição. Me comportarei igual me comportei no primeiro governo do Tião Viana, tendo lado, sempre tive lado. E nesse segundo mandato terei lado no meu campo e vou bater palmas quando acertar e vou relembrar o governo dos seus compromissos quando ele errar. Essa vai ser a nossa forma de trabalhar ali na Assembleia Legislativa.

O senhor acredita que a população assimilou o trabalho feito no primeiro mandato? Isso foi compreendido pelo eleitor?

A população reconheceu que, mesmo sendo base, nós não éramos subservientes. O que a população não gosta nos políticos é político que não tem pensamento próprio, que não tem posicionamento, que é marionete. A população não gosta disso. Quando você vota no seu candidato você acredita que ele é um líder, porque acredita que ele vai lhe representar e representar o seu interesse e não representar o interesse de governos ou de outras pessoas.


“O Haddad precisa de um projeto firme, duro, sem fechar as portas das expectativas e perspectivas das pessoas poderem crescer através do estudo, do trabalho e da cultura”


 

O que lhe marcou enquanto presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Aleac?

Nós fomos presidente da CCJ no momento em que a Aleac apresentou a maior produtividade de todos os tempos. Nós tivemos uma produtividade em relação a projetos, a audiências, em relação a ações dentro do parlamento e fora do parlamento, mais elevada de todos os tempos. E também isso nos deu a oportunidade de dialogar com todos os poderes, de dialogar fraternamente com todas as categorias que ia naquela Casa levar a sua pauta, sempre mediei e sempre fomos o presidente da Comissão de Constituição e Justiça que ouviu as pessoas. Em nenhum momento eu barganhei nada para votar projetos, porque tem gente que faz isso. O meu trabalho lá foi ajudar quem precisava de ajuda. As pessoas viram o nosso trabalho e isso ampliou as nossas relações.

Como senhor avalia esse cenário político nacional entre Haddad e Bolsonaro?

Vemos um cenário difícil no meu campo. O Haddad, apesar do seu esforço, está tendo dificuldade de avançar, sobretudo, porque há um antipetismo exacerbado no País, a votação no Acre foi uma demonstração disso. O antipetismo foi propagandeado e foi criada uma cultura antipetismo no Brasil e não foi por acaso, foi em função dos erros do PT também. O Haddad já tem um ponto negativo com relação a isso, mas ele precisa dialogar mais claramente com os problemas com que a população estar com ele na ordem do dia, se eu pudesse citar um, citaria a segurança pública. O Haddad tinha que fazer um programa de televisão agora para dizer claramente o que ele precisa fazer, o que ele irá fazer como presidente, que seja impactante de maneira tal que o eleitor possa confiar nesse projeto dele como algo que poderá pacificar um pouco, dar mais paz para as famílias brasileiras. Ninguém aguenta mais. Tem gente no Brasil achando que o crime compensa. E penso que o Haddad poderia dialogar mais essa pauta. Não precisa ser um diálogo como o Bolsonaro está fazendo de dar armas para as pessoas, de matar bandido. Mas tampouco pode ser a antítese, o contrário a isso. O eleitor está precisando de um posicionamento firme para tratar a segurança pública. O Haddad precisa de um projeto firme, duro, sem fechar as portas das expectativas e perspectivas das pessoas poderem crescer através do estudo, do trabalho e da cultura.

Deputado estadual Jenilson Leite: “É hora de batermos a poeira e focar no futuro”

Em pronunciamento na sessão de quarta-feira (10), na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), o deputado Jenilson Leite (PCdoB) comemorou o resultado positivo que obteve nas urnas no último domingo (7). O parlamentar lamentou a derrota do candidato ao governo do Acre, pelo Partido dos Trabalhadores, Marcus Alexandre.

“Foi uma caminhada longa, mas vencemos. Agradeço demais o apoio do meu partido, de amigos, assessores e familiares, foi uma batalha bonita de se vê. Quanto à Frente Popular, lamentamos demais a derrota de Marcus Alexandre, com isso nós infelizmente encerramos um ciclo de vinte anos, período esse em que muitos avanços houveram”, frisou.

O deputado falou ainda do que espera do governador eleito, Gladson Cameli (PP). “Sabemos que muitos erros políticos aconteceram e isso nos levou à derrota. Este é o momento de batermos a poeira, de reconhecermos os nossos erros e de focar no futuro. O que eu espero de verdade é o que o governador eleito faça uma boa gestão, que cumpra o que prometeu. Caso contrário, nós como oposição estaremos aqui para lembrarmos”, disse.

