Governos do Acre e de Rondônia assinam protocolo de intenções para fortalecer o agronegócio

Gladson Cameli afirma que os dois estados estão alinhados, e que chegou o momento de abrir o Acre para o desenvolvimento

O governador Gladson Cameli garantiu mais um importante passo para transformar o Acre em um grande celeiro do agronegócio. Nesta segunda-feira, 11, os Governos do Acre e Rondônia assinaram um protocolo de intenções para fortalecer o desenvolvimento da agricultura e da pecuária dos dois estados.

Para o gestor acreano, chegou o tempo de abrir o estado para o progresso, sobretudo, na área da produção rural em larga escala. Cameli acredita que a salvação econômica que o Acre precisa virá do campo.

“Os Governos do Acre e Rondônia estão muito alinhados em suas políticas de desenvolvimento. Queremos que o Acre produza soja, arroz, feijão e tudo aquilo que for possível para aquecer a nossa economia e eu estou apostando muito no agronegócio”, enfatizou o governador Gladson Cameli.

O termo também foi assinado pelo vice-governador de Rondônia, José Jordan, pelo secretário de Estado de Produção e Agronegócio do Acre, Paulo Wadt, e pelo secretário de Estado de Agricultura de Rondônia, Evandro Padovani, em cerimônia realizada no auditório da Secretaria da Fazenda, em Rio Branco.

A ação já é resultado da visita que o gestor acreano fez, em janeiro deste ano, ao estado vizinho. Gladson Cameli não tem medido esforços para colocar em prática seu arrojado Plano de Governo no que diz respeito ao setor de Agronegócio. Durante seu discurso, o governador determinou que entraves burocráticos não vão impedir que o Acre se desenvolva.

soja

“Não podemos aceitar que produtores sejam multados porque querem plantar, pelo contrário, temos mais é que incentivar. O Estado tem que parar de ser o grande empregador, por isso, vamos dar as garantias necessárias para que a iniciativa privada se instale com segurança e comece a gerar emprego e renda para o nosso povo”, pontuou.

No documento, foram formalizados acordos de cooperação e ações que visam fortalecer a cadeia produtiva dos estados vizinhos.Entre elas, a produção de grãos, pecuária de corte e do leite, avicultura, cafeicultura e piscicultura. Bem como a qualificação e assistência técnica aos agricultores, a integração e otimização das políticas públicas de infraestrutura logística, tributárias e ambientais.

Segundo o vice-governador de Rondônia, José Jordan, a união dos dois estados é o início de um novo tempo de prosperidade. Já que os acordos firmados são a garantia de que é possível crescer economicamente por meio de parcerias.

“Estamos muito animados e vamos incentivar e fazer tudo que é preciso para realizar o alinhamento na tributação para que não haja concorrência entre os dois estados. Temos uma condição ímpar em governos alinhados com o desenvolvimento e com a desburocratização”, ressaltou.

Nos próximos dois dias, uma comitiva de empresários e autoridades rondonienses liderada por José Jordan vai conhecer as experiências agrícolas desenvolvidas no Acre. Ainda nesta segunda-feira, será realizada uma visita ao Complexo de Piscicultura Peixes da Amazônia. Na terça-feira, 12, será a vez de conhecer plantações de café nos municípios de Acrelândia e Plácido de Castro.

Seminário discute fortalecimento de agroindústrias do Acre

Definir estratégias para consolidar a cadeia de produtos como açaí, castanha-do-brasil, borracha e óleos. Essa é uma das metas do Seminário da Agricultura Familiar e Sociobiodiversidade do Acre, que será realizado entre os dias 3 e 5 de dezembro, no Villa Rio Branco Hotel Concept, na capital acreana. Com o tema desafios e oportunidades da agroindustrialização e inspeção sanitária, a atividade vai reunir cerca de 150 participantes, entre gestores e técnicos de instituições da cadeia agroindustrial, extrativistas, extensionistas, pesquisadores e estudantes de áreas correlatas.

O evento é uma realização da Câmara de Comercialização da Sociobiodiversidade e da Produção Familiar do Acre e conta com o patrocínio do Projeto Mercados Verdes e Consumo Sustentável, uma parceria entre a Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ) e a Secretaria Especial de Agricultura Familiar do Desenvolvimento Agrário (Sead). A Embrapa Acre integra e apoia o evento, por meio do projeto “Qualidade da matéria prima, do processamento de açaí e café e gestão de agroindústrias familiares do Acre – Fortalece”, iniciado em 2017 e que desenvolve ações com foco no fortalecimento de empreendimentos familiares no Acre.

