Empresários não são obrigados a retirar o Termo de Autorização no Carnaval, diz Sistema Fecomércio/AC

Foto de Fagner Delgado

De acordo com assessor da presidência, Egídio Garó, o mesmo se aplica ao feriado do Dia Internacional das Mulheres, celebrado em 8 de março

O assessor da presidência do Sistema Fecomércio-Sesc-Senac/AC, Egídio Garó, informou na manhã desta quarta-feira, 27, que o funcionamento do comércio nos dias dedicados ao carnaval deve ocorrer normalmente, visto que a data não é considerada feriado e, sim, facultativo. Por isso, os empresários do comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre não estão obrigados a retirar o Termo de Autorização para Funcionamento, estipulado nas convenções coletivas.

De acordo com Garó, o mesmo se aplica ao feriado do Dia Internacional das Mulheres, celebrado em 8 de março. No Acre, a data é feriado estadual. “Segundo a legislação federal vigente que regula o assunto, há obrigatoriedade de se observar, além dos feriados nacionais, somente a data magna do Estado e, em esfera municipal, além de sua data magna, mais três feriados locais”, explica.

A data em questão não é considerada, ainda segundo Egídio, como feriado. “Faculta-se ao empresário a abertura ou não de seu estabelecimento. Não há necessidade de solicitação do Termo de Funcionamento junto à Fecomércio. Contudo, é garantido aos empresários a emissão de tal Termo, entendendo, ele, ser conveniente”.

Para tanto, os empresários devem dirigir-se à sede da Federação do Comércio, localizada na Avenida Getúlio Vargas, anexa ao Sesc Bosque.

Ascom Fecomércio/AC

Fecomércio do Acre apresenta balanço e anuncia investimentos

“Estou particularmente satisfeito”, disse o presidente Leandro Domingos, após reunião ordinária do Conselho Regional Sesc -Senac com representantes de órgãos públicos e sindicatos, ao avaliar o desempenho das entidades do Sistema Fecomércio/AC, mantidas pelo empresariado do Comércio no Estado, no período de janeiro de 2018 até hoje.

O balanço, apresentado pelos executivos de cada órgão, demonstrou cumprimento de metas em Educação, Assistência, Lazer, Cultura e outras ações voltadas ao comerciário em todas as unidades do Sistema, bem como na implantação de novos produtos e serviços, a exemplo do novo Senac de Cruzeiro do Sul e novos cursos em oferta à clientela. Para citar apenas um deles, há o Programa de Descontos Comércio Mais, voltado à oferta de redução de preços em lojas participantes, mediante Cartão de Afinidade da Fecomércio/AC.

Domingos anunciou na reunião que, em 2019, outros investimentos e desafios já estão previstos. “Construiremos uma mini usina com capacidade de gerar 1 megawatt de energia solar – a maior da Região – como parte dos empreendimentos voltados à valorização do Juruá”, afirmou, ao reiterar, ainda que é onde o Hotel do Sesc tornou-se uma atração turística. “Incrementando a indústria hoteleira e levando lazer e entretenimento às famílias dos comerciários e à sociedade em geral”, disse.

Em 2019, deverão ser investidos pelo Sistema Fecomércio/AC R$ 23 milhões em todo o Estado para reforma dos Centros Cultural e Odontológico do Sesc em Rio Branco, além da aquisição de novos equipamentos de Informática com o objetivo de dar maior agilidade à integração sistêmica e à melhoria da qualidade dos serviços, ao empresariado e aos trabalhadores do Comércio do Acre. “Já estamos em tratativas com a Eletrobrás e órgãos públicos, agilizando o processo legal para a construção da Mini Usina Fotovoltáica (Energia Solar) em Cruzeiro do Sul”, anunciou Leandro Domingos.

Esta semana, Leandro Domingos despacha na sede da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), no Rio de Janeiro, onde ocupa a vice- presidência de Finanças. Marcos Lameira, que também é superintendente do Sebrae no Acre, responde pela Presidência da Fecomércio-Acre.

Fecomércio/AC analisa turismo no Acre

“Mesmo com todas as dificuldades, aliadas à falta de investimentos e interesse das companhias aéreas em fomentar voos internacionais, o Acre recebeu 25.146 turistas estrangeiros pela tríplice fronteira por Assis Brasil e Brasiléia em 2015”. A análise, feita na manhã desta quarta-feira, 9, é do assessor da presidência da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC), Egídio Garó. Na ocasião, foi destacada uma linha de tendência com a recepção de 27.066 turistas em 2016 e, em 2017, 28.530 visitantes estrangeiros.

Ainda de acordo com Garó, o Acre seria o estado de mais difícil acesso por quaisquer vias por conta das características geográficas. O assessor destaca também que as vias rodoviárias representariam os principais meios de entrada e saída, mas a distância, a qualidade das rodovias e o tempo seriam os principais entraves para um maior número de turistas.

“Destaca-se ainda o transporte aéreo, que apresenta número reduzido de voos diários e o alto valor das tarifas. Além disso, nas análises sobre o turismo receptivo, cujos dados são de responsabilidade do Ministério do Turismo, o Brasil recebeu 6.605.838 visitantes internacionais no ano de 2015, apresentando linha de tendência positiva para o ano seguinte, recepcionando 6.546.696 turistas, mantendo a mesma linha em 2017, contando com a visita de 6.588.770 cidadãos”, afirma o assessor, complementando porém que o movimento no Acre ainda é inexpressivo quando comparado com a demanda nacional. “Em termos percentuais, essa demanda, no ano de 2015, representou de todo o balanço de turistas, 0,38% no número de visitantes, seguido nos anos posteriores pelos índices de 0,41% e 0,43%, respectivamente”, explica.

