Acusado de estuprar menina de 11 anos, homem que se fantasiava de Batman é preso no Acre

Valdemar Queiroz, 54 anos, o homem que se fantasiava de Batman, foi preso na manhã desta segunda-feira (26), durante cumprimento de mandado de prisão pela Polícia Civil.

O crime teria acontecido em setembro deste ano. As câmeras de segurança de um motel localizado na Via Chico Mendes mostraram o momento em que o acusado entrou e saiu do motel. A menina teria sido largada próximo ao Arena da Floresta com a quantia de R$ 5 reais para que pegasse um ônibus e fosse para casa, informou a delegada Elenice Frez.

Em seu depoimento, a criança relatou que tinha ido à escola, mas, ao chegar lá, foi avisada que não teria aula e no caminho para casa foi abordada pelo suspeito que a colocou no veículo e a levou para o motel no segundo distrito.

A delegada ressalta a importância da fiscalização desses motéis quanto à entrada de menores no estabelecimento.

“A placa não vai inibir o estuprador de cometer um crime. É preciso que haja fiscalização de quem entra e sai desses lugares porque se estivessem cumprindo a lei esse estupro não tinha acontecido”, disse Elenice

O homem, que trabalhava em uma farmácia de Rio Branco fantasiado e que em diversos eventos se intitulava “Batman do Acre”, foi reconhecido pela menina por meio de foto e pessoalmente.

No rio Purus, infratores tentam estuprar menor e decepam dedo da mãe da vítima

Um caso extremo de violência na zona rural chegou ao conhecimento da delegacia de Sena Madureira. A denúncia indica que uma criança sofreu tentativa de estupro e uma mulher ficou ferida a golpes de terçado ao defender a filha, o pai da garota também apanhou. Os acusados da barbárie são dois homens sobrinhos do casal agredido, que estão em liberdade.

De acordo com Maria Antônia Clemente, o caso ocorreu na comunidade Sardinha, lado direito do rio Purus, no último dia 14 de novembro pela parte da tarde.

Naquela data, sua filha de apenas 12 anos de idade quase foi estuprada pela dupla e, como consequência, fraturou o braço esquerdo ao correr para não ser violentada.

Não satisfeitos, os homens – cuja identificação já foi repassada a polícia, agrediram a mãe da menor com várias terçadadas nos braços. Pelas fotos é possível visualizar que a trabalhadora rural teve um dedo decepado, além de sofrer outros cortes no braço esquerdo.

De acordo com Maria Antônia, o esposo dela também sofreu agressão e teme pela vida, porque houve ameaça de morte. Para intimidar a família, os malfeitores ameaçaram “terminar o serviço” caso a família voltasse para sua residência ou comunicasse o ocorrido às autoridades.

Desesperada e sem saber o que fazer, a dona de casa procurou a polícia de Sena Madureira para pedir ajuda.

A polícia deve tomar às devidas providências, no entanto, preferiu não divulgar para não atrapalhar a investigação. Como o lugar pertence a jurisdição amazonense, a delegacia de Boca do Acre também deverá ser comunicada do caso.

Segundo a polícia civil, a família necessita, inclusive, de ajuda material, pois não tem condição de comprar roupa e até comida para se manter na cidade enquanto resolve o impasse. Quem desejar oferecer algum tipo de mantimento, pode procurar a delegacia de Sena Madureira. A secretaria de assistência social também será comunicada.

Homem que se diz pastor é linchado por populares após suposta tentativa de estupro

Um homem identificado como José Barroso dos Santos, que se intitula pastor evangélico, foi quase linchado por populares após suposta tentativa de estupro. O fato teria acontecido no início da tarde de terça-feira (21), na Avenida Sul, próximo ao Pinicão do bairro Tucumã, em Rio Branco.

Segundo o registrado pela Polícia Militar, ele teria sido visto puxando uma adolescente contra sua vontade para um matagal da região e foi impedido por populares que iniciaram as agressões até a chegada dos militares.

A adolescente não foi localizada para o registro da queixa. O homem que a todo momento dizia que era pastor e negava a tentativa de estupro foi encaminhado à Delegacia para prestar esclarecimentos. O caso está sob a responsabilidade do Núcleo de Atendimento a Criança e ao Adolescente.

