Espanha empata com Marrocos e avança na ponta e pegará a Rússia

Time espanhol mais uma vez pareceu incomodado com a pressão e a polêmica gerada com a saída de Julen Lopetegui

Sem vencer e sem convencer, a Espanha contou com o VAR e o empate entre Portugal e Irã para se classificar na primeira colocação do Grupo B da Copa do Mundo nesta segunda-feira. Mesmo decepcionando novamente o seu torcedor e ficando apenas no 2 a 2 com Marrocos, em Kaliningrado, os comandados de Fernando Hierro garantiram a liderança da chave.

Diante de um adversário já eliminado, a Espanha ficou atrás do placar em duas oportunidades e só conseguiu arrancar o empate nos momentos finais da partida. O time mais uma vez pareceu incomodado com a pressão e a polêmica gerada com a saída de Julen Lopetegui às vésperas da Copa e não mostrou o futebol que o fez ser considerado um dos favoritos ao título.

Apesar disso, os espanhóis encerraram a primeira fase com cinco pontos, saldo positivo de um gol e seis gols marcados. E foi justamente neste último quesito que superaram Portugal, que avançou em segundo por ter marcado um gol a menos. Na próxima fase, o confronto espanhol será diante da Rússia, enquanto os portugueses encaram o Uruguai.

Como nas duas primeiras partidas, a Espanha viveu de lampejos de seus principais jogadores nesta segunda. Desta vez, foram Isco e Iniesta que se apresentaram para tentar mudar o destino de uma Espanha sem inspiração. Curiosamente, o craque do Barcelona também foi vilão nesta segunda, ao entregar a bola para o primeiro gol iraniano. O empate, porém, só foi selado em lance confuso no gol do reserva Aspas, inicialmente anulado e só validado após consulta ao VAR.

Surpresa

Quem esperava uma postura passiva de Marrocos se enganou e pôde constatar isso logo nos primeiros minutos. Agressivo, até fisicamente em alguns momentos, o time africano surpreendeu o adversário e largou em vantagem. Iniesta cometeu raro erro no meio de campo, que Boutaib aproveitou para arrancar sozinho desde o meio de campo. De frente para De Gea, finalizou sob o goleiro para comemorar.

A falha, porém, pareceu acordar Iniesta, que ao lado de Isco se tornou dono do meio de campo no primeiro tempo. Foi dos pés dos dois, aliás, que saiu o empate espanhol aos 18. Eles fizeram triangulação com Diego Costa, Iniesta recebeu na área, passou pelo marcador e tocou para Isco marcar.
A comodidade com a classificação e o empate rápido pareceram fazer mal à Espanha, que foi acometida por um relaxamento extremo, principalmente na parte defensiva. Em um exemplo perfeito desta desatenção, um arremesso lateral marroquino deixou Boutaib novamente livre para invadir a área. Desta vez, porém, o atacante foi mal e bateu em cima de De Gea.

Domínio

Se o fim de primeiro tempo não foi dos melhores para a Espanha, a volta do intervalo trouxe um domínio completo de Marrocos. Sem nada a perder, a seleção africana se lançou ao ataque e passou a incomodar. Aos nove minutos, quase voltou à frente em finalização de Amrabat de fora da área, que parou no travessão.

Encontrando muitas dificuldades para escapar da marcação, a Espanha decidiu tentar pelo alto, e quase deu certo. Aos 16, Carvajal cruzou da direita, Isco subiu muito e tocou de cabeça, cruzado. Saiss, embaixo da trave, salvou. Na cobrança de escanteio, Piqué também levou perigo, jogando rente à trave.

O jogo se tornou um pouco mais aberto, com Marrocos se mostrando perigoso constantemente. E, justamente pelo alto, os africanos chegaram ao segundo gol. Aos 36 minutos, El-Nesyri aproveitou escanteio da direita, ganhou fácil de Sergio Ramos e testou firme para a rede.

Foi a vez da Espanha, então, se lançar desesperadamente ao ataque. E na esperteza de uma cobrança rápida de escanteio, igualou o placar. Enquanto alguns marroquinos reclamavam com a arbitragem, Carvajal se apressou para receber o passe e cruzou para Aspas, que finalizou de letra para a rede. Inicialmente, foi dado o impedimento, mas após revisão no vídeo, o gol foi validado e o placar selado, aos 46.

La Roja supera retranca e reage na Copa do Mundo

Fechado, o Irã dificultou as coisas para os espanhóis, que conseguiram a vitória com gol de Diego Costa

A Espanha espantou a zebra e o “fantasma” da Copa de 2014 ao conquistar uma suada vitória sobre o Irã por 1 a 0, nesta quarta-feira, em Kazan. Um gol de Diego Costa, com a ajuda da defesa iraniana, manteve os campeões mundiais de 2010 na briga pela classificação e pela primeira posição do Grupo B da Copa do Mundo da Rússia.

O gol veio no início da segunda etapa, após boa dose de sofrimento e frustração no primeiro tempo, diante da retranca do rival. Depois de abrir vantagem, a Espanha ainda precisou superar sustos em sua defesa. O limitado Irã chegou a marcar o gol de empate, devidamente anulado, por impedimento.