Egídio reitera que, mesmo sabendo que o montante de ingressantes estrangeiros pelas fronteiras terrestres, não se tem notícia do destino dos mesmos. “Haja vista não ser possível uma informação detalhada da rede hoteleira, acompanhando tal movimentação desde seu ingresso por Assis Brasil ou Brasiléia, onde se hospedam e quais estabelecimentos frequentam, para que os setores econômicos responsáveis possam desenvolver ações para seu atendimento, tarefa relevante que esta Federação do Comércio”.

O assessor finaliza ainda que, por tais informações não estarem disponíveis nos órgãos oficiais de Turismo, ocasionado pela falta dos registros de hóspedes nos respectivos sistemas de informação, não se pode afirmar com coerência sobre o número de leitos ocupados na rede hoteleira das cidades fronteiriças. “Tampouco sobre o deslocamento e hospedagem dos mesmos à capital Rio Branco”.

Juntos: Fecomércio/AC e Suframa discutem projetos econômicos

O Sistema Fecomércio/AC e a Suframa devem continuar a trabalhar em prol da implementação de projetos econômicos para o Acre e o desenvolvimento da Amazônia Legal. “Uma pauta conjunta nos ajuda a atualizar o monitoramento de processos legislativos, andamento de programas e projetos governamentais e iniciativas que visem ao desenvolvimento do Acre”, disse, na tarde desta segunda-feira, 7, Egídio Garó, assessor da Presidência do Sistema, após receber, na sede da federação, o representante da Suframa, Paulo Xavier.

“A implantação das Zonas de Livre Comércio, a expansão da atividade do turismo, as Zonas Verdes, entre outras questões, que podem dar mudanças significativas ao nosso Estado, e trabalhar em conjunto é de suma importância são nossos interesses comuns”, ressaltou Garó.

Segundo Paulo Xavier, a Suframa e o Sistema Fecomércio/AC devem estar atentos, inclusive, às mudanças na Gestão Governamental para a economia do País. “Promover o desenvolvimento regional, trabalhando em conjunto, é nosso objetivo, como, por exemplo, as políticas que envolvem o Turismo, o Comércio, os Serviços, a Indústria. E nós [da Suframa] consideramos os comerciantes como grandes parceiros”, disse.

Fecomércio, Sesc e Senac no Acre lançam O Ecos – Programa de Sustentabilidade

O Ecos – Programa de Sustentabilidade, que tem por objetivo planejar, propor, executar e apoiar ações que induzam à prática intersetorial e colaborativa da sustentabilidade nas atividades desenvolvidas nos âmbitos da CNC, das Federações e dos Departamentos Nacionais e Regionais do Sesc e do Senac, foi lançado na última sexta-feira, 4, pelo Núcleo de Desenvolvimento Técnico do Sesc/AC. Na ocasião, estavam presentes colaboradores das três instituições.

O Ecos propõe, ainda, conscientizar os funcionários, mitigar os impactos socioambientais e otimizar os recursos das instituições. Há um grande público a ser atingido e o Sistema Fecomércio já tem em seu quadro pessoas qualificadas e capazes e conduzir esse processo, já que, antes de seu lançamento, o Ecos passou por duas etapas que nortearam as ações hoje propostas.

Para um dos diretores da Fecomércio/AC, Valdemir Nascimento, o projeto é de suma importante. “É interessante estarmos unidos em prol de algo melhor, algo que conscientizem os funcionários quanto às questões ambientais e que otimize nosso local de trabalho”, explicou.

A diretora regional do Sesc, Débora Dantas, ressaltou para os colaboradores os valores do projeto Ecos. “Que são o respeito e diálogo permanente com todos os colaboradores; o equilíbrio entre o social, o ambiental e o econômico; o compromisso com as metas estabelecidas; a coerência entre o discurso e a prática e a transparência”.

A apresentação do projeto foi feita logo após a fala dos diretores pela colaboradora do Sesc/AC, Thaís Roma, que é uma das coordenadoras do Ecos, e ressaltou os objetivos a serem alcançados.

• INCENTIVAR a implantação e o aperfeiçoamento contínuo do sistema de gestão ambiental, integrado aos demais sistemas de gestão da instituição.

• ACOMPANHAR E MELHORAR, continuamente, os indicadores de sustentabilidade.

• OTIMIZAR o uso dos recursos disponíveis.

• DIALOGAR E RESPONDER às demandas dos públicos de interesse afetados pelas atividades da instituição.

• PRIORIZAR a compra de produtos e serviços ecologicamente corretos.

• PROMOVER a sensibilização de seus colaboradores internos e externos para atuarem com responsabilidade na conservação do meio ambiente.

• INCENTIVAR o uso de técnicas ecoeficientes para a construção, reforma ou ampliação da infraestrutura.

• APOIAR o uso de fontes de energias renováveis e menos poluentes.

• PROMOVER a segregação, a destinação e o tratamento corretos dos resíduos sólidos e líquidos.

• FORTALECER a integração entre CNC- Fecomércio, Sesc-Senac.

O projeto Ecos já foi implantado na academia do Sesc, na Escola do Sesc e, também, nas áreas de alimentação da instituição.

Fecomércio/AC analisa alta na confiança empresarial

A razão para a alta da confiança empresarial vem após a definição das eleições presidenciais e a possível redução de níveis de incerteza econômica. A opinião é do assessor da presidência para assuntos econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC), Alex Barros, após divulgação do Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), que alcançou 109,8 pontos em novembro, 1,4% a mais quando comparado com o mês de outubro.

