Marcus Alexandre lança campanha em Mâncio e inaugura Central Chame Chame

Com cerca de duas mil pessoas, o candidato ao governo pela Frente Popular, Marcus Alexandre, deu o ponta pé inicial em sua campanha no município de Mâncio Lima. O encontro que marcou a inauguração da Central Chame Chame e o lançamento da candidatura à reeleição do deputado Jonas Lima, contou com a presença dos candidatos ao Senado Jorge Viana e Ney Amorim, além de candidatos a deputados estaduais e federais, do prefeito Isaac Lima e sua vice-prefeita Ângela e vereadores.

O senador Jorge Viana lembrou os investimentos feitos pelos governos da Frente Popular em Mâncio Lima e que foram fundamentais para o desenvolvimento do município, como infraestrutura nas ruas, eletrificação urbana e rural, construção de pontes, escolas, espaços esportivos e de lazer. “Nós temos um carinho especial por Mâncio Lima, fizemos muita coisa aqui, mas temos muitos desafios ainda a enfrentar, e estou pronto para continuar fazendo a boa política e ajudar os municípios a se desenvolverem”, disse.

Ney Amorim, também candidato ao Senado pela Frente Popular, falou do seu trabalho como presidente da Assembleia Legislativa e dos principais desafios que ainda precisam ser enfrentados no Acre, como levar o ensino superior para todos os municípios, mais oportunidade para a juventude, da segurança pública e do enfrentamento ao crime. “Me coloco à disposição para ajudar o Acre como senador, tenho muito carinho e respeito pelo Juruá, tenho a oferecer o meu trabalho e a minha lealdade”, ressaltou.

Marcus Alexandre agradeceu os moradores de Mâncio Lima que fizeram uma linda festa em declaração de apoio a sua campanha, e falou das propostas do seu Plano de Governo para o Juruá nas áreas da juventude, produção, desenvolvimento e infraestrutura. Lembrou do desafio que é a ponte de Rodrigues Alves e se comprometeu a lutar pela construção. “Não tem desafio que não seja superado pelo trabalho, eu gosto de acordar cedo, eu gosto de trabalhar, essa é a minha principal proposta, estou pronto para esse novo desafio e para fazer o bem pelo Acre”.

Em sua fala, o candidato também ressaltou que fará uma campanha limpa, sem ataques aos adversários políticos e que irá apresentar as melhores propostas para a população.  “Nós vamos fazer essa campanha com o pé no chão, andar o Acre todo levando a mensagem da esperança para falar do nosso trabalho e das nossas propostas, com a humildade de reconhecer que temos falhas e que precisamos corrigir muita coisa, mas com a certeza de que vamos trabalhar muito para melhorar a vida das pessoas. Estou com muita esperança e fé no coração de que fazendo a boa política seremos vitoriosos”, disse Marcus Alexandre.

Gladson Cameli destaca investimentos em infraestrutura

Na manhã de ontem, sábado (18), o candidato ao governo do estado pela coligação Mudança e Competência, Gladson Cameli, reiterou para os moradores do município de Rodrigues Alves o compromisso de continuar lutando para que a ponte que liga o município a Cruzeiro do Sul saia do papel. Gladson também garantiu aos moradores lutar pela implantação da rede de água da comunidade Pedra Amizade onde cerca de 50 famílias sofrem com a falta do produto.

A afirmativa aconteceu enquanto Cameli, acompanhado do candidato ao Senado da República, Márcio Bittar, conversava com produtores rurais e comerciantes da cidade sobre a necessidade de investimentos na área de infraestrutura do estado, oferecendo à população condições de escoamento de produtos agrícolas e também o acesso aos trabalhadores de vários setores da região.

A vice-presidente da Associação Agrícola da Pedra Amizade, Maria de Jesus Bezerra, disse ao candidato que a comunidade se uniu para construção de um poço, mas falta a rede de instalação para atender aos moradores da área. Os produtores de banana aproveitaram a oportunidade para pedir a Gladson incentivo e linhas de crédito que permitam investimentos para compra de insumos. “Temos uma fábrica, mas não temos as condições que permitam o produtor transportar a nossa matéria-prima, a banana, e fazer produtos para consumo como doces, bolos, mingaus e várias iguarias”, disse o agricultor Antônio Lima Correia.

De acordo com o candidato ao governo pela coligação Mudança e Competência, a execução da ponte que interliga Cruzeiro do Sul a Rodrigues Alves representará uma das grandes conquistas para região do Vale do Juruá. “Não tenho dúvidas que em breve nosso povo de Rodrigues Alves será beneficiado com este empreendimento tão necessário para o desenvolvimento da nossa região”, declarou Gladson.

“Como senador da República, tenho acompanhado de perto o projeto para construção da ponte sobre o rio Juruá, que está sendo elaborado, com previsão de edital para licitação das obras até o final deste ano”, disse Gladson, informando também que, atualmente, o DNIT já está realizando estudos preliminares de sondagem, batimetria e topografia da área como foi informado pelo superintendente do órgão à Comissão Pró-Ponte durante o mês de julho.

Entre as principais frentes de luta de Cameli está a melhoria da infraestrutura nos municípios e, consequentemente, a qualidade de vida dos moradores dessas localidades. “O investimento em infraestrutura é primordial para melhorar o escoamento dos produtos em todas as regiões do estado, além de possibilitar a criação de empregos e dar maior incremento à economia”, avaliou Gladson.

Ao retornar da visita que fez à Rodrigues Alves Gladson participou com sua militância do Adesivaço da Mudança que ocorreu na manhã deste sábado em frente ao Comitê da Mudança, na Avenida Mâncio Lima, em frente à Câmara de Vereadores. Centenas de pessoas pararam seus veículos para serem adesivados numa demonstração aberta de apoio à candidatura de Cameli ao governo do Acre.

“Não vou entrar em baixarias”, diz Gladson Cameli ao falar sobre campanha ao governo

O vale tudo pelo poder durante o período eleitoral leva a disputa para o submundo da calúnia e difamação entre adversários políticos, aliados e cabos eleitorais. Essa será uma cena recorrente durante o pleito. Porém, o candidato do Progressistas ao governo do Estado do Acre, Gladson Cameli, não está disposto a entrar nesse jogo. “Eu não vou entrar em baixarias”, afirma.

O progressista salienta que vai tentar convencer o eleitor por meio de propostas e expondo seu plano de governo. Não admite lançar mão de armas apelativas como ataques pessoais ou contra a família de seus adversários, diz.

