As dívidas emocionais que contraímos ao longo da vida

Por muitos tempo da minha vida me vi presa às dívidas emocionais que fui contraindo ao longo da caminhada.

Geralmente isso se dava com os meus pais, familiares mais chegados, marido (que hoje é ex-marido), amigos queridos e próximos.

As dívidas emocionais se resumem no seguinte: achamos que pelo fato de terem nos criado (no caso dos pais), de terem nos prestado algum tipo de auxílio (familiares), de terem sido legais conosco (amigos), ou por terem casado com a gente (maridos), devemos obediência e uma vida inteira de dedicação e de serviço, sem ao menos olharmos para as nossas próprias necessidades e desejos.

A felicidade que buscamos e da forma que buscamos ofende e fere aqueles que fazem parte do nosso convívio familiar e social, e por conta disso desistimos de sermos felizes, porque, afinal de contas, quem quer magoar alguém????

Percebendo todo esse panorama, tenho dado um verdadeiro basta nessa condição, que venho arrastando por muito tempo.

Não quero dependência, nem depender de ninguém.

Não quero mais agir por culpa ou dívida.

Não quero mais fazer nada por obrigação, com tensão ou pressão!

Não quero pagar uma conta que não é minha, por pena ou algo desse tipo!

Só quero escolher o melhor pra mim, porque assim poderei dar o meu melhor.

Quero parceria e afinidades, companheirismo e cumplicidade.

Quero agir por GRATIDÃO para ter trocas verdadeiras!

Quero ter paz para escolher meu caminhar sem me culpar pelas escolas que fiz ou por quem ficou fora delas.

Amarramos nossas vidas, não concretizamos nossos sonhos por acharmos que se nos posicionarmos contrariamente a alguém, sobretudo a quem amamos, afrontaríamos ou magoaríamos aquelas que fizeram “algo” por nós.

Em alguns casos isso é tão forte que passamos a nos julgar como egoístas ou pessoas de má índole por querer tomar o nosso caminho e deixar para trás pessoas que já não fazem mais parte dele!

Nós diminuímos para estar do lado e não perder vínculo daqueles que não conseguem enxergar além, só porque temos medo de magoa-los ou do que eles vão pensar a nosso respeito.

E nisso, seguimos frustradas e presas a uma realidades que não nos pertence, pela simples incapacidade emocional de dizermos NÃO a essas dívidas emocionais.

Libertar-se desses comportamentos exige, antes de mais nada, reforma íntima para nos tornarmos seguros da nossa verdade, daquilo que desejamos e do que somos.

Quando estamos seguros cada pessoa que faz parte das nossas vidas vai tomando seu lugar, conforme as escolhas que vamos fazendo na vida.

O grau de segurança que temos é o que diz das dívidas emocionais que carregamos.

E para resolvermos isso é necessário que atravessemos a ponte do autoconhecimento, porque através dele analisaremos as nossas dores, traumas e medos que nos tornaram devedores de tudo e de todos.

Que possamos desembainhar a coragem que está guardada dentro de nós para então tomarmos o rumo que a vida pede, sem medo de sermos felizes!


Orientadora e influenciadora holística da Casa Instante e do Centro de Resgate do Ser – A Casinha e idealizadora da página @mulheres_xamanicas