A analista Dorila Gonzaga, líder do projeto, explica que um dos principais objetivos do Seminário é discutir a necessidade de adequação da legislação sanitária à realidade da agricultura familiar e de povos e comunidades tradicionais do Acre, tema que também tem sido contemplado pelo projeto Fortalece, em ações conjuntas com agentes da vigilância sanitária e de instituições que apoiam a produção extrativista. “Essa é uma questão fundamental para a economia do estado. Com a agregação de valor dos produtos da biodiversidade e a formalização das agroindústrias, haverá um incremento no desenvolvimento regional e na renda das propriedades familiares. Esse cenário estimulará a organização da produção agroextrativista, assim como a valorização dos produtos florestais”, afirma.

De acordo com Jarlene Gomes, coordenadora da representação do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam) no Acre, a maioria das exigências sanitárias é inadequada à produção em pequena escala e cria dificuldades para a atividade agroindustrial nos empreendimentos da agricultura familiar. “É primordial que se discuta uma legislação que tenha procedimentos mais simples e que seja acessível à pequena produção”, salienta.

Com essa finalidade, técnicos do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Acre (Idaf) estão trabalhando em uma legislação estadual que atenda à segurança sanitária e que ofereça viabilidade aos pequenos produtores, de modo a estimular o registro e a formalização das agroindústrias como alternativas de promoção de acesso aos mercados. “O evento irá proporcionar a apresentação e um debate saudável sobre o Projeto de Lei Estadual de Produtos Artesanais de Origem Vegetal e Animal. Sabemos que a questão sanitária é um gargalo da cadeia e com a aprovação da legislação todos iremos ganhar”, comenta Ligiane Lopes, gerente de inspeção de produtos de origem vegetal do Idaf.

Além da Embrapa, do Ipam e do Idaf, o Seminário tem o apoio da WWF-Brasil, Sebrae Acre, Secretaria de Estado de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof), Secretaria de Desenvolvimento Florestal (Sedens), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e From Amazônia. (Fabiano Estanislau ASCOM/Embrapa Acre)

Serviço

“Seminário da Agricultura Familiar e Sociobiodiversidade do Acre: desafios e oportunidades da agroindustrialização e inspeção sanitária”.

Data: 3, 4 e 5 de dezembro de 2018

Local: Villa Rio Branco Hotel Concept – Rua Cunha Matos, 393 – Seis de Agosto – Rio Branco/Acre

Inscrições: https://www.sympla.com.br/seminario-da-agricultura-familiar-e-sociobiodiversidade-do-acre__397663

Informações: (68) 3212-3262 / acre.eventos@embrapa.br

Entrada Franca

Senador Jorge Viana trabalha para o fortalecimento do setor produtivo no País

Jorge Viana acredita que atualização do Código Florestal trouxe avanços ao setor. Logo que assumiu o mandato como senador da República, em 2011, Jorge Viana foi indicado relator do novo Código Florestal na Comissão de Meio Ambiente. Construiu acordos difíceis, que garantiram importantes regras de preservação ambiental e melhores condições para pequenos produtores. Procurou convencer a sociedade e os congressistas, principalmente a bancada ruralista, que não precisa haver impasse entre proteção ambiental e produção.

Em 2017 o novo Código Florestal brasileiro completou cinco anos e o Brasil conseguiu registrar e localizar 4,2 milhões de imóveis rurais, distribuídos numa área superior a 411 milhões de hectares, devido ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) que permite o registro de informações ambientais dos imóveis rurais de todo o país. Nesse mesmo ano o Brasil registrou queda de 16% na taxa de desmatamento. Também no ano passado já foram aplicados R$ 2,4 bilhões em multas e quase cinco mil atos de infração, com embargo de 150 mil hectares de áreas em todo o país.

Até 31 de julho de 2018, já foram cadastrados, 5,2 milhões de imóveis rurais, totalizando uma área de 456.295.573 hectares inseridos na base de dados do sistema.

Para Jorge Viana, o Código Florestal contribuiu para esse resultado ao estimular ações de recuperação de áreas degradadas e ao permitir a proprietários que tinham passivo ambiental em suas terras pudessem recompor a vegetação e, com isso, voltar à legalidade. “O Brasil deve recuperar entre 25 e 30 milhões de hectares de floresta por conta do Código Florestal. Isso é uma conquista”, enfatizou o senador.