Jenilson Leite lamentou também a não reeleição de alguns colegas parlamentares. “Não poderia deixar de estender minha solidariedade aos amigos parlamentares que não conseguiram retornar a esta casa, sabemos que a batalha foi grande. Ao presidente Ney Amorim todo o meu carinho e gratidão, temos uma amizade leal de muito respeito”, salientou.

Produtores rurais participam de curso sobre fabricação de derivados do leite

Queijos dos mais variados tipos, iogurtes, manteiga, doces e até licor estão entre os produtos derivados do leite ensinados na qualificação “Fabricação de derivados do leite”, ofertado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem (Senar) em parceria com o governo do Estado por meio da Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) e Embrapa na Expoacre 2018.

Os participantes são produtores rurais de Acrelândia, Bujari, Senador Guiomard, Plácido de Castro e Rio Branco que estão participando das aulas na carreta do Núcleo Móvel de Transferência de Tecnologia da Embrapa, na Fazendinha.

Francisco Dantas, coordenador da Cadeia do Leite da Seaprof, explicou que muitos produtores de leite estão investindo na produção informal. “Em virtude disso, reunimos aqui produtores do entorno da capital para esse curso de boas práticas. Eles já produzem produtos de excelente sabor, mas precisam imprimir mais qualidade”, afirma Dantas.

Valdomiro Bento, participante do curso, disse que a oportunidade está sendo importante. “Isso nos ajuda a alavancar a renda familiar”, destacou o produtor.

A qualificação tem duração de 24 horas, que está sendo dividida em três dias. No encerramento do curso haverá uma degustação dos produtos produzidos pelos participantes da qualificação.

trator

Jovens participam de curso de mecanização agrícola em Feira

A expansão na economia rural promovida nos últimos oito anos, por meio de incentivos do governo do Estado nas cadeias produtivas, trouxe mudanças para o Parque de Exposições Wildy Viana. Uma das mais expressivas é a criação do Campus do Agronegócio, que neste ano adquiriu mais uma funcionalidade, sendo a “sala de aula” de jovens que participam do curso de mecanização agrícola ofertado em parceria entre o governo do Estado, por meio da Secretaria de Agropecuária (Seap), Senar, Embrapa e Sebrae.

Os participantes são jovens filhos de produtores rurais, acadêmicos da Universidade Federal do Acre (Ufac) e servidores da Embrapa, que ao longo da semana tiveram aulas teóricas e também práticas sobre a mecanização agrícola.

“A metodologia utilizada é para atender a necessidade de mercado, capacitando os alunos para que eles saibam manusear as máquinas modernas que estão chegando ao estado. Temos aqui treze alunos que estão aprendendo sobre regulagem, sistema da máquina, componentes, localização e interpretação de cada componente e manutenção. Teremos ainda a operação das máquinas”, detalhou o instrutor Roberto Souza.

Josué de Lima Tavares é filho de produtores rurais e mora numa área de assentamento. Ele conta que trabalha com máquinas de mecanização na área de plantio da família, mas admite que não tinha conhecimento técnico sobre a manutenção da máquina.

“Está sendo um grande avanço para mim porque eu mexia com máquina, mas o que estou aprendendo aqui é totalmente diferente de tudo que já fiz. Está ajudando bastante no meu conhecimento”, completou Tavares.

A acadêmica de Agronomia da Ufac Manoela Souza ressalta que a experiência é bem diferente do que se aprende na universidade. “Por mais que tenhamos essas disciplinas na Ufac, elas são ensinadas de modo abrangente. Aqui estamos aprendendo de maneira detalhada, e quem ainda não sabe dirigir esse tipo de veículo vai aprender.”

Jenilson Leite diz que Tião Viana acertou em prorrogar concurso

O deputado estadual Jenilson Leite (PCdoB), através do mandato concedido pelo povo conseguiu mais uma importante vitória para a juventude acreana que almeja ingressar no quadro da Polícia Militar e Civil do Acre.

Depois de muita articulação junto ao governo do Estado via SGA, secretaria de segurança e Casa Civil, o parlamentar mediou para que fosse prorrogado o prazo de validade do concurso da Polícia Militar e civil do Acre para o preenchimento vagas para o quadro da corporação.