“Vou fazer uma campanha pé no chão, conversando com as pessoas. Essa campanha não vai envolver o partido A ou partido B. Essa eleição envolve as pessoas, envolve o cidadão comum, a todos. Vai ser há campanha com propostas. Vou usar o maior tempo que eu puder pra debater a situação do Estado, respeitando as famílias, a minha família, inclusive a família dos meus adversários. Eu não vou entrar em baixarias.”

Gladson Cameli cumpre agenda no Juruá desde o domingo passado. Nesta quinta-feira, 16, dia oficial do início da campanha eleitoral, ele se reuniu com empresários e políticos de Cruzeiro do Sul, tomou café em mercado e conversou com eleitores.

Gladson Cameli e Major Rocha dividem agendas políticas no primeiro dia campanha

Um adesivaço no bairro 06 de Agosto, na região da caixa d’água, no 2º Distrito de Rio Branco, na tarde desta quinta-feira, 16, será o pontapé inicial da campanha de rua do candidato progressista ao governo do Acre, Gladson Cameli. O ato será comandado por Major Rocha (PSDB), seu vice, e aliados.

Enquanto Rocha inicia a campanha oficial em Rio Branco, Gladson começa sua caminhada na disputa pelo Palácio, no Juruá. Desde cedo, ele participa de reunião com empresários em Cruzeiro do Sul, apoiadores de sua candidatura.

À tarde, o candidato visita comerciantes na cidade de Rodrigues Alves e à noite ele retorna a Cruzeiro para um encontro com candidatos a deputado estadual por partidos de oposição.

Jorge Viana inicia primeiro dia de campanha nas ruas do município de Cruzeiro do Sul

O primeiro dia oficial de campanha começou cedo para o senador Jorge Viana. Às 6 horas da manhã o próprio parlamentar, candidato à reeleição, foi para as ruas de Cruzeiro do Sul, na Praça do Táxi, conversar com motoristas e pedestres. Apresentou uma carta falando de sua trajetória política, recebeu mensagens de apoio e defendeu o diálogo como forma de superar a atual crise política e institucional que afeta todo o país.

A conversa olho no olho será a essência de sua campanha, afirma Jorge Viana. Para ele, é preciso resgatar o contato direto com os eleitores e a confiança na boa política. “Temos lembranças especiais das primeiras campanhas, marcadas pela criatividade para superar a falta de estrutura e de recursos. Vendíamos balões e camisetas, promovíamos jantares e outras atividades, combinando a arrecadação de recursos com a confraternização e o debate de ideias. Criamos um movimento de mudanças que resultou em grandes conquistas para o nosso povo. É preciso reencontrar esse caminho”, defende o parlamentar ao criticar a presença do poder econômico nas campanhas eleitorais.

No Senado Federal, Jorge Viana foi presidente da Comissão de Reforma Política e defendeu mudanças que considera importantes para o resgate do que ele acredita ser a “boa política”. Entre os resultados da comissão, foi aprovado limite de gastos para deputados, redução do tempo de campanha e restrição no uso de materiais de divulgação.

“Sempre procurei fazer campanhas participativas, envolvendo as pessoas em todos os municípios com uma emoção verdadeira. Não poderia ser diferente agora”, declarou.

jorge viana1

O senador também participou de uma entrevista de rádio em Cruzeiro do Sul. Nas ruas, Jorge Viana foi recebido com carinho e atribui a boa acolhida à sua trajetória política. “Num período não muito distante, transformamos um Acre decadente e falido, com salários atrasados, sem infraestrutura e nenhuma autoestima, num estado mais preparado para os desafios dos novos tempos que chamou a atenção do Brasil. A boa política possibilita fazer mudanças como as que fizemos”, escreveu em sua carta de apresentação como candidato.

“Temos que fazer uma autocrítica, entender nossos erros e apontar mudanças para que a boa política volte a ser praticada e siga transformando a vida das pessoas para melhor”, completou.

jorge viana2

Campanha começa hoje em todo o país, de acordo com calendário eleitoral

Começa oficialmente nesta quinta-feira, 16, a campanha eleitoral 2018. A partir desta data os candidatos poderão sair as ruas em busca de votos. Segundo a Lei Eleitoral, candidatos, partidos políticos e as coligações poderão fazer comícios e usar equipamento de som fixo.

Também estarão liberadas campanhas usando carros de som, alto-falantes ou amplificadores de som em suas sedes e comitês. Essas ações podem realizadas até o dia 6 de outubro, véspera do primeiro turno.

A distribuição de material gráfico, a realização de caminhadas, carreatas ou passeatas e o uso de carro de som pelas ruas, divulgando jingles ou mensagens dos candidatos é permitida até a véspera do primeiro turno.

Já os anúncios pagos, na imprensa escrita, e a reprodução, na internet, limitados a dez por veículo, em datas diversas, para cada candidato, com tamanho máximo de um oitavo de página de jornal padrão e um quarto de página de revista ou tabloide são permitidos até 5 de outubro.

A propaganda eleitoral gratuita nas rádios e televisão só podem ser veiculadas a partir do dia 31 de agosto. No total, serão 35 dias de propaganda eleitoral no rádio e na televisão, em dois blocos diários, além das inserções ao longo da programação.

As terças e quintas e aos sábados será transmitida a propaganda eleitoral dos candidatos a deputado federal. Já a campanha para governador, senador e deputado estadual vai ao ar às segundas, quartas e sextas-feiras. No domingo não há horário eleitoral gratuito.

Começa hoje Campanha Nacional de Vacinação contra a Pólio e o Sarampo

A partir de hoje (6), crianças com idade entre 1 ano e menores de 5 devem ser levadas aos postos de saúde para receber a dose contra a pólio e também contra o sarampo. O Dia D de mobilização nacional foi agendado para 18 deste mês, um sábado, mas a campanha segue até 31 de agosto. A meta do governo federal é imunizar 11,2 milhões de crianças e atingir o marco de 95% de cobertura vacinal nessa faixa etária, conforme recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Este ano, a vacinação será feita de forma indiscriminada, ou seja, pretende imunizar todas as crianças na faixa etária estabelecida. Isso significa que mesmo as que já estão com esquema vacinal completo devem ser levadas aos postos de saúde para receber mais um reforço. No caso da pólio, crianças que não tomaram nenhuma dose ao longo da vida devem receber a VIP. As que já tomaram uma ou mais doses devem receber a VOP. E, para o sarampo, todas devem receber uma dose da Tríplice Viral – desde que não tenham sido vacinadas nos últimos 30 dias.