A pesquisa, que também revela a intenção de contratação por parte de 70,1% dos entrevistados, o maior patamar para meses de novembro desde 2014, aponta que, entre os componentes integrantes nas avaliações das condições correntes, a economia apresenta, ainda, o maior grau de insatisfação (63,0 pontos). Mesmo assim, embora as percepções quanto ao momento atual da economia e do comércio ainda sejam predominantemente desfavoráveis, o subíndice que mede a satisfação com o nível atual de atividade (Icaec) voltou a crescer no curto prazo (+0,3% ante outubro).

Para Barros, este seria um reflexo tanto da queda do desemprego quanto da perspectiva do cenário econômico liberal que se desenha com o novo governo. O assessor comenta que, apesar do crédito ainda estar restrito, a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), demonstra a tendência no crescimento das vendas, com base na análise histórica do índice.

“Na verdade, o empresário espera muito do novo governo, já que 38,2% dos entrevistados disseram que a economia brasileira piorou muito; porém, 34,7% dizem ter a expectativa que a economia brasileira melhorará muito. Outros dois fatores indicam essa expectativa favorável: aumento dos estoques e contratação de pessoal”, explicou Alex Barros.

O estudo da CNC mostrou, ainda, que as intenções de contratação aumentaram 2,9% em novembro.

Fecomércio recebe visita de alunos de Auxiliar Administrativo

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC) recebeu visitas ilustres na manhã desta segunda-feira, 26. Alunos da turma de Auxiliar Administrativo do Serviço Social de Aprendizagem Comercial (Senac) estiveram na sede da instituição para conclusão do Projeto Integrador (PI), uma das disciplinas do curso. Os estudantes foram recebidos por representantes do Sistema Fecomércio/AC.

Na visita, os alunos conversaram um pouco com os gestores, verificaram o funcionamento da instituição e conheceram algumas das ações. Além disso, puderam ter um contato direto com os colaboradores do Sistema.

De acordo com o assessor da Fecomércio/AC, Egídio Garó, por se tratar de um programa que engloba o Jovens Aprendizes, é importante que a instituição esteja envolvida. “Temos de dar muita atenção na orientação, partindo do princípio de que os próximos profissionais, com uma base boa de educação, serão os próximos profissionais deste País. Esperamos que todos eles ajam com ética, compromissos e ações que mudem a vida dos que estão ao redor”, reiterou.

Aos 15 anos, Jamile Saraiva já quer começar a trilhar passos para entrar no mercado de trabalho. Ela explica que a Fecomércio/AC foi a instituição escolhida por ser a coordenadora do Sistema S que compreende Sesc e Senac. “Achamos extremamente importante a ação da Fecomércio e, principalmente, em saber que fomos bem acolhidos. Tenho certeza que levarei todos os ensinamentos de hoje para minha área profissional”, finalizou.

Alunos de Publicidade visitam Sistema Fecomércio/Sesc/Senac

Alunos do curso de Publicidade e Propaganda da Fameta visitaram, na manhã desta terça-feira, 30, as instalações do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac. O objetivo é entender o funcionamento do trabalho desenvolvido pela assessoria de comunicação da instituição e, ainda, o trabalho realizado. Coordenados pela professora e coordenadora de comunicação do Sistema Fecomércio, Nayara Lessa, os universitários tiveram a oportunidade de conhecer algumas atividades práticas e, também, as novidades do sistema no ramo da comunicação.

Segundo a professora, a visita faz parte do minicurso intitulado Assessoria de Imprensa e Publicidade. “É uma ‘prévia’ de como será o ambiente de trabalho. Além disso, queremos que eles entendam como é de fato o funcionamento de publicidade dentro de uma empresa, instituição”, afirma.

Os estudantes tiveram a oportunidade de conhecer o novo estúdio de rádio e tv online do Sistema Fecomércio, que tem o conteúdo disponibilizado por meio do aplicativo Fecomércio AC, na Apple Store, em sistemas IOs, e Playstore, pelo Android.

A aluna Neyelle Gadelha achou uma iniciativa importante para que se tenha ideia. “Eu já trabalho com comunicação há muitos anos e, agora, estou me especializando. Ver o trabalho do Sistema Fecomércio mostra o quanto todos estão empenhados no projeto de levar a informação à sociedade, que é o que faremos a partir de agora”.

Louhan de Jesus também gostou da iniciativa. “Eu não imaginava que o sistema fizesse tanto pela sociedade. Vi o trabalho do Senac, do Sesc. Não imaginava que havia tanta coisa para dizer à população, e a equipe de divulgação do sistema tem feito o possível para mostrar a todos que sempre há trabalho. E isso é bacana: vemos que sempre há um trabalho para fazer e a atuação é grande. Estou felicíssimo”, finalizou.

Diretoria da Fecomércio/AC é reconduzida à gestão do quadriênio 2018/2022

A diretoria da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC) foi reconduzida, na noite de quarta-feira, 3, no Afa Jardim, à gestão do quadriênio 2018/2022. O evento reuniu empresários locais, amigos, jornalistas e familiares da diretoria.

Em 5 de maio, a nova diretoria foi eleita por unanimidade e, nesta nova gestão, pretende aproximar ainda mais a entidade junto ao setor comercial, empresários e seguir implementando projetos e programas que estimulem e incentivem os diversos setores da economia.