Leite encampou a luta na ALEAC para que o item do edital que valida o certamente por apenas seis meses após a homologação do resultado final, fosse para prorrogado para dois anos.

A medida visa que os candidatos que ficarem na lista de espera, ou seja, mais de 700 jovens, possam vir ser convocado tendo em vista a necessidade de recompor sempre o quadro de funcionário das Polícias.

Para o deputado, a prorrogação é um vitória de toda juventude acreana que almeja ter um trabalho digno, principalmente em uma das instituições mais respeitadas do Acre que é a PM e a Polícia Civil. “ Me sinto feliz em saber que a nossa luta se concretizou. Nossos jovens sonham com um trabalho, o que fiz foi fazer valer a confiança que eles depositaram como seu representante na Aleac”, comemora.

Com relação ao concurso da Polícia Civil, a secretária da SGA, Sawana Carvalho, afirmou ao parlamentar que a validade certamente também será prorrogada.

O parlamentar comemorou essa conquista, pois é uma forma de garantir que os aprovados do cadastro de reserva sejam convocados conforme a necessidade da administração pública.

Deputado Jenilson Leite quer prorrogação do cadastro de reserva dos concursos da PM e Polícia Civil

Na sessão desta terça-feira (29) o deputado Jenilson Leite (PCdoB) informou que protocolará na Casa Civil e na SGA um documento solicitando a prorrogação do prazo do cadastro de reserva dos aprovados no concurso da Polícia Militar e Civil. Se o documento for aceito, o prazo de cadastro de reserva que vence em seis meses será prorrogado para dois anos.

O parlamentar frisou que a medida beneficiará mais de 800 jovens e trará economia aos cofres do Estado. “Estaremos protocolando esse documento por meio da Comissão de Segurança desta casa, pedindo que se prorrogue o prazo do cadastro de reserva para dois anos. Essa medida é totalmente viável e beneficiará jovens que nos próximos dois anos estariam à disposição caso haja necessidade e a condição financeira do Estado para contratar. Se o governo não fizer quando precisar terá que abrir um novo concurso, o que consome muitos recursos e demora em média dois anos”, explicou o parlamentar.

Jenilson Leite também falou sobre a agenda que cumpriu no último final de semana com o pré-candidato ao governo do Estado Marcus Alexandre (PT), na região do Tarauacá/Envira. Ele destacou a boa receptividade que o pré-candidato pela Frente Popular tem recebido no interior.

“Acompanhei Marcus durante visita aos municípios de Tarauacá e Feijó e fiquei muito feliz com a boa receptividade que ele teve. Ele é muito humilde, sabe conversar e as pessoas gostam disso. Marcus tem os pés no chão, é trabalhador e aos poucos está conquistando o Acre. As eleições estão se aproximando e o que vai contar no final é a humildade e o comprometimento”, frisou.

Saúde realiza caminhada em alusão à doação de leite materno

Pensar que algo que flui naturalmente do seio materno pode salvar vidas, se compreende os incentivos e promoções que a saúde realiza constantemente em prol da amamentação e também da doação de leite humano.

Com plaquinhas “Doe leite materno e salve vidas” e balões brancos, a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre) realizou na manhã desta terça-feira, 22, uma caminhada do Palácio Rio Branco até a Maternidade Bárbara Heliodora, em alusão ao Dia Mundial de Doação de Leite Materno, celebrado no último sábado, dia 19.

Na ocasião, o secretário Rui Arruda falou sobre a importância do gesto. “É um momento especial porque a doação de leite é doação de vida e um grande gesto de amor. Resolvemos fazer esta caminhada do palácio até a maternidade para chamar atenção sobre a importância da doação de leite materno. Como diz a própria campanha, ‘Para você é leite, para criança é vida’”, reforça Arruda.

Dados do Ministério da Saúde indicam que no Brasil nascem cerca de 3 milhões de bebês por ano, sendo 332 mil prematuros ou com baixo peso (menor de 2,5 quilos). O recém-nascido, nesses casos, tem melhor chance de sobrevivência e recuperação quando a alimentação com leite humano é ofertada.

