Equipe de governo faz intercâmbio para iniciar ações de retirada da vacina contra a aftosa

Servidores do governo do Estado que atuam no Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Acre (Idaf/AC) estiveram na última semana em Santana Catarina para uma visita técnica à Companhia Integrada de Defesa Animal daquele estado.

A ação é parte das atividades que o Idaf está realizando para a retirada da vacinação contra a febre aftosa em 2019, prevista pelo Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), elaborado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

O intercâmbio visa à identificação dos serviços prestados pela Companhia, bem como conhecer de perto a experiência de Santa Catarina que há mais de 17 anos retirou a vacinação de febre aftosa e que tem o reconhecimento da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE), há mais de 10 anos, com livre de febre aftosa sem vacinação.

“Essa visita foi de extrema importância para que pudéssemos fazer uma avaliação das nossas necessidades para o preparo de estrutura organizacional, de quadro de pessoal, fluxograma, para nos preparar o cenário da retirada da vacina”, detalhou Mário César de Araújo, gerente de Defesa Sanitária Animal do Instituto do Acre.

A equipe da visita técnica era composta por gestores que estão no Programa Estadual de Febre Aftosa, para que estejam aptos a agir na identificação precoce por meio de um programa de vigilância sensível caso surjam focos de doenças animais.

“Outro ponto importante é a fiscalização de trânsito de animais, que deverá estar estruturada e sincronizada com as equipes localizadas nas barreiras sanitárias para o controle e fiscalização desse trânsito de áreas que ainda não estão na condição de livre de vacinação da febre aftosa para ingresso no estado”, afirma o gerente.

De acordo com Araújo, para que o processo tenha bons resultados, é fundamental que todas as áreas do Idaf atuem unilateralmente, a exemplo das áreas de Educação Sanitária e Comunicação Social, tendo em vista que o Brasil pretende ampliar o mercado no comércio externo.

O coordenador do programa de sanidade suína do Idaf/AC, Danilo Mazzo, também fez parte da equipe que esteve em Santa Catarina para conhecer granjas modelos de criação de suínos daquela região. “Os principais exportadores de suínos estão naquele estado.”

idafffff

Governo inicia avaliação do Plano de Turismo de Base Comunitária do Croa

O ecoturismo é uma das vertentes da política de desenvolvimento sustentável do Acre, estado rico em biodiversidade, detentor de 87% de floresta preservada. O governo do Estado, por meio da Secretaria de Turismo e Lazer (Setul), tem estimulado o crescimento da atividade socioeconômica por meio dos planos de Turismo de Base Comunitária.

Nesta segunda-feira, 14, a equipe da Setul esteve na comunidade do Croa – região do Vale do Juruá – para realizar a avaliação do plano de turismo, construído no ano passado, com intuito de identificar avanços e desafios a serem superados.

“Estamos visitando os moradores, para aplicar o nosso questionário. Após essa avaliação, faremos uma nova oficina com a comunidade para apresentar os resultados e traçar os próximos passos”, destacou a secretária de Turismo, Rachel Moreira.

Com alto potencial de turismo de base comunitária, o Acre tem apostado no segmento como forma de desenvolver as localidades, gerando emprego e renda para os moradores da floresta. A atividade também resulta na conservação dos recursos naturais, uma vez que eles se apresentam como atrativos turísticos.

Recentemente, o estado sediou o Seminário Internacional de Turismo em Áreas Protegidas da Amazônia. O evento reuniu gestores do Brasil, Pan-Amazônia, Estados Unidos e Canadá, além de comunitários das unidades de conservação acreana.

Governo fortalece segurança pública com novas viaturas e equipamentos

Com a entrega de 15 novas viaturas e 79 coletes balísticos, o governo do Estado continua o processo de fortalecimento do Sistema Integrado de Segurança Pública do Acre (Sisp). A solenidade foi realizada nesta segunda-feira, 14. As camionetes serão entregues à Polícia Militar e ao Corpo de Bombeiros, já os coletes balísticos, ao Departamento da Polícia Técnico-Científica (DPTC).

Os equipamentos são a contrapartida do convênio firmado entre os governos estadual e federal em 2016, quando o Acre cedeu cerca de 220 policiais e bombeiros para atuarem na Força Nacional de Segurança Pública, durante as Olimpíadas sediadas pelo Brasil no Rio de Janeiro. O investimento na ordem de R$ 2 milhões é a última parte do pagamento da União correspondente à utilização de tropas acreanas.

“Esse ato simboliza o reconhecimento, valorização e desafio permanente das polícias e demais forças do Acre. O governo aplica mais de R$ 400 milhões por ano na segurança pública, pagando salários em dia e valorizando a tropa com reajustes, para assim fazermos o enfrentamento permanente contra a violência e a pressão do narcotráfico”, afirmou Tião Viana, informando também que nos próximos 40 dias serão entregues fardamentos para os policiais militares.

Segundo a Segurança Pública, desde o início do ano passado, o governo já entregou mais de 100 veículos e motocicletas, um investimento de mais de R$ 9 milhões. Outras 17 viaturas estão previstas para serem entregues ainda neste semestre.

Vanderlei Thomas Scherer, secretário de Segurança do Acre, ressaltou em sua fala a importância do compromisso dos policiais e bombeiros que fizeram parte da Força Nacional. “Essas viaturas são frutos do trabalho dos nossos policiais militares e bombeiros nas tropas federais, é a contrapartida do governo Federal. Elas contribuirão no combate dos crimes transfronteiriços, mas a União não está fazendo o seu apoio na proporção que deveria fazer”, declarou.