Sarampo

A doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, é transmitida pela fala, tosse e o espirro, e extremamente contagiosa, mas pode ser prevenida pela vacina. Pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações infecciosas contribuem para a gravidade do quadro, particularmente em crianças desnutridas e menores de 1 ano. Em algumas partes do mundo, a doença é uma das principais causas de morbimortalidade entre crianças menores de 5 anos.

Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) o certificado de eliminação da circulação do vírus. Atualmente, entretanto, o país enfrenta surtos de sarampo em Roraima e no Amazonas, além de casos já identificados em São Paulo, no Rio Grande do Sul, em Rondônia e no Rio de Janeiro.

Pólio

Causada por um vírus que vive no intestino, o poliovírus, a poliomielite geralmente atinge crianças com menos de 4 anos de idade, mas também pode contaminar adultos. A maior parte das infecções apresenta poucos sintomas, e há semelhanças com infecções respiratórias – como febre e dor de garganta – e gastrointestinais – como náusea, vômito e prisão de ventre.

Cerca de 1% dos infectados pelo vírus desenvolve a forma paralítica da doença, que pode causar sequelas permanentes, insuficiência respiratória e, em alguns casos, levar à morte.

Dúvidas

Veja a seguir algumas das principais perguntas e respostas relacionadas à campanha, com base em informações divulgadas pelo Ministério da Saúde:

Quando e onde ocorre a campanha?

Entre 6 e 31 de agosto, com o Dia D agendado para 18 de agosto, em postos de saúde de todo o país.

Qual o foco da campanha?

Crianças com idade entre 1 ano e 5 anos incompletos (4 anos e 11 meses).

Crianças que já foram vacinadas anteriormente devem ser levadas aos postos?

Sim. Todas as crianças com idade entre 1 ano e menores de 5 anos devem comparecer aos postos. Quem estiver com o esquema vacinal incompleto receberá as doses necessárias para atualização e quem estiver com o esquema vacinal completo receberá outro reforço.

Qual a vacina usada contra a pólio?

Crianças que nunca foram imunizadas contra a pólio vão receber a Vacina Inativada Poliomielite (VIP), na forma injetável. Crianças que já receberam uma ou mais doses contra a pólio vão receber a Vacina Oral Poliomielite (VOP), na forma de gotinha.

Qual a vacina usada contra o sarampo?

A vacina contra o sarampo usada na campanha é a Tríplice Viral, que protege também contra a rubéola e a caxumba. Todas as crianças na faixa etária estabelecida vão receber uma dose da Tríplice Viral, independentemente de sua situação vacinal, desde que não tenham sido vacinadas nos últimos 30 dias.

Adultos participam da campanha?

Não. A campanha tem como foco crianças com idade entre 1 ano e menores de 5 anos.

Mesmo não sendo foco da campanha, adultos precisam de alguma das duas doses?

Sim. Conforme previsto no Calendário Nacional de Vacinação, adultos com até 29 anos que não tiverem completado o esquema na infância devem receber duas doses da Tríplice Viral e adultos com idade entre 30 e 49 anos devem receber uma dose da Tríplice Viral. O adulto que não souber sua situação vacinal deve procurar o posto de saúde mais próximo para tomar as doses previstas para sua faixa etária.

Campanha de enfrentamento ao tráfico de pessoas é realizada em Rio Branco

Em 30 de julho é comemorado o Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, instituído pela Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU).

Em alusão à data, teve início nesta segunda-feira a V semana de combate ao tráfico de pessoas, com a campanha Coração Azul. O evento é uma realização do governo do Estado, por meio da Secretaria de Justiça e Direito Humanos (Sejudh) e parceiros.

A proposta da campanha é sensibilizar a respeito do comércio de seres humanos, crime que acontece quando a pessoa é levada a uma situação de exploração, mesmo que, de início, tenha concordado.

De acordo com o procurador do Trabalho no Acre, Anderson Luiz, na maioria dos casos a promessa de emprego fácil e lucrativo é a ferramenta utilizada para aliciar homens e mulheres, com maior índice dos casos envolvendo o sexo feminino.

“O Ministério Público do Trabalho tem atuação firme no combate ao tráfico de pessoas, sobretudo para a exploração do trabalho em condições análogas à escravidão. Queremos chamar a atenção da sociedade para que fique atenta às promessas de emprego ou trabalho que exija deslocamento a outro endereço longe da família”, destacou Anderson.

No Acre não há estatísticas oficiais de tráfico de pessoas, tendo em vista que é um crime que ocorre, na maioria dos casos, de forma externa. No entanto, a ONU prevê que milhões de pessoas no mundo todo são vitimas dessa ação. O governo do Estado, por meio da Sejudh, desenvolve ações preventivas no combate à pratica criminosa.

“A Sejudh trabalha de modo preventivo nas mais diversas localidades, sobretudo nas fronteiras. Também leva orientação no sistema de ensino no estado, por entender que na maioria dos casos envolvem jovens, e quando somos demandados para casos concretos entramos no rastreamento e conseguimos identificar as pessoas”, ressaltou o gestor.

Denuncias

Conforme orienta a delegada de Polícia Civil no Acre, Lúcia Jaccoub, toda a sociedade pode contribuir no processo de prevenção e identificação de envolvidos, para que possam ser dados os devidos encaminhamentos.

“É fundamental que a sociedade, e não apenas os órgãos de segurança, possa estar irmanada na luta por essa causa. É um crime horrendo e desumano, por isso não podemos nos calar diante da situação. Todo tipo de exploração deve ser combatido com bastante rigor e especialmente prevenindo. As pessoas podem nos ajudar com informações pelo disque 100 ou mesmo 180”, pontuou a delegada.

Tráfico de pessoas é crime tipificado na lei 13.344, de 6 de outubro de 2016. Como um comércio de seres humanos, ele acontece quando a pessoa é levada a uma situação de exploração, seja consciente ou não, e pode acontecer para vários fins: exploração sexual, trabalho equivalente ao de escravo, remoção de órgãos humanos, adoção ilegal e vários outros.

O que constitui o tráfico de pessoas

No Protocolo de Palermo (2003), a ONU define tráfico de pessoas como o “recrutamento, transporte, transferência, abrigo ou recebimento de pessoas, por meio de ameaça ou uso da força ou outras formas de coerção, de rapto, de fraude, de engano, do abuso de poder ou de uma posição de vulnerabilidade ou de dar ou receber pagamentos ou benefícios para obter o consentimento para uma pessoa ter controle sobre outra pessoa, para o propósito de exploração”.

De maneira geral, o tráfico de pessoas consiste no ato de comercializar, escravizar, explorar e privar vidas, caracterizando-se como uma forma de violação dos direitos humanos por ter impacto diretamente na vida dos indivíduos.