O presidente reeleito, Leandro Domingos, enfatizou a importância de se estar mais próximo aos empresários do comércio de bens, serviços e turismo. “Queremos continuar representando todos os empresários do comércio, visto que eles [os empresários] são os maiores empregadores. Além disso, queremos estar ainda mais ativos no legislativo, lutando pelos direitos dos empresários. É ajuda a economia, e estaremos ainda mais ativos”, disse.

O vice-presidente Leonel Soncin Junior enfatizou os ideais de Leandro Domingos. “Será difícil superar a nossa última gestão, que foi considerada ótima. Mas queremos deixá-la ainda melhor: queremos mais proximidade com o empresariado, queremos ajudá-los”, afirmou.

Para o diretor Vilmar Cesário Rosa, é uma grande oportunidade para fazer um trabalho com ainda mais excelência. “Leandro [Domingos] já fez muito pelo Acre e agora temos muito mais a fazer. Estou muito feliz em compor a diretoria que tem tudo para dar certo. Temos uma representatividade grande já na CNC [Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) e, agora, queremos focar mais.

“Com mais representatividade na CNC, conseguimos apoiar mais o Acre”

O primeiro-secretário da Fecomércio/AC, Valdemir Nascimento, reiterou a representatividade do Estado na CNC. “Agora, temos ainda mais representatividade. Estou como conselheiro fiscal e temos mais pessoas na diretoria da CNC. Isso é importante para a visibilidade do Acre: com mais representatividade, conseguimos apoiar ainda mais o nosso Estado”, finalizou.

Leandro Domingos é presidente da Federação desde 1997, quando foi eleito para o primeiro mandato. Desde então, fomentou e promoveu ações que fizeram com que a Fecomércio se aproximasse ainda mais dos empresários acreanos, trabalhando em prol do desenvolvimento do Estado e fortalecendo o comércio.

“O Sistema Fecomércio tem evoluído muito nos últimos anos. Uma das provas dessa evolução é inauguração que aconteceu em junho do ano passado do Complexo do Sesc em Cruzeiro do Sul. A obra de Cruzeiro do Sul é umas das nossas marcas em distribuir recursos nacionais e seriedade do Sistema Comércio: uma obra que tem tamanha grandeza, tanto no aspecto físico como de importância social”, diz Domingos.

O presidente reeleito afirma ainda que o Sistema Comércio evidencia que os empresários brasileiros dos grandes centros comerciais ajudam a alocar os recursos aos estados menores. “Para que se possa diminuir as desigualdades e oferecer melhores condições de vida para este povo. Por isso, nossa missão é de continuar gerando resultados positivos para que nossa sociedade se desenvolva ainda mais”, complementa.

Quem é Leandro Domingos

O presidente do Sistema Fecomércio Sesc/Senac é advogado e economista; atuante como empresário do comércio de veículos há mais de 20 anos. Sempre teve o espírito empreendedor e não se contentou em apenas administrar seus negócios: engajou-se no movimento de classe, disposto a representar os seus diante das autoridades federais e estaduais. O empresário deu lugar também ao sindicalista e, dessa veia ativista política, surgiu o apoio para a criação do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac – sendo um incansável conselheiro. Em 1990, deu sustentação ao Sindicato do Comércio Varejista de Veículos de Rio Branco do Estado do Acre, no qual também é presidente.

Fecomércio/AC destaca para nova modalidade de crédito com uso do FGTS pela Caixa

Trabalhadores do setor privado podem, a partir desta quarta-feira, 26, contar com a opção de crédito empréstimo consignado com o uso do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) como garantia. A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC) reitera que os empréstimos podem ser pedidos em qualquer agência da Caixa Econômica Federal, que oferta a linha de crédito.

Segundo o Ministério do Trabalho, a nova linha de crédito está disponível para 36,9 milhões de trabalhadores com carteira assinada. Os juros não podem ultrapassar 3,5% ao mês, com percentual até 50% menor do que os de outras operações de crédito disponíveis no mercado. O prazo para pagamento será de 48 meses.

O professor Doutor em Economia Rubicleis G. Silva, docente na Universidade Federal do Acre (Ufac) complementa que a medida é uma ótima notícia, já que diminui o risco dos bancos. “Tendendo a reduzir os juros e expandir os empréstimos. Isto aumenta o consumo e beneficia o comércio”, acredita.

A tendência natural, ainda segundo Rubicleis, seria esta, já que as pessoas terão mais oportunidades de consumir e fazer com que o capital circule na economia. “O FGTS fica parado. Com esta política, ainda há a redução no risco de calotes”, complementa.

Para dar maior garantia aos bancos, no último mês, foi feita uma regulamentação da modalidade de crédito e a Caixa Econômica Federal criou um sistema que permite realizar a reserva de valores da conta do FGTS. Isto seria uma garantia de contrato consignado.

Diretoria da Fecomércio participa de eleição do novo presidente da CNC

Parte da diretoria da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC) participou, na manhã desta quinta-feira, 27, da eleição do novo presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). O eleito, por ampla maioria – 24 votas contra 4 – foi o empresário amazonense José Roberto Tadros, que terá mandato até novembro de 2022.

A eleição obteve a participação da maioria das federações que integram o Sistema Comércio. O atual presidente da CNC, Antonio Oliveira Santos, aproveitou a oportunidade para desejar à nova diretoria um bom trabalho. “Reafirmando a relevância da CNC para o País e a defesa do empresário do comércio de bens, serviços e turismo”, reiterou.