Já o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Marcos Kinpara, explicou que os equipamentos irão servir para ações tanto na capital acreana, como nos demais municípios. “Isso vai ajudar muito o trabalho da PM não só aqui em Rio Branco, mais no interior. Temos outros equipamentos que ainda virão, mais viaturas e mais motocicletas. Neste ano de 2018, a polícia vai ter um apoio muito grande em equipamentos”, frisou.

EADBC6AF F3D6 4D95 AFAD D1EA64EDE848
“Esse ato simboliza o reconhecimento, valorização e desafio permanente das polícias e demais forças de segurança do Acre”, disse Tião Viana – Foto/Sérgio Vale/Secom

Forças unidas

O Estado não tem medido esforços para combater a violência e os crimes de tráfico de drogas. Os investimentos e integração entre as forças do Sisp têm garantido uma diminuição de 20,93% dos casos de homicídios em todos os municípios do Acre.

Conforme a Análise Criminal, os primeiros quatro meses de 2018 comparados ao mesmo período de 2017 apresentam 36 homicídios a menos, na comparação dos dois quadrimestres. Além disso, seis cidades não registraram assassinatos este ano.

O combate ao tráfico de drogas tem sido um dos maiores desafios no enfrentamento à violência, só na região do Juruá, foram apreendidos mais de 100 quilos de entorpecentes, fruto de ações ostensivas e de inteligência em investigação. Na capital, a Polícia Civil totaliza a elucidação de 90% dos casos registrados nos últimos 40 dias, mostrando também o esforço para dar resposta aos homicídios em todo o estado.

{gallery}fotos/2018/05-maio/14052018/seguranca_publica:::0:0{/gallery}

Governo disponibiliza tratamento gratuito para crianças com baixa estatura

Ser chamada de baixinha pelos coleguinhas ou sempre ser a menor da turma durante os primeiros anos da vida escolar nunca foi problema ou causou incômodo para Maria Clara, isso até os 8 ou 9 anos de idade. Com o início da pré-adolescência, a baixa estatura começou a chamar atenção da família e da própria menina, que passou a ter uma percepção melhor de que sua altura não correspondia à idade.

“Às vezes é chato ficar falando que tenho uma idade e as pessoas ficam comentando que pareço ter bem menos. Por exemplo, quando estou com minhas colegas na hora do intervalo da escola, vem alguém e pergunta se estou adiantada na turma. Antes era legal, porque tinha alguns privilégios, como ser a primeira da fila para pegar o lanche na cantina ou sentar nas carteiras da frente”, conta Maria Clara.

Maria Clara tem hoje 11 anos, e há quatro meses, após a confirmação por exames e avaliação do endocrinologista, teve que iniciar o tratamento com o hormônio do crescimento, também chamado de GH ou somatropina. Inviável por meio particular, devido ao custo elevado, o que pouca gente sabe é que o tratamento é disponível e acessível na rede pública de saúde, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

“Já tinha colegas que faziam o tratamento e falavam sobre ter que tomar todo dia uma injeção. No início fiquei com um pouco de medo de doer, mas agora já me acostumei. A melhor parte é quando minha mãe vai medir minha altura e a marca na parede vai subindo um pouquinho a cada mês”, celebra Maria Clara, que guarda com carinho todos os frasquinhos vazios da medicação que tomou. Até agora já são 81 doses, desde que iniciou o tratamento.

O desafio da água

Ainda que os pais não sejam altos, a baixa estatura em relação à idade merece investigação. Pelo menos quando se quer ter certeza de que a saúde dos filhos vai bem. É o que pensa e o que motivou a jornalista Lane Valle, mãe da Maria Clara, a buscar ajuda profissional para saber se a filha estava ou não com algum problema que estivesse comprometendo seu crescimento.

“Claro que, em uma sociedade cheia de padrões, a gente acaba criando expectativas em relação a uma boa estatura dos filhos. Mas sabia que esse déficit no crescimento devido à deficiência hormonal poderia denunciar uma doença ou ocasionar problemas futuros para a vida dela, além do bullying na escola, na vida acadêmica e profissional”, analisa a mãe.

A preocupação em relação à baixa estatura da Maria Clara se intensificou quando, em consultas de rotina, o pediatra confirmou que a menina estava muito abaixo da linha na curva do crescimento e que certamente seria necessário fazer o uso do GH. A jornalista conta que ficou com receio de não conseguir o tratamento na rede pública ou mesmo ter dificuldades para ter acesso à medicação com rapidez.

01

Uma questão de saúde

“Fiquei apreensiva, sabia que se tratava de uma medicação muito cara e não tinha certeza se iria conseguir pelo Estado. Na verdade, achava até que não era disponível na rede pública. Assim que o endocrinologista disse que ela teria que fazer uso do GH, e que estávamos no limite para iniciar o tratamento em decorrência da idade, pensei que enfrentaria dificuldades para conseguir a medicação. Mas, para minha surpresa e alegria, um mês depois de dar entrada com o processo na Sesacre, o centro de medicamentos excepcionais me ligou para ir buscar o GH. Hoje, graças a Deus, já estamos caminhando para o quarto mês de tratamento e os resultados já são visíveis. Cada centímetro vale outro e é comemorado com muita alegria e gratidão”, exalta a mãe.

Assim como a mãe da Maria Clara, o tratamento oferecido pelo SUS não é muito conhecido pela população. No Acre, cerca de 60 crianças têm acesso ao GH pela rede pública. A medicação é retirada no Centro de Referência para o Programa de Medicamentos Excepcionais (Creme), vinculado à Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre).

