Presidente da FEM promete revitalização do painel na Baixada

O Opinião publicou, no dia 19 de janeiro, matéria especial contando a história do painel Fonte da Vida, construído no início da década de 1990 para marcar uma série de obras de saneamento básico no Estado e contar a história do tratamento de água no Acre. O painel foi construído no muro da estação de armazenamento de água na rua A do bairro Palheiral, na decida da ladeira do Bola Preta.

A obra é dos artistas plásticos Péricles Silva, Ulisses Sanches, Pedro Duarte (Pedro Art) e Joaquim Mota que ergueram o painel em argamassa especialmente reforçada para garantir maior durabilidade. Mais de 20 anos depois, ele continua lá intacto como se tivesse sido inaugurado há pouco tempo.

Apesar disso, o tempo o tornou opaco, a poeira se acumulou em todos os seus espaços e algumas sujeiras, além de marcas de tinta oriundas de vandalismo são claramente notados.

O presidente da Fundação Elias Mansour (FEM), Pedro Correia, tomou conhecimento da matéria em questão e se comprometeu em visitar a obra nesta semana. Correia se comprometeu com a revitalização do painel que diz considerar uma das mais belas obras de artes do Estado.

“A FEM vai fazer um levantamento de todas essas obras, assim como demais espaços de cultura para proceder a devida recuperação”, disse Pedro Correia. “Eu conheço esse painel e sei de sua importância para o Acre. Por isso considero que ele deve ser um dos primeiros a ser revitalizado durante nossa administração”, completou.

FEM avalia reformar museus e casas de cultura no Acre

O diretor-presidente da Fundação Elias Mansour (FEM), Manoel Pedro de Oliveira Gomes, acompanhado do diretor-administrativo da instituição, Francisco Generoso, iniciaram nesta semana uma série de visitas aos espaços que fazem parte da Fundação no estado. Entre eles o da Biblioteca Pública, o do Museu Sala Memória de Porto Acre, e o da Casa dos Povos Indígenas do Acre.

O objetivo é ver de perto a situação de cada espaço de cultura do estado e conhecer o quadro de funcionários destes, para avaliar como será desenvolvido os trabalhos para receber o público e o seu funcionamento.

“Nestas visitas, temos constatado que há anos a cultura do Acre se encontra abandonada, o que é refletido nos prédios e em suas estruturas, que se encontram precárias e insalubres para o atendimento ao público. Impraticáveis até mesmo como ambiente de trabalho para estes tão valorosos servidores”, destaca Oliveira Gomes.

Durante visita realizada na Biblioteca Pública, o diretor-presidente da FEM conversou com os servidores do quadro e expôs a todos as metas e os desafios da nova direção à frente da cultura do Acre, ressaltando a importância da biblioteca aos milhares de alunos da rede pública e universitários que usam o espaço como base de apoio aos estudos.

“A Biblioteca tem um papel muito importante para nossos alunos, em especial os universitários que passam boa parte do tempo usando o espaço para estudos e para a comunidade em geral, que encontram aqui os recursos didáticos necessários”, frisou.

Em Porto Acre, ele visitou um dos mais importantes espaços culturais, e um memorial para a história do povo Acre, que é o Museu Sala Memória de Porto Acre. O local abriga vários artigos históricos importantes da época da Revolução Acreana.

“Porto Acre é o berço da Revolução Acreana, e esta sala é uma das mais importantes para a memória de nossa gente. Por isso, é triste ver como se encontra este espaço hoje”, lamenta Manoel Pedro Gomes.

Na Casa dos Povos Indígenas, Manoel Pedro conversou com alguns servidores e reafirmou seu compromisso com a cultura indígena, ressaltando que buscará fortalecer ainda mais a relação entre a Fundação Elias Mansour e os povos indígenas do Acre.