No Acre, no primeiro trimestre do ano, o Banco de Leite Humano, da Maternidade Bárbara Heliodora, realizou mais de 1,3 mil atendimentos às mães e recém-nascidos, 408 atendimentos em grupo, 29 visitas domiciliares e distribuiu 111 litros de leite materno em um total de 57 doadoras.

O coordenador do Banco de Leite, Hélio Pinto, ressalta que, apesar da mobilização das equipes e da ampliação dos postos de coletas, que hoje funcionam também no Hospital Santa Juliana e na Unidade de Referência em Atenção Primária (Urap) Augusto Hidalgo de Lima, o número de doação ainda é baixo em relação à demanda.

“É muito importante essa conscientização da sociedade em relação à doação desse líquido precioso que é o leite materno, a dieta dos bebês. Portanto, esta caminhada é para alertar sobre a importância de a mãe amamentar o seu filho e também fazer parte desse gesto tão nobre que é a doação para o banco de leite, uma vez que nossa arrecadação ainda é baixa e não conseguimos atender 100% da demanda”, alerta Pinto.

Saúde promove atividades em alusão ao Dia Nacional de Doação de Leite Materno

Ele não é vendido na farmácia, tampouco é possível comprar pela internet ou no supermercado. Esse é o leite materno, produto que pode salvar a vida de recém-nascidos prematuros e de baixo peso internados, que não podem ser amamentados pela própria mãe e contam com a solidariedade da doação.

Em alusão ao Dia Nacional de Doação de Leite Materno, celebrado neste sábado, 19, a Secretaria Estadual de Saúde (Sesacre), em parceria com a Maternidade Bárbara Heliodora promove algumas atividades em promoção ao incentivo à doação de leite materno convocando mulheres que estão amamentando para também serem doadoras.

Entre as ações, acontece a I Caminhada Pelo Aleitamento Materno na próxima terça-feira, dia 22, às 7h30. A concentração será em frente ao Palácio Rio Branco, seguindo em direção à Maternidade Bárbara Heliodora.

De acordo com o coordenador do Banco de Leite, Hélio Pinto, durante a semana em alusão a data, também acontecem palestras sobre o tema em algumas unidades de saúde, além de uma parceria com o Serviço Social do Comércio (Sesc) no incentivo a doação de leite materno e de frascos de vidros que são parte do kit de doação.

O sistema de cadastro conta com uma média mensal de 15 doadoras fixas. O banco disponibiliza toda a estrutura para coletar o leite na casa da própria doadora. Por meio do telefone (68) 3224-1060 todas as dúvidas em relação à amamentação ou à doação podem ser esclarecidas.

“Leite materno é vida, e a doação ajudou a salvar minha filha. Como ela nasceu aos seis meses de gestação ficou muito tempo na UTI, e a produção do meu leite diminuiu. Tentaram dar leite de lata, mas ela não aceitou. Com ajuda de outras mães, ela passou a tomar leite materno, o que foi fundamental para sua recuperação”, relata Estefani Lauany, mãe da pequena Sara, que nasceu com menos de um quilo.

Durante o ano de 2017, a equipe do Banco de Leite realizou mais de 11 mil atendimentos, sendo que 760 mães se tornaram doadoras de leite materno. De janeiro a dezembro, houve a distribuição de 406 litros. No total, 566 bebês foram beneficiados com a doação de leite materno no ano passado. Para o coordenador, Hélio Pinto, a parceria das mães tem sido essencial para manter a assistência aos bebês que nascem com peso de até 1,5 quilo.

“As parcerias são fundamentais para nos ajudar a manter o estoque. A doação de leite materno é vital para a recuperação e a garantia da sobrevida desses recém-nascidos. Quando a gente introduz leite artificial esse bebê não evolui bem, em alguns casos acaba indo a óbito. Então, aproveitando o Dia Nacional de Doação de Leite Materno viemos mais uma vez para reforçar essa iniciativa, esse gesto de amor dessas mães em prol da vida de outros bebês. Fazemos um chamamento para a nossa caminhada e convidamos todas as mamães que amamentam para serem doadoras e fazerem parte dessa corrente do bem”, destaca.

O Banco de Leite, inaugurando em 2001 na Maternidade Bárbara Heliodora, é vinculado à Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano da Fundação Oswaldo Cruz. Em dezembro de 2016, recebeu pela segunda vez o selo ouro, que reconhece o padrão adotado pela maternidade dentro das exigências da Fiocruz para o leite coletado.