O presidente da Fecomércio/AC, Leandro Domingos, afirmou que o agora ex-presidente Antonio Oliveira Santos, prestou serviços relevantes ao Sistema Fecomércio Sesc e Senac em todo o país. “Não há como negar a importância desse Sistema para o desenvolvimento da nação. O Tadros com certeza dará continuidade a este brilhante trabalho, assim como já tem feito na Federação do Comércio do Amazonas. Estamos todos muito felizes, pois essa eleição representa uma vitória para as Federações do norte”, comenta Domingos.

Quem é José Roberto Tadros?

José Roberto Tadros, 72 anos, atual presidente da Fecomércio-AM, assume o comando da CNC em 19 de novembro, data em que também toma posse a nova Diretoria. Nascido em Manaus, Tadros é formado em Direito pela Universidade do Amazonas e atua como empresário do setor terciário desde 1974. Além das suas atividades comerciais e sindicais, ele é autor e coautor de diversos livros e membro da Academia Amazonense de Letras, do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas e da Academia de Ciências, Artes e Letras do Amazonas.

Para Tadros, a CNC seguirá ampliando sua presença no debate nacional, com propostas concretas para atuar de forma assertiva no fomento ao desenvolvimento do Brasil por meio do fortalecimento do comércio. “Vamos dar sequência ao projeto de modernização, permitindo consolidar os avanços conquistados pela CNC e ampliar sua força e relevância”, disse o presidente eleito.

Mais sobre a CNC

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), fundada em 4 de setembro de 1945, é a instituição sindical que representa 5 milhões de empresas do comércio de bens, serviços e turismo, segmentos que, juntos, respondem por cerca de 1/4 do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e geram aproximadamente 25,5 milhões de empregos diretos e formais.

A CNC trabalha de forma integrada com 34 federações (27 estaduais e sete nacionais), que agrupam mais de mil sindicatos empresariais. A Confederação administra, também, um dos maiores sistemas de desenvolvimento social do Brasil – o Serviço Social do Comércio (Sesc), com atuação nas áreas de educação, saúde, cultura e lazer, e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), principal agente da educação profissional voltada para o setor do comércio de bens, serviços e turismo. (Com informações da CNC)

Fecomércio Acre acredita em fomento do consumo local

A entrada de imigrantes pelo Acre pode ajudar no desenvolvimento de estratégias para o comércio de bens, serviços e turismo que fomentem o consumo local. Pelo menos, esta é a constatação da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC) com base no Anuário Estatístico de Turismo de 2018. Segundo o levantamento, em 2016, ingressaram no Brasil por via terrestre e pelo Acre, 27.066 turistas; em 2017, esse número foi de 28.530.

De acordo com o assessor especial da presidência da Fecomércio/AC, Egídio Garó, esses valores referem-se ao turismo receptivo. Ainda de acordo com o estudo, os turistas são provenientes de diversos continentes e países, indo desde a Alemanha, Índia, China, Estados Unidos, Canadá, Malásia, Paquistão e até Irá.

“Os turistas de maior representatividade são provenientes da América do Sul, notadamente dos países vizinhos: Peru, com 15.204 visitas em 2016 e 16.486 visitas em 2017; seguido por Bolívia, com 9.718 visitas em 2016 e 10.185 visitas em 2017”, reitera Garó, relembrando, também, que os números indica a visita de turistas norte-americanos com acesso por vias terrestres.

“Segundo os dados do anuário, o ingresso desses turistas no país deu-se pelo Acre, levando-se, por premissa, que tenham adentrado as fronteiras de Assis Brasil/Iñampari (BR) e Brasiléia e Epitaciolândia/Cobija (BO). Baseado em tais informações, pode-se desenvolver estratégias que possam servir como indicadores para ações de desenvolvimento do segmento nas cidades gêmeas catalogadas e habilitadas pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e referendadas pelo Ministério da Integração Nacional por meio da Portaria 125, de 21 de março de 2014, publicada no Diário Oficial da União na seção I da edição nº 56, em 24 de março de 2014”, enfatiza Garó.

Fecomércio/AC participa de formação de Grupo de Trabalho Turismo da CNC

O assessor da presidência da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC), Egídio Garó, participou da formação do Grupo de Trabalho (GT) Turismo de Fronteira. O evento, ocorrido no último dia 15 de agosto, no Rio de Janeiro, reuniu representantes das federações dos 11 estados brasileiros com regiões de fronteira, teve a intenção de trocar experiências e identificar iniciativas que possam ser promovidas de modo conjunto.

O Brasil tem mais de 15 mil km de áreas de fronteira com dez países vizinhos – Argentina, Bolívia, Colômbia, Guiana, Guiana Francesa, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela – que representam desafios políticos, estruturais e territoriais. De acordo com Garó, o Conselho Empresarial de Turismo e Hospitalidade (Cetur) da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), todas as ações serão estruturadas em cima da integração e do turismo.

“A constituição desse Grupo de Trabalho para entendimento das peculiaridades de cada região – notadamente do Arco Norte -, as dificuldades inerentes de cada uma relacionadas ao Turismo de Fronteira e o delineamento de estratégias que possam fortalecer o setor devem fomentar seu desenvolvimento a médio e longo prazos, haja vista ser relevante e determinante a intervenção da CNC e das Federações participantes junto aos organismos legislativos em todas as esferas, objetivando a criação de políticas públicas que possibilitem seu desenvolvimento”, explicou Garó.