A unidade funciona como estratégia da política de assistência farmacêutica, que tem por objetivo disponibilizar medicamentos para usuários do SUS para tratamento de doenças específicas, que atingem um número limitado de pacientes, os quais, na maioria das vezes, fazem uso desses remédios por períodos prolongados, com custos elevados individualmente.

Entre as patologias incluídas no programa estão insuficiência renal crônica, hepatite viral B, C e Delta, artrite, problemas de crescimento, profilaxia da reinfecção pelo vírus da hepatite B pós-transplante de fígado, esclerose múltipla e outras. Imunossupressores para pacientes transplantados também fazem parte da grade de medicamentos especializados do Estado.

“O tratamento com GH tem ganhado projeção entre a população, que anteriormente nem tinha noção que era disponível e que havia essa possibilidade de tratar via SUS”, destaca o endocrinologista Abraão Miranda. O médico, que atende no Hospital das Clínicas (HC), além da Maria Clara acompanha o tratamento de crescimento de outras vinte e cinco crianças. Ele explica como é feito o uso do GH e quando ele deve ser indicado.

“Quando a gente vai julgar que uma criança tem baixa estatura? A idade escolar é um bom referencial para detectar se há algum desnível de altura em relação aos colegas de classe. Partindo desse principio, deve-se procurar um especialista, não necessariamente um endócrino. Pode ser um pediatra ou um clínico do posto de saúde, que também tem acesso às curvas do crescimento e pode identificar por meio do gráfico se o paciente está abaixo do esperado. Ou seja, o que aparentemente era uma impressão pode se tornar uma confirmação por meio de exames e gráfico da estatura. A partir daí, inicia-se o acompanhamento da velocidade do crescimento, antes de indicar o uso de GH”, orienta o médico.

AH3K6267

Sobre o GH

O GH (do inglês growth hormone) é um hormônio de crescimento e está presente em todas as pessoas. Ele é produzido pela glândula hipófise, situada na base do crânio, e é muito importante para o crescimento desde os primeiros anos de vida. Quando é verificado que a criança não tem uma produção eficaz deste hormônio é que se indica o tratamento de reposição.

Até que idade pode ser feito o uso de GH?

Em geral, o tratamento pode ser feito até que se atinja a estatura final planejada. Em geral, isso não se baseia na idade cronológica, mas sim na idade óssea e na velocidade de crescimento que a criança está apresentando. “Quanto antes da puberdade o tratamento puder ser feito, melhor. Porque vamos ter mais tempo para tratar e conseguir atingir uma recuperação da estatura”, afirma o médico.

Como o tratamento é feito

O tratamento com GH é feito através de injeções diárias, aplicadas ao deitar, por via subcutânea (isto é, na gordura) nas coxas, braços, nádegas ou abdome. Não existem preparações em formas de comprimidos, sprays, supositórios ou adesivos.

Entretanto, nunca é demais lembrar que o fermento da criança são os cuidados diários com a saúde. Então, invista em uma boa alimentação, uma rotina saudável de sono e exercícios físicos, além, é claro, do acompanhamento pediátrico durante toda a infância.

Articulação do governo do Acre assegura elevação de trechos da BR-364

Por intermédio do governo do Acre, que articulou junto aos órgãos federais ações preventivas e mitigadoras de danos causados na BR-364, devido à enchente do Rio Madeira, o Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (Dnit) aprovou o projeto de elevação da rodovia, nos trechos críticos afetados pela cheia de 2014.

O projeto de elevação da estrada é de responsabilidade da Energia Sustentável do Brasil (ESBR) – empresa que administra a Hidrelétrica de Jirau. O Dnit autorizou o alteamento de 13,15 quilômetros, em até 2,5 metros em determinados trechos.

Em 2014, o Acre viveu uma situação atípica de isolamento, devido à enchente do Rio Madeira que afetou a trafegabilidade da BR-364 – principal via de abastecimento do estado. Desde então, o governador Tião Viana encampou luta para assegurar melhorias na rodovia, a fim de evitar quaisquer riscos sociais e econômicos.

“A aprovação do projeto de alteamento da BR-364 é resultado da capacidade de articulação do governo do Acre, liderado pelo governador Tião Viana e sua vice, Nazareth Araújo. Demonstra ainda o compromisso do Estado com a população”, salientou o procurador do Estado do Acre em Brasília, Armando Melo.

A efetiva articulação política do governo do Acre resultou também na criação do Comitê Nacional de Crise da Bacia do Rio Madeira – instrumento de monitoramento dos extremos climáticos do país e das hidrelétricas que atuam na região – em janeiro deste ano.

O comitê reúne órgãos federais, acreanos e rondonienses. “A Agência Nacional de Águas havia feito a proposta de instalação do comitê, que foi implementado graças a contribuição do Acre, que endossou a importância do pedido junto ao governo federal”, explica a diretora técnica do Instituto de Mudanças Climáticas do Acre, Vera Reis.

Governo do Acre implanta novo sistema para elaboração de documento e ofícios

Com a proposta de oferecer mais agilidade, economia e modernização na digitalização dos processos e facilidade na elaboração e despachos desses documentos, o governo do Estado, por meio da Secretaria da Gestão Administrativa (SGA), implantou o Sistema Eletrônico de Informações (SEI). Na manhã desta terça-feira, 9, técnicos da SGA receberam treinamento visando o manuseio da nova ferramenta.

O sistema é um software que conta com parte inferior do formulário interface amigável e práticas inovadoras de trabalho, tendo como principais características a libertação do paradigma do papel como suporte físico para documentos institucionais.