Se houver transporte, exploração ou cassação de direitos, o crime pode ser classificado como tráfico de pessoas, não importa se há supostamente um consentimento por parte da vítima.

O tráfico de pessoas é, em todo o mundo, o terceiro negócio ilícito mais rentável, logo depois das drogas e das armas. Essa prática não exclui nenhum país, nem indivíduos, mesmo que mulheres, crianças e adolescentes sejam as principais vítimas.

SEMSA realiza campanha contra hepatites na Sobral

A secretaria de Saúde de Rio Branco (SEMSA) realiza nesta sexta-feira (27), na URAP Hidalgo de Lima, na baixada da Sobral, grande ação contra as hepatites virais. O objetivo da campanha, que já acontece nas demais unidades, é ampliar o acesso ao diagnóstico precoce das hepatites virais B e C para a inserção ao tratamento, possibilitando uma melhor qualidade de vida aos pacientes. As atividades incluem palestras e realização de Teste Rápido.

Os testes rápidos são indicados para a população geral sexualmente ativa, incluindo as gestantes, pacientes que já possuem alguma doença sexualmente transmissível, pessoas que tiveram algum quadro de exposição a riscos, como por exemplo, relações sexuais sem proteção ou violência sexual. São disponibilizados para a população em geral nas URAPS e Centros de Saúde, sendo que, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e Estratégia Saúde da Família (ESF) são disponibilizados apenas para gestantes e pessoas que tenham entrado em contato de risco de contaminação -população de risco).

O secretário de saúde de Rio Branco, Oteniel Almeida, cita que a SEMSA segue o Plano de Eliminação da Hepatite C, que foi proposto na Cúpula Mundial de Hepatites ocorrido em novembro de 2017. “É muito importante que as pessoas façam o teste, que facilita e agiliza o diagnóstico para que iniciem o tratamento, que é eficaz”.

As Hepatites Virais B, C e D são doenças que em muitas fases passam despercebidas na vida das pessoas até o momento em que os sinais e sintomas começam a aparecer e a doença se manifesta, em geral, tardiamente, com graves consequência. Durante esta fase de invisibilidade as pessoas podem transmitir a doença a outros, através de relação sexual desprotegida (não uso da camisinha em todas as relações sexuais), do compartilhamento de objetos perfurocortantes, piercings, materiais de tatuadores, materiais de manicure e pedicure, materiais de acupuntura, seringas e agulhas contaminadas, por transfusão de sangue contaminado ou ainda, da mãe infectada para o bebê durante a gestação ou no momento do parto.

Promotor dos EUA acusa agentes russos por hackear campanha de Hillary

A promotoria federal dos Estados Unidos acusou hoje (13), 12 agentes dos serviços de inteligência da Rússia de hackear computadores da campanha presidencial de Hillary Clinton nas eleições de 2016. O procurador-geral adjunto, Rod Rosenstein, informou que o promotor especial que investiga o chamado “caso Rússia”, Robert Mueller, acusou formalmente os agentes do Kremlin por interferir nas eleições contra Hillary, por meio das informações hackeadas.

Os nomes dos acusados foram divulgados hoje pelo procurador Rosenstein. Eles são agentes do serviço de inteligência militar criada pelo governo da Rússia em 2016, conhecido como GRU.

A promotoria os acusa de uma “ação constante” para invadir os computadores da campanha de Hillary Clinton, bem como do diretório da campanha democrata, para conseguir dados que posteriormente foram publicados na internet.

Para isso, segundo a denúncia, os agentes russos teriam enviado arquivos com vírus para contas de e-mail de voluntários e funcionários democratas. Assim, eles teriam conseguido senhas, que permitiram acesso a documentos e atividades realizadas por dezenas de colaboradores de Hillary.

Na divulgação dos dados roubados, os agentes teriam usado identidades virtuais falsas de ativistas americanos e usaram redes sociais como Twitter e Facebook para ampliar a disseminação das informações.

Além dos dados de Hillary e do DNC, os russos também tiveram acesso a informações de diferentes áreas do governo americano. O Departamento de Justiça explicou que a acusação não inclui nenhuma participação de americanos na operação.

Margaret Atwood entra na campanha pelo aborto na Argentina

A Argentina vem debatendo a legalização do aborto até a 14a semana de gestação. O projeto de lei já foi aprovado na Câmara de Deputados e, nesta terça (10), começará a ser discutido no Senado, com expectativa de ser votado até o dia 8 de agosto. O presidente Mauricio Macri, que é contra a medida, mas que afirmou que não a vetará se for aprovada pelo legislativo, impulsou o debate como parte de uma estratégia política para resgatar sua aprovação popular, que caiu de 58% a 35% nos últimos meses por conta da degradação da economia. Macri também responde a uma intensa pressão de grupos feministas que, desde os últimos anos, vêm se organizando para pedir que a lei avance.

Em meio a tudo isso, as defensoras da causa ganharam uma nova e inusitada adepta, a escritora canadense Margaret Atwood, 78, autora de “The Handmaid´s Tale”, um romance escrito nos anos 1980 e que descreve como um Estado teocrático toma conta do que antes eram os Estados Unidos e estabelece aí um mundo de regras e valores estritos. Tudo gira em torno de aproveitar ao máximo a fertilidade de algumas mulheres, uma vez que, neste mundo imaginário, o índice de natalidade vinha caindo a níveis dramáticos e os ideólogos da chamada República de Gilead resolvem submeter as mulheres ainda férteis a uma atividade única: reproduzir. Transformadas em mucamas, são levadas a passar temporadas nas casas dos comandantes _homens nobres do regime_, onde são estupradas regularmente até ficarem grávidas. Nascidos os bebês, estes ficam com a família do comandante e elas são designadas a outras casas. O livro fez com que Atwood ganhasse prêmios e inspirou uma série de TV, que se encontra agora na segunda temporada.

No final do ano passado, Atwood esteve em Buenos Aires. Numa conversa na Biblioteca Nacional com seu diretor, o também escritor Alberto Manguel, revelou que uma das inspirações para criar esse pesadelo que é a chamada República de Gilead foi, justamente, o que havia ocorrido na Argentina nos anos 1970. Durante a ditadura militar (1976-1983), centenas de mulheres grávidas que atuavam na resistência ao regime foram encarceradas, seus companheiros foram mortos imediatamente, e elas, mantidas vivas até dar à luz. Os bebês eram, então, entregues a famílias de militares com dificuldades de ter filhos, enquanto as mães eram executadas nos centros clandestinos de detenção.