“A notícia é boa, mas é preciso ficar atento às medidas do governo, uma vez que o corte no orçamento de instituições fiscalizadoras e de ações para preservação pode fazer com que a área desmatada volte a aumentar”, finalizou.

Sobre o CAR

O CAR é um registro público eletrônico de âmbito nacional, obrigatório para todos os imóveis rurais, com a finalidade de integrar as informações ambientais das propriedades e posses rurais, compondo base de dados para controle, monitoramento, planejamento ambiental e econômico.

Governo acreano busca fortalecimento da integração comercial com o país vizinho

Em reunião com representantes peruanos da Câmara Comercial de Madre de Dios, o governador Tião Viana debateu sobre os caminhos para o fortalecimento da integração entre o estado do Acre e o Peru. O encontro ocorreu na manhã desta quinta-feira, 9, na Casa Civil. Ainda nesta tarde, o grupo irá dialogar com empresários acreanos para buscar novos mercados.

Para o governador, o sentimento é de buscar diminuir entraves burocráticos para aumentar o trânsito de produtos brasileiros e peruanos no estado. “Queremos a reciprocidade e valorização para consolidar a integração, e assim todos ganharem. Queremos fortalecer essa parceria entre o Peru e o estado do Acre”, afirmou.

Acre e Peru já tem relação comercial com alguns produtos, atualmente, o principal é o pescado vendido pela indústria Peixes da Amazônia para os mercados de Madre de Dios. Samuel Bocangel Ramirez, diretor presidente da Câmara explica que o grupo de empresários busca aumentar esta parceria, incluindo a compra do suíno, frango, carne bovina e alimento para animais.

“Aproveitando que temos uma rodovia consolidada, queremos fortalecer nossas parcerias. Aqui, queremos definir quais passos podemos avançar para nos integrarmos ainda mais. Pois existem detalhes em relação ao governo federal do Brasil que impedem a viabilidade do comércio”, afirmou Samuel. O governador Tião Viana se comprometeu em realizar alguns diálogos com a União para avançar nestas questões.

Governo entrega viaturas para fortalecimento da segurança pública no estado

As polícias Civil e Militar, junto com o Corpo de Bombeiros do Acre, receberam do governo do Estado na manhã desta terça-feira, 3, o investimento de R$ 2,1 milhões em viaturas que vão fortalecer o trabalho das instituições. Ao todo, foram entregues 18 veículos durante solenidade realizada na sede da Secretaria de Estado de Polícia Civil, em Rio Branco.

Seis viaturas modelo Gol foram destinadas à Polícia Civil e quatro para a Polícia Militar, além de duas camionetes adaptadas para o Departamento da Polícia Técnico-Científica. Outros seis veículos de modelos diferentes também foram distribuídos entre as duas polícias e o Corpo de Bombeiros.

Os investimentos são resultados de convênios de execução própria da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) e de termos de cooperação junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT). Ainda, parte da aquisição dos veículos é resultado do envio de profissionais da segurança no Acre para atuação durante os Jogos Olímpicos, em 2016, mediante acordo com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp).

A solenidade também foi marcada pela entrega de um equipamento de Raio-X ao Instituto Médico Legal (IML) e uma visita ao Laboratório de DNA Forense, com vistas ao fortalecimento do trabalho científico. Na oportunidade, o governador Tião Viana relembrou o esforço que se tem feito para valorizar os operadores da segurança pública, como o fato de entre 2011 e 2018 o salário de policiais civis ter saltado do 23º para o 5º lugar dos melhores no ranking nacional. Situação semelhante também na PM, que tem agora um dos 5 melhores salários iniciais do Brasil.

“A Segurança Pública representa uma luta de todos os dias, o Brasil vive uma guerra civil e precisamos de respostas da união de todos, já que o governo federal continua omisso à luta das fronteiras. Muito nos assusta a reação da criminalidade diante do nosso combate, por isso todos os dias precisamos resistir e buscar o entendimento acerca do tamanho do problema que representa o narcotráfico no país, pois o que nos distingue em meio à tudo isso é a nossa união pela vida e pela paz”, frisou.

Presente na solenidade, o Presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Acre (Sinpol/AC), Tibério César da Costa. fez uma fala de reconhecimento aos esforços do Estado na valorização dos agentes de segurança e reforçou o compromisso dos agentes de carreira da instituição. “Só posso externar os agradecimentos pela política pública de valorização implementada por essa gestão ao longo desses anos e dizer que é um motivo de orgulho enquanto categoria podermos ter construído o diálogo franco com o governo”, disse.