O secretário executivo do Cetur, Eraldo Alves da Cruz, fez um histórico da abordagem do tema pelo Conselho da Confederação. “A CNC, ciente do interesse das Federações, já realizou discussões e promoveu seminário sobre o tema”. Para Eraldo, o GT vai possibilitar a formação de uma rede de trabalho com intercâmbio de boas práticas entre as Fecomércios, fomentar a cooperação e a formulação de estratégias de desenvolvimento do turismo de fronteira.

O GT já tem mais duas reuniões agendadas para os dias 23 de outubro e 28 de novembro, e um dos resultados esperados nessa primeira fase do GT, ainda em 2018, é gerar um indicativo e norteador de políticas públicas para o turismo de fronteira.

Fecomércio/AC participa de Fórum de Presidentes do Comércio

Representantes do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac do Acre participaram, no final do mês de julho, da 27ª edição do Fórum de Presidentes de Federações do Comércio que, ocorrido em Boa Vista, Roraima. Nestas reuniões, são apresentados trabalhos e atividades culturais e, principalmente, são trocadas ideias para a boa gestão, inovação e fortalecimento institucional em cada Estado da Amazônia Legal.

Em todos os anos, os temas falam acerca das dificuldades de logística, transporte e comunicação enfrentados pelo setor do comércio. Além disso, destacam-se discussões sobre taxas de juros abusivas e serviços cobrados de comerciantes operadoras de cartão de crédito, integração entre municípios, qualidade do setor energético, além do crescimento do fluxo de eventos.

Além disso, é importante ressaltar que a Amazônia Legal é a única a ter o seu Fóruns e, assim, os Estados possuem mais força junto à Confederação Nacional do Comércio (CNC) para o aumento da visibilidade e desenvolvimento do potencial comercial. O encontro atingiu tamanha proporção, porém, que, ao todo, já participaram Acre, Amazonas, Amapá, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Paraíba, Piauí, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins.

Segundo o presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac no Acre, Leandro Domingos, o objetivo do Fórum é promover debates sobre características regionais. “Bem como trocar ideias e verificar o que pode ou não melhorar. A intenção é a troca de aprendizado, de experiências”, reflete.

Fecomércio/AC apresenta ComércioMais no Sebrae/AC

Representantes da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC) apresentaram as propostas da rede ComércioMais de convênios aos dirigentes do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas no Acre (Sebrae/AC). A reunião, ocorrida na manhã desta quinta-feira, 12, na sede do Sebrae/AC, contou com a participação dos superintendentes das duas instituições.

A rede ComércioMais de convênios é destinada ao empresariado acreano para garantir ainda mais benefícios no comércio de bens, serviços e turismo, e também aos seus colaboradores e dependentes legais. O projeto possui parcerias com empresas de vários segmentos, e a intenção principal é levar benefícios aos usuários, sejam eles o empresário, comerciário e dependentes legais de ambos, tudo isso com condições e preços mais competitivos e favoráveis aos beneficiários.

Ao longo da reunião, o superintendente da Fecomércio/AC, Deywerson Galvão, apontou os benefícios para aqueles que desejem aderir ao programa. “São descontos variados em muitos setores de serviços. Vai desde a alimentação à estética. Então, com essa adesão, todos saem ganhando: de empresário e seus dependentes aos colaboradores e seus dependentes”, disse.

O superintendente do Sebrae/AC, Mâncio Cordeiro, afirma que este é mais um benefício trazido pela Federação do Comércio. “Tanto para as empresas quanto para os colaboradores. Deveremos apresentar este convênio aos nossos colaboradores e acreditamos que eles devem usufruir de tudo que nos foi mostrado”, enfatizou.

O empresário que desejar fazer parte da Rede ComércioMais de Convênios deve procurar a sede da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre, situada na Avenida Getúlio Vargas, 2.473, 4º andar, Bosque. A adesão é simples e garante mais benefícios ao empresário acreano. A Central de Atendimento do SESC no bairro Bosque e no Centro também prestará orientações sobre a Rede Fecomércio de Convênios.

Fecomércio/AC acredita em alavancada na economia com liberação do PIS/Pasep

Trabalhadores de organizações públicas e privadas que contribuíram com o PIS ou Pasep até 4 de outubro de 1988 e não tenham sacado todo o saldo têm direito de fazer o resgate do benefício, segundo informações repassadas pela Caixa Econômica Federal. Para o assessor da presidência para assuntos econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC), Alex Barros, a liberação dos recursos é uma medida que, certamente, deve alavancar a retomada da economia.

Ainda de acordo com a Caixa, quem esperar até agosto, pode receber um valor ainda maior, com a correção pelo rendimento anual do fundo e estimativa de aumento entre 8% e 10%. Além disso, nesta primeira etapa, aproximadamente 4,7 milhões de cotistas em todo o Brasil deverão ser contemplados e, ao todo, serão liberados 39,3 bilhões de reais para 28,7 milhões de beneficiários.

Barros afirma que, com a injeção dos recursos no mercado, haverá consequente liquidez. “A expectativa é que parte desse recurso seja destinado ao comércio, já que os cotistas devem priorizar o pagamento das dívidas, principalmente com as instituições financeiras”, diz.

O assessor estima ainda que haja uma injeção na economia, com elevação de 0,5% no Produto Interno Bruto (PIB). “O que deve causar otimismo ao setor produtivo, sobretudo no comércio”, finaliza.

A primeira etapa do pagamento prossegue até 29 de junho. A partir de julho, os pagamentos ficarão suspensos para correção do saldo das contas até o dia 7 de agosto.

