Capes aprova 2 programas de mestrado para a Ufac

Os campi da Universidade Federal do Acre (Ufac), em Rio Branco e Cruzeiro do Sul, acabam de ganhar dois novos programas de mestrados acadêmicos. A aprovação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) foi divulgada na manhã desta sexta-feira, 5.

Em Cruzeiro do Sul, a proposta aprovada terá como área de concentração Ensino de Humanidades e Linguagens, com duas linhas de pesquisa: Ensino, Humanidades, Processos Educativos e Culturas; Ensino, Linguagens e Culturas. Esse será o segundo curso de pós-graduação na modalidade stricto sensu oferecido pela Ufac na região do Juruá.

Para a capital, o novo curso de mestrado será voltado à área da Ciência da Computação, com linhas de pesquisa distribuídas em: Engenharia de Sistemas de Informação, Inteligência computacional e Sistemas de Computação.

“Temos uma permanente disposição em alavancar pesquisa e pós-graduação no Estado. No campus-sede, essa política vem se consolidando ao longo dos últimos anos e agora chega ao interior, contemplando a região do Juruá”, disse a reitora Guida Aquino. “Nossa proposta é promover a formação e a permanência de mestres e doutores na nossa região.”

Campus Floresta

Em setembro, a Ufac já havia aprovado o primeiro programa de pós-graduação stricto sensu da instituição na região do Juruá: Ciências Ambientais, vinculado ao Centro Multidisciplinar. O novo projeto contempla, agora, o Centro de Educação e Letras (CEL).

“O campus Floresta é a única universidade pública na região do Juruá. A chegada dos dois primeiros cursos de mestrado, que contemplam áreas estratégicas para formação de profissionais, representa um grande avanço para a educação na região, que não possuía nenhum mestrado aprovado”, destaca a pró-reitora de Pesquisa e Pós-Graduação, Margarida Carvalho.

Para o novo curso, serão ofertadas 28 vagas, com seleção prevista para o primeiro semestre de 2019. O corpo docente será composto por 16 professores, sendo 13 permanentes e três colaboradores do CEL, todos doutores com experiência acumulada em pesquisa e pós-graduação.

Campus de Rio Branco

O número de vagas ofertadas para o curso de mestrado em Ciência da Computação ainda será definido pelos organizadores do projeto. O corpo docente será formado por 13 professores permanentes do quadro da Ufac, com formação em Ciência da Computação, Engenharia Elétrica e Estatística. O currículo vai incluir disciplinas do núcleo de fundamentos de ciência da computação, engenharia de software e seminários de pesquisa.

“A aprovação do mestrado em Ciência da Computação deve-se, em grande parte, à parceria estabelecida com a Universidade Federal Fluminense, que qualificou a maioria do corpo docente a ponto de, na primeira proposta submetida, estarmos comemorando a aprovação”, contou o vice-reitor Josimar Batista. “Cabe ressaltar, ainda, que essa é uma área transdisciplinar, na qual poderão ser capacitados tanto alunos egressos quanto servidores, principalmente técnico-administrativos.”

MEC garante que pagamento de bolsas da Capes não será suspenso

O Ministério da Educação (MEC) informou, por meio de nota, que o pagamento das bolsas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) não será suspenso. A nota divulgada na noite dessa sexta-feira (3), diz ainda que “a valorização da educação é uma das prioridades do governo federal que, em dois anos, adotou medidas importantes para o setor, como a Lei do Novo Ensino Médio e a homologação da Base Nacional Comum Curricular da educação infantil e do ensino fundamental”.

O MEC também informa que “os ministros da Educação, Rossieli Soares, e do Planejamento, Esteves Colnago, discutiram medidas estruturantes para a área da educação em seus diferentes níveis, bem como o orçamento para o próximo ano” e que “as equipes dos dois ministérios têm realizado frequentes reuniões para tratar do tema”. Ontem, os dois ministérios anunciaram que vão apresentar ao presidente Michel Temer, na próxima semana, estudo sobre recursos para Capes.

A mobilização ocorre após o presidente do Conselho Superior da Capes, Abílio Baeta Neves, ter enviado carta ao ministro da Educação afirmando que “foi repassado à Capes um teto limitando seu orçamento para 2019 que representa um corte significativo em relação ao próprio orçamento de 2018, fixando um patamar muito inferior ao estabelecido pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Caso seja mantido esse teto, os impactos serão graves para os Programas de Fomento da Agência”.

Entre as consequências, apontada na carta da Capes está a suspensão de bolsas de 93 mil pesquisadores e de alunos de pós-graduação (mestrado, doutorado e pós-doutorado) a partir de agosto de 2019. O Conselho da Capes também previu o corte dos pagamentos de outros 105 mil bolsistas que trabalham e pesquisam com educação básica. A carta circulou nas redes sociais e serviços de mensagens instantâneas e provocou mobilização nas comunidades científica, tecnológica e acadêmica.

Ontem, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) e mais de 30 entidades representativas publicaram carta aberta ao presidente Michel Temer para expressar apoio à manifestação do Capes.

Professor da Ufac integra comitê de educação da Capes e deve avaliar propostas de cursos

O professor titular a Universidade Federal do Acre (Ufac), doutor Mark Clark Assen de Carvalho, irá compor o comitê de educação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), na condição de parecerista ad hoc. Ele vai avaliar essa área no período de 2018 a 2020, além de avaliar novas propostas de cursos de mestrado e doutorado em Educação.

Foram indicados e convidados para compor o comitê professores e pesquisadores em educação vinculados a programas de pós-graduação nessa área. Mark Clark é docente do mestrado em Educação da Ufac, do qual foi o primeiro coordenador, e integra o Centro de Educação, Letras e Artes.

Sua indicação ocorre no momento em que o programa de pós-graduação em Educação da Ufac se organiza para sediar a 2ª Reunião Científica Regional Norte da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (Anped).

“Essa participação no comitê projeta e dá visibilidade ao mestrado em Educação da Ufac”, disse Mark clark. “Também representa o reconhecimento de um trabalho consistente em ensino, pesquisa e extensão, e que nos últimos quatro anos na pós em Educação sempre buscou articulação com pesquisadores de outros programas da região Norte, contribuindo com a ampliação e a consolidação da pesquisa nessa área.”