Secom Acre0307181328 web
“Só posso externar os agradecimentos pela política pública de valorização implementada por essa gestão ao longo desses anos”, disse o presidente do Sinpol/AC – Foto/Gleilson Miranda/Secom

O que disseram

“Essa é mais uma dentre as entregas que já foram feitas pelo governador Tião Viana para serem empregadas naquilo que é a nossa atividade fim, que é a investigação. Serão reforçadas as áreas de inteligência e o trabalho nas delegacias, o que contribuirá em muito para a melhoria dos nossos serviços” – Secretário de Estado de Polícia Civil, Carlos Flávio Portela

“Esse momento significa o compromisso que o governo do Estado tem com a segurança pública aparelhando as nossas polícias e dotando-as de mecanismos para a investigação qualificada, uma melhor inteligência e perícia técnica e, assim, fazermos um melhor combate à criminalidade” – Secretário de Estado de Segurança Pública, Vanderlei Thomas

“Todos os investimentos representam o respeito com a sociedade, com a possibilidade de elaboração de laudos com mais eficiência e agilidade para garantirmos a efetividade da justiça de forma integral” – Diretor do Departamento de Polícia Técnico-Científica, Halley Villas Bôas

“É com muito orgulho que o Ministério Público do Trabalho vem efetivar essa parceria de investimentos em uma área tão peculiar e tamanha atuação que é a segurança pública do Estado” -Representante do Ministério Público do Trabalho, Laís Helena Correia.

FIEAC trabalha para o fortalecimento do setor industrial

Desde a sua fundação, em 1988, a Federação das Indústrias do Estado do Acre (FIEAC) desenvolve uma série de ações que ajudam os empreendimentos a melhorar a qualidade e a competitividade dos seus produtos, a inovar em seus processos, a investir no aumento da produção, a criar empregos e gerar renda. Assim, a instituição relembra a sua história a fim de apresentar motivos para comemorar este 25 de maio, Dia da Indústria.

No entanto, neste momento complexo que o Brasil atravessa, qualquer conversa acaba dominada por uma palavra: crise. Todos os segmentos estão sentindo os efeitos, que vem fazendo estragos nos resultados das empresas e causando impactos econômicos e sociais que colocam em xeque o desenvolvimento do país.

Mas,  segundo o presidente da Federação das Indústrias do Estado do Acre (FIEAC), José Adriano Ribeiro, é o momento de mostrar a importância do setor produtivo. “É a hora de a indústria tornar-se protagonista do meio empresarial na definição dos rumos do Brasil. Quando a indústria cresce, ela tende a dinamizar a economia como um todo”, acredita.

Ainda segundo José Adriano, não há como desconhecer que o país vive uma crise política e econômica muito grave, mas é preciso colocá-la do tamanho que ela é. «Enfrentar este momento é olhar para o futuro. Toda crise traz janelas de oportunidade», afirma.

No Acre, o setor industrial emprega cerca de 13 mil trabalhadores. Este número pode ser ainda maior. Na visão de José Adriano, a maior variável para o crescimento é o investimento. «E para dar certo é imprescindível, antes de tudo, arregaçar as mangas, dar prioridade ao trabalho e espalhar a visão empreendedora que tanto bem faz ao ambiente corporativo. Vale lembrar de que esta missão vem sendo seguida com bastante afinco pela FIEAC, entidade que não mede esforços para a recuperação da indústria acreana. E, assim, podemos criar oportunidades para construir um futuro melhor, superar todas as crises e lutar por dias melhores».

25 de Maio, Dia da Indústria

Em 25 de maio é celebrado o Dia da Indústria. A data é alusiva ao patrono da indústria nacional, Roberto Simonsen, que faleceu neste dia, no ano de 1948, em plena atividade de defesa do setor. Empresário da indústria, engenheiro, administrador, professor, historiador, político e membro da Academia Brasileira de Letras, Simonsen foi, ainda, presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP).

Para comemorar a data, a FIEAC realizará hoje, 25, em Plácido de Castro, o evento de certificação de mais de mil pessoas que foram qualificadas, ao longo do mês de maio, nos cursos oferecidos pelo SESI, SENAI e IEL, por meio da Caravana do Desenvolvimento. A comemoração do dia da indústria continua no sábado, 26, com a realização da Ação Global, no mesmo município, com a oferta de um verdadeiro mutirão de serviços focados na qualidade de vida dos brasileiros: educação, direitos humanos e sustentabilidade ambiental.