Período chuvoso aumenta o risco de doenças infecciosas

Com a chegada do período chuvoso aumentam os riscos de contrair as chamadas doenças tropicais, isso porque é comum o acúmulo de água em ruas e quintais após chuvas intensas e até mesmo a ocorrência de enxurradas ou transbordamento de rios e igarapés, favorece o aparecimento de tais enfermidades.

A dengue, zika vírus, chikungunya, leptospirose e diarreias são os casos mais comuns. O médico Eduardo Formiga, explica que essas patologias possuem sintomas muito parecidos.

“Essas doenças tem sintomas muitos parecidos, todas elas dão febre, dor no corpo, por isso a importância de procurar atendimento médico o quanto antes para que seja feito o diagnóstico correto”, destaca.

Eduardo explica que o diagnóstico e o tratamento correto são fundamentais para evitar um agravamento do quadro, que se não tratado da maneira adequada e a tempo, podem levar a morte.

“Todas essas doenças levam a morte se não forem tratadas, por isso a importância de ao primeiro sintoma o paciente procurar um atendimento médico”, reforça.

O médico lembra que a maioria dessas doenças são causadas por contato com água contaminada, ou através do mosquito Aedes aegypti. A leptospirose por exemplo, é causada pelo contato com a água contaminada com urina de rato, se a pessoa estiver com pequenos cortes na pele, o risco aumenta.

“Só de ter contato com a água contaminada já pode pegar a doença, mas se a pele estiver com algum corte, a pessoa vai pegar a doença, ou ate mesmo se ingerir um pouco desse água contaminada”, diz.

Para evitar o risco de adoecimento, o médico lembra que é preciso ter alguns cuidados, como: evitar ter contatado com água contaminada e usar repelente para afugentar o mosquito da dengue.

“A melhor coisa a ser feita é a prevenção, evitar o contato com as águas de enchentes, se você está em um lugar insalubre que tem ratos, ter o cuidado de lavar as mãos, e no caso das doenças causadas pelo Aedes aegypti usar repelente, porque a gente não tem o controle dos quintais dos vizinhos, que pode ter focos do mosquito”, orienta.