Jovem encontra na pandemia oportunidade para empreender e contornar a crise

A chegada da pandemia do novo coronavírus deu uma reviravolta na vida de muita gente ao redor do mundo. Pessoas perderam suas vidas, outras ficaram desempregadas. Foi preciso adaptar a rotina para fugir da Covid-19. Mas em meio desse tsunami milhares de trabalhadores resolveram abrir seu próprio negócio e até mesmo expandir o que já existia. Foi o caso do Wendell Barbosa, proprietário da Ótica Novo Estilo.

A história desse jovem empreendedor é de muita superação e movido a desafio, segundo ele. Barbosa conseguiu, na pandemia, manter as duas lojas que tinha e abriu mais três, mesmo com o cenário de instabilidade.

“Na verdade comecei do zero com uma caixa de papelão para carregar os óculos e com um sentimento dentro de mim que não deixava desistir. Não foi fácil, mas sabia que eu ia vencer e hoje, depois de quase seis anos, tenho a maior rede de óticas do Acre e ainda esse ano vamos abrir mais outras lojas”, disse Barbosa.

Mas o empresário afirma que ficou assustado com a chegada da pandemia. Os decretos governamentais de fechamento dos serviços não essenciais, segundo ele, fez com que adotasse estratégias diferentes das habituais e o negócio cresceu.

 “Quando iniciou a pandemia em março de 2020, veio aquele choque do que seria do futuro e o que poderia acontecer. A pandemia me fez colocar em prática tudo àquilo que já estava programado a fazer. Nesse momento difícil pra todos me ajudou a realizar tudo que planejei e dentro de 1 ano consegui abrir mais quatro óticas e uma franquia de seguros”, ressaltou.

“Encontrei muita gente dizendo que não adiantava abrir negócio na pandemia. Resolvi ouvir a Deus e aos meus extintos e deu certo. Persistir é sempre uma boa opção.”

Diferente de muitas empresas pelo Brasil a fora que demitiram seus colaboradores, Wendell Barbosa aumento o quadro de funcionários da sua empresa. Hoje já são 15 pessoas diretamente trabalhando. De acordo com ele, apresentar seu negócio nas redes sociais alavancou suas vendas.

“Conseguimos oferecer mais vagas de empregos ao longo dessa pandemia. Mas porque precisei entender  que o mundo tinha mudado e os hábitos também. Preparei estratégias de vendas para alcançar aquele cliente que não visita mais as lojas físicas. Estudei muito na pandemia para conseguir alcançar nossos objetivos”, disse.

“Acredito muito no Brasil e entendo que não é fácil manter ou abrir um negócio devido a toda burocracia que vivemos, mas acredito muito no potencial do Brasil e também que podemos ser honestos em meio ao caos.”

Pesquisa mostra crescimento nas vendas pela internet

Para 2021, a tendência é que os empreendedores sigam apostando na Internet, e em especial nas redes sociais. É o que mostra uma pesquisa da ao³, uma marca que potencializa negócios de micro, pequenas e médias empresas e escritórios de contabilidade, realizada com donos de microempresas, empresários de pequeno porte e MEIs da indústria, varejo e serviços.

A “Pesquisa sobre as Perspectivas do Empreendedor Brasileiro para 2021” aponta que dos 140 empreendedores ouvidos, 60% vendem pela Internet. Entre os canais favoritos deles estão: Whatsapp (40%), redes sociais (27,7%), plataformas de terceiros (12,3%) e E-commerce (7,7%). Mesmo com a atual conjuntura econômica, 72% registraram mais vendas pela Web, sendo que 27% aumentaram as suas receitas em 10%, 21,6% em 20% e 21,6% em 50%.

Já em relação aos investimentos realizados na empresa, 44% mantiveram o valor aportado em 2019, 17,5% aumentaram em até 50% e 17,5% diminuíram em até 50%.

Entre as razões que atrapalharam o crescimento dos negócios, as três mais mencionadas foram: pandemia (68%), carga tributária elevada (39%) e juros altos (28,5%).

Rumos para 2021

Sobre o crescimento econômico do País, a expectativa de 45% dos empreendedores é cautelosa, enquanto para outros 40% é favorável e para 13% desfavorável.

Já quanto ao crescimento do próprio negócio, 50% dos pequenos empresários têm uma perspectiva cautelosa e 44% favorável. Para o faturamento, a projeção é positiva e 63% acreditam que irão faturar mais, 20% creem que a receita se manterá, enquanto 8% esperam um lucro menor.

Com relação a investimentos, os empreendedores se mostram mais otimistas: 45% respondentes pretendem injetar novos recursos na empresa, enquanto 34% não decidiram e 21%, não devem fazer investimentos.

“Em 2020, avançamos pelo menos duas décadas em termos de transformação digital. Essa mudança acelerada pressiona as empresas a se reinventarem. Quando pensamos no microempreendedor pode ser ainda mais desafiador, pois sabemos que ele desempenha muitas funções na empresa: faz a gestão, atende o cliente, fecha o caixa, fala com fornecedor, cuida das vendas, entre outras funções. Tudo isso, na maioria dos casos, sozinho.  Por isso, nós acreditamos na importância da tecnologia simples, fácil de usar e eficaz para resolução de problemas e ajudar na digitalização dos pequenos negócios para que eles possam acompanhar as mudanças e evoluir”, diz Jorge Santos Carneiro, presidente da ao³.

O site Opinião quer ouviu sua história durante a pandemia. Quais os seus desafios? Pensou em desistir ou não conseguiu manter seu negócio? Usou a pandemia para abrir seu negócio? Conte pra gente. Fale conosco pelo [email protected] ou telefone whatsapp 68 99602-2190. Queremos contar a sua história.