Delegado e policiais são investigados por torturar e estuprar jovem com barra de ferro dentro de delegacia no Acre

Grupo teria agredido vítima e inserido barra de ferro no ânus dele para que desbloqueasse um celular. Secretário e corregedor-geral da Polícia Civil afirmaram que não podem se pronunciar pois o caso corre em segredo de justiça

O Ministério Público do Acre (MP-AC) ofereceu denúncia contra o delegado de Polícia Civil Karlesso Nespoli e nove policiais por torturar e estuprar um jovem dentro da Delegacia de Investigações Criminais (DIC), em Rio Branco.

O caso ocorreu em 5 de setembro de 2016 na Travessa Beco Morada do Sol, no bairro Jardim Eldorado.

A denúncia foi oferecida à Justiça em 3 de outubro deste ano. A reportagem tentou contato com o delegado, mas as chamadas foram rejeitadas e não houve retorno. O advogado responsável pela defesa do delegado e dos policiais envolvidos não atendeu e nem retornou as chamadas.

O secretário de Polícia Civil, Carlos Flávio Portela, informou que não poderia se pronunciar, pois até o dia 31 de dezembro ele é autoridade julgadora em eventual processo no âmbito administrativo, se houver. “Então, não posso me manifestar sobre o caso”, afirma.

Já o corregedor-geral da Polícia Civil, Alex Cavalcante, diz que possui conhecimento e acompanha o caso, mas que não pode se pronunciar, pois o processo corre em segredo de justiça. “Como já está na fase judicial, eu estaria até cometendo um crime se tivesse falando qualquer coisa sobre ele”, destaca.

Tortura

Conforme a denúncia, a vítima, na época com 17 anos, foi levada de dentro de casa sem que houvesse ordem judicial ou situação de flagrante e emergência. Os policiais teriam arrombado as portas da casa e vasculhado o local, em seguida levaram a vítima em viaturas descaracterizadas.

Além disso, eles teriam se apropriado de R$ 900 que pertenciam à proprietária da casa, um televisor de 16 polegadas. Sendo que outros objetos levados foram apresentados como se estivessem sido achados em outros locais.

Após ser torturado, o jovem foi liberado na Estrada do Panorama, no bairro São Francisco, duas horas após ser tirado de casa. A denúncia do MP-AC afirma que o adolescente sofreu lesão corporal gravíssima com emprego de violência física.

Em um dos trechos da denúncia, o MP-AC diz que a vítima relatou ter sido mantida em cárcere privado e que, por meio de ameças, o agrediram com uma barra de ferro e introduziram no ânus dele. As agressões, segundo o órgão, foram confirmadas por exames médicos de corpo de delito.

A intenção da tortura, segundo o MP, era fazer com que o jovem desbloqueasse o celular que estava com ele para obterem informações.

Omissão

Ainda segundo o MP, o delegado Karlesso Nespoli se omitiu em instaurar um procedimento para apurar o caso. Porém, o órgão afirma ter apurado que o delegado sabia da operação que resultou na tortura do jovem.

Mas, de acordo com o depoimento da vítima, o delegado não só tinha conhecimento da operação, mas também atuou e coordenou as ações efetivamente.

Além disso, teria se reunido com os policiais denunciados para tratar do assunto, solicitando a outras delegacias que fossem cedidos policiais e deu entrevista sobre a apreensão feita alegando que os objetos foram apreendidos durante uma operação e pertenciam à vítima.

No processo, o MP pede prisão de quatro anos, que os denunciados sejam citados à acusação para responderem por escrito e designação de audiência de instrução e julgamento. Além disso, deve ser fixado um valor para reparação dos danos causados pelos crimes.

Homem é preso suspeito de levar menina de 13 anos com deficiência para matagal e estuprá-la no interior do AC

Delegado diz que suspeito negou estupro e disse que apenas beijou a menina já que ela ‘vivia correndo atrás dele’. Caso ocorreu no bairro Triângulo em Sena Madureira

Um homem de 27 anos foi preso suspeito de estuprar uma menina de 13 anos com deficiência física e mental no bairro Triângulo, na cidade de Sena Madureira, no interior do Acre. Segundo o delegado responsável pelo caso, Samuel Mendes, o homem negou o estupro e disse que apenas beijou a menina.

O estupro teria ocorrido no início da semana e o homem foi preso na quarta-feira (15) em cumprimento a mandado de prisão. O delegado afirmou que um exame comprovou que a menina não é mais virgem e ela contou que o rapaz a levou para um matal, a jogou em um açude e cometeu o estupro.

“A mãe, a menina e um conselheiro tutelar estiveram na delegacia para denunciar o caso. O conselheiro contou que foi informado ainda no dia do crime e chegou a ir no local, ouviu barulhos, mas com receio, resolveu chamar a polícia. Ao chegarem no local, já não tinham mais ninguém”, contou o delegado.