De acordo com a secretária da Gestão Administrativa, Sawana Carvalho, o SEI, além de digitalizar todos os documentos da gestão, possibilita o compartilhamento do conhecimento com atualização e comunicação de novos eventos em tempo real.

“Essa ferramenta nos permite economizar aproximadamente um milhão de reais somente em 2018. Apesar de atravessarmos uma crise financeira em todo o país, buscamos entre várias soluções economizar o dinheiro público, e a implantação deste sistema é uma delas”, explicou a secretária.

Para o técnico da SGA Luan Sarquis, hoje o SEI foi apresentado a cerca de 20 técnicos do órgão que fazem o trabalho de manuseio, como abertura de processos, memorandos e outros serviços, pois se trata de um portal que cria a Identidade Digital do SEI e estabelece um eficiente canal de comunicação com seus utilizadores.

“Neste primeiro momento, o SEI funcionará na SGA, Secretaria de Planejamento (Seplan) e Controladoria-Geral do Estado (CGE) como projeto piloto, mas a ideia é de que até o fim do ano toda a máquina pública seja atualizada com a nova ferramenta”, destacou Sarquis.

O SEI tem como uma das vantagens, além da inovação tecnológica, fazendo parte da modernização da gestão pública do Acre, o sistema é economicamente viável e também uma forma de transparência administrativa, com o compartilhamento do conhecimento produzido e a sustentabilidade.

Meirelles nega que governo tenha intenção de recriar CPMF

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, negou hoje (22) que o governo tenha a intenção de recriar a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) como uma das medidas da reforma tributária. Ontem (21), o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy, disse que a CPMF poderia ser recriada para substituir o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), sem aumento da carga.

Segundo Meirelles, o governo pretende chegar a um acordo com o Congresso para aprovação da reforma tributária até o fim do ano. “No momento certo, vamos trazer um projeto conjunto do Executivo e do Legislativo, que possa ser aprovado no Congresso Nacional e que possa, de fato, melhorar a tributação no Brasil”, disse, após mencionar que o tema está sendo discutido em uma comissão especial na Câmara dos Deputados.

Depois de participar de um almoço promovido pelo banco BTG Pactual, Meirelles também comentou o projeto de recuperação fiscal dos estados. “[É] o justo e o correto para resolver a situação fiscal do Rio Janeiro, em um primeiro momento; do Rio Grande do Sul, em um segundo momento; ou de outros estados que venham se encontrar nessa situação. Acreditamos que os parlamentares vão olhar isso com muita seriedade.”

Para o ministro da Fazenda, a não aprovação da proposta feita pelo governo no ano passado atrasou o processo de recuperação do Rio de Janeiro. “O efeito de não ter sido aprovado no ano passado mostrou que o resultado disso foi que a situação no Rio de Janeiro não pode ser resolvida”, acrescentou.

A proposta enviada pelo governo ao Congresso no ano passado, previa que os estados em situação mais calamitosa que aderissem ao regime de recuperação fiscal teriam uma moratória de 36 meses no pagamento da dívida. Em troca, a União queria que os estados promovessem o aumento da contribuição previdenciária dos servidores, suspendessem aumentos salariais e a realização de concursos públicos, privatizassem empresas e reduzissem incentivos tributários. Todas essas contrapartidas foram derrubadas pelos deputados. Tramita, agora, na Câmara, uma nova proposta que mantém as exigências aos estados que serão beneficiados.

Fim da recessão

Meirelles voltou a dizer que a economia brasileira apresenta sinais nítidos de recuperação da crise. “Nós vemos indicadores importantes de que a atividade econômica está reagindo. Alguns itens, inclusive o consumo de energia, já começaram a reagir”, disse ao citar ainda o aumento do fluxo de transporte de carga nas estradas. “O ajuste fiscal colabora muito para esse processo”, acrescentou.

Sobre a inflação, o ministro disse que a expectativa é que os índices encerrem 2017 próximos ao centro da meta, de 4,5%.

Governo lança edital voltado a pesquisas relacionadas ao bambu

O governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Acre (Fapac), lançou na última sexta-feira, 10, edital que vai contemplar seis pesquisas relacionadas ao bambu com o valor de até R$ 31.600 para cada proposta aprovada.

O edital é parte do convênio voltado ao Centro Vocacional Tecnológico do Bambu, o CVT Bambu, celebrado entre Ministério da Ciência e Tecnologia e governo do Acre, sob execução da Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Sect), Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac) e Fapac.

Esta seleção está relacionada ao Programa de Apoio a Pesquisas Estratégicas e tem o objetivo de fortalecer a cadeia do bambu no Acre, com a ampliação de conhecimento de pelo menos 13 áreas específicas sobre as espécies, como manejo, tratamento químico, desenvolvimento de insumos e cosméticos, entre outras.

Os pesquisadores devem atentar-se para as regras previstas no edital. Vale destacar que precisam ter titulação mínima de mestrado. As inscrições poderão ser realizadas até o dia 10 de abril, pelo site www.sig.fapac.ac.gov.br.

De acordo com o cronograma estabelecido, o resultado preliminar deve ser divulgado em 12 de maio e o fim, no dia 26 do mesmo mês. A contratação das propostas se dará a partir de 6 de junho.

Os interessados em mais informações podem acessar o edital ou entrar em contato pelo telefone (68) 3213-3161.

Governo…

O presidente da Aleac, deputado Ney Amorim assumiu o governo do Estado novamente na tarde de ontem. Ele cumpriu agendas no gabinete. Essa é a segunda vez, este ano, que Ney assume o governo interinamente.