Atwood, que é reconhecidamente uma feminista, também reuniu-se com grupos de mulheres que defendem penas mais duras para a violência contra a mulher _na Argentina hoje, uma mulher é morta a cada 29 horas_ e se pronunciou a favor do aborto. Hoje, o recurso é permitido no país apenas em casos de estupro, risco de vida da mulher e má-formação do feto.

Suas palavras não demoraram a ecoar no Congresso. No momento de emitir seu voto, favorável ao aborto, a deputada Victoria Donda mencionou a República de Gilead a partir de um ponto de vista particular. Donda nasceu na ESMA (Escola Mecânica da Marinha), um dos centros clandestino de prisão e tortura. Sua mãe foi morta aí após seu nascimento e ela viveu anos pensando ser filha do militar que havia se apropriado dela (sua intervenção está no vídeo abaixo). Associou sua experiência à ficção para mostrar que a realidade humana muitas vezes esteve próxima aos horrores que o livro descreve. Neste caso, um extremo no qual um Estado submete as mulheres a serem meras procriadoras e os embriões, algo que se pode distribuir à gosto, como, afirma Donda, fizeram com ela mesma.

O segundo episódio desta novela entre Atwood e a lei do aborto foi quando a escritora emitiu um tuíte pedindo que a presidente do Senado (também vice-presidente do país), Gabriela Michetti, uma mulher católica e anti-aborto, não colocasse mais tantos obstáculos à lei. Michetti, que irá liderar a votação final, tem dado declarações polêmicas e oferecido alternativas como entregar as crianças à adoção (ignorando que assim obriga-se a mulher a passar pela gravidez de qualquer forma). Em uma entrevista recente, disse: “A mulher pode dar em adoção, ou ver o que acontece durante a gravidez, trabalhar com um psicólogo, não sei. Há pessoas que vivem coisas muito mais dramáticas e não podem soluciona-las e mesmo assim têm de viver com isso.” Usou como base de seu argumento que “os pobres têm muitos filhos, sete, oito, e não parece ser um problema.”

Os grupos de defesa dos direitos da mulher ficaram em choque com as declarações de Michetti, e mais uma vez, Atwood veio em seu auxílio, por meio de mensagens nas redes sociais dirigidas a ela. Pediu que Michetti não “virasse o rosto para as milhares de mulheres que morrem por ano por causa de abortos ilegais” e que “desse às mulheres argentinas o direito de decidir”, acrescentando: “as argentinas estão lutando por seus direitos e suas vidas.”

Michetti não respondeu, apenas afirmou que não conhecia a autora e nem a obra e que as que militam pelo aborto querem uma sociedade “mais individualista, que só pensa em seu prazer e em seu próprio umbigo”.


Colunista

Aleac realiza sessão solene em alusão à Campanha de Prevenção da VI Semana Estadual Sobre Drogas

Através de um requerimento de autoria do deputado Lourival Marques (PT), a Assembleia Legislativa realizou na manhã desta quinta-feira (28) uma sessão solene em alusão à Campanha de Prevenção da VI Semana Estadual Sobre Drogas. Dando início à sessão, o presidente em exercício do Poder Legislativo, deputado Eber Machado (PDT), destacou a importância do debate para a sociedade.

“É nossa responsabilidade enquanto gestor, educador, defensor e parlamentar lutar contra esse mal, que atinge principalmente a nossa juventude. Esta casa também abraça essa discussão. Nós temos que encontrar meios que garantam o bem-estar das nossas famílias”, disse.

Em pronunciamento, o deputado Lourival Marques (PT) frisou que o governo do Estado tem se mostrado sensível a todas as famílias que convivem com o problema, inclusive, com os que residem nas comunidades mais distantes, como os jovens agricultores, extrativistas e ribeirinhos, onde segundo ele, o problema também já se instalou.

“A VI Semana Estadual Sobre Drogas, que será realizada este ano de 25 a 29 de junho, se trata de uma campanha de prevenção. É na verdade um chamado para que governo, municípios e sociedade civil caminhem juntos num debate tão importante. Vivemos numa rota que precisa de certo controle devido às nossas fronteiras, por isso precisamos fortalecer as ações de combate e é dessa maneira que o governo do Acre tem trabalhado”, salientou o parlamentar.

Susie Lamas, coordenadora da VI Semana Estadual Sobre Drogas, parabenizou Lourival Marques pela iniciativa de realizar a sessão. Ela falou ainda sobre a importância da Semana Estadual Sobre Drogas.

“Sabemos que o consumo de substâncias psicoativas afeta de maneira profunda amplos aspectos da vida das pessoas que as utilizam e dos grupos nos quais elas estão inseridas. Campanhas de prevenção como esta são de suma importância, pois vem a somar com os esforços dos setores público e privado no enfrentamento às violências causadas pelo abuso e o tráfico de drogas. Agradeço demais ao presidente desta casa, deputado Ney Amorim, e aos deputados Lourival Marques e Manoel Moraes, pelo apoio que eles têm dado para a realização desse evento”, enfatizou.

A coordenadora destacou ainda que a cada ano a Semana Estadual vem crescendo. “Este ano ela está bem ampla. Dentre outras atividades já tivemos a formatura de três mil alunos que participaram do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd), coordenado pela Polícia Militar; tivemos a incineração de drogas por parte da Polícia Civil e da Polícia Federal, por meio do Tribunal de Justiça, o qual está neste exato momento no Palácio da Justiça, realizando uma atividade que também faz parte da Semana Estadual, que é uma conversa com reeducandos do sistema prisional, envolvendo a temática álcool e outras drogas. Estão acontecendo também rodas de conversa dentro dos institutos socioeducativos sobre o uso problemático de álcool e drogas”, frisou.

A prefeita de Rio Branco, Socorro Neri (PSB), destacou o conjunto de ações que estão sendo desenvolvidas para o combate às drogas. Falou também sobre o impacto negativo que as drogas causam numa sociedade e pediu que o governo federal invista mais na segurança das fronteiras do Estado.

“Há um conjunto de ações que estão sendo desenvolvidas no Estado inteiro, com várias instituições, com o intuito de promover a reflexão e o balanço do que tem sido feito para inibir o consumo de drogas. A dependência química é muito grave e atinge não somente os usuários, mas toda a sua família e até mesmo a sociedade como um todo. As forças de segurança do Estado, em atuação com as polícias, têm feito para além das suas possibilidades atuais. Deve haver um combate mais efetivo e nós temos buscado isso. Não podemos politizar esse debate, mas precisamos cobrar uma atuação mais intensa do governo federal nessa causa”, reiterou.