O primeiro triunfo espanhol em solo russo afastou o risco de queda precoce na Copa, como aconteceu há quatro anos, no Brasil. E também deixou a chave embolada. Espanha e Portugal estão empatados em praticamente todos os quesitos, ambos com quatro pontos. Os espanhóis ocupam o primeiro lugar por conta do número de cartões amarelos. O Irã é o terceiro, com três, e o Marrocos, já eliminado, segue sem pontuar.

A Espanha encerrará sua participação no Grupo B, em busca da classificação, contra o Marrocos na próxima segunda-feira, em Kaliningrado. O Irã vai duelar com Portugal no mesmo dia, em Saransk.

Irã aguerrido

Depois do empate com Portugal na estreia, a Espanha entrou em campo com uma formação mais ofensiva nesta quarta. Fernando Hierro trocou Koke por Lucas Vázquez. E fez um ajuste na defesa ao devolver Carvajal, poupado na estreia por estar se recuperando de lesão, para a lateral direita.

Hierro sabia que sua seleção iria encarar uma retranca complicada em Kazan. E a Espanha precisou de poucos segundos em campo para perceber que o Irã iria se defender com até seis jogadores na primeira linha defensiva. E que teria até 11 jogadores atrás da linha da bola.

O resultado foi um duelo franco entre ataque e defesa, em que o Irã levou a melhor durante todo o primeiro tempo ao congestionar sua área e a intermediária. Para ajudar, os espanhóis exibiram afobação de forma precoce no jogo, gerando erros bobos e jogadas mais óbvias.

A Espanha também sofria por priorizar as jogadas pelo meio, em detrimento dos laterais. Iniesta tinha pouca mobilidade e David Silva desperdiçava as raras oportunidades no ataque. A primeira surgiu aos 24, em cobrança de falta. O goleiro Beiranvand defendeu com facilidade.

Cinco minutos depois, o meia do Manchester City tentou um chute meio atrapalhado enquanto girava, quase na pequena área. Mandou por cima do travessão. E, aos 46, em sua melhor chance, encheu o pé de fora da área. Mas viu a bola desviar na defesa e passar perto da trave direita do goleiro iraniano.

O Irã, estacionado na defesa, tentou lances esparsos de contra-ataque no início da partida. E, a partir dos 30, permaneceu no ataque por raros minutos, o que não foi aproveitado pela Espanha como contragolpe.

Pegado

Para o segundo tempo, Hierro manteve a confiança em seus titulares e evitou mudanças. Ele quase foi premiado nos primeiros minutos, quando Piqué e Vázquez perderam grandes chances. Em uma etapa mais movimentada, o Irã buscou o ataque e quase abriu o placar aos 7, com Karim Ansarifard, dando um susto na defesa europeia.

Os espanhóis foram do susto à festa em apenas um minuto. Numa rápida trama no ataque, a bola sobrou para Diego Costa na defesa iraniana. O zagueiro tentou tirar, mas bateu em cima do atacante, que viu a bola morrer no fundo das redes.

Em desvantagem, o Irã passou a buscar o ataque. Levou perigo aos 14 e até balançou as redes dois minutos depois. Mas o árbitro assinalou correto impedimento de Ezatolahi, que comemorava o gol com toda a delegação iraniana quando o lance já estava anulado.

Passado o novo momento de apreensão na defesa, a Espanha acalmou o jogo e passou a administrar a vantagem. O Irã teve mais uma boa chance de gol, aos 36, mas não converteu. E os favoritos confirmaram a primeira vitória na competição.

Hierro se diz satisfeito com futebol da Espanha e destaca aplicação do Irã

Treinador destacou as qualidades do adversário, mas admitiu que Espanha teve dificuldades para impor o estilo de jogo na partida desta quarta-feira

A vitória por 1 a 0 sobre o Irã, nesta quarta-feira, com direito a gol anulado dos iranianos, está longe de ser um resultado que empolgue a Espanha. Mesmo chegando aos quatro pontos e assumindo a liderança do Grupo B, ao lado de Portugal, os espanhóis não esconderam o desconforto. Mesmo tentando destacar a qualidade do adversário, o técnico Fernando Hierro reconheceu as dificuldades encontradas pela Fúria para superar um adversário que, em tese, não traria tantos problemas.

– Nós sabíamos que seria um jogo difícil. Fomos bem nos primeiros 15 minutos, mas depois o jogo teve muitas faltas e fica difícil de pegar o ritmo. Tentamos trocar coisas no intervalo, abrir, usar os laterais. No segundo tempo foi a mesma coisa, com uma boa atuação nos primeiros 20 minutos. A gente sabe que esses resultados apertados, o jogo pode virar. O Irã era muito preparado, sabíamos que seria um jogo dificil.

Teantando manter um discurso otimista, Hierro preferiu destacar o empenho dos espanhóis, mas recoonheceu que o rentimento da equipe precisa melhorar. No entanto, o treinador deixou claro que não pretende mudar o estilo de jogo da Fúria que, segundo ele, é algo que vem sendo preparado há vários anos.