Visita…

Tão logo chegou ao gabinete, Ney recebeu a visita dos vereadores Manuel Marcos, presidente da Câmara, Jakson Ramos, José Carlos, Euzinha Mendonça e Raimundo Neném. Eles conversaram sobre assuntos importantes e pactuaram ações em conjunto.

Visita…

O prefeito Marcus Alexandre vistoriou ontem a obra do Mercado Francisco Marinheiro, na Estação Experimental. O serviço inclui melhorias nas instalações elétricas, hidrossanitárias e obras de drenagem.

Benefício…

Seguindo as normas da Vigilância Sanitária, na parte interna, além da pintura, os boxes terão piso e revestimentos novos. Os banheiros serão ampliados e novos, com acessibilidade padrão para pessoas com deficiência e idosos, serão instalados.

Forte…

Mesmo sem dizer uma palavra sobre uma possível candidatura ao Senado, o presidente da Aleac, deputado Ney Amorim, é o político mais falado na atualidade. Há quem diga que Ney vem sendo sondado até mesmo por partidos da oposição.

Louvável

Louvável a ideia do deputado Heitor Júnior (PDT) que pede a extinção do Dia do Evangélico e do Dia do Católico. Poderia ser criado um dia que beneficiasse todas as religiões, assim agradaria a todos e não apenas dois segmentos.

Sensato

Sensata a explicação do deputado Daniel Zen (PT) em relação a postagem de Cristovam Pontes. Para Zen, foi uma publicação ‘infeliz’. Na verdade, Cristovam pisou na bola e criou um atrito desnecessário com os deputados estaduais, o que lhe pode custar caro.

Mães reclamam da falta de apoio do governo às crianças com microcefalia

Sem acesso a medicamentos, exames especializados e tecnologias necessárias para o desenvolvimento de seus filhos, famílias cujos bebês nasceram com a Síndrome Congênita do Zika em Pernambuco observam as crianças desenvolverem novas complicações de saúde à medida que vão crescendo. A resposta do poder público, segundo as mães, não chegam na mesma velocidade.

As famílias estiveram em uma audiência pública feita nesta sexta-feira (10) pelo Ministério Público Federal (MPF) em Pernambuco para discutir políticas públicas relacionadas à epidemia do Zika Vírus e a Síndrome Congênita do Zika. O evento é um desdobramento de um procedimento administrativo instaurado pelo MPF para apurar o aumento dos casos de microcefalia no país, especialmente em Pernambuco. Em entrevistas à Agência Brasil, elas relatam novos sintomas e reclamam da falta de apoio do Estado.

Um problema de saúde observado com mais frequência é a dificuldade dos bebês de engolirem alimentos – a capacidade de deglutição – . Várias relatam que, embora tenham amamentado normalmente ou com alguma dificuldade, seus filhos regrediram e não conseguem mais levar o leite até o estômago. Para nutrir as crianças é preciso instalar uma sonda por meio do nariz ou, em alguns casos, fazer uma gastrostomia para que elas recebam nutrientes com a ajuda de um sistema instalado na barriga.

Luhandra Vitória Batista da Silva, de um ano e três meses, foi diagnosticada com Disfagia grave e precisou da gastrostomia. A operação foi feita pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas os custos relacionados são altos, e a mãe Jusikelly Severino da Silva, 33 anos, afirma que não consegue os insumos necessários na rede pública. Na mochila do bebê ela carregava uma pasta com exames e documentos que atestavam a busca, por meses, dos recipientes e o leite especial para alimentação da menina.

Entre os papéis está uma declaração, de 9 de fevereiro, de que a farmácia do Centro de Saúde Bidu Krause solicitou, no dia 17 de novembro do ano passado, o fornecimento do leite tipo “Fortinni”, mas não houve retorno. O documento também atesta a falta de frasco e equipo para a alimentação, via sonda localizada na barriga. A assinatura é da gerente adminstrativa Maria Marilúcia do Nascimento.

Procedimentos cirúrgicos

Jusikelly faz os cálculos dos gastos com estes elementos a pedido da reportagem. “Uma lata de leite é R$ 48,50, mas são 19 que ela toma por mês. O equipo é R$ 1,90, e ela usa 30 por mês. E o frasco de alimentação é R$ 1, e são 210 no período”, enumera. A moradora do bairro de Teijipió, divisa entre Jaboatão dos Guararapes e Recife, também informa que um equipamento chamado botton, necessário em um futuro próximo para que Luahndra continue a se alimentar, custa R$ 2 mil e não é fornecido pelo SUS.

Outras mães sequer conseguem saber se as filhas precisam fazer a operação. Gleyse Kelly Cavalcante, 28 anos, é vice-presidente da União de Mães de Anjos (Uma), uma organização criada pelas próprias mulheres a partir da troca de informações em redes sociais. Hoje são mais de 400 famílias atendidas, segundo a jovem, com assistência jurídica e na busca por doações de fraldas e leite como o prescrito para a filha de Jusikelly.

Urgência fora de hora

Um fantasma ronda a cabeça da cúpula política nacional: o fantasma da Lava Jato. Para afastá-lo não basta o crescente consumo de ansiolíticos que toma conta da Praça dos Três Poderes e de vários palácios de governo nos estados. Os que se julgam vulneráveis pela apuração do conluio público-privado – que costura o capitalismo de laços do Brasil – buscam modos e meios de sobreviver ao tsunami que se avizinha.