Maria Lúcia Barbosa, delegada de Polícia Civil, representando a Secretaria de Segurança do Estado, relatou os problemas que resultam do consumo de drogas e como isso afeta toda a sociedade. Disse ainda que é importante discutir meios que minimizem esse impacto negativo.

“De fato, a questão das drogas afeta toda a sociedade, em todas as faixas etárias. Enquanto cidadãos não podemos nos furtar de buscar meios para tentar minimizar essa problemática que afeta o mundo inteiro. Como delegada, há 15 anos vivencio isso e percebo o quanto esse problema tem destruído famílias. O Estado do Acre, por meio da Secretaria de Segurança, tem levantado esse debate e alertado sobre os problemas que as drogas podem trazer. Todos pagamos a conta e sofremos as consequências”, relatou.

Já Gabriel Maia, secretário de Assistência Social do Estado, que participou do ato representando o governador Tião Viana (PT), falou sobre a importância da prevenção às drogas. Falou ainda que não adianta trabalhar apenas a repressão do tráfico, mas é necessário investir mais na prevenção para que os jovens não sejam levados a consumir esse tipo de substância.

“Nosso governador tem trabalhado continuamente, criando uma rede de debate sobre os principais temas que afligem nossa população. Temos feito trabalhos incansáveis, mas ainda precisamos fazer mais e queremos que o governo federal invista mais para que possamos controlar nossas fronteiras. Não adianta termos a repressão ao tráfico se não tivermos também a conscientização dos nossos jovens, pois dados mostram que 24% dos adolescentes até os 17 anos já tiveram contato com algum tipo de droga”, afirmou.

Quem também fez questão de subir à tribuna para contar um pouco de sua história foi Jonas Gomes, um ex-dependente químico que atualmente está em tratamento. Ele garantiu que a repressão não é a melhor maneira de se combater as drogas.

“Usei drogas por cinco anos, roubei, fui preso e posso garantir que a repressão não é a melhor maneira de combater este mal. Eu posso garantir que a prevenção é a melhor saída, pois estou há um ano e cinco meses longe das drogas devido aos programas de prevenção. Infelizmente, ainda existem muitos Jonas nas ruas se drogando e eles precisam muito da ajuda dos nossos gestores e da sociedade em geral. De nada adianta encher os presídios de traficantes se nós ainda sofremos com a carência de políticas públicas para combater as drogas. Nós precisamos de mais ações voltadas para este tema”, afirmou.

A importância da prevenção também foi abordada pela deputada Eliane Sinhasique (MDB). “Eu sei o que é ter um dependente químico na família, eu já vivi essa experiência. E eu sei que só a prevenção pode evitar que as pessoas entrem no mundo das drogas. Do que adianta prender traficantes se não ouvimos falar em prevenção? Não existe por parte da administração estadual e municipal nenhum envolvimento com projetos relacionados a esporte e a educação, por exemplo. É preciso sair do discurso e executar de fato ações de políticas públicas voltadas para este tema”, frisou a parlamentar.

Campanha da gripe é prorrogada, no Acre apenas seis municípios atingiram a meta

O Ministério da Saúde anunciou na última semana mais uma prorrogação da campanha de vacinação contra a gripe, desta vez a campanha vai até o dia 22 de junho. A grande preocupação do Ministério é com a proximidade do inverno, período de maior circulação dos vírus da gripe. No Acre apenas 6 municípios atingiram a meta de cobertura vacinal.

A meta é vacinar contra a gripe 54,4 milhões de pessoas em todo país. De acordo com o último levantamento, 11,8 milhões de pessoas ainda precisam se vacinar contra a gripe.

A meta nacional de cobertura para o público alvo é de 90%. No Acre apenas as cidades de Cruzeiro do Sul, Xapuri, Assis Brasil, Porto Walter, Epitaciolândia e Brasileia atingiram a meta.

A campanha de vacinação contra a gripe foi prorrogada até o dia 22 de junho. A medida ocorreu depois que apenas seis cidades do Acre atingiram a meta de vacinação. Ao todo, o estado tem apenas 71,82 do público-alvo imunizado.

A campanha contra a gripe estava prevista para ser concluída no último dia 1º de junho mas, devido à baixa cobertura da vacina em todo o estado e no país, ela foi prorrogada até o dia 15 de junho. Agora, sendo prorrogada mais uma vez.

Já os municípios Santa Rosa do Purus, Senador Guiomard, Feijó, Manoel Urbano, Mâncio Lima, Bujari, Jordão, Tarauacá, Plácido de Castro, Rodrigues Alves, Marechal Thaumaturgo, Capixaba, Porto Acre, Sena Madureira, Rio Branco e Acrelândia ainda não alcançaram a meta.

A partir do dia 25 de junho, caso haja disponibilidade de vacinas nos estados e municípios, a vacinação poderá ser ampliada para crianças de cinco a nove anos de idade e adultos de 50 a 59 anos.

A vacina é indicada para crianças , idosos acima de 60 anos, indígenas, professores das redes pública e privada, portadores de doenças crônicas, pessoas privadas de liberdade, profissionais da saúde, gestantes e puérperas – mulheres que tiveram parto há menos de 45 dias.

Campanha da gripe é prorrogada mais uma vez pelo MS

O Ministério da Saúde anunciou na última semana mais uma prorrogação da campanha de vacinação contra a gripe. Desta vez a campanha vai até o dia 22 de junho. A grande preocupação do Ministério é com a proximidade do inverno, período de maior circulação dos vírus da gripe. No Acre apenas 6 municípios atingiram a meta de cobertura vacinal.

A meta é vacinar contra a gripe 54,4 milhões de pessoas em todo país. De acordo com o último levantamento, 11,8 milhões de pessoas ainda precisam se vacinar contra a gripe.

A meta nacional de cobertura para o público alvo é de 90%. No Acre apenas as cidades de Cruzeiro do Sul, Xapuri, Assis Brasil, Porto Walter, Epitaciolândia e Brasileia atingiram a meta.

A campanha de vacinação contra a gripe foi prorrogada até o dia 22 de junho. A medida ocorreu depois que apenas seis cidades do Acre atingiram a meta de vacinação. Ao todo, o estado tem apenas 71,82 do público-alvo imunizado.

A campanha contra a gripe estava prevista para ser concluída no último dia 1º de junho mas, devido à baixa cobertura da vacina em todo o estado e no país, ela foi prorrogada até o dia 15 de junho. Agora, sendo prorrogada mais uma vez.

Já os municípios Santa Rosa do Purus, Senador Guiomard, Feijó, Manoel Urbano, Mâncio Lima, Bujari, Jordão, Tarauacá, Plácido de Castro, Rodrigues Alves, Marechal Thaumaturgo, Capixaba, Porto Acre, Sena Madureira, Rio Branco e Acrelândia ainda não alcançaram a meta.