Diretoria da Fecomércio/AC apresenta Rede ComércioMais a sindicalistas

O empresariado acreano tem, agora, mais benefícios proporcionados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC). Já que desde junho, o projeto ComércioMais ganhou corpo e, na manhã desta sexta-feira, 6, foi apresentado pela diretoria da instituição aos sindicatos que compõem a federação.

O ComércioMais garante ainda mais vantagens no comércio de bens, serviços e turismo, e também aos seus colaboradores e dependentes legais. O projeto possui parcerias com empresas de vários segmentos, e a intenção principal é levar benefícios aos usuários, sejam eles o próprio empresário, comerciário e dependentes legais de ambos. Tudo isso, com condições e preços mais competitivos e favoráveis.

Na reunião de apresentação do projeto, vice-presidente da Fecomércio/AC, Marcos Lameira, reiterou as inúmeras iniciativas da instituição para levar ao empresariado e à sociedade mais garantias de melhores preços e aumento de competitividade.

“É um trabalho, além disso, que desenvolveremos junto aos sindicatos. Estamos abertos a sugestões e, principalmente, esperançosos. Este é um produto da federação, mas queremos que ele atue em todo o Sistema com o envolvimento dos sindicatos”, salientou Lameira.

A presidente eleita do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado do Acre (Sincofac) acredita que a reunião foi extremamente proveitosa: “Conhecemos esse projeto e abraçamos a causa. São muitos atrativos. Nós, agora, temos de levar aos nossos beneficiários e à sociedade esse trabalho”, diz.

Para a presidente do Sindicato dos Institutos de Beleza e Cabeleireiros de Rio Branco (Sindbeleza), Simone Félix, a Fecomércio está de parabéns. “Estamos todos felizes. Nós, enquanto sindicato, temos de levar, agora, à sociedade”, complementa.

Ideia regional

Uma das principais intenções do projeto é se tornar regional, ou seja, as Federações do Comércio que fazem parte da Amazônia Legal irão receber a proposta para adesão. O projeto será apresentado em julho no Fórum da Amazônia Legal, que acontecerá em Boa Vista, Roraima; e Acre e Amazonas já estão trabalhando em conjunto.

O presidente da Fecomércio/AC, Leandro Domingos, diz que essa é mais uma forma que a Federação encontrou para valorizar o empresário. “Nossa intenção é valorizar cada vez mais a profissão de empresário, de modo que este empresário, seus colaboradores e sua família possam usufruir de descontos e preços mais competitivos no comércio local”, explica Domingos.

O empresário que desejar fazer parte da Rede ComércioMais de Convênios deve procurar a sede da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre, situada na Avenida Getúlio Vargas, 2.473, 4º andar, Bosque. A adesão é simples e garante mais benefícios ao empresário acreano. A Central de Atendimento do SESC no bairro Bosque e no Centro também prestará orientações sobre a Rede Fecomércio de Convênios.

Fecomércio alerta na prevenção de acidentes de trabalho

Quase 20 mil empresas brasileiras foram autuadas, em 2017, por falhas na prevenção de acidentes, segundo dados do Ministério do Trabalho. Por conta do alto índice, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC) alerta aos empresários locais quanto às normas básicas de segurança para pleno funcionamento dos estabelecimentos.

De acordo com dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego no Acre (MTE/AC), em 2017, foram registradas quatro mortes no ambiente de trabalho. O superintendente do MTE/AC, Taumaturgo Lima, explica que o número pode ainda ser superior, visto que algumas empresas não chegam a informar os dados.

“Para se ter uma noção, houve, apenas no Acre, 380 acidentes de trabalho no ano passado. No Brasil, 349.579. Esse número é considerado exorbitante, já que causa transtornos aos empregados, ao empregador e, obviamente, à família do empregado, que passa por situações difíceis enquanto a pessoa está afastada”, enfatiza o superintendente.

De acordo como Ministério do Trabalho, o não cumprimento das exigências do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, previsto na Norma Regulamentadora nº.7, seria o caso mais frequente registrado pela fiscalização. Em todo o Brasil, foram 9.517 estabelecimentos autuados. “Embora no Acre nós ainda não tenhamos esses dados, verificamos que alguns empresários não tenham, talvez não apenas o cuidado com isso, mas a informação necessária”, complementa Lima.

Parceria entre todos

Para Taumaturgo, deve haver, para evitar acidentes de maiores grandezas, uma verdadeira parceria entre órgãos fiscalizadores, empregadores, empregados e, também, a sociedade civil.

“Todos temos de zelar pelo bem comum: os empregadores tem sim de zelar e estarem atentos às normas; os órgãos fiscalizadores, verificarem e principalmente tirarem as dúvidas de empregados e empregadores; os empregados, devem tomar o devido cuidado ao longo do trabalho e, obviamente, a sociedade civil tem de zelar pelas dependências e instalações da empresa. Ao final, todos tem de estarem juntos”, finaliza.

Fecomércio participa de audiência referente a reajuste tarifário em transportes públicos

O representante da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC) na Câmara Técnica de Transportes Públicos de Rio Branco, Valdemir Nascimento, participou, na manhã desta sexta-feira, 25, de audiência pública para discutir questões relacionadas à audiência pública, relacionada ao reajuste da tarifa nos transportes públicos. A intenção era abrir à população os gastos e os motivos para tal medida.

A Câmara, criada em 2017, reúne, além da Fecomércio/AC, o Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea), o Conselho Regional de Contabilidade (CRC) e a Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac) e Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (RBTrans). Nos últimos dias. Nos últimos dias, os integrantes vêm discutindo a situação da tarifa de ônibus.