A primeira votação da abertura do ano legislativo da Câmara foi um exemplo disso. E do abismo, que se aprofunda, entre o Parlamento e a sociedade. Por 314 votos contra apenas 17, aprovou-se a urgência para a apreciação do Projeto de Lei 4.424/16, do deputado (e atual Ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil) Maurício Quintella (PR/AL). Ele, se aprovado, vai alterar a Lei dos Partidos Políticos (9.096/95) e:

– dar ao partido “autonomia” (vale dizer, redução de controle externo) na gestão financeira de seus recursos;

– possibilitar que órgãos de direção de caráter provisório possam ter vigência por indeterminado;

– assegurar que o órgão de direção partidária que não prestar contas, omitir dados (caixa dois) ou as tiver rejeitadas não tenha seu registro suspenso;

– garantir que eventual sanção a órgãos partidários relacionada às contas não lhes trará qualquer óbice ao regular funcionamento partidário ou eleitoral;

– revogar o dispositivo que confere ao Tribunal Superior Eleitoral a competência para expedir instruções

Sobre o inusitado instituto de uma comissão partidária provisória existir por tempo indeterminado, tornando-a permanente, cria-se uma espécie de feudalismo: o órgão partidário hierarquicamente superior que fez a nomeação, fiador da existência da instância em formação, fica com a garantia de que, a qualquer momento, poderá nomear outra comissão provisória. Ou eternizá-la, desde que lhe seja fiel: é a reiteração do velho caciquismo. Esse processo é antidemocrático, pois a cúpula dirigente passa a ser a única força efetiva da agremiação – como, aliás, já acontece em muitos partidos políticos brasileiros.

A ausência de sanções aos órgãos de direção partidária que não prestarem contas ou as tiverem reprovadas contraria a transparência que se exige dos partidos políticos, por sua responsabilidade pública.

A retirada da competência do TSE para expedir instruções regulamentares da Lei, busca, objetivamente, reduzir prerrogativas da própria Justiça Eleitoral, que representa o controle social sobre entidades que recebem recursos públicos do Fundo Partidário. Retirar essa competência normativa do TSE não é o caminho para tolher eventuais “invasões” legislativas por ele cometidas.

Aliás, o que há em excesso no projeto é a menção à expressão interna corporis, com claro intuito de se criar uma ampla margem para que os partidos não se submetam ao controle da sociedade e seus dirigentes sejam os únicos juízes de si mesmos. Ao reduzir o elenco de sanções a partidos, o projeto dá escopo legal a uma prática recorrente: quando flagrado em prática criminosa, a direção partidária faz “cara de paisagem”, deixando a responsabilidade pelo delito como de responsabilidade individual de sua figura pública. Algumas direções sequer emitem notas afastando seu filiado, simplesmente silenciando sobre o problema. Não se tem notícia, por exemplo, de que o PMDB afastou seus figurões presos, como Cunha e Cabral.

A articulação suprapartidária, a que só o PSOL se opôs, se inscreve numa “Operação Mela Jato” em ascensão, que se evidencia em um conjunto de iniciativas para segurar as investigações justo no momento em que elas chegam ao ápice: a responsabilização criminal de poderosos setores empresariais e agentes públicos, do governo atual e do anterior, da oposição e da situação de ontem e de agora.

Felizmente a cidadania ativa e a imprensa independente e crítica reagiram a mais essa manobra protecionista da casta. As resistências ao PL crescem. Quem trama pela manutenção do sistema político-partidário em derretimento com iniciativas desse tipo parece não perceber os perigos de se fazer um piquenique à beira do vulcão…

Chico Alencar é formado na Juventude Estudantil Católica, participou ativamente do movimento comunitário do Rio de Janeiro nos anos 80. Professor de Prática do Ensino de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), é autor de 25 livros. Foi vereador e deputado estadual pelo PT. Está em seu terceiro mandato na Câmara dos Deputados (Psol-RJ). No pleito de 2010, foi o segundo deputado federal mais votado do estado, com 240.724 votos

Campanha é lançada para ajudar famílias afetadas pelas cheias

O Rio Juruá atingiu a cota histórica de 14, 24 metros, no último dia 2 de fevereiro, onde pelo menos 553 famílias foram removidas de suas casas só em Cruzeiro do Sul. Agora, com a vazante que começa a acontecer lentamente todo apoio e suporte é necessário para amenizar o sofrimentos de quem foi atingido.

Para ofertar apoio as vitimas, o movimento Acre Solidário, coordenado pela primeira-dama do Estado, Marlúcia Cândida, lança nesta quinta-feira, 9, a campanha “SOS enchente Juruá”.

A ação é feita em parceria com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio), do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac), por meio do projeto Anime Indústria da Alegria e do governo do Estado.

Toda a logística da campanha será apresentada durante o lançamento. Para quem deseja ajudar basta ficar atento as orientações que serão repassadas logo após o ato.

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, a vazante está dentro do esperado e deve continuar assim. Na medição das 6 horas de ontem, o nível do Rio era de 13,02 metros.

No governo Ney Amorim discute projetos com secretários, deputados e lideranças

O presidente da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Ney Amorim, assumiu o governo do Estado por dois dias (7 e 8) e cumpriu extensa agenda de reuniões com secretários, parlamentares, lideranças políticas e assessores do governo. Na pauta, projetos e ações desenvolvidas na Capital e no interior.

“É sempre uma alegria, mas ao mesmo tempo uma grande responsabilidade assumir o governo do meu Estado. Aproveitei o dia para me reunir com secretários, assessores e parlamentares, discutindo projetos e ações importantes para nossa população. O governador Tião Viana tem feito um excelente trabalho e precisamos unir forças pelo nosso Acre”, afirmou.