A partir do dia 25 de junho, caso haja disponibilidade de vacinas nos estados e municípios, a vacinação poderá ser ampliada para crianças de cinco a nove anos de idade e adultos de 50 a 59 anos.

A vacina é indicada para crianças, idosos acima de 60 anos, indígenas, professores das redes pública e privada, portadores de doenças crônicas, pessoas privadas de liberdade, profissionais da saúde, gestantes e puérperas – mulheres que tiveram parto há menos de 45 dias.

Campanha de vacinação contra a gripe no Acre atinge 62% da cobertura vacinal

O Ministério da Saúde prorrogou até o dia 15 de junho a campanha nacional de vacinação contra a gripe em todo o país, o prazo inicial para que o público alvo recebesse a dose da vacina era até a sexta-feira, 01. A medida foi tomada por causa da baixa adesão do grupo prioritário.

No Acre não foi diferente, até ontem, sexta-feira 62,64% da população prioritária tinham se vacinado. Isso significa em números que 112.527 mil pessoas já receberam as dose da vacina no estado.

Na capital acreana, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), também registrou baixa procura. Apenas 39. 177 pessoas foram imunizadas contra a doença, o número de pessoas incluídas no grupo prioritário é 83.356 pessoas, o que representa somente nu 47% de alcance.

As vacinas estão disponíveis nas unidades de saúde do estado para o público alvo: idosos, crianças de 6 meses a menores de 5 anos, gestantes, puérperas, professores, trabalhadoras da saúde, portadores de doenças crônicas (de 5 a 59 anos), população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional. Para o grupo portadores de doenças crônicas na faixa etária de 5 a 59 anos é obrigatório a apresentação da prescrição médica. A meta é vacinar 90% do público-alvo.

O Ministério da Saúde informou que após o fim da campanha, caso haja disponibilidade de vacinas nos estados e municípios, a vacinação poderá ser ampliada para crianças de cinco a nove anos de idade e adultos de 50 a 59 anos.

De acordo com Ministério da Saúde, até a última terça-feira, faltavam 18,8 milhões de pessoas a serem vacinadas em todo o país, 66% das pessoas que fazem parte do público-alvo, se vacinou. A expectativa do Ministério da Saúde é vacinar 54,4 milhões de pessoas até o dia 15 de junho.

Campanha de Erradicação da Febre Aftosa é prorrogada até 15 de junho

Criadores de bubalinos e bovinos têm até 15 de junho para vacinar seus rebanhos. O prazo da 39ª etapa, que se encerraria nesta quinta-feira, 31, foi prorrogado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e informado ao Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Acre (Idaf/AC) nesta quarta-feira, 30.

“Tivemos uma reunião com a equipe da SFA [Superintendência Federal de Agricultura] e fomos informados de que o ministério decidiu ampliar o prazo até junho, tendo em vista que muitas cidades ainda estão recebendo doses da vacina. Assim, o prazo para vacinar vai até dia 15 e a declaração ao Idaf, até 30 de junho”, detalha Ronaldo Queiroz, diretor-presidente do Idaf.

No Acre, a 39ª etapa da Campanha de Erradicação da Febre Aftosa tem como meta vacinar 1,3 milhão de animais de até dois anos de idade. O Estado registra avanços na desobrigação de imunização – se comparado à campanha de 2017, são 900 mil animais a menos.

Retirada da vacinação

Reconhecido pela Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) como zona livre de febre aftosa há 13 anos, por meio de incentivos do governo do Estado, o Acre agora segue para outro desafio, que é a retirada da vacina.

Para isso, o Idaf já iniciou as ações do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção de Febre Aftosa (PNEFA) para retirada da vacinação contra a doença, que deve se iniciar em 2019. Acre e Rondônia integram o Bloco 1 do PNEFA.

Além dessa campanha em execução, só serão realizadas outras duas etapas de erradicação no Estado – uma em novembro deste ano e a última em maio de 2019.

“A partir disso, Acre e Rondônia passam a não realizar mais a vacinação. Isso representa mais lucro para os produtores e abrem-se as portas do mercado externo. Ganha o Estado, ganha o produtor”, destaca Queiroz.

Perto do fim da campanha, Acre está com 42% do público prioritário imunizado

A campanha nacional de vacinação contra a gripe está quase chegando ao fim, a menos de dez dias do prazo final que é 31 maio, até a manhã de quarta-feira, 23, no Acre apenas 42% do grupo prioritário recebeu a dose da vacina. A meta nacional é 90% de cobertura do público alvo.

Segundo a coordenadoria de Imunização do Estado o município que apresenta a menor cobertura vacinal é Tarauacá com somente 22% do público alvo imunizado. A capital Rio Branco também vem apresentando um baixo desempenho na campanha com 36% de cobertura.

Até a manhã de ontem, foram aplicadas 75.660 doses da vacina em todo estado do Acre. Segundo a enfermeira Núbia Campos não há previsão de prorrogação do prazo da campanha para o grupo prioritário.

“O ministério da Saúde foi bem claro esse ano, não há porque prorrogar a campanha, as pessoas tiveram um mês para procurar o serviço”. Ela afirmou ainda que a partir do dia 1º de junho as doses remanescentes da vacina estará disponível para toda a população.

De acordo com o Ministério da Saúde a 15 do final da campanha menos da metade do público alvo tinha tomado a vacina. A expectativa é vacinar 54,4 milhões de pessoas até o dia 1º de junho.

Fazem parte do grupo prioritário pessoas a partir de 60 anos, crianças de seis meses a menores de cinco anos, trabalhadores de saúde, professores das redes pública e privada, povos indígenas, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), pessoas privadas de liberdade, incluindo adolescentes e jovens de 12 a 21 anos em medidas socioeducativas, além dos funcionários do sistema prisional.

Pessoas com doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes, hipertensão e câncer, além daquelas pessoas que têm outras condições clínicas especiais, também devem se vacinar contra a gripe.

Prefeitura de Rio Branco apoia realização da campanha Minha Rua É Louca Pelo Brasil

A Prefeitura de Rio Branco é tradicional parceira da campanha Minha Rua É Louca Pelo Brasil, promovida a cada quatro anos para premiar as ruas melhor enfeitadas para a Copa do Mundo. Em 2018, a Associação Comercial do Acre (ACISA), organizadora da campanha, aliou-se à TV Gazeta e patrocinadores e realizou nesta quarta-feira, 23, na Arena da Floresta, o lançamento oficial da campanha que irá premiar com troféus, medalhas e uma moto modelo Pop 100cc a rua mais bonita e animada durante os jogos da Seleção Brasileira na Copa da Rússia.