– A copa do mundo é difícil para todos. Gostaríamos de melhorar, mas não tem jogo fácil. É muito equilibrado e ninguém deixa nada fácil. Temos muito jogos sem perder, com conceitos claros e estamoos trabalhando há sete anos. Nosso time não vai deixar nada fácil, também. Estou feliz pelos jogadores, pois sabiamos que o jogo seria difícil.

Evitando ao máximo um tom de cobrança, Hierro disse acreditar que, mesmo com uma vitória magra, a Espanha fez o que precisava fazer para seguir firme na luta pelo título mundial.

– Meus jogadores fizeram o que tinham que fazer. O Irã é um time forte e é muito difícil pontuar contra eles. Sabíamos o quanto seria difícil. Mas, mais uma vez, meus jogadores deram tudo. Como um grupo de 23 jogadores, eles estão muito comprometidos. Somos uma equipe e é assim que vamos jogar até o final. Sabemos que ainda precisamos melhorar, mas esperamos continuar vencendo à medida que melhorarmos

Cristiano Ronaldo faz três gols e garante empate com a Espanha

O jogo mais esperado da primeira rodada não decepcionou. Em uma partida de alto nível técnico e seis gols, Portugal e Espanha empataram por 3 a 3.

O camisa 7 português, Cristiano Ronaldo, foi o nome do jogo. Converteu o pênalti sofrido por ele, marcou com a bola rolando e, no final, garantiu o empate de Portugal com uma cobrança de falta perfeita.

A Espanha foi melhor durante quase toda a partida. Teve 67% de posse de bola e as melhores chances de gol. Mas não é à toa que Cristiano Ronaldo carrega a fama e o posto de melhor jogador do mundo. No final, comemorou o empate como se fosse uma vitória.

Apesar de ter conquistado apenas um ponto, Portugal não deixou a Espanha liderar o grupo B e as duas seleções seguem favoritas para avançar para as oitavas de final.

O jogo

Portugal começou o jogo com muita intensidade. Tentou a pressão desde o primeiro segundo de jogo e não precisou de muito tempo para abrir o placar. Cristiano Ronaldo entrou na grande área driblando e foi derrubado por Nacho. Apesar da reclamação dos espanhóis, o árbitro italiano Gianluca Rocchi marcou o pênalti. O próprio “CR7” bateu o pênalti, no canto esquerdo de De Gea, que sequer saiu na foto.

O jogo ficou equilibrado a partir daí. Portugal se recusou a recuar e esperar a Espanha. Continuou atacando e, com isso, abrindo espaços para o adversário. Foi assim que, aos 23 minutos, Diego Costa recebeu na entrada da área, iludiu dois defensores com uma finta de corpo e chutou no cantinho esquerdo, sem chances para o goleiro Rui Patrício. A Espanha empatava.

O gol assustou Portugal e animou a Espanha, que apareceu bem no ataque com Iniesta e Isco. Mas justamente quando os espanhóis estavam melhor no jogo, Cristiano Ronaldo voltou a ser decisivo. Aos 43 do primeiro tempo, Gonçalo Guedes recebeu lançamento no ataque e tocou para CR7. O atacante chutou com força, de fora da área. De Gea tentou amortecer a bola, mas falhou e a bola morreu no fundo da rede. Foi o último ato de um grande primeiro tempo.

Segundo tempo

A Espanha continuou a pressão iniciada no primeiro tempo. Portugal não conseguia emendar um contra-ataque eficiente. Na pressão, com toque de bola, a Espanha empatou de novo aos 9 minutos. Após bola alçada na área, Busquets escorou de cabeça para Diego Costa. O brasileiro naturalizado espanhol apenas empurrou para o gol livre.

O time do técnico Hierro, que assumiu a seleção há apenas dois dias continuou pressionando. Acuada, a defesa de Portugal apenas assistiu, aos 12 minutos, o lateral direito Nacho aproveitar a sobra e, de fora da área, acertar um lindo chute, que bateu nas duas traves antes de morrer no fundo do gol. A superioridade técnica da Espanha, enfim, aparecia no placar.

Portugal não conseguia encaixar nenhum ataque eficiente. A defesa espanhola estava segura durante todo o segundo tempo. Mas foi preciso só uma falha para Cristiano Ronaldo aparecer de novo.

O camisa 7 sofreu falta de Piquet perto da área. Com precisão cirúrgica, o melhor jogador do mundo cobrou a falta no ângulo de De Gea, que sequer tentou buscar. Desespero da torcida espanhola, que viu o time dominar quase todo o jogo e, no final, deixar escapar a vitória por entre os dedos.

Quem lidera o grupo B é o Irã, que venceu Marrocos no outro jogo do grupo. Espanha e Portugal aparecem com um ponto cada e Marrocos é a lanterna, com nenhum ponto conquistado.

Na próxima rodada, Marrocos enfrenta Portugal e o Irã joga contra a Espanha.