Segundo Valdemir, a Câmara tem por objetivo analisar, avaliar e interpretar os dados sob a ótica técnica, sem tomar decisões em benefícios dos empresários do setor ou usuários pagantes do sistema do transporte coletivo. “Vários fatores foram analisados e questionados pela Câmara, notadamente o que tange à gratuidade das passagens. Eu entendo que, por conta das perspectivas inflacionárias e elevação nos custos fixos e variáveis encontrados em todos os processos, há necessidade de se estudar os valores praticados ao longo dos últimos 15 meses”, explicou.

Nascimento falou ainda que, atualmente, são 322.582 passageiros que viajam gratuitamente. “Estes deixam de contribuir com R$ 1.222.812, sem considerar estudantes, que pagam R$ 1. Se, dos valores rateados entre os pagantes, de R$5.207.679,60, fossem descontados os valores de gratuidades, baseado na tarifa de R$ 3,80 como apontado na planilha, o valor da passagem não seria superior a R$ 2,91; além disso, o erário municipal deixa de arrecadar R$61.291,58”, defendeu.

Nascimento explicou porém que não há contrapartida dos poderes públicos para o trato com a questão. “Ou seja, criam-se leis que beneficiam o transporte gratuito e não há determinação de quem é o responsável pelo pagamento da gratuidade, bem como a preocupação com as Fazendas Estadual e Municipal em criar alíquotas distintas aplicadas sobre os combustíveis que possam interferir positivamente na redução tarifária”, reafirmou.

A tarifa vigente do transporte coletivo, alterada em fevereiro de 2017 pela Lei nº2.224, proporcionou a redução do montante pago por passageiros comuns e estudantes, ficando o município de Rio Branco autorizado a subvencionar o valor da tarifa, sendo de 50% para estudantes e 10% para passageiros comuns. Durante a coletiva, foi exposto ainda que a frota de Rio Branco é composta por 174 veículos, incluindo dois veículos articulados e dois trucados; destes, 158 são a frota operante das linhas do sistema, nos horários de pico; e 16, reservas.

O presidente do Conselho, Gabriel Forneck, explicou também que, atualmente, a ideia é que a tarifa chegue aos R$ 4,03.

Fecomércio/AC defende paralisação dos caminhoneiros

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio/AC) -, através de seus sindicatos, defende a paralisação nacional dos caminhoneiros, mesmo entendendo que a medida prejudica diferentes segmentos da economia, causando atraso na chegada de matérias-primas e na reposição dos estoques no comércio.

Medidas descabidas geram reflexos negativos. O Governo Federal está pagando caro, pela política de recuperação da estatal do Petróleo brasileira, a Petrobrás. Fruto de desmandos de gestão, a Petrobrás vive um imenso desgaste financeiro, patrimonial e de crédito. Visando um reequilíbrio da estatal, o governo trilha o caminho da imposição de aumentos sucessivos do preço de seus produtos e esquece que combustível é um das molas propulsoras do setor produtivo nacional. Resultando na alta dos preços de produtos e serviços crescentes, redução da margem de ganhos das empresas e incertezas quanto às políticas de recuperação da economia.

Como resultado dos aumentos do preço dos combustíveis, emerge no Brasil uma greve geral dos transportadores de cargas, notadamente caminhoneiros, que paralisa o País. As medidas propostas pelo governo federal para solucionar o impasse, não estão sendo bem recebidas pelos grevistas, já que são passageiras e desoneram por um lado e oneram por outros, já que o governo propõe aumento de carga tributária para as empresas.

No dia de hoje, diversas rodovias brasileiras se encontram interditadas. Diversos aeroportos estão sem combustível para as aeronaves e indústria que utilizam diesel para mover suas fábricas poderão, em curto prazo, ter a produção paralisada.

As montadoras de automóveis estão com seus pátios totalmente tomados, sem espaço para alocação de novos produtos, o que pode ensejar uma paralização da produção, se nas próximas 24 horas as carretas não voltarem a rodar. As que estão em trânsito, não conseguem chegar ao destino, em face do bloqueio nas rodovias. Apenas este fato representa uma grande perda de receitas tributárias para o governo federal.

No Acre a situação poderá ser danosa, se nas próximas horas a situação não normalizar. Já se nota efeitos negativos no comércio e a probabilidade de escassez e falta nos estabelecimentos comerciais. Praticamente todos os insumos consumidos no estado do Acre chegam por transporte terrestre. Supermercados, notadamente os de grande rede, possuem estoques de produtos secos variando entre 15 e 20 dias. Itens de hortifrutigranjeiros tenderão entre dois e sete dias.

A superintendência do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) no Acre informou seu posicionamento na tarde desta quinta-feira, 24, acerca da atual situação. Segundo o superintendente, Thiago Caetano, o mais sensato seria uma providência por parte do próprio Governo Federal quanto ao momento.

A Fecomércio/AC informa ainda que, caso não ocorra um acordo ainda nesta semana, poderá haver impactos negativos na economia, como aumento no custo dos fretes e consequente alta no preço final das mercadorias para o consumidor. Tal variação pode pressionar os índices de inflação e, posteriormente, influenciar inclusive a política de juros, cuja trajetória de queda foi interrompida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) em sua última reunião.

A redução artificial dos preços dos combustíveis e o corte do PIS/Cofins não resolvem o problema em definitivo, pois é necessária a discussão da elevada carga tributária do país, que em alguns casos corresponde a quase metade do preço final do produto. O ICMS é o principal elemento de elevação dos custos, onerando o produto ao consumidor final em 27%.