Saúde reforça ações de conscientização sobre doação de leite materno

O mês de maio se inicia, e com ele se aproxima uma data de extrema importância para a vida de bebês que nascem prematuros.

É o Dia Nacional de Doação do Leite Materno, comemorado no próximo dia 19.

A data é destinada à promoção e incentivo a doação de leite materno, voltando à atenção para a sensibilização das mamães que podem realizar esse gesto de carinho.

Desde o mês de abril estão sendo colocadas em prática atividades, como rodas de conversas com gestantes na busca de conscientizar e alertar as mães sobre a importância da doação de leite materno, dessa forma conquistando mais doadoras. Mesmo assim, o número não é suficiente.

“Infelizmente ainda é baixo, muitas vezes não conseguimos alcançar a demanda de leite necessária para alimentar os bebês, por isso procuramos cada vez mais conscientizar e incentivar as mamães a doar” diz o coordenador do banco de leite da Maternidade Bárbara Heliodora, Hélio Pinto.

Hélio explica ainda que alguns mitos atrapalham a doação. “Muitas vezes a resistência das mães em doar o leite materno se dá por acreditarem que doando o leite, possivelmente falte para seu próprio bebe. O que acontece é o oposto, quanto mais a mãe amamentar seu filho, mais ela produzirá leite”

Importância da doação

O leite materno é rico em nutrientes, vitaminas, proteínas, açúcar e gordura. Tanto que recomendado como única alimentação para os bebês até os 6 meses de vida.

Por isso, o leite materno afeta diretamente a saúde de um bebê e serve para ajuda-lo a crescer forte, protegendo-o de inúmeras doenças, já que contém diversas propriedades imunológicas.

Requisitos para se tornar doadora

As mamães que desejam se tornar doadoras precisam apresentar a caderneta de pré-natal que será analisada, além de alguns exames como hemograma completo e sorologia para HIV, hepatites e sífilis (que serão renovados a cada 90 dias), tudo isso para garantir que os bebês recebam um leite saudável.

A doação é feita de maneira simples, rápida e confortável. As interessadas em doar podem se dirigir diretamente na Maternidade Bárbara Heliodora ou entrar em contato pelo telefone (68) 3224-1060 que uma equipe vai ao encontro da interessada, entrega o kit de doação e presta as orientações necessárias.

Deputado Jenilson Leite solicita equipes para atender Tarauacá

Preocupado com a população de Tarauacá que desde o último domingo (29) sofre com a cheia do rio que leva o nome da cidade, o deputado Jenilson Leite (PCdoB) informou que conversou com o secretário estadual de Saúde, Gemil Júnior, sobre a situação em que se encontram as famílias atingidas. O parlamentar solicitou do gestor o envio de uma equipe para a realização de uma ação de saúde itinerante no município.

Segundo dados da Defesa Civil do município, a alagação afetou cinco bairros, 39 ruas e mais de 15 mil moradores, sendo que 120 pessoas estão desabrigadas. Devido a enchente, a Eletrobrás teve que desligar a energia dos bairros afetados, deixando 1.943 moradias sem o serviço.

“Conversei com o secretário Gemil Júnior e ele imediatamente atendeu minha solicitação. A equipe de saúde viajará hoje para Tarauacá e realizará o atendimento à população durante dois dias. Após as enchentes surgem várias doenças, como por exemplo a leptospirose, entre outras, e esta ação de saúde visa combater isso”, complementou.

O parlamentar conversou também com o diretor-presidente da Eletrobrás em Rio Branco, Ricardo Xavier, para intermediar junto a empresa a religação da energia nos bairros afetados de Tarauacá. Jenilson Leite foi comunicado que um técnico da empresa está monitorando junto à Defesa Civil as áreas afetadas. “Ricardo Xavier me garantiu que onde houver possibilidade de religar a energia será feito. Mas antes é feito um diagnóstico, pois a segurança dos consumidores é algo fundamental para a empresa”, explico

Jenilson Leite se reuniu ainda com o presidente do Poder Legislativo, deputado Ney Amorim (PT), e propôs a realização de uma ação solidária para auxiliar os municípios afetados pelas enchentes. “O momento pede a união de todos. As famílias estão passando por uma situação difícil e esta casa oferecerá todo o suporte necessário para garantir o bem-estar das famílias desabrigadas”, concluiu.