Produtores rurais participam de curso sobre fabricação de derivados do leite

Queijos dos mais variados tipos, iogurtes, manteiga, doces e até licor estão entre os produtos derivados do leite ensinados na qualificação “Fabricação de derivados do leite”, ofertado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem (Senar) em parceria com o governo do Estado por meio da Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) e Embrapa na Expoacre 2018.

Os participantes são produtores rurais de Acrelândia, Bujari, Senador Guiomard, Plácido de Castro e Rio Branco que estão participando das aulas na carreta do Núcleo Móvel de Transferência de Tecnologia da Embrapa, na Fazendinha.

Francisco Dantas, coordenador da Cadeia do Leite da Seaprof, explicou que muitos produtores de leite estão investindo na produção informal. “Em virtude disso, reunimos aqui produtores do entorno da capital para esse curso de boas práticas. Eles já produzem produtos de excelente sabor, mas precisam imprimir mais qualidade”, afirma Dantas.

Valdomiro Bento, participante do curso, disse que a oportunidade está sendo importante. “Isso nos ajuda a alavancar a renda familiar”, destacou o produtor.

A qualificação tem duração de 24 horas, que está sendo dividida em três dias. No encerramento do curso haverá uma degustação dos produtos produzidos pelos participantes da qualificação.

trator

Jovens participam de curso de mecanização agrícola em Feira

A expansão na economia rural promovida nos últimos oito anos, por meio de incentivos do governo do Estado nas cadeias produtivas, trouxe mudanças para o Parque de Exposições Wildy Viana. Uma das mais expressivas é a criação do Campus do Agronegócio, que neste ano adquiriu mais uma funcionalidade, sendo a “sala de aula” de jovens que participam do curso de mecanização agrícola ofertado em parceria entre o governo do Estado, por meio da Secretaria de Agropecuária (Seap), Senar, Embrapa e Sebrae.

Os participantes são jovens filhos de produtores rurais, acadêmicos da Universidade Federal do Acre (Ufac) e servidores da Embrapa, que ao longo da semana tiveram aulas teóricas e também práticas sobre a mecanização agrícola.

“A metodologia utilizada é para atender a necessidade de mercado, capacitando os alunos para que eles saibam manusear as máquinas modernas que estão chegando ao estado. Temos aqui treze alunos que estão aprendendo sobre regulagem, sistema da máquina, componentes, localização e interpretação de cada componente e manutenção. Teremos ainda a operação das máquinas”, detalhou o instrutor Roberto Souza.

Josué de Lima Tavares é filho de produtores rurais e mora numa área de assentamento. Ele conta que trabalha com máquinas de mecanização na área de plantio da família, mas admite que não tinha conhecimento técnico sobre a manutenção da máquina.

“Está sendo um grande avanço para mim porque eu mexia com máquina, mas o que estou aprendendo aqui é totalmente diferente de tudo que já fiz. Está ajudando bastante no meu conhecimento”, completou Tavares.

A acadêmica de Agronomia da Ufac Manoela Souza ressalta que a experiência é bem diferente do que se aprende na universidade. “Por mais que tenhamos essas disciplinas na Ufac, elas são ensinadas de modo abrangente. Aqui estamos aprendendo de maneira detalhada, e quem ainda não sabe dirigir esse tipo de veículo vai aprender.”