O governador em exercício destacou o programa “Quer Ler” e a oferta de escolas em tempo integral, pela secretaria de Educação, lembrando que são projetos importantes que asseguram a inclusão social e garantem oportunidade para milhares de acreanos. Ney Amorim fez questão de parabenizar o secretário Marco Brandão pelo trabalho que vem realizando.

Ele também fez questão de elogiar as ações desenvolvidas pela Sesacre, que garantem melhorias nas Unidades de Saúde da Capital e do interior. “O secretário Gemil Júnior tem feito uma gestão com muita responsabilidade e compromisso. Nos próximos dias, ele estará entregando novos equipamentos no Juruá. Com isso nossa população terá um atendimento de mais qualidade”, disse.

Ainda no gabinete de governo, Ney Amorim se reuniu com o secretário de Pequenos Negócios, Henry Nogueira e com o comandante do Corpo de Bombeiros de Cruzeiro do Sul, coronel Marcelo Araújo. Ele também se reuniu com o prefeito de Porto Acre, Bené Damasceno, com o secretário de Indústria e Comércio, Sibá Machado e com o conselheiro do Tribunal de Contas, Ronald Polanco.

Nos dois dias em que ocupou o governo do Estado, Ney Amorim realizou várias reuniões, discutindo projetos que estão em andamento ou que ainda serão colocados em práticas nos próximos dias, que influenciam diretamente na melhoria de vida da população acreana.

governo02

Poeta acreano homenageia Ney Amorim em livro

Alessandro Borges tem 39 anos e já publicou quatro livros de poesia. Nesta quarta-feira, 8, o poeta esteve na Casa Civil para presentear o governador em exercício, Ney Amorim, com a quinta obra de sua autoria, o livro “Minha Cidade em Versos”.

O exemplar, que será lançado em breve, retrata os avanços sociais e culturais de Rio Branco e homenageia algumas pessoas da estima do autor, entre eles o deputado estadual Amorim, que foi seu vizinho no bairro Baixada do Sol, na capital acreana.

“Decidi homenageá-lo pela historicidade de vida dele. Um garoto que surgiu da Baixada, simples, humilde e pobre, que estudou e com muito esforço conseguiu chegar aonde está hoje”, explicou Alessandro.

O livro também agracia outras personalidades acreanas, como o prefeito de Rio Branco, Marcus Alexandre, e a presidente da Fundação de Cultura Elias Mansour (FEM), Karla Martins.

Ney Amorim se disse honrado pela homenagem e destacou o trabalho do escritor. “O Alessandro me viu crescer, e é muito gratificante receber este carinho dele, que é o nosso poeta da Baixada. As pessoas costumam alimentar uma espécie de preconceito com os moradores de lá, mas o Alessandro, como tantos outros, é reflexo das conquistas do povo do Acre”, ponderou.

O pré-lançamento de “Minha Cidade em Versos” será realizado nesta sexta-feira, 10, na Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur), localizada na Estrada da Sobral, 70, bairro Sobral, em Rio Branco.

Governo vai investir R$ 80 milhões na produção familiar em todo o Estado

Foto: Secom

ASecretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) deu início na noite desta quinta-feira, 2, à apresentação do planejamento de investimentos para o ano de 2017 em todo o estado do Acre. O primeiro município a conhecer os programas e o montante de recursos disponibilizados para as ações de fortalecimento da produção rural familiar foi Assis Brasil, distante cerca de 330 quilômetros de Rio Branco.

E pelo que foi apresentado, o ano será de crescimento da produção e na melhoria na qualidade de vida dos produtores rurais daquela região.

Somente em Assis Brasil, o governo irá investir R$ 3,5 milhões ao longo de 2017 no setor da produção familiar, com uma expectativa de beneficiar 527 famílias de produtores rurais. Em todo o estado, serão investidos mais de R$ 80 milhões neste ano em produção familiar.

Os investimentos contemplam as cadeias produtivas da borracha, piscicultura, castanha, fruticultura, Programa de Aquisição de Alimentos, extensão indígena e hortaliças.

Só na cadeia produtiva da borracha, por exemplo, serão investidos mais de R$ 1,5 milhão em mecanização e distribuição de mudas, pagamento de subvenção, distribuição de kits para a produção da Folha Defumada Líquida (FDL), na construção de uma unidade de secagem e processamento e na capacitação de sangria de seringueiras.

Thaumaturgo Neto, gestor da Seaprof, lembrou que o considerável volume de recursos para o município é fruto de um esforço do governo para fortalecer o setor da produção familiar. “Graças ao nosso governador que trabalhou para que tivéssemos a condição de fazer esses investimentos estamos aqui apresentando esses recursos aos nossos profissionais, que são os responsáveis por fazer esses programas chegarem até os produtores”.

A intenção da Seaprof é trabalhar em parceria com as prefeituras. O secretário de Agricultura de Assis Brasil, Arquileudo Matias, participou da apresentação dos investimentos. “Trabalhamos com o mesmo público-alvo que são os produtores. Nada mais certo que trabalhemos em conjunto para fortalecer a nossa produção rural”, afirmou.

Investimento em todo o estado supera os R$ 80 milhões

As boas notícias não se restringem ao município de Assis Brasil. A meta de investimentos para o ano de 2017 em todo o estado supera os R$ 80 milhões, alcançando mais de 15 mil famílias de produtores rurais.