Além da Prefeitura de Rio Branco e empresas privadas, a campanha conta com a parceria do Governo do Estado, através do Departamento Estadual de Trânsito do Acre (DETRAN) e do Batalhão de Policiamento de Trânsito da Policia Militar (BPTRAN). A Secretaria Municipal de Esportes e Lazer (SEMEL) e a Superintendência Municipal de Transporte e Transporte (RBTRANS) representam oficialmente a Prefeitura de Rio Branco na campanha, mas o apoio do Município é também com ações de divulgação institucional. O titular da SEMEL, Afrânio Moura, e a diretora-geral do DETRAN, Shirley Torres, representaram, respectivamente, a Prefeitura da capital e o Governo do Estado no lançamento da campanha. “Mesmo quem não tem afinidade com futebol acaba se envolvendo quando é Copa do Mundo”, disse o presidente da ACISA, Celestino Bento, ao agradecer a parceria da Prefeitura, Governo e empresas.

A ACISA abriu inscrição para a participação de até vinte ruas e a cada partida disputada pela Seleção Brasileira na Copa uma comissão composta por julgadores de diferentes segmentos sociais elegerá duas (campeã e vice), que receberão medalhas e troféus. Ao final, todas as vencedoras de cada fase passarão por nova avaliação e estarão concorrendo à moto Pop 100 oferecida pela concessionária Star Motos. Beleza, animação e participação dos moradores estão entre os itens a serem avaliados. “Temos participação importante nesta parceria e vamos apoiar para que tenhamos uma festa bonita”, disse o secretário Afrânio Moura, da SEMEL.

Campanha Maio Amarelo é lançada em Rio Branco

A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito de Rio Branco (RBTRANS) lançou na tarde de ontem, 16, a Campanha Maio Amarelo. Com o tema ‘Nós somos o trânsito’, o objetivo é de conscientizar a população a buscar um trânsito seguro e reduzir o número de acidentes.

Esta é a quinta edição e durante sua execução serão feitas palestras, blitz educativas e orientações aos condutores. A coordenação e desenvolvimento das atividades é da RBTRANS.

Umas das preocupações nesta edição é reduzir o número de acidentes envolvendo motociclistas. De acordo com o diretor Gabriel Forneck, a maioria dos acidentes envolvem estes condutores.

“Na verdade, tivemos uma redução, mas ainda corresponde a 51% dos acidentes de trânsito que ocorrem no município de Rio Branco. Para se ter uma ideia quando a gente pega só acidente que envolve motos, 28% é de choque entre os próprios motociclistas”, diz.

Foneck comenta que, por causa da pressa, muitos ultrapassam sinal vermelho, sobem nas calçadas. E isso acaba ocasionando estes acidentes. Por isso o foco da RBTRANS na campanha Maio Amarelo deste ano são os motociclistas.”

O tema de 2018 propõe o envolvimento direto da sociedade nas ações e propõe a redução de acidentes envolvendo motos. Trata-se de um estímulo a todos os condutores, seja de caminhões, ônibus, vans, automóveis, motocicletas ou bicicletas, e aos pedestres e passageiros, a optarem por um trânsito mais seguro.

De acordo com os dados da superintendência, quase metade dos acidentes registrados envolvendo motocicletas tiveram vítimas fatais, 48,72%.

Em coletiva à imprensa, Igreja Católica lança Campanha da Fraternidade 2017

Com o tema ‘Fraternidade: Biomas Brasileiros e Defesa da Vida’, a Campanha da Fraternidade 2017 foi lançada, Em Rio Branco, na manhã de quinta-feira, 2, pelo bispo Dom Joaquim Pertiñez. O lema da campanha tem como base o texto bíblico de Genesis 2:15 – “Cultivar e Guardar a Criação.”

“É para todos refletirmos sobre um tema necessário de como devemos cultivar a criação, esse dom que Deus deixou de mais concreto para nós que é o nosso bioma. O objetivo geral é cuidar da criação de Deus de um modo especial promovendo relações fraternas com a vida e acultura dos povos a luz do evangelho”, explica o bispo Dom Joaquim.

A campanha ocorre a nível nacional e tem como ponto principal chamar a atenção da sociedade para a necessidade de cuidar do meio ambiente. A proposta é que seja possível criar uma relação respeitosa com a vida e cultura dos povos que habitam nos mais diferentes biomas existentes, hoje, no país.

“A igreja está preocupada por todo Brasil, já que a campanha é a nacional querendo atingir todos os biomas.

Mas nós, logicamente, nos preocupamos um pouco mais com o nosso bioma amazônico”, afirma.

Esta é uma iniciativa da igreja que tenta conscientizar pessoas de boa fé e de boa vontade e convida as pessoas ao cuidado e cultivo da casa comum. “Não queremos excluir ninguém porque todos somos moradores e responsáveis pelo bem e pelo mal do nosso planeta.”

A partir do lançamento da campanha, até o termino serão apresentadas possíveis medidas que possam contribuir para a preservação da vida nestes seis biomas existentes pelo país.

A Campanha pretende questionar qual o destino que está sendo dado atualmente às riquezas e o que será deixado às futuras gerações. “Ao final saberemos que soluções serão apresentadas e que iniciativas nós poderemos tomar diante desta problemática que atinge a todos. Não só como animais ou plantas, mas também como seres humanos que colherão as consequências dos desastres ambientais que estão acontecendo em nosso país”, conclui o bispo.

Campanha é lançada para ajudar famílias afetadas pelas cheias

O Rio Juruá atingiu a cota histórica de 14, 24 metros, no último dia 2 de fevereiro, onde pelo menos 553 famílias foram removidas de suas casas só em Cruzeiro do Sul. Agora, com a vazante que começa a acontecer lentamente todo apoio e suporte é necessário para amenizar o sofrimentos de quem foi atingido.

Para ofertar apoio as vitimas, o movimento Acre Solidário, coordenado pela primeira-dama do Estado, Marlúcia Cândida, lança nesta quinta-feira, 9, a campanha “SOS enchente Juruá”.

A ação é feita em parceria com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Acre (Fecomércio), do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac), por meio do projeto Anime Indústria da Alegria e do governo do Estado.

Toda a logística da campanha será apresentada durante o lançamento. Para quem deseja ajudar basta ficar atento as orientações que serão repassadas logo após o ato.

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, a vazante está dentro do esperado e deve continuar assim. Na medição das 6 horas de ontem, o nível do Rio era de 13,02 metros.