Catedral de Rio Branco reúne 8 mil pessoas no feriado da Sexta-feira Santa

A Catedral Nossa Senhora de Nazaré se volta nesta sexta (29) à Paixão do Senhor, que representa o período de crucificação e morte de Jesus Cristo como ato de amor à humanidade. (Foto: Júnior Andrade | Rede Amazônica)
A celebração, marcada para às 15h, antecedeu a procissão do Cristo Morto, que começou por volta das 17h na esplanada do Palácio Rio Branco. Em seguida, o grupo teatral Totus Tuus apresentou a 11ª edição do musical “Paixão de Cristo”, às 19h. (Foto: Juan Diaz | @vicent.diaz)
Segundo a organização, a Sexta-feira Santa (29) reuniu mais de 8 mil pessoas. (Foto: Juan Diaz | @vicent.diaz)
“Embora nosso sacrifício não se compare ao que Jesus fez, é uma oportunidade para louvar e participar, vivenciando esses momentos significativos da vida do filho de Deus”, disse o reitor da Catedral, padre Manoel Costa, em recente entrevista. (Foto: André Almeida | Agência Diocesana)
A Igreja Católica conduz os ritos religiosos da Semana Santa em memória ao Mistério Pascal, que envolve a última ceia na Quinta-feira da Paixão, a crucificação na Sexta-feira Santa e a ascensão aos céus no Domingo da Ressurreição. (Foto: Juan Diaz | @vicent.diaz)

PROGRAMAÇÃO DA SEMANA SANTA NA CATEDRAL SEGUE ATÉ DOMINGO

O Sábado de Aleluia (30) é o dia da Vigília Pascal, às 19h. A comemoração é uma das mais importantes do calendário litúrgico do catolicismo. Nesse momento, os fiéis acendem velas como símbolo da ressurreição de Cristo e se reúnem em oração. (Foto: Juan Diaz | @vicent.diaz)
A retomada do Alvorecer da Ressurreição, às 5h, marca a abertura do domingo (31) de Páscoa. O evento não era realizado há quatro anos por causa da pandemia do novo coronavírus. (Foto: Júnior Andrade | Rede Amazônica)
A concentração será a partir das 3h30 e a saída até a Concha Acústica Jorge Nazaré ocorre às 4h. As santas missas encerram a programação da Semana Santa na Catedral, com sessões às 6h, 8h, 17h e 19h. (Foto: Júnior Andrade | Rede Amazônica)

Feira do Peixe deve comercializar 150 mil toneladas até a Sexta-feira Santa

O evento ocorre durante o feriado da Semana Santa, que homenageia os passos derradeiros de Jesus Cristo na Terra

A Feira do Peixe encerra nesta sexta-feira (29) na Central de Abastecimento de Rio Branco (Ceasa). A Secretaria Municipal de Agropecuária (Seagro) prevê a comercialização de 150 mil toneladas de pescado, além de frutas, verduras, hortaliças e especiarias que estão à disposição dos consumidores. 

O evento ocorre durante o feriado da Semana Santa, que homenageia os passos derradeiros de Jesus Cristo na Terra – a última ceia na Quinta-feira da Paixão, a crucificação na Sexta-feira Santa, o Sábado de Aleluia e o Domingo da Ressurreição, quando é celebrada a Páscoa.

Prefeitura acredita que a Feira do Peixe deve comercializar 150 mil toneladas. (Foto: Evandro Derze/PMRB)

Nessa época, a comunidade da igreja católica substitui a carne vermelha pela branca como símbolo de respeito à morte do filho de Deus, que se sacrificou para salvar a humanidade dos efeitos do pecado original e garantir a vida eterna.

Nas três últimas semanas, a prefeitura organizou a Ceasa para atender o fluxo dos três dias de feira – de 27 a 29 de março, com a limpeza do espaço reservado às tendas, troca de lâmpadas, pode de árvores, roçado do entorno e pavimentação do estacionamento.

Para o secretário da Seagro, Eracides Caetano, a procura pelo pescado deve ser maior no feriado santo em comparação a outras datas comemorativas do ano.

Secretário Municipal de Agricultura, Eracides Caetano disse que o mercado está preparado para atender a demanda da Semana Santa. (Foto: Evandro Derze/PMRB)

“A população pode vir para comprar o seu peixe fresco, porque tudo aqui é feito na hora, e com um ótimo preço. Além disso, ainda temos banana, abacaxi, mamão, melancia e bastante hortaliças. Ou seja, a pessoa vem pelo pescado e aproveita para levar os ingredientes que vão deixar o preparo mais gostoso”, disse.

Para Rosivaldo Oliveira, dono de uma peixaria, a data é bastante aguardada para àqueles que trabalham na área da piscicultura por conta do aumento das vendas.

“A expectativa é vender bastante”, diz o peixeiro Rosivaldo Oliveira. (Foto: Evandro Derze/PMRB)

“Aqui na Ceasa é mais barato e temos uma grande variedade de peixes de qualidade, que é acompanhada pela vigilância sanitária. A nossa expectativa é vender bastante”, explica Oliveira.