O deputado Lourival Marques, que já foi secretário titular da Seaprof em duas oportunidades, afirmou que a união no setor produtivo vai ser o diferencial para no setor. “Com a união dos sindicatos, cooperativas, prefeituras e associações vamos alcançar bons resultados e beneficiar nossos produtores”.

O planejamento de investimentos continua nesta sexta-feira, 3, em Brasileia, Epitaciolândia, Xapuri e Capixaba.

Tião Viana leva solidariedade a famílias desabrigadas

Foto: Sérgio Vale/Secom

O governador Tião Viana se dirigiu para Cruzeiro do Sul nesta sexta-feira, 3, para acompanhar a situação da cheia do Rio Juruá, a maior registrada nos últimos 22 anos. No início do dia, o rio marcou 14,22 metros, apresentando uma vazante de dois centímetros em relação à noite anterior. Atualmente, mais de 3.500 pessoas já foram atingidas pela alagação em Cruzeiro do Sul.

O governo do Acre tem estado presente desde o início da cheia, com ações de apoio às vítimas, por meio do Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e serviços de atendimento médico. O governador aproveitou para realizar uma vistoria de barco pelas comunidades mais atingidas pela cheia, principalmente famílias ribeirinhas que não desejaram sair de suas casas, mas que estão sendo monitoradas.

“Estamos diante de uma das maiores cheias da história do Rio Juruá. São muitas famílias que estão desalojadas e ribeirinhos que perderam suas plantações e criações de animais. Povos indígenas também foram fortemente prejudicados. Mas estamos presentes desde o início da alagação e estaremos muito além, quando ela terminar”, disse Tião Viana.

O abrigo da cidade também foi visitado pelo governador. Atualmente, cerca de 109 famílias residem no local. O prefeito Ilderlei Cordeiro disse que 300 pessoas estão trabalhando diretamente no espaço e agradeceu a parceria com o governo do Estado.

“A união está dando resultados para que a gente possa atender todo esse povo. Parabéns ao governo do Estado, que tem nos ajudado muito com a equipe técnica do Corpo de Bombeiros, que tem dado a resposta necessária. O governo federal já reconheceu a situação de emergência e agora esperamos mais recursos para apoiar a população”, conta o prefeito.

Diante da crise, todas as instituições têm se unido para apoiar as vítimas da cheia. Além do governo do Estado em parceria com a Prefeitura de Cruzeiro do Sul, o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, estará visitando a região também nesta sexta.

O líder da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Ney Amorim, também esteve presente e reforçou o compromisso da instituição neste momento: “Estamos realizando uma verdadeira união de esforços por Cruzeiro do Sul. Mobilizamos os 24 deputados estaduais e já temos toda a equipe da Aleac cuidando de arrecadação de alimentos, colchões e água para os desabrigados”.

Governo do Acre e Ministro da Integração anunciam R$ 4 milhões para apoio a Cruzeiro do Sul na alagação

Foto: Secom

Sofrendo atualmente a maior alagação já registrada nas últimas duas décadas, Cruzeiro do Sul teve seu decreto de emergência reconhecido pelo governo federal. O governador Tião Viana e o ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, visitaram a cidade nesta sexta-feira, 3, e anunciaram um apoio de R$ 4 milhões em recursos federais para a cidade.

O montante será utilizado principalmente no apoio às vítimas da cheia que estão nos abrigos, além da aquisição de alimentos, colchões e kits de higiene para as famílias quando retornarem para suas casas.

Nesta sexta, o Rio Juruá apresentou uma pequena vazante de quatro centímetros, registrando 14,20 metros. Mais de 3.500 pessoas estão desabrigadas devido à cheia. Governo do Estado e prefeitura têm unido esforços no apoio à população afetada.

“A união de todos está presente aqui. Prefeitura, governo do Estado, governo federal, toda a bancada federal e toda a bancada estadual. O governo está cuidado da parte técnica, com o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil, a prefeitura, da parte operacional e o governo federal trazendo essa ajuda complementar de R$ 4 milhões”, disse o governador Tião Viana.

Todas as esferas unidas

Gestores de todas as esferas do Executivo e Legislativo acreano estiveram presentes em Cruzeiro do Sul durante a visita do ministro Helder Barbalho, entre deputados e senadores.

Eles fizeram sobrevoos para visualizar os estragos da cheia do Rio Juruá e visitaram os abrigos, que já receberam mais de 100 famílias vítimas da alagação.

“Hoje reconhecemos a situação de emergência em Cruzeiro do Sul e já disponibilizamos um montante para buscar minimizar as dificuldades que esta população tem enfrentado, e passaremos a garantir a recuperação das áreas atingidas”, declarou o ministro.

O prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, agradeceu os esforços conjuntos do governo estadual e federal junto à cidade e se prepara para enviar ao governo federal um plano de recuperação das áreas atingidas, para buscar mais recursos após a cheia.

“Eu também agradeço muito à coordenadoria da Defesa Civil estadual e ao governador Tião Viana, que tem trazido, junto com sua equipe, este auxílio para nós”, agradece o prefeito.

Outras cidades alagadas

O ministro da Integração e o governador Tião Viana ainda visitaram Tarauacá. A cidade sofreu uma grande alagação na última semana, mas seu rio apresentou uma vazante considerável desde a última quarta-feira, 1, com o fim da invasão das águas em todo o perímetro urbano.

Helder Barbalho informou que cidades como Tarauacá, Rodrigues Alves e Mâncio Lima, que também estão sofrendo com a cheia de seus rios, devem enviar decretos de emergência para o Ministério da Integração e a Defesa Civil Nacional em busca do apoio federal.