No Twitter, Bolsonaro indica ex-diretor do Dnit para Ministério da Infraestrutura

Destravar projetos de melhoria da logística do País é um dos desafios do novo ministro

Como tem feito no anúncio de todos os futuros ministros, o presidente eleito Jair Bolsonaro usou sua conta no Twitter para confirmar a indicação de Tarcísio Gomes de Freitas para o Ministério da Infraestrutura. A nova pasta vai abranger os setores de transporte aéreo, terrestre e aquaviário. O foco do ministério, de acordo com o futuro ministro, será destravar projetos de melhoria da logística do país.

Tarcísio Gomes de Freitas foi nomeado diretor executivo do Departamento Nacional de Infraestrutura Transporte (DNIT) em meados de 2011, após a “faxina ética” determinada pela então presidente Dilma Rousseff no órgão, que passava por uma crise provocada por denúncias de corrupção.

Gomes de Freitas iniciou a carreira no Exército, mas acabou ingressando, por concurso, no quadro de auditores da Controladoria-Geral da União (CGU). É formado em Engenharia Civil pelo Instituto Militar de Engenharia (IME) e atuou como engenheiro da Companhia de Engenharia Brasileira na Missão de Paz no Haiti.

Ele entrou no DNIT como braço-direito do então diretor-geral Jorge Ernesto Pinto Fraxe, general do Exército, formado engenheiro na Academia Militar de Agulhas Negras. O general ocupou diversos postos na área de engenharia, em várias regiões do país, sempre como comandante de destacamentos de engenharia de construção. Tarcísio Gomes de Freitas substituiu o general em setembro de 2011, depois que ele voluntariamente se demitiu.

“A recomendação é resolver os problemas de logística, entregar projetos, gerar desenvolvimento, gerar emprego. Então, caminhar muito em conjunto com aquela pauta que é hoje do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI) e resolver os problemas que são aqueles sabidos da infraestrutura nacional que acabam onerando o nosso produtor”, afirmou Freitas. Ele defendeu maior fomento de parcerias com investidores privados, concessão de ferrovias, portos e aeroportos. Apesar disso, a secretaria do PPI continuará subordinada diretamente ao Palácio do Planalto, informou.

Tarcísio Gomes de Freitas informou que o nome da pasta ainda poderá ser redefinido. “O Ministério da Infraestrutura, ou do Transporte, vamos dizer assim, talvez o nome não esteja fechado, vai lidar realmente com as questões dos transportes, aquelas que são competência federal.

Em coletiva de imprensa logo após o anúncio, Jair Bolsonaro fez questão de elogiar o seu indicado. “É uma pessoa extremamente qualificada para desempenhar essa difícil missão. Estou muito feliz com essa indicação. Agradeço da parte dele de aceitar esse convite”, disse.

Outros ministérios

Segundo o presidente eleito, o desenho do primeiro escalão do seu governo está praticamente fechado e ele pode anunciar amanhã (28) o titular do Ministério do Meio Ambiente. “Tem duas pessoas que estamos conversando [para o Meio Ambiente]. O desenho [dos ministérios] está praticamente concluído. Acho que a última versão será apresentada amanhã pelo Onyx Lorenzoni”, informou.

Antes, o novo futuro ministro da Infraestrutura havia informado que será criado um Ministério do Desenvolvimento Regional, que ficará com as atuais atribuições dos ministérios das Cidades e da Integração Nacional. Já o Ministério das Minas e Energia permanecerá com as competências que tem atualmente, bem como a área de comunicações, que ficará agregada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, sob o comando do astronauta Marcos Pontes.

Mapa mostra onde vale Indicação Geográfica da Farinha do Vale do Juruá

A Indicação Geográfica da Farinha de Mandioca do Vale do Juruá ganhou um mapa interativo com outras IGs do Brasil. O mapa criado pelas Coordenações de Indicação Geográfica de Produtos Agropecuários e de Controle Operacional do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento é bastante mapa interativo com lugares semelhantes no Brasil. O mapa mostra a área de abrangência da IG: no caso da farinha de mandioca do Acre são os municípios de Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Rodrigues Alves e Marechal Thaumaturgo.

As Indicações Geográfica e outras marcas são importantes ferramentas para o fortalecimento da cadeia produtiva, para o desenvolvimento socioeconômico e agregação de valor a produtos agropecuários. Nomes ou elementos gráficos que diferenciam a apresentação de produtos ou serviços por sua origem, qualidade, produtor ou outras características intrínsecas funcionam como mecanismo de promoção comercial e de competitividade.

O mapa lançado pelo ministério contém as marcas registradas pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial e regiões potenciais para o registro, a partir de levantamento feito pela CIG com instituições parceiras e Divisões de Política, Produção e Desenvolvimento Agropecuário nas Superintendências Federais de Agricultura.

A navegação no mapa é fácil e intuitiva, bastando clicar com o botão direito do mouse sobre o polígono desejado para acessar informações sobre os lugares associados a produtos ou serviços típicos relacionados à importância social, cultural e econômica das regiões. É possível realizar filtros na visualização, a partir da seleção de variáveis que se deseja observar isoladamente. Os produtos agropecuários foram destacados por fazerem parte do âmbito de atuação do ministério e a intenção é de que novos produtos sejam inseridos na aplicação, à medida em que forem identificados ou registrados.

image1