Mendes disse que o conselheiro procurou a família da menina e contou que tinha recebido a informação de que ela havia sido estuprada. Foi quando a menina confirmou a história e eles procuraram a delegacia.

“A vítima narrou que o rapaz havia procurado ela e que no caminho para um balneário, a arrastou para um matagal e lá arrancou a roupa dela e a estuprou. Uma testemunha chegou a ver os dois juntos no dia da ocorrência. Daí, representei pela prisão dele, que foi deferida pelo poder judiciário e cumprimos a prisão”, disse Mendes.

Na delegacia, o rapaz confirmou que havia encontrado com a menina, mas negou o estupro. “Falou que só chegou a dar uns beijos nela, porque ela vivia correndo atrás dele, mas que em momento algum ele a forçou a fazer nada. Por mais que tenha havido isso, pelo fato de ela ser menor de 14 anos, entra no estupro de vulnerável”, concluiu.

Suspeito de estuprar aluna de pedagogia parou em farmácia para comprar preservativos, diz polícia

Estudante foi abordada próximo ao Ifac por um homem armado com um canivete. Caso ocorreu nesta segunda (14); Polícia Civil investiga o caso

O suspeito de estuprar a estudante de pedagogia da Universidade Federal do Acre (Ufac), campus Rio Branco, parou em uma farmácia para comprar preservativos e deixou a aluna trancada no carro, de acordo com a Polícia Militar do Acre (PM-AC). Ainda de acordo com a PM, a aluna disse que foi levada para dentro do campus e abusada pelo suspeito sob a mira de um canivete.

A PM acrescentou que a jovem foi abordada próximo ao Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Acre (Ifac), no Conjunto Xavier Maia, por um homem armado com o canivete.

A Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam) afirmou que não pode passar mais detalhes do caso para não atrapalhar as investigações. A delegada responsável pelo caso, Kelcinaira Mesquita, revelou que já ouviu a estudante, que tem 18 anos, e que já foram feitos exames para confirmar ou não o estupro.

Ainda segundo a PM-AC, a abordagem ocorreu por volta do meio-dia de segunda-feira (14). O suspeito ameaçou a aluna para ela entrar no carro. Dentro do veículo, a estudante pediu para parar na Escola Glória Perez, no mesmo conjunto, para pegar uns documentos pessoais.

O motorista concordou em parar no colégio, mas com a condição de que a aluna voltasse para o carro, senão entraria no local para furá-la com a arma. Ele parou o veículo na escola e ficou aguardando a estudante voltar. Após alguns minutos, a jovem retornou, o suspeito parou na farmácia e levou a vítima para um lugar deserto na Ufac.

Após isso, a aluna foi deixada na universidade pelo suspeito, onde pediu ajuda. A PM-AC acrescentou ainda que as informações foram repassadas pela própria estudante durante atendimento da equipe policial.

Na zona rural de Tarauacá, adolescente mata o pai que a estuprava há dois anos

Ocaso aconteceu na colônia São José, ramal do Cachoeira, zona rural do município de Tarauacá. Uma adolescente de 14 anos teria matado o pai, Augusto Moraes da Silva, 34 anos, com um tiro de espingarda, na noite desta terça-feira, 07, porque já não aguentava mais ser abusada sexualmente por ele. Os abusos, segundo depoimento inicial da menor à polícia, ocorriam há dois anos.

Ela foi conduzida junto com sua mãe, a produtora rural Maria José Alves de Souza, 45 anos, à delegacia da cidade para prestar depoimento.

Ainda no depoimento, a garota contou, em detalhes, que seus pais começaram a consumir bebida alcoólica e por volta das 23 horas, quando sua mãe já estava dormindo, seu pai pegou uma faca e foi até onde ela estava e sob ameaça de mata-la e matar todos da casa, como fazia todas as vezes, mesmo ela tentando resistir, a estuprou novamente. Foi quando sua mãe acordou e travou uma luta corporal com o marido. Nessa hora, a garota pegou a espingarda e atirou no pai. A arma foi apreendida.

O delegado José Obetânio diz que a polícia irá fazer os procedimentos que são de sua competência, porém pelo que já apurou a adolescente agiu em legítima defesa da honra.

“A garota será ouvida, vamos lavrar o procedimento que é o dever da policia. Já pedi o exame de conjunção carnal, avisarei ao Conselho Tutelar, mas, posso adiantar que pelo que apurei a mesma cometeu o crime em legítima defesa de sua honra”